Globo 50 Anos: Os inesquecíveis Anos Dourados (1986)

anos dourados.jpg

Retrato dos valores morais da classe média carioca nos anos 1950, tendo como ponto de partida a história de amor de uma normalista por um estudante do Colégio Militar.

Lurdinha (Malu Mader) e Marcos (Felipe Camargo) se apaixonam à primeira vista. Ela estuda no Instituto de Educação; ele, no Colégio Militar – duas tradicionais instituições de ensino da Tijuca, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Mas os pais de Lurdinha – os conservadores dr. Carneiro (Cláudio Corrêa e Castro) e Celeste (Yara Amaral) – rejeitam o rapaz por ele ser filho de pais separados e tentam, de todas as maneiras, afastá-lo da jovem. Sem diálogo com a família, Lurdinha não consegue defender o amor que sente por Marcos, mas, mesmo assim, não deixa de encontrá-lo às escondidas.

Marcos, sem saber que a jovem omite dos pais o namoro, insiste em conhecê-los. Ela sempre inventa uma desculpa até que, um dia, Marcos aparece sem avisar na casa de Lurdinha e pergunta a Celeste e Carneiro se eles vêem com simpatia a relação dos dois. Desconcertados ao descobrirem a mentira da filha, eles inventam que Lurdinha está de castigo por conta de notas baixas e, por isso, não poderá vê-lo. Os pais de Lurdinha, influenciados por uma professora da jovem, decidem, então, aceitar o namoro dos dois. Acreditavam que, concedendo permissão para o romance, ela logo se desinteressaria dele, pois, o “fruto proibido” é que estava motivando a filha.

Com o tempo, Lurdinha e Marcos enfrentam outro tabu da época: a virgindade. A jovem chega a perguntar para a mãe se é normal sentir desejo pelo namorado, e Dona Celeste, sempre repressora, responde: “Sexo é pecado. A mulher só pratica o sexo depois de casada, para satisfazer o marido”.

As dúvidas de Lurdinha sobre o assunto levam Marcos a se envolver com Rosemary (Isabela Garcia). Ao contrário da doce e tímida normalista, Rosemary é ousada e tem ideias modernas, embora também seja virgem. Lurdinha flagra os dois aos beijos e, arrasada, rompe com Marcos.

 Depois de muitos conflitos, Marcos e Lurdinha terminam juntos e felizes. Dr. Carneiro se suicida quando descobrem que ele tem uma amante, Vitória (Lúcia Alves). Já Celeste não consegue superar o golpe e entra em depressão.

CURIOSIDADES

O título Anos Dourados foi ideia de Daniel Filho. Ele conta que havia um projeto da Casa de Criação Janete Clair para produzir minisséries sobre diferentes épocas da história do Brasil. Criada em 1985, por Dias Gomes, a Casa de Criação Janete Clair tinha o objetivo de elaborar e selecionar roteiros para as produções da emissora. A partir dessa ideia, foi decidido que a década de 1950 ficaria com Gilberto Braga. Para a trama sobre os anos de 1960,Gianfrancesco Guarnieri foi o nome sugerido. No entanto, Guarnieri acabou se envolvendo em outros projetos da emissora, e a Casa de Criação Janete Clair fechou. Anos depois, Gilberto Braga escreveu a minissérie Anos rebeldes, retratando o duro período de repressão do regime militar.

Pela primeira vez o autor Gilberto Braga escrevia uma minissérie na TV Globo. Segundo ele, Anos Dourados é o maior sucesso de sua trajetória profissional, a produção de maior repercussão.

Logo depois de escrever a novela Corpo a Corpo (1984), Gilberto Braga pensou que a atriz Malu Mader, que interpretava Bia na história, daria uma linda normalista. A partir dessa ideia, passou a elaborar a sinopse da minissérie, que retratou a rigidez das regras de conduta na formação dos jovens e discutiu temas como repressão sexual, aborto e masturbação.

Além de realizar pesquisas de época e recorrer à sua própria memória, Gilberto Braga também se reuniu com amigos e conhecidos que viveram os “anos dourados” e aproveitou suas histórias. A cena, por exemplo, em que Marcos (Felipe Camargo) pula o muro da escola para encontrar Lurdinha (Malu Mader) às escondidas, foi escrita a partir desses testemunhos.

Anos Dourados marca a estréia na TV Globo de Felipe Camargo, que recebeu inúmeros elogios pelo seu trabalho como o doce e apaixonado Marcos. O desempenho como Lurdinha também rendeu elogios à atriz Malu Mader.

Anos Dourados foi reapresentada duas vezes: em outubro de 1988 e em agosto de 1990, no Festival 25 anos da Rede Globo. Em 1990, a minissérie foi compactada e lançada em vídeo e, em 2003, ganhou uma versão em DVD, editada pelo próprio Gilberto Braga.

Anos Dourados foi vendida para mais de 20 países, entre eles Albânia, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Portugal, Turquia, Uruguai e Venezuela.

Fonte: Memória Globo 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s