Insensatez – capítulo 37 (última semana)

Sensualidade-SeducaoPersonagens:
Giuseppe Gouveia
Giane Gouveia
Fernanda Gouveia
Rayssa Gouveia
Francisco Gouveia
Amon Gouveia
Camilla Gouveia
Amelie Fontana
Sérgio Ramos
Marcos Rodrigues
Vânia Rodrigues
Roberto Carvalho
Marta
Thamires Lima
François Le Blanc
Monique Le Blanc
Claude Le Blanc
Cecile Le Blanc
Jean Le Blanc
Gabrielle Le Blanc



Capítulo 37
Cena 1
Mais Tarde
Clube
GIANE: (esta caminhando pelo clube, se aproxima do dono sorri) Como vai?
DONO: (sorri) Bem e você? Por que sumiu daqui Giane?
GIANE: (sorri, simpática) A correria do dia a dia querido… Eu preciso de um favor seu.
DONO: Claro, você sabe que pode contar comigo para tudo.
GIANE: (sorri) Caso alguém venha perguntar por mim, preciso que diga que eu estava aqui desde manhã… Você poderia fazer isso?
DONO: Sim… Mas preciso saber quem virá fazer essa pergunta…
GIANE: Provavelmente a polícia… Não conte á ninguém porque pode colocara a vida dele em risco… Francisco foi sequestrado…
DONO: Meu Deus… Pode contar com minha descrição e ajuda querida.
GIANE: (sorri) Obrigada.
Cena 2
Shopping
RAYSSA: (esta caminhando pelo shopping).
HENRIQUE: (se aproxima sorri) Rayssa!
RAYSSA: (abraça Henrique) Oi! Tudo bem?
HENRIQUE: (sorri) Você sabe que toda vez que te vejo, posso estar na pior, mas você melhora tudo.
RAYSSA: (sorri) Para com isso.
HENRIQUE: É verdade… Você sabe que eu te amo.
RAYSSA: (olhando Henrique sorri) É bom ouvir isso… Atualmente nem eu mesma me amo.
HENRIQUE: (sorri) Duvido… Me diz… Eu acredito em destino, e se estamos aqui é porque devemos passar o dia juntos, topa?
RAYSSA: (olhando Henrique, sorri) Topo! Vamos comer alguma coisa, e depois podemos ir á outro lugar.
HENRIQUE: Por mim tudo bem. (sorri, continua o passeio com Rayssa).
Cena 3
Mansão Gouveia
Quarto de Fernanda
FERNANDA: (esta se arrumando para o encontro com François, coloca um vestido justo, preto, curto, com decote, se olha no espelho, se maquia, arruma o cabelo, passa perfume, coloca o colar que ganhou de François, o celular toca, é Marcos, atende) Meu amor…
MARCOS: Fernanda o que você acha de jantarmos hoje naquele restaurante italiano?
FERNANDA: (se olhando no espelho) Meu amor, não estou me sentindo muito bem… Prefiro ficar em casa essa noite.
MARCOS: Quer que eu vá até ai?
FERNANDA: Não precisa, eu tomei um remédio e vou dormir o resto do dia e a noite toda, mas amanhã nos vemos meu amor, te amo.
MARCOS: Também te amo, melhoras meu amor.
FERNANDA: Obrigada. (desliga, pega uma bolsa, guarda o frasco contendo o veneno, respira fundo) Fernanda… Se você quer se livrar de tudo isso… Precisa ir em frente…
Cena 4
Cativeiro de Francisco
Sala
AMON: (entra, olha Binho) E Francisco?
BINHO: (sorri) Está lá dentro implorando por água.
AMON: (sorri) Binho… O dinheiro já está na conta, se você quiser, você já pode ir embora.
BINHO: (sorri) Quando precisar é só chamar… (se vira para pegar suas coisas).
AMON: (pega uma faca que estava sobre á mesa, apunhala Binho nas costas duas vezes).
BINHO: (cai no chão) O que é isso cara?
AMON: Não preciso mais de seus serviços… (da outra facada em Binho).
BINHO: (perde os sentidos).
AMON: (pega o Binho, arrasta até o quarto onde está Francisco).
Cena 5
Quarto
FRANCISCO: (olha Amon arrastando Binho) O que você fez?…
AMON: (joga Binho em um canto) Não preciso mais dele. (sorri).
FRANCISCO: Amon…
AMON: Já sei você quer água. (sai do quarto, volta com um balde cheio de água, joga em Francisco) Assim está bom? (sai dando risada).
FRANCISCO: (tosse, ofegante, olha Binho).
BINHO: (se mexe, abre os olhos).
FRANCISCO: Você… Está bem?
BINHO: (muito fraco, olha Francisco) O que você acha idiota?… Eu estou morrendo… (começa a se arrastar até Francisco).
FRANCISCO: O que você está fazendo?…
BINHO: (chega perto de Francisco, começa a desamarrar as mãos dele) Te soltando… Eu quero que você ferre Amon e essa vadia! (começa a passar mal, fica fraco, esta perdendo muito sangue, cai morto).
FRANCISCO: (olhando Binho, vê no chão um rastro de sangue, pensativo, com as mãos desamarradas, finge estar amarrado) Amon! Amon!
AMON: (entra) O que é? (olha Binho do lado de Francisco) Esse porco ainda está vivo!
FRANCISCO: Não sei… Ele veio até mim e parou ai.
AMON: (se aproxima, coloca a mão em Binho, sorri) Morreu… Não se preocupe… (sai).
FRANCISCO: (olha em volta, não tem outra saída a não ser a porta) Eu tenho que sair daqui!
Cena 6
Á Noite
Apartamento de François
FERNANDA: (entra sorri) Boa noite.
FRANÇOIS: (sorri) Boa noite, você está incrível… E esse colar ficou perfeito em você. (beija Fernanda).
FERNANDA: (beijando François, o olha sorri) Você também está lindo… (começa a caminhar pelo apartamento) O que você preparou essa noite?
FRANÇOIS: (sorri) Vem comigo… (segura a mão de Fernanda, a leva até a porta do quarto, abre).
FERNANDA: (vê pétalas de rosas vermelhas espalhadas pelo quarto e enfeitando a cama, um balde de gelo com champanhe, e uma mesa com frutas de todos os tipos, olha tudo, olha François).
FRANÇOIS: Hoje quero que tudo seja doce… (beija Fernanda).
FERNANDA: (beijando François, ofegante, se afasta) Espera… Podemos brindar antes?
FRANÇOIS: Claro, vou servir.
FERNANDA: Não… (sorri) Você fez tudo isso, agora é a minha vez… Fica aqui. (vai até a mesa, pega o champanhe, enche duas taças, pega o frasco de veneno discretamente, coloca a metade na taça de François, guarda o frasco, se vira, sorri, se aproxima de François, entrega a taça á ele) Aqui está…
FRANÇOIS: (olhando Fernanda a admirando, sorri, levanta a taça) Um brinde é você… A mulher que me fez sentir amor… Paixão… Que faz da minha vida um sonho… Eu te amo.
FERNANDA: (esta arrependida, olha a taça) François…
FRANÇOIS: (bebe um pouco do champanhe).
FERNANDA: (da um tapa na taça de François, desesperada) Não! Não era pra você ter tomado! Eu não tinha dito nada!
FRANÇOIS: (sem entender) Calma, você pode falar agora.
FERNANDA: Não! Meu Deus… (começa a chorar) François! Você precisa ir ao médico agora!
FRANÇOIS: (olhando Fernanda)… Eu estou bem por que você… (a olha muito) Fernanda… Você fez alguma coisa?
FERNANDA: (esta desesperada) Eu não quero que você morra…
FRANÇOIS: (começa a passar mal, se senta) Nossa… Que tontura…
FERNANDA: Eu vou chamar uma ambulância!
FRANÇOIS: O que você fez?…
FERNANDA: Eu… (chora) Coloquei veneno na sua taça…
FRANÇOIS: (a olha, está decepcionado, começa a sentir dores fortes) Por quê?… (desmaia).
FERNANDA: François! Meu Deus… (pega o celular, liga para emergência) Eu preciso de ajuda! Meu amigo teve uma crise, e tomou veneno!
Cena 7
Cativeiro de Francisco
GIANE: (entra) E ai já espalhou gasolina?
AMON: Pela casa toda. (sorri).
GIANE: (sorri) Vou me despedir de Francisco… Me dá um galão de gasolina.
AMON: (pega o galão de gasolina, entrega á Giane) Assim que terminar você vai embora, e eu cuido do resto.
GIANE: Está bem.
Amon: (sai).
Cena 8
Quarto
FRANCISCO: (esta pensativo).
GIANE: (entra, sorri) Oi meu amor…
FRANCISCO: (a olha).
GIANE: Eu vim te dizer adeus… (começa a jogar gasolina no quarto).
FRANCISCO: (esta olhando a porta aberta).
GIANE: (joga gasolina em tudo, o olha) Eu quero colocar fogo aqui e saber que você vai queimar vivo. (da risada, sai).
FRANCISCO: (rapidamente se levanta, coloca uma pedra pequena na porta, volta a se deitar no chão).
GIANE: (entra com uma caixa de fósforo, o olha) Com a sua morte eu serei ainda mais rica, afinal graças á você ainda somos casados…
FRANCISCO: Eu não tenho mais nada para te falar Giane…
GIANE: (sorri) Que bom… (se aproxima o beija, sorri) Adeus… Seu corno frouxo… (da risada, ascende o fósforo, joga no chão, sai).
FRANCISCO: (o quarto começa a pegar fogo, se levanta, vai até a porta, que ficou aberta por causa da pedra, sai, não tem ninguém na sala).
Cena 9
Lado de fora
AMON: (olha Giane) Vai pra casa, eu vou chegar lá mais tarde.
GIANE: (beija Amon, sorri) Até mais tarde. (entra em seu carro, sai).
AMON: (entra).
Cena 10
Sala
FRANCISCO: (está atrás da porta com um cano de ferro nas mãos).
AMON: (vê o quarto pegando fogo, sorri).
FRANCISCO: (bate em Amon com o cano).
AMON: (cai no chão, olha Francisco, assustado) Desgraçado! (tenta se levantar).
FRANCISCO: (bate na cabeça de Amon).
AMON: (perde os sentidos).
FRANCISCO: (o olha)… Você escolheu isso… (sai da casa, que o fogo consome em minutos).
Cena 11
Mais Tarde
Mansão Gouveia
FERNANDA: (entra, desesperada, chorando).
GIUSEPPE: Fernanda o que aconteceu?
FERNANDA: (abraça Giuseppe, chora muito) Papai, eu fiz uma loucura… Não quero que ele morra…
GIUSEPPE: Do que você está falando?
FERNANDA: (olha muito Giuseppe) François… Eu o envenenei… (chora).
GIUSEPPE: Meu Deus… Me conta isso direito…
FERNANDA: Eu não suportava mais papai… Estava ficando cada vez mais divida entre François e Marcos… Eu amo Marcos, mas a paixão por François estava me consumindo… Daí resolvi matar isso… E… Envenenei François… (chora) Ele está no hospital… Não tive coragem de ficar lá.
GIUSEPPE: Se acalma meu amor… Realmente você fez algo que não esperava…
FERNANDA: Perdão… (chorando, sobe as escadas).
GIUSEPPE: (fecha os olhos).
MARTA: (se aproxima) O que aconteceu com a menina?
GIUSEPPE: Vai atrás dela Marta… Acredito que com você ela se acalme e fique melhor.
MARTA: Eu vou lá. (sobe as escadas).
GIANE: (entra, sorri) Boa noite papai, já teve noticias daquele chato?
GIUSEPPE: Não… (entra no escritório).
GIANE: (sorri se senta no sofá, pega o celular, liga para Sérgio). Oi…
SÉRGIO: (sorri) Giane, e ai, já sabe aonde vamos nos encontrar?
GIANE: Sei, resolvi ir até ai, matar a saudade e depois viajar com você para a Itália.
SÉRGIO: Um país lindo para a nossa lua de mel.
GIANE: Sim meu amor… Amanhã estarei ai, te amo, beijos. (desliga, liga para Amon, cai na caixa postal, pensativa) O que será que esse imbecil está fazendo?…
Cena 12
Rua
FRANCISCO: (está muito fraco, vai até um orelhão, liga para Amelie) Amelie…
AMELIE: (sorri) Meu amor! Onde você está?
FRANCISCO: Eu preciso que você venha me buscar… Mas com a policia…
AMELIE: Claro, onde você está?
FRANCISCO: (passa o endereço á Amelie) Não conta para ninguém que você falou comigo… Vem o mais rápido possível com a polícia…
AMELIE: Sim meu amor, já estou indo.
FRANCISCO: (desliga, se senta na calçada).
Cena 13
Hospital
Quarto de François
FRANÇOIS: (acorda, olha em volta, se levanta).
ENFERMEIRA: (entra) O senhor não pode se levantar, precisa se recuperar.
FRANÇOIS: (fala em francês) Estou ótimo! (pega sua roupa).
ENFERMEIRA: Não entendo o que o senhor diz… Vou chamar outra enfermeira. (sai).
FRANÇOIS: (começa a se vestir, esta bravo, se arruma, sai do quarto).
ROBERTO: (estava vindo pelo corredor) François, você não pode ir embora, precisa ficar de observação, Monique está na lanchonete, vou dizer á ela que você acordou… Ela ficou preocupada pelo que você fez…
FRANÇOIS: (o olha) O que eu fiz?…
ROBERTO: Fernanda disse que você tentou se matar tomando veneno…
FRANÇOIS: Ela disse isso?… Pois ela está enganada! (sai).
MONIQUE: (se aproxima de Roberto).
ROBERTO: Monique… Seu pai acordou, e saiu do hospital.
MONIQUE: É a cara dele fazer isso… Espero que ele tenha ido para a casa.
Cena 14
Minutos Depois
Mansão Gouveia/Quarto de Fernanda
FERNANDA: (esta deitada, com a cabeça apoiada no colo de Marta) Eu me arrependi… Mas já era tarde… Ele chegou a tomar o veneno…
MARTA: Mas por que você fez isso menina?
FERNANDA: Eu… Gosto dele… Mas amo Marcos e não quero perder ele… E quis matar o que sinto por François… Mas na hora… Não tive coragem…
MARTA: Menina o melhor que você tem a fazer é ir até o hospital, se desculpar e contar a verdade para ele.
FERNANDA: Não posso Marta… Eu tenho que tirar ele da minha vida…
FRANÇOIS: (entra, está bravo).
GIUSEPPE: (entras em seguida) Se você não se retirar vou chamar o segurança!
FERNANDA: (se assusta, se levanta) François!
FRANÇOIS: (segura Fernanda pelos braços, a olha com ódio) Maldita! Você vai pagar caro por tentar me matar!
GIUSEPPE: Tira as mãos de Fernanda!
FRANÇOIS: Eu quero falar á sós com Fernanda! Se vocês não saírem não respondo por mim!
FERNANDA: Papai… Marta… Podem sair… Vou ficar bem… Qualquer coisa eu chamo.
MARTA: (preocupada)… Conta a verdade menina…
GIUSEPPE: Se você agredir a minha filha… Acabo com você! (sai com Marta).
FRANÇOIS: (aperta o rosto de Fernanda, está com raiva) Eu quero saber por que você tentou me matar!
FERNANDA: (se solta o olha) Porque não suportava mais você atrás de mim! Cansei de você! E como você não me deixava em paz tive que tomar uma atitude!
FRANÇOIS: (da um tapa no rosto de Fernanda) Meu pai estava certo… Como eu fui idiota… Achei que você fosse a mulher ideal…
FERNANDA: (chora).
FRANÇOIS: Eu vou me vingar de você… Mas nas pessoas que você ama… Vou me vingar em seu pai, nessa empregada e em seu noivo.
FERNANDA: (olha muito François) Não… Não faça nada contra eles, eu que te dei veneno…
FRANÇOIS: Eu sei que se atacar eles vai doer muito mais em você do que se eu te fizer mal diretamente.
FERNANDA: Você não pode fazer isso…
FRANÇOIS: Eu vou! (a olha decepcionado)… Não esperava isso de você, e farei coisas que você não espera de mim… (vai saindo).
FERNANDA: Espera… (chorando) Eu… Não posso deixar as pessoas que amo pagar por algo que eu fiz… A verdade é que… Fiz isso… Por que você estava me deixando louca… Estava me fazendo ficar na duvida… Eu amo Marcos, mas você… Estava me fazendo sentir coisas que nunca pensei em poder sentir e viver… Eu fiz isso porque queria acabar com todo esse tormento…
FRANÇOIS: (olhando Fernanda) Então você tentou me matar… Por que… Gosta de mim?
FERNANDA: Sim… Mesmo que pareça absurdo… Mas é a verdade,e mesmo assim na ultima hora eu me arrependi e já era tarde…
FRANÇOIS: (sorri).
FERNANDA: (olha François).
FRANÇOIS: (começa a rir) Então você… Senti algo por mim? Isso é… Maravilhoso.
FERNANDA: Você só pode ser louco… Você está feliz?
FRANÇOIS: (sorri) Estou!
FERNANDA: Você precisa se tratar…
FRANÇOIS: Meu tratamento é você, e agora que eu sei que causo tudo isso em você, é que não desisto mesmo.
FERNANDA: (sorri)… François… Você não existe… Você é a única pessoa que conheço que fica feliz porque tentaram te matar.
FRANÇOIS: (se aproxima de Fernanda) Eu vim disposto a acabar com você… Mas diante disso… Não tem como não estar feliz.
FERNANDA: (da um tapa no rosto de François) Nunca mais me bata.
FRANÇOIS: (sorri, beija Fernanda).
Cena 15
Sala
GIUSEPPE: Quem esse Francês pensa que é!
MARTA: Eles vão se entender seu Giuseppe.
EMPREGADA: Seu Giuseppe tem um policial ai fora e disse que precisa falar com a dona Giane.
GIUSEPPE: Deixa entrar.
POLICIAL: (entra) Boa noite, dona Giane Gouveia se encontra?
GIUSEPPE: Está dormindo por quê?
FRANCISCO: (entra) Porque ela é a mandante do meu sequestro.
GIUSEPPE: (olha muito Francisco).




Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s