Vamos Recordar? Sol de Verão

Com Sol de Verão, Manoel Carlos se firmou como cronista da classe média do Rio de Janeiro.


TRAMA PRINCIPAL

Cécil Thiré em cena de Sol de Verão

Infeliz no casamento, Rachel (Irene Ravache) decide se separar do marido, o empresário Virgílio (Cécil Thiré). Disposta a dar uma virada em sua vida, ela se muda de Petrópolis para a zona sul do Rio de Janeiro com a filha, Clara (Débora Bloch), passando a morar na casa da mãe, Laura (Beatriz Segall), em Ipanema. Ali ela se apaixona pelo charmoso, mas rude, Heitor (Jardel Filho), dono de uma oficina mecânica. Ele mora com a irmã, Irene (Beatriz Lyra), em um sobrado antigo, um dos principais cenários da novela.

Após tantos anos de casamento, Rachel tem dificuldades para se entregar ao novo relacionamento, mas Heitor a conquista. O casal vive um intenso romance, que não conta com o apoio da mãe e dos amigos de Rachel por conta da diferença de classe social entre os dois. Mas, apaixonada, ela se muda para o sobrado do mecânico. Clara sofre com a separação dos pais e fica muito dividida, especialmente por ter que se afastar do convívio com o pai, a quem é muito ligada. Virgílio não aceita a separação, cercando Rachel de todas as maneiras e dizendo a todos que ainda a ama.

O ator Jardel Filho morreu de ataque cardíaco em 19 de fevereiro de 1983, antes do desfecho da trama. Com a sua morte, o destino de Rachel sofre alterações. Ela passa a ser cortejada pelo professor Horácio (Paulo Figueiredo) e por Virgílio, mesmo depois de descobrir que está esperando um filho de Heitor. No último capítulo da novela, Rachel dá à luz um menino. Virgílio, feliz, vai à maternidade dar os parabéns ao grande amor de sua vida e fica comovido com o bebê. A cena final mostra os três juntos, dando a entender que o casal poderá se reconciliar.

TRAMA PARALELAS

O mecânico e o médico charlatão

No decorrer da trama, Heitor (Jardel Filho) enfrenta o médico charlatão Hilário (Carlos Kroeber), proprietário do terreno em que mora junto com seu ajudante, o surdo-mudo Abel (Tony Ramos). Ao descobrir que sua mulher, Sofia (Yara Amaral), teve um caso com o pai de Abel, Caetano (Gianfrancesco Guarnieri), Hilário exige que o rapaz seja expulso do casarão.

O triste Abel

Abel, de quem as pessoas sabem muito pouco, é um jovem divertido, sensível e inteligente, que esconde suas tristezas. Aos 8 anos de idade, teve meningite e ficou surdo. A deficiência, no entanto, não o impede de aproveitar ao máximo a vida: ele é amante do futebol, adora tomar chope e paquerar. Aos 18 anos, Abel foi abandonado pelo pai, tornando-se uma pessoa mais reclusa. O rapaz, que desconhece a identidade da mãe, emprega-se na oficina de Heitor e passa a morar com ele no sobrado. Por conta da proximidade com Abel, Rachel (Irene Ravache) encontra uma oportunidade de dar aulas para uma turma de deficientes auditivos no colégio onde ele estuda. Ao longo da trama, Abel desperta o amor de Clara (Débora Bloch) e Olívia (Carla Camurati), casando-se com a primeira no final da novela.

O mistério sobre a origem de Abel é revelado no fim da história. Seu pai o abandonou porque, há muitos anos, fora acusado de crime de curandeirismo, e fugiu para não ser preso. A mãe de Abel é Sofia (Yara Amaral) que, ao dar à luz, pensou que o filho tivesse morrido. Reencontrando a mãe, Abel ganha dois irmãos, Miguel (Mário Gomes) e Romeu (Miguel Falabella). Além disso, o rapaz se submete a exercícios de logopedia e fonoaudiologia e reaprende a falar.

CENAS MARCANTES

Uma das cenas mais comoventes da novela acontece nos capítulos finais: ao descobrirem que são mãe e filho, Sofia (Yara Amaral) e Abel (Tony Ramos) se abraçam, emocionados.

CURIOSIDADES

Manoel Carlos conta que o mote da trama, sobre uma mulher que decide abrir mão de um casamento aparentemente feliz, onde tem tudo, para buscar sua verdadeira felicidade, teve uma repercussão negativa na época. Muitos telespectadores mandavam cartas à Globo definindo a atitude de Rachel (Irene Ravache) como um péssimo exemplo.

A morte de Jardel Filho abalou toda a equipe de Sol de Verão. A direção da Globo encomendou uma pesquisa junto ao público para saber se deveria dar continuidade ou não à produção. A maioria dos entrevistados achou que a novela deveria permanecer no ar. O autor Manoel Carlos, no entanto, muito amigo de Jardel Filho, alegou que se sentia impossibilitado de concluir a tarefa, e a direção optou por apressar o fim da trama. Lauro César Muniz foi chamado para escrever os 17 capítulos finais e contou com a assessoria de Gianfrancesco Guarnieri, dramaturgo experiente e ator do elenco da novela.

Jardel Filho em Sol de Verão

Ao final da exibição do último capítulo do qual Jardel Filho participara, o elenco prestou uma homenagem ao ator, dando depoimentos emocionados. Manoel Carlos também prestou sua homenagem: escreveu um texto especial, lido por Gianfrancesco Guarnieri, que foi ao ar no início do capítulo 121. O texto dizia: “Peço a vocês que me vejam não como um dos atores, mas como todos os atores do elenco desta novela (…). Eu peço a todos um instante de reflexão sobre esse velho ofício de esconder a própria vida, sacrificá-la mesmo, em benefício de outras, fictícias, mas que acabam por igualar-se à verdadeira, tão bem são elas vividas. E é por isso que o homem-ator tem que ter muitas vidas dentro de si (…) É por isso que quando morre um ator, morrem tantas pessoas com ele. (…) Quando Cacilda Becker morreu, Carlos Drummond de Andrade escreveu: “Morreram Cacilda Becker”. Assim deve ser dito sempre. Agora… morreram Jardel Filho”. O texto era entremeado por imagens de Jardel Filho e cenas dele como Heitor. Em uma das sequências, o personagem dizia: “Às vezes eu fico pensando… Pra onde será que vai tudo que uma pessoa sabe quando ela morre? É. A cabeça de um homem. Tantos planos, conhecimentos (…) Pra onde vai tudo isso que ele sabia?”

Irene Ravache em Sol de Verão

A primeira cena escrita por Lauro César Muniz mostra o jardim do sobrado de Heitor (Jardel Filho) sendo destruído por um enorme trator. O jardim ficava sob os cuidado de Abel (Tony Rarmos), que colocou uma placa com o nome Heitor. Ali, vários personagens se encontravam. Com a destruição, todos ficam tristes, como se tivessem perdido algo muito importante em suas vidas. Logo em seguida, Rachel (Irene Ravache) anuncia que espera um filho de Heitor. Em conversa com a mãe, ela diz: “É como se ele continuasse vivo dentro de mim. Eu vou ter um filho do homem que eu sempre amei”, referindo-se a Heitor, deixando clara a morte do personagem. Depois, Rachel propõe a todos que reconstruam o jardim, juntos: “A gente não vai se entregar, não. Essa história a gente vai levar até o fim”, diz a personagem, olhando para a câmera.

O desfecho da novela foi bastante tumultuado. Os textos chegavam em cima da hora, e as cenas eram gravadas pouco tempo antes de serem exibidas. Apesar dos problemas, a audiência cresceu no último mês de exibição. Como a novela seguinte ainda não estava pronta, a TV Globo optou por mostrar, logo depois de Sol de Verão, uma versão compacta de O Casarão, novela de Lauro César Muniz, exibida originalmente em 1976.

Manoel Carlos havia planejado um final feliz para Heitor e Rachel. Os dois terminariam a novela juntos e iriam se casar na Holanda. Heitor era descendente de holandeses e tinha o sonho de conhecer a terra de seus antepassados.

Segundo o autor, Vera Fischer foi o primeiro nome pensado por ele para o papel da protagonista Rachel. Mas a atriz não podia estrelar a novela porque havia feito Brilhante, de Gilberto Braga, que terminara cerca de sete meses antes. A escolha de Irene Ravache, no entanto, foi muito acertada, porque a atriz defendeu muito bem sua personagem.

Segundo Manoel Carlos, a ideia para a trama de Sol de Verão nasceu durante uma noite de ano-novo em que ele passou com o amigo Jardel Filho. O autor conta que, na época, estava escrevendo um espetáculo de teatro especialmente para o ator e, durante uma conversa informal, teve a ideia para uma nova novela. O protagonista não poderia ser outro.

Para compor o personagem Abel, Tony Ramos foi ao Instituto Nacional de Educação dos Surdos e gravou imagens de um casal de deficientes auditivos que tinha um filho sem problemas de audição. Com a fita, pôde observar os gestos, os sinais, todas as expressões dos surdos-mudos. O ator contou que passou até a observar a vibração do piso provocada pela música. Como seu personagem trabalhava na oficina mecânica de Heitor, onde havia os mais diversos ruídos, ele teve de aprender a não piscar quando se batia o martelo ou quando um motor começava a funcionar de repente.

O personagem Abel teve grande repercussão entre o público. Nas escolas, as crianças passaram a reproduzir a linguagem dos surdos-mudos. O jornal O Globo chegou a publicar o alfabeto dos sinais, que também começou a ser distribuído em panfletos nas ruas das grandes cidades.

Assim como havia feito em Baila Comigo, novela exibida em 1981, Manoel Carlos escreveu um enredo no qual os personagens representavam as alegrias e tristezas da classe média. O autor firmava ali a marca de seu estilo: a composição de retratos da vida cotidiana das camadas médias nas grandes cidades.

Miguel Falabella em Sol de Verão

Sol de Verão foi um dos primeiros trabalhos da dupla de diretores Guel Arraes e Jorge Fernando na TV Globo. A novela foi, também, a primeira de Miguel Falabella e Irene Ravache na emissora.

TRILHA SONORA

Nacional: 
Você Não Soube Me Amar 
Compositores: Evandro Mesquita / Ricardo Barreto
Intérpretes: Blitz

Muito Estranho 
Compositores: Cláudio Rabello / Dalto
Intérpretes: Dalto

Bilhete 
Compositores: Ivan Lins / Vitor Martins
Intérpretes: Fafá de Belém

Tempo Quente 
Compositores: Lulu Santos / Nelson Motta
Intérpretes: Ricardo Graça Mello

Tempos Modernos 
Compositores: Lulu Santos
Intérpretes: Lulu Santos

Questão de Tempo 
Compositores: Kleiton Ramil
Intérpretes: Nara Leão

Tô que Tô 
Compositores: Kledir Ramil / Kleiton Ramil
Intérpretes: Simone

Esfinge 
Compositores: Djavan
Intérpretes: Djavan

O Melhor Vai Começar 
Compositores: Guilherme Arantes
Intérpretes: Guilherme Arantes

Tendência 
Compositores: Ivone Lara / Jorge Aragão
Intérpretes: Beth Carvalho

Tal Qual Eu Sou 
Compositores: Hermínio Bello de Carvalho / Vital Lima
Intérpretes: Lucinha Araújo (Partic. especial Vital Lima)

Coisas de Casal 
Compositores: Rita Lee / Roberto de Carvalho
Intérpretes: Rádio Táxi
 

Só o Tempo 
Compositores: Paulinho da Viola
Intérpretes: Paulinho da Viola

Sumida 
Compositores: Rose / Wando
Intérpretes: Wando
 
Internacional: 
Baby I Need Your Lovin’ 
Compositores: Holland / Dozier
Intérpretes: Carl Carlton

Don’t Look Back 
Compositores: James Warren
Intérpretes: The Korgis

Être 
Compositores: Georges Garvarentz
Intérpretes: Charles Aznavour

I Don’t Wanna Dance 
Compositores: Eddy Grant
Intérpretes: Eddy Grant

Hard to Say I’m Sorry 
Compositores: D. Foster / P. Cetera
Intérpretes: Chicago

Wot 
Compositores: Captain Sensible
Intérpretes: Captain Sensible

Hypnos 
Compositores: Gerto Heupink
Intérpretes: Future World Orchestra

Situation 
Compositores: Alison Moyet / Vince Clarke
Intérpretes: Yazoo

Save a Prayer 
Compositores: Duran Duran
Intérpretes: Duran Duran

Voyeur 
Compositores: D. Ellingson / D. Hitchings
Intérpretes: Kim Carnes

Love Leads To Madness 
Compositores: Nazareth
Intérpretes: Nazareth

Love And My Best Friend 
Compositores: Angela Winbush / Rene Moore
Intérpretes: Janet Jackson

Do That to Me One More Time 
Compositores: Toni Tennille
Intérpretes: Latimore

Fallin’ Love 
Compositores:
Intérpretes: Sunset

ELENCO EM ORDEM ALFABÉTICA

Adelaide Conceição
Alcione Mazzeo
Ana Maria Sagres – Irmã Alzira, professora do colégio
Beatriz Lyra – Irene
Beatriz Segall – Laura
Beth Wainberg
Camila Amado – Noêmia
Carla Camurati – Olívia
Carlos Kroeber – Hilário
Cécil Thiré – Virgílio
Débora Bloch – Clara
Duse Nacaratti – Madalena
Edson Silva – Gaspar
Gianfrancesco Guarnieri – Caetano
Gésio Amadeu – Pedrinho
Helber Rangel – Germano
Irene Ravache – Rachel
Isabel Ribeiro – Flora
Isabela Garcia
Isis de Oliveira – Beatriz
Ivan Mesquita – Gilberto
Jardel Filho – Heitor
José Prata
Manoel Eliziário – José, caseiro de Petrópolis
Márcia Rodrigues – Geni
Maria Alves – Matilde
Maria Helena Pader – Irmã Luzia
Mario Gomes – Miguel
Miguel Falabella – Romeu
Mônica Torres – Mônica
Monique Curi – Glorinha

Nelson Xavier – Zito
Normal Geraldy

Oberdan Junior – Rogério
Paulo Figueiredo – Horácio
Pratinha – Pelé, entregador da floricultura
Tânia Scher – Lola
Thereza Mascarenhas – Zezé
Tony Ramos – Abel
Yara Amaral – Sofia



Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s