Vamos Recordar? Pátria Minha

Enredo abordava questões éticas e morais de forma contundente, dando continuidade às tramas de Gilberto Braga sobre corrupção.


TRAMA PRINCIPAL

Quatro histórias principais compõem a novela. Em primeiro plano está o confronto entre Alice (Cláudia Abreu) e Raul Pelegrini (Tarcísio Meira). Ela é uma estudante idealista, e ele, o dono de um conglomerado de empresas, comprometido com negócios inescrupulosos. A rixa entre os dois tem início quando Alice vê Raul demitir brutalmente seu motorista e, ao sair em disparada com o carro, causar um atropelamento cuja responsabilidade não assume.

Num segundo eixo da novela, acompanha-se a relação entre Alice e sua mãe, Natália (Renata Sorrah), mulher batalhadora que decidiu ter e criar a filha sozinha, como uma produção independente. Natália é muito próxima de Alice, que encontra na mãe uma amiga com quem pode falar abertamente sobre questões relacionadas a seus namoros. No início da trama, Alice namora Nando (Rodrigo Santoro), mas depois se apaixona por Rodrigo (Fábio Assunção).

A terceira vertente de Pátria Minha surge a partir dos questionamentos políticos de Pedro (José Mayer). Ele havia decidido tentar a vida nos Estados Unidos mas, preocupado com a situação de seu país, resolve voltar, enfrentando forte oposição de sua mulher, Ester (Patrícia Pillar). Já no Brasil, Pedro lidera uma revolta contra Raul Pelegrini, que ordena a desocupação de um terreno onde sua família e outros moradores, desabrigados, haviam decidido se instalar. Em sua luta contra Raul, Pedro conta com a ajuda de Alice, que se
junta aos moradores no confronto com os encarregados de desocupar a área. Ester e Gustavo (Kadu Moliterno), filho de Raul e Teresa (Eva Wilma), acabam morrendo no confronto.

Por último, Pátria Minha destaca a história de Lídia Laport (Vera Fischer), a mãe de Rodrigo, umasocialite falida e ambiciosa, que tem horror à pobreza por ter sido de origem humilde. Valendo-se de estratégias e mentiras, ela consegue separar Teresa de Raul e torna-se a nova sra. Pelegrini.

Ao longo da trama, descobre-se que Alice, a maior opositora de Raul, é, na verdade, sua neta, fruto de um relacionamento entre Natália e Gustavo. No final da novela, Raul Pelegrini vai à falência e, redimido, passa a administrar um pequeno hotel-fazenda em Goiás. Lá ele recebe a visita de Alice e Rodrigo, que levam o filho para que Raul conheça seu bisneto.

TRAMAS PARALELAS

Juventude moderna

Por meio da trama dos casais Alice (Cláudia Abreu) e Nando (Rodrigo Santoro) e, posteriormente, Alice e Rodrigo (Fábio Assunção), a novela tratou de assuntos pertinentes à juventude, como virgindade, primeira experiência sexual, uso de preservativos, maternidade na adolescência e diálogo entre pais e filhos.

Racismo

A trama que envolvia o empregado negro Kennedy (Alexandre Morenno), humilhado por Raul Pelegrini (Tarcísio Meira), pôs em debate o preconceito racial. Embora a intenção de Gilberto Bragafosse denunciar o racismo, integrantes de movimentos negros não gostaram da cena, criticando o comportamento submisso do rapaz. Em outra sequência, o jovem é duramente revistado em uma blitz enquanto seus amigos brancos, Alice (Cláudia Abreu) e Rodrigo (Fábio Assunção), são ignorados pelos policiais.

CENOGRAFIA E ARTE

A comunidade onde morava a família de Pedro (José Mayer) foi erguida em torno de uma pedreira, na Central Globo de Produção, o Projac. Pela primeira vez construiu-se uma favela como cenário de novela, apesar de ela aparecer na trama por apenas dez capítulos, já que era destruída após um desmoronamento causado por um forte temporal. O cenário ocupava uma área de 3.500m2, com 60 casas de alvenaria (com interior). A sequência das chuvas e do consequente desmoronamento foi realizada com água de dez caminhões-pipa. O departamento de cenografia da TV Globo construiu uma maquete e destruiu metade dela para a realização das cenas.

Além das casas de alvenaria, onde moravam os personagens Lurdes (Lu Mendonça), Zilá (Xica Xavier), Devair (Stepan Nercessian) e Deodato (Ivan Cândido), a favela contava com um salão de beleza, uma barbearia, uma birosca, um ferro-velho e um bar com sinuca. Antenas parabólicas, alto-falantes, canos com vazamento de água e esgoto e um lixão com quase uma tonelada de sujeira complementavam o cenário realista.

A 500m da favela, em uma área de 360m², também localizada no Projac, foi construído o Garnier Palace Hotel, o luxuoso hotel do personagem Evandro Aboim (Carlos Zara).  Graças ao processo de computação gráfica conhecido como newsmate, a construção podia ser vista inserida na orla carioca. A estrutura do hotel era de madeira, com granito real, e sua fachada ficava em uma autêntica calçada de pedras portuguesas situada numa rua de asfalto. Também por meio de computação gráfica, a favela e o hotel foram ampliados – o prédio, concebido com três pavimentos, chegou a dez andares.

Outro cenário de destaque na novela foi a mansão de Raul Pelegrini (Tarcísio Meira), um imóvel de 1850, tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional. Localizada em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, a casa tinha 14 quartos e um jardim francês, e, mediante autorização especial, teve suas estrutura e fachada reformadas para a novela. Os interiores da mansão de Raul formavam o maior cenário de Pátria Minha, ocupando todos os estúdios da Tycoon.

Quadros de diversos artistas plásticos brasileiros podiam ser vistos em diferentes cenários da novela. O decorador Edgar Moura Brasil foi o responsável por selecionar as obras de Rubens Gerchman, Antônio Dias, Aluísio Carvão, Anna Bella Geiger, Roberto Magalhães, Wanda Pimentel, Victor Arruda, Glauco Rodrigues e Cícero Dias, entre outros.

CURIOSIDADES

Vale TudoPátria Minha aborda questões éticas e morais de forma contundente, dando continuidade às tramas de Gilberto Bragasobre corrupção, tema de suas novelas anteriores, Vale Tudo (1988) e O Dono do Mundo (1991).

Na cena em que Lídia (Vera Fischer) se levanta no meio da noite para tomar um banho de mar, nua, quem emprestou o corpo para a vilã da história foi Marta Moesch. A modelo já havia sido sua dublê de corpo na minissérie Riacho Doce (1990).

Pátria Minha foi a estreia de Fábio Assunção em uma novela de Gilberto Braga. O ator conta que chegou a fazer testes para a minissérie Anos Rebeldes (1992), mas perdeu o papel do personagem Edgar para o amigo Marcelo Serrado.

Tarcísio Meira conta que Raul Pelegrini foi um de seus papéis mais difíceis na TV. Ele explica que o personagem o submeteu a duras experiências. O ator diz que sofria com as cenas em que Raul agia de forma preconceituosa contra negros, pobres e mulheres.

A estreia de Pátria Minha foi anunciada na novela Fera Ferida (1993), de Aguinaldo Silva, sua antecessora no horário. No cinema de Tubiacanga havia um cartaz divulgando a próxima atração das 20h: “Pátria Minha, de Gilberto Braga”.

Pátria Minha foi exibida na Bolívia, no Chile, na Guatemala, em Honduras, na Indonésia, na Nicarágua, no Panamá, no Paraguai, em Portugal, na Rússia, no Uruguai e na Venezuela, entre outros países.

ABERTURA

Embalada pelo samba instrumental de exaltação ao Brasil Onde o Céu é Mais Azul, dos anos 1940, de autoria de Alcyr Pires Vermelho, Gilberto Ribeiro e João de Barro, a abertura da novela trazia cem figurantes vestidos de azul, representando o povo brasileiro caminhando por um labirinto verde e amarelo até avistarem uma luz branca. Ao segui-la, eles encontravam a saída, que nada mais era do que o círculo da bandeira brasileira. Ali eles se juntavam a 27 crianças que, vestidas de branco, representavam as estrelas da bandeira. O principal efeito ficou por conta do labirinto, que se transformava na bandeira do Brasil. Formado por 230 peças de madeira, ele era posteriormente substituído por uma maquete, que dava a sensação de que havia diminuído. Isso para possibilitar que a câmera se afastasse do labirinto até enquadrá-lo do alto. A direção da abertura foi de Nilton Nunes, da Videographics. A diretora Cininha de Paula colaborou na realização, ensaiando e conduzindo os figurantes na caminhada pelo labirinto.

AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS

A Ação da Cidadania Contra a Miséria Pela Vida – campanha iniciada no ano anterior pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho – era sempre lembrada na novela. Já no primeiro capítulo, a câmera focaliza um bazar na escola de Alice (Cláudia Abreu). Entre os estandes, aparece uma faixa onde se lê o nome da campanha.

ELENCO:

Alexandre Moreno – Kennedy dos Santos
Alexia Dechamps – Alexandra
Ana Paula Abranches
André Pimentel – Joel
Andréa Carvana
Antônio Grassi – Carlos
Aracy Balabanian – Rosário Pires
Bete Mendes – Zuleica
Carla Tausz
Carlos Kroeber
Carlos Vereza – Max Laport
Carlos Zara – Evandro Aboim
Carolina Ferraz – Beatriz
Cássia Linhares – Luciana
Chica Xavier – Zilá
Cláudia Abreu – Alice Proença
Cláudia Rangel – Sheila
Cláudio Corrêa e Castro – Valdomiro Bezerra de Quental
Clementino Kelé – Avelino Rangel
Constância Laviola – Neide
D’Artagnan Júnior – Aderbal
Daniel Augusto – Marcelo
Débora Duarte – Karmita
Deborah Evelyn
Eduardo Caldas – Gabriel
Eduardo Tornaghi – Delegado
Emílio de Mello – Hélio Pastor
Eva Wilma – Teresa Pelegrini
Fábio Assunção – Rodrigo Laport
Fátima freire – Iracema
Felipe Camargo – Inácio
Fernanda Azevedo
Fernando Eiras – Dirceu Bevilaqua
Flávia Alessandra
Flávia Bonato – Daniela
Fúlvio Stefanini – Rafael
Gianfrancesco Guarnieri – Valdomiro
Iassanã Martins – Gracinda
Isabel Filardis – Yone
Isadora Ribeiro – Cilene
Ivan Cândido – Deodato
Janaína Diniz – Rita
Jarbas Toledo – Breno
José Lewgoy – Ronaldo Pires
José Mayer – Pedro Fonseca
Kadu Moliterno – Gustavo Godoy
Karla Nogueira
Lilia Cabral – Simone Pelegrini
Lou Rheimer
Lu Mendonça – Lourdes
Luciano Vianna – Ronaldo
Lucy Mafra
Luiza Tomé
Maria Rita Freire – Wanda
Marieta Severo – Loreta Pelegrini Vilela
Nildo Parente – Fausto
Nuno Leal Maia – Osmar
Odete Lara – Valquíria Mayrink
Patrícia Pillar – Ester fonseca
Paula Lavigne – Flávia
Paula Leal – Juraci
Paulo Reis
Paulo Resende
Pedro Cardoso – Albano
Petrônio Gontijo – Murilo Vilela
Rafael Ponzi – Hélio
Raul Labanca
Renata Sorrah – Natália Proença
Renée de Vielmond – Marina Aboim
Rodolfo Bottino – Heitor
Rodrigo Santoro – Fernando
Rosita Tomaz Lopez – Úrsula Pelegrini
Stepan Nercessian – Devair
Tarcísio Meira – Raul Pelegrini
Teka Moraes
Tonico Pereira – Delegado
Tony Tornado
Vera Fischer – Lídia Laport
Yaçanã Martins
Zeni Pereira – Isaura


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s