Descaminhos – capítulo 25

11774386_666390326831582_265096495_n


Descaminhos 

Novela de Débora Costa


Capítulo 25


Personagens

Luigi Fiore

Giovanna Fiore

Enrico Salvatore

Paola Fiore

Carlo Mantovani

Mirella Fiore

Vitor Albuquerque

Elis Albuquerque

Jonas Albuquerque

Isaque Munhoz

Susana Albuquerque

José Almeida

Ana Clara Carvalho

Bruno Almeida

Nice Almeida

Silvio Almeida

Helena

Vitório Fiore

Doménica Fiore

PARTICIPAÇÕES:

Sérgio Medeiros – Investigador

Augusto Lopez – Delegado

Rafael Almeida – Policia Militar



Cena 1

Dia seguinte/Mansão Fiore/Suíte de Giovanna

EMILIANO: (entra, olha em volta, as lagrimas escorrem, se senta na cama de Giovanna, se lembra dos momentos que teve com ela, da noite de amor que passaram juntos, chora, se levanta, abre o closet, passa a mão nos vestidos dela, pega um vestido, abraça, chora) Meu amor… Sinto tanto a sua falta… Volta logo.

Cena 2

Suite de Doménica e Luigi

LUIGI: (está se arrumando).

DOMÉNICA: (esta dormindo, acorda, olha Luigi) E Giovanna?… Já a libertaram?

LUIGI: (olha Doménica) Ainda não entraram em contato comigo, mas eu já depositei o dinheiro para eles… Sérgio me disse para não fazer isso, mas não posso arriscar assim a vida da nossa filha.

DOMÉNICA: (se senta) Fez bem amore…

LUIGI: Eu vou descer e esperar eles ligarem, cada momento eles ligam para um telefone diferente. (beija o rosto de Doménica, sai).

DOMÉNICA: (pensativa, ouve um celular tocar, se levanta, procura, é o celular de Luigi, pega o aparelho, lê na identificação o nome Alanis, atende) Alô…

ALANIS: (sorri cínica) Fala mais alto meu amor, a ligação está ruim…

DOMÉNICA: (fica séria) O seu amor não pode atender agora porque está muito ocupado resolvendo o sequestro da nossa filha!

ALANIS: (olhando o celular, sorri) Ops… Acho que me enganei… (dá risada).

DOMÉNICA: (desliga o celular, fica com vontade de chorar, fecha os olhos).

Cena 3

Sala de jantar

VITÓRIO: (está tomando café).

LUIGI: (entra) Você sabe se Sérgio já chegou?

VITÓRIO: Ainda não.

LUIGI: (procura o celular no bolso) Devo ter deixado meu celular lá em cima…

SÉRGIO: (se aproxima) Eu tenho novidades… O local que meu informante encontrou ontem é mesmo onde está sua filha.

VITÓRIO: (observa).

LUIGI: Como você sabe?

SÉRGIO: Tem movimento na casa que fica no meio do mato, aparentemente abandonada, mas ele viu três homens lá incluindo Vítor Albuquerque, e identificamos Pedro seu ex funcionário.

LUIGI: Então vamos até lá resgatar a minha filha.

SÉRGIO: O senhor não vai fazer isso, nós sim, daqui a pouco vamos invadir a casa, assim que eu chegar lá.

LUIGI: Você acha que eu vou ficar aqui de braços cruzados? Está muito enganado! Giovanna é minha filha! Por ela sou capaz de tudo, até já dei os dois milhões que me pediram.

SÉRGIO: O senhor não deveria ter feito isso!

LUIGI: Já chega de lenga lenga Sérgio, vamos agora buscar Giovanna! (sai da sala de Jantar).

SÉRGIO: (vai com Luigi).

VITÓRIO: Mas que droga… Vítor seu estúpido! Como você não viu que estavam te seguindo… (se levanta, vai para os fundos da mansão, pega o celular, disca uns números) Pedro, a polícia descobriu onde vocês estão, eles seguiram o Vítor e vão invadir ai a qualquer momento, o velho já depositou o dinheiro, mata Giovanna e sai dai. (desliga o celular).

Cena 4

Cativeiro de Giovanna

PEDRO: (olha Éderson) Onde o Vítor foi?

ÉDERSON: Comprar água.

PEDRO: A polícia já sabe onde estamos, esse burro foi seguido e não percebeu… (pega uma arma) Chegou a hora de matar essa vadia, o velho já depositou a grana.

ÉDERSON: (olhando Pedro) Espera Vítor voltar, ele quer participar disso também.

VÍTOR: (entra).

PEDRO: Você sabia que foi seguido pela polícia?

VÍTOR: O que?

PEDRO: Isso mesmo seu idiota, por sua causa podemos ser presos!

ÉDERSON: Eu vou ver a princesa enquanto vocês se resolvem…

PEDRO: Fala para a Giovanna aproveitar os últimos minutos da vida dela.

Cena 5

Quarto

GIOVANNA: (está fraca, triste, machucada).

ÉDERSON: (entra, olha Giovanna, abaixa perto dela, fala baixo) Princesa… A polícia está vindo para cá…

GIOVANNA: (olha Éderson) Como você sabe?

ÉDERSON: Vítor foi seguido pela polícia e nosso parceiro falou agora pouco.

GIOVANNA: Para a minha sorte Vítor é burro.

ÉDERSON: Sorte não princesa… Eles vão matar você e se mandarem.

GIOVANNA: (olha muito Éderson) Não… Isso não…

ÉDERSON: Presta atenção… Eu vou deixar essa porta encostada… A porta da saída está aberta, eu vou arrumar uma confusão e você sai correndo, entendeu?

GIOVANNA: (olhando Éderson) Entendi… Espero conseguir… Obrigada.

ÉDERSON: (sai, finge que trancou a porta).

Cena 6

Ind. Alimentícia Fiore

CAMILA: (está mexendo na internet, lê sobre o sequestro de Giovanna, fica espantada).

ISAQUE: (se aproxima) Camila quando Carlo chegar pede para ele ir até meu escritório.

CAMILA: (olhando Isaque) Eu acho que hoje ninguém da administração virá…

ISAQUE: Por que não?

CAMILA: Dona Giovanna foi seqüestrada.

ISAQUE: Como é? Quando isso?

CAMILA: Está escrito aqui que foi ontem.

ISAQUE: Eu vou para a casa dela. (sai).

Cena 7

Restaurante

VICENTE: Dona Doménica deve estar arrasada com isso…

ANA CLARA: Mas que coisa… Tomara que tudo saia bem.

VICENTE: Sim, agora com a imprensa em cima as coisas podem complicar.

PAOLA: (entra, olha Ana Clara) Posso falar com você?

ANA CLARA: Não, eu preciso preparar as coisas do almoço.

PAOLA: Quer que eu te demita para você ficar livre?

VICENTE: Não precisa, eu vou deixar vocês a sós… (sai).

ANA CLARA: O que você quer comigo?

PAOLA: Você não! Eu sou sua patroa!

ANA CLARA: O que a senhora quer comigo?…

PAOLA: (encara Ana Clara) Saber o seu preço.

ANA CLARA: Como?

PAOLA: Você além de sem sal é surda garota? Eu perguntei o seu preço, quanto você quer para ficar longe de José, ou então… Posso te pagar um aborto, afinal esse bastardo não vai ter pai mesmo.

ANA CLARA: (olhando Paola, fica com raiva) Como você é capaz de me propor algo assim?…

PAOLA: Ai garota esse seu ar de boazinha patética me cansa, fala logo o seu preço!

ANA CLARA: (dá um tapa no rosto de Paola) Minha demissão!

PAOLA: (com a mão no rosto, olha Ana Clara com ódio) Sua vira lata! (da um tapa no rosto de Ana Clara).

ANA CLARA: (bate em Paola).

VICENTE: (se aproxima, separando a briga, segura Ana Clara) Calma! Parem com isso!

PAOLA: (ofegante com raiva) Nunca mais encosta em mim com essa mão cheirando á alho! Escuta bem Ana Clara! Se eu souber que você está trabalhando aqui eu volto! E com a polícia para te expulsar do meu restaurante! (sai).

ANA CLARA: (fica com vontade de chorar, abraça Vicente) Nunca senti tanto ódio por alguém…

VICENTE: Fica calma Ana Clara… (a olha).

ANA CLARA: Perdi meu emprego… Alias eu me demiti de ódio dessa Paola!… O que vou fazer agora?…

VICENTE: Vamos pensar em algo juntos… (olha muito Ana Clara) Conte sempre comigo…

ANA CLARA: (olhando Vicente) Sabe que foi bom dar uns tapas nela.

VICENTE: (sorri) Nunca te vi assim… Você é brava hein. (dá risada).

Cena 8

Mansão Albuquerque/Sala

SUSANA: (da risada, olhando o jornal) É tão bom ter amigos… A notícia do sequestro de Giovanna se espalhou como pólvora.

MANUELLA: Não tem graça Susana… Carlo me disse que todos estão bastante abalados com esse sequestro.

SUSANA: Tem muita graça sim! Chegou a vez deles sofrerem… Depois de tudo que passei por causa da Giovanna quero mais é que ela se dane!

ELIS: (desce as escadas, olha Susana) A polícia descobriu onde está Giovanna… Enzo acabou de me contar.

SUSANA: Espero que a encontrem morta.

ELIS: Mamãe… Vítor está envolvido nisso… Ele seqüestrou Giovanna.

SUSANA: (olhando Elis) Meu filho?… (pensativa) Meu Deus… Se a polícia for até onde estão… Ele pode ser preso… (fica preocupada) Essa desgraçada não pode nos causar mais mal!

ELIS: Dessa vez se acontecer alguma coisa não será culpa dela, Giovanna é a vítima…

MANUELLA: (olhando Susana).

Cena 9

Cativeiro de Giovanna/Sala

VÍTOR: Vamos atirar nela ao mesmo tempo.

PEDRO: O quanto antes essa vadia morrer mais rápido poderemos fugir.

ÉDERSON: (olhando Vítor e Éderson) Vocês só pensam no bem de vocês, e eu? Como fico nisso?

VÍTOR: Você vai ter sua parte quando dividirmos o dinheiro.

ÉDERSON: Eu quero mais… muito mais.

PEDRO: Fica na sua.

ÉDERSON: (da um soco em Pedro, começa bater nele).

VÍTOR: (tentando separar a briga).

GIOVANNA: (olha a confusão por uma fresta na porta, corre, sai da casa).

VÍTOR: (vê Giovanna correndo, pega uma arma, grita) Parem! Giovanna fugiu! (corre atrás de Giovanna).

PEDRO: (pega uma arma, sai correndo).

ÉDERSON: Corre princesa… Corre…

Cena 10

Matagal

GIOVANNA: (está correndo sem saber para onde ir, desesperada).

VÍTOR: (correndo atrás de Giovanna).

PEDRO: (corre em outra direção para tentar cercar Giovanna).

GIOVANNA: (correndo, ainda sem rumo).

VÍTOR: (está com raiva correndo atrás de Giovanna, a perde de vista) Maldita! (correndo).

GIOVANNA: (correndo, tropeça, cai, está com dores, ofegante, olha em volta) Eu tenho que levantar… Continuar correndo… (se levanta) Onde eu estou?… (corre).

PEDRO: (vê Giovanna, a alcança, a segura, está cansado) Onde você pensa que vai?

GIOVANNA: (tenta s soltar) Tira as mãos de mim! (ofegante).

PEDRO: (joga Giovanna no chão, aponta a arma para a cabeça dela, a olha) Não vou esperar Vítor… Acabo com você agora mesmo!

GIOVANNA: (fecha os olhos).

LUIGI: (encosta uma arma na cabeça de Pedro) Se você se mexer acabo com sua vida.

GIOVANNA: (abre os olhos, sorri ao ver Luigi) Babbo… (ofegante).

LUIGI: (com a arma na cabeça de Pedro) Abaixa a arma!

PEDRO: Não… Eu morro mais levo Giovanna comigo.

LUIGI: Se levar minha filha, vou até a sua casa e te dou mais três companhias, sua esposa, sua filha e seu filho… Assim fica tudo em família.

PEDRO: (pensativo, abaixa a arma).

LUIGI: Ótima decisão. (da uma coronhada na cabeça de Pedro).

PEDRO: (desmaia).

LUIGI: (corre para abraçar Giovanna).

GIOVANNA: (abraça Luigi forte, chora) Babbo… Você não sabe tudo que passei aqui…

LUIGI: Acabou meu amor… Acabou. (levanta Giovanna, olha o rosto dela inchado) Eles vão pagar caro por tudo.

POLICIAL: (se aproxima) Acabamos de prender mais um na casa.

GIOVANNA: E Vítor?…

POLICIAL: Não o encontramos ainda.

GIOVANNA: Pois encontre, ele é o mandante de tudo!

POLICIAL: (algema Pedro mesmo desmaiado).

LUIGI: (se afasta de Giovanna, se aproxima do policial) A arma dele deve ter caído por aqui.

VÍTOR: (segura Giovanna por trás coloca a arma na cabeça dela, olha Luigi) Eu quero um carro imediatamente!

LUIGI: Deixa a minha filha em paz que eu te dou o que você quiser!

POLICIAL: (aponta a arma para Vitor) Solta ela!

VÍTOR: (atira no pé do policial) Eu não estou brincando! Eu quero um carro!

LUIGI: (olhando Giovanna) Vai ficar tudo bem… (olha Vítor) Vem comigo, o carro está aqui perto.

VÍTOR: Vai na frente Luigi e avisa aos policiais que se tentarem impedir a minha fuga vou matar Giovanna e ir preso por um bom motivo!

GIOVANNA: Vítor… Vai sozinho me deixa ir embora.

VÍTOR: (puxa o cabelo de Giovanna) Cala a boca!

LUIGI: Não faz isso Vítor… Eu vou na frente e te dou o meu carro está bem? (pega a chave do carro, entrega á Vítor).

VÍTOR: (pega a chave do carro) Vai logo.

LUIGI: (vai na frente).

Cena 11

Estrada

SÉRGIO: (está esperando com alguns policiais).

LUIGI: (se aproxima) Vítor está com a minha filha, ele quer fugir no meu carro, e disse para vocês não interferirem.

SÉRGIO: (olha Luigi) Não posso deixar ele fugir.

LUIGI: Ele vai matar minha filha!

VÍTOR: (se aproxima, está segurando Giovanna e apontando a arma na cabeça dela) Eu quero todo mundo deitado no chão!

SÉRGIO: Vítor, solta Giovanna e vamos conversar.

VÍTOR: Não quero conversar! Qual é seu carro Luigi?

LUIGI: (mostra para Vítor) Esse aqui.

VÍTOR: (abre a porta do carro, empurra Giovanna para dentro, olha Sérgio) Me dá um par de algemas.

SÉRGIO: Não vou te dar nada!

VÍTOR: (atira em um dos policiais, aponta o revólver para Giovanna) Então vou matar essa ordinária aqui mesmo!

LUIGI: (desesperado) Faz o que ele está mandando Sérgio!

SÉRGIO: (entrega um par de algemas para Vítor).

VÍTOR: (segura as mãos de Giovanna, a algema no carro, da a volta, entra, da a partida, sai em disparada com o carro).

SÉRGIO: Eu vou prender esse sujeito! (entra no carro).

LUIGI: (entra no carro de Sérgio) Eu vou com você!

SÉRGIO: O senhor já me atrapalhou bastante e isso custou a vida de um policial!

LUIGI: A vida da minha filha está em jogo!

SÉRGIO: (vai atrás de Vítor).

Cena 12

Apartamento de Alanis

VITÓRIO: (entra, beija Alanis a olha muito) Está tudo dando certo.

ALANIS: (sorri) Melhor impossível… Eu liguei para Luigi e quem atendeu foi a Doménica.

VITÓRIO: Você fez o que?

ALANIS: Fingi que não estava ouvindo e disse… Fala mais alto meu amor, a ligação está ruim… (da risada).

VITÓRIO: (encosta Alanis na parede a olha muito, sorri) Por isso que eu gosto de você… Você não vale nada. (beija Alanis com vontade).

Cena 13

Estrada

VÍTOR: (está em alta velocidade com o carro).

GIOVANNA: (está com medo, olha Vítor) É melhor você se entregar Vítor.

VÍTOR: Só depois de te matar!

GIOVANNA: (ouve a sirene do carro de polícia) Eles vão te prender.

VÍTOR: Você quer calar a boca! (acelera mais).

Carro de Sérgio

LUIGI: (está tenso, preocupado).

SÉRGIO: Só quero ver até onde você vai Vítor.

Carro de Vítor

VÍTOR: (olha pelo espelho a viatura da polícia, olha Giovanna, pega a arma) Não vão pegar você viva.

GIOVANNA: (chuta a arma de Vítor).

VÍTOR: (perde o controle do carro).

Carro de Sérgio

LUIGI: (fica desesperado) Giovanna…

Carro de Vítor

GIOVANNA: (fecha os olhos).

VÍTOR: (tentando controlar o carro, não consegue, o carro capota várias vezes, bate em um poste).

Carro de Sérgio

SÉRGIO: (freia o carro).

LUIGI: (desce está desesperado, corre para ver Giovanna, chora) Filha… (olha Giovanna desacordada, grita) Sérgio me ajuda!

SÉRGIO: Não podemos mexer nela, temos que esperar socorro.

LUIGI: Eu não vou esperar nada! (abre a porta do carro com dificuldade).

SÉRGIO: (ajuda Luigi, abre a porta do carro, pega a chave da algema, solta Giovanna, verifica se ela está viva).

LUIGI: (olhando Sérgio).

SÉRGIO: Giovanna embora muito ferida está viva, não a tire daqui, a ambulância está a caminho, pedi para mandarem uma assim que saímos da estrada.

LUIGI: (se senta, chora).

SÉRGIO: (se aproxima de Vítor, verifica se ele está vivo, olha Luigi) Esse aqui já era…

LUIGI: Espero que Vítor esteja no inferno! (chora, olha Giovanna, segura a mão dela, a ambulância chega).

Cena 14

Mais tarde/Mansão Fiore/Sala

DOMÉNICA: (está inquieta, andando de um lado para o outro).

ISAQUE: (entra, se aproxima de Doménica) A senhora tem alguma novidade?

DOMÉNICA: Não… Eu estou aqui com o coração na mão.

EMILIANO: (desce as escadas, olha Isaque) O que você está fazendo aqui?

ISAQUE: O mesmo que você estou preocupado com Giovanna.

CARLO: (entra) Já souberam? A polícia prendeu dois dos sequestradores de Giovanna.

DOMÉNICA: E minha filha Carlo, como está?

CARLO: (olhando Doménica) Vítor a levou… A polícia está atrás deles.

EMILIANO: (o celular toca, atende) Alô… (ouvindo Luigi contar sobre o acidente de Giovanna, as lágrimas escorrem).

DOMÉNICA: (observando).

EMILIANO: Estou indo aí… (desliga).

DOMÉNICA: Notícias da Giovanna?

EMILIANO: (está abalado, inconformado, olhando Doménica) Na fuga Vítor bateu o carro… Giovanna estava com ele… O estado dela é grave… Está em coma…

DOMÉNICA: Minha filha… (desmaia).

Fim do Capítulo  


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s