Ferreto – episódio 01 (estreia)

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

 

 

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

 Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 1

Cena 1

 

São Paulo – Guarujá 03 de Outubro de 1968

 

Madrugada – Iate de Gigio

(Uma pessoa desconhecida entra no iate onde Gigio Di Angelis estava dando uma festa para comemorar o ano novo chinês, desce sorrateiramente até o quarto onde Gigio está dormindo, abre a porta, aponta um revólver para Gigio e dispara quatro vezes).

GIGIO: (atordoado, se levanta caminha até o convés, quase sem força, cai em um banco).

ARNALDO: (condutor do Iate se aproxima rapidamente de Gigio, preocupado, assustado). Seu Gigio! O que foi isso?

JOSIAS: (Garçom do Iate, se aproxima) Meu Deus!

KLEBER: (Garçom do Iate, se aproxima) Temos que chamar um médico.

IVETE: (tripulante do Iate, se aproxima com Leontina, secretária de Francesca) Nossa Senhora, o que foi?

HÉLIO: (amigo de Gigio, se aproxima com Julia, a abraça olhando Gigio) Alguém faça alguma coisa! Ele está morrendo.

FRANCESCA: (se aproxima calmamente, olhando Gigio).

GIGIO: (fraco, olhando Francesca) Cesca… Foi ele… (não consegue falar, está muito mal) Foi ele, aquele seu amante, aquele desgraçado! (passa mal) Ele que atirou em mim. (Não consegue mais falar, está perdendo as forças).

 

Cena 2

Manhã – Hotel de Guarujá – Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está se arrumando, batem na porta).

ELISEO: (entra, a olha, está assustado, preocupado, se aproxima dela) Filó…

FILOMENA: (olha Eliseo) Não se dá mais bom dia agora?

ELISEO: (a olhando) Aconteceu uma coisa muito ruim no iate.

FILOMENA: (preocupada) Com Cesca? Onde ela está?

ELISEO: Não foi com ela… (a olha nos olhos) Foi com Gigio.

FILOMENA: Para com essa enrolação e fala de uma vez o que aconteceu.

ELISEO: Gigio foi assassinado.

FILOMENA: (olhando Eliseo, sem acreditar).

 

Cena 3

Um ano atrás – São Paulo

Mansão Ferreto /Manhã– Suíte de Francesca e Gigio

 

GIGIO: (nervoso, olhando Francesca com raiva) Você não vai me falar onde esteve a noite toda?

FRANCESCA: (ascende um cigarro, traga olha Gigio) Aqui Gigio, ou você não percebeu que eu estava ao seu lado na cama.

GIGIO: (alterado) Não se faça de engraçadinha! Você chegou de madrugada!

FRANCESCA: (cansada olhando Gigio) Eu fui dar uma volta Gigio! Para de me atormentar por bobagem. (passa perto de Gigio).

GIGIO: (segura o braço de Francesca com força, a encara) Para com essa ceninha e me fala, você estava com ele não é?

FRANCESCA: (da risada) Com ele quem per Dio? Você está louco? E me solta por que está doendo.

GIGIO: (aperta mais o braço de Francesca, pega o cigarro dela joga fora, a encara, nervoso) E vai doer muito mais se não me contar onde você foi!

FRANCESCA: (olha séria para Gigio) Se você não tirar essa mão de mim vou fazer um escândalo! E todo mundo aqui vai saber como você está fora de si!

GIGIO: (segura o outro braço de Francesca, a chacoalha, grita) Faz! Pode fazer o escândalo que quiser! Não estou nem ai!

FRANCESCA: Me solta! (tenta se soltar).

 

Cena 4

Sala

 

FILOMENA: (entra com Salvatore) Pronto babbo, voltamos para a casa, não doeu ir ao médico. (sorri).

SALVATORE: (se senta) Você fala assim por que não foi o seu braço que espetaram.

FILOMENA: (sorri) Para de reclamar, foi para o seu bem.

SALVATORE: (ouve as vozes de Francesca e Gigio, olha Filomena) O que é isso?

FILOMENA: O que mais babbo? Gigio e Francesca brigando, isso já virou rotina aqui.

SALVATORE: Dio… Desse jeito volto para o hospital, vai lá filha, parece que é coisa séria.

FRANCESCA: (desce as escadas rápido, se aproxima de Filomena) Gigio está insuportável.

SALVATORE: (se levanta) Você está bem?

FRANCESCA: (olha Salvatore) Mais ou menos babbo.

GIGIO: (desce as escadas, olha Francesca com raiva) Ainda não terminamos.

FILOMENA: Seja o que for, já sim, não vou permitir que vocês se matem na frente do babbo.

GIGIO: E você não se mete, sei muito bem que as duas são unidas, uma acobertando a outra.

SALVATORE: Gigio fica calmo, o que aconteceu?

ELISEO: (entra).

GIGIO: (alterado) Cesca! Ela acha que não vi a hora que ela voltou ontem.

FILOMENA: Ela estava comigo.

FRANCESCA: (olha Filomena).

GIGIO: (sorri) Com você? Sei…

FILOMENA: (olhando Gigio, calma) Sim, estava comigo, eu vou ter que contar a Gigio o que estávamos fazendo Cesca.

FRANCESCA: Não conta…

GIGIO: (da risada, olha Filomena) Você não tem nada pra contar Filomena, para de tentar ajudar Cesca que vai ficar pior.

ELISEO: (observa).

SALVATORE: Deixa ela falar Gigio.

FILOMENA: (olhando Gigio) Francesca e eu ficamos até tarde num restaurante preparando uma surpresa para você.

FRANCESCA: (olha chateada para Gigio).

GIGIO: (olhando Francesca, olha Filomena) Você não tinha algo melhor para inventar?

FILOMENA: Eu não tenho porque mentir, e se você quiser te dou o nome do restaurante e você vai até lá e pergunta se não estávamos lá, você não se lembra o que tem amanhã?

FRANCESCA: (faz voz de choro) A única coisa que Gigio se lembra é de como a mulher dele não vale nada.

GIGIO: Amanhã… (fica sem graça, disfarça) É nosso aniversário de casamento.

FILOMENA: Pois é, Cesca me pediu ajuda para organizar um jantar romântico para vocês comemorarem.

FRANCESCA: (se faz de magoada, ofendida) Pode esquecer isso agora! (sobe as escadas).

GIGIO: (olhando Filomena) Não cancela nada… Vou falar com Cesca. (sobe as escadas).

FILOMENA: (sorri).

SALVATORE: (olha Eliseo, se aproxima de Filomena) Sua sombra já chegou querida. (beija o rosto dela) Eu vou descansar um pouco. (sobe as escadas).

ELISEO: (se aproxima de Filomena a olha) Se eu não tivesse ontem com você teria acreditado nessa história que você inventou.

FILOMENA: Fala baixo, se Gigio ouve vai sobrar até para mim.

ELISEO: Ele não vai ouvir, deve estar de joelhos pedindo perdão a Cesca pela desconfiança dele, e ela tão dedicada estava organizando uma surpresa para ele, acho que nem Cesca inventaria uma desculpa perfeita dessa.

FILOMENA: (sorri) Surgiu na minha cabeça e eu falei.

ELISEO: (olhando Filomena, sorri um pouco) Por quê?

FILOMENA: Tem que ter um motivo para ajudar a minha sorella…

ELISEO: Vindo de você sim.

FILOMENA: (séria) Eu vou fingir que não ouvi uma asneira dessa porque não quero brigar com você.

ELISEO: Filó… Você está brigada com Gigio, jogar na cara dele que Cesca pode estar o traindo para ver ele acabado faz mais o seu tipo do que jogar panos quentes como você fez.

FILOMENA: (sorri) Vê – lo fazendo papel de trouxa é muito mais interessante do que dar um tiro de misericórdia.

ELISEO: (sorri) Agora eu entendi…

FILOMENA: Vem, vamos até o escritório, vou ligar no restaurante e dizer que se Gigio ligar é para falarem que Francesca estava conosco.

ELISEO: Depois do que você disse, e do espetáculo que Cesca deve estar dando, ele não vai ligar.

 

Cena 5

Suíte de Francesca e Gigio

 

FRANCESCA: (está sentada na cama, triste) Você estava duvidando de mim de novo!

GIGIO: (senta ao lado de Francesca, a olha) Entenda, depois do que aconteceu eu fiquei assim, você sabe que eu não vou aceitar outra traição.

FRANCESCA: (indignada, olhando Gigio) Eu te prometi não fazer mais, não vejo Adalberto há tempos!

GIGIO: Nem fala o nome dele pra mim que me dá vontade de quebrar tudo aqui… (segura a mão de Francesca) Eu reconheço o meu erro e peço perdão.

FRANCESCA: (olhando Gigio, o abraça, sorri) Tudo bem querido, dessa vez passa.

GIGIO: (beija Francesca).

FRANCESCA: (beijando Gigio o olha, sorri feliz) Você vai adorar tudo que preparei para nosso jantar.

GIGIO: (sorri) Não tenho duvidas amore te amo.

FRANCESCA: (sorri) Eu também te amo. (abraça Gigio, sorri vitoriosa sem que Gigio perceba).

 

Cena 6

Entrada da Mansão

 

MARCELO: (se aproxima com uma pasta na mão, olha a fachada da mansão).

ROMANA: (se aproxima, olha Marcelo) Oi.

MARCELO: (olha Romana) Oi.

ROMANA: Você é?…

MARCELO: Marcelo, eu vim entregar um documento para o seu Salvatore.

ROMANA: Ah sim… (olhando Marcelo) Você trabalha no frigorífico?

MARCELO: (sorri) Você costuma fazer muitas perguntas assim ou é só comigo?

ROMANA: (sorri) As vezes, gosto de estar informada, se você quiser eu levo o documento para o babbo.

MARCELO: (entrega a pasta para Romana) Ele tem que levar esse documento hoje para o frigorífico, ou se ele preferir eu venho buscar depois.

ROMANA: Va bene, eu digo a ele, agora eu vou entrar, estou cansada, acabei de chegar de uma festa de uma amiga.

MARCELO: (sorri) Eu já vou indo Romana.

ROMANA: Como você sabe meu nome, não me apresentei.

MARCELO: (olhando Romana) Apesar de vocês nem olharem para os lados quando vão até o frigorífico as pessoas sabem quem são. (sorri).

ROMANA: (da risada, olha Marcelo) É verdade, preciso olhar mais para os lados quando for até o frigorífico, posso encontrar mais rapazes lindos como você.

MARCELO: (fica sem graça, sorri um pouco, olha Romana) Melhor eu ir, Leontina está me esperando.

ROMANA: Não precisa sair correndo, eu não mordo, a menos que você queira… (sorri).

MARCELO: (sorri) Não vou sair correndo, eu não estou chegando de uma noitada, estou trabalhando.

ROMANA: (da risada) Gostei do seu atrevimento… (vai entrando, olha Marcelo) Marcelo, quer ir ao clube hoje á noite comigo?

MARCELO: (olhando Romana) Vai ter o que lá?

ROMANA: (sorri) Eu.

MARCELO: (sorri, a olha) Se é assim… Vou.

ROMANA: Ótimo, me encontre lá ás 20:00hs. (entra).

MARCELO: (sorri, sai).

 

Cena 7

Sala

 

ROMANA: (entra).

SALVARORE: (desce as escadas, olha Romana) Filha, isso são horas de uma moça chegar em casa?

ROMANA: (sorri) Está cedo babbo. (beija o rosto de Salvatore).

SALVATORE: Está claro, mas você saiu de casa ontem á noite.

ROMANA: (entrega a pasta para Salvatore) Quando eu estava entrando tinha um rapaz que trabalha no frigorífico ai fora para te entregar esse documento, disse que é para hoje.

SALVATORE: Eu já sei do que se trata, grazie.

FILOMENA: (sai do escritório com Eliseo).

SALVATORE: (olha Eliseo) Você ainda está aqui? Você já viu que horas são? Era para o senhor está lá no frigorífico.

ELISEO: Eu já estou indo seu Salvatore, estava conversando com Filomena, era importante.

SALVATORE: Importante? Você vive grudado na minha filha o tempo todo e ainda tem algo importante para falar.

FILOMENA: (sorri) Babbo…

ROMANA: (observa).

SALVATORE: (interrompendo Filomena, faz que não com o dedo) Não filha, você não vai falar nada para defender seu noivo, ele sabe que preciso dele lá no frigorífico e não aqui.

ELISEO: Calma, já estou indo, só vou me despedir de Filomena.

SALVATORE: Pra que? Você vai voltar aqui depois.

ELISEO: (olha Filomena, sorri) Hoje seu babbo está de mau humor.

FILOMENA: Foi porque ele tirou sangue, ele não gosta de agulhas. (sorri).

ELISEO: (a beija, a olha) Até logo amore.

ROMANA: (sorri Não sei como você consegue chama – la de amore… Talvez quando se casarem, isso se casar, vai ver o quanto Filomena é insuportável. (sobe as escadas).

FILOMENA: (séria) Se eu sou insuportável, ela é o que?

ELISEO: Não dê importância.

SALVATORE: (olhando Eliseo) Você já se despediu lembra?

ELISEO: (sorri) Até logo seu Salvatore, já estou indo. (sai).

FILOMENA: Babbo… Você está muito implicante.

SALVATORE: Nada disso, o que é certo é certo, e além do mais… Eu só confio nele, sei que ele não vai me enganar e nem me roubar.

FILOMENA: Por que não diz isso a ele?

SALVATORE: Porque ai ele nunca mais sai dessa casa.

FILOMENA: (da risada, sorri) Só peço que pare de implicância com ele, afinal nós vamos nos casar.

SALVATORE: Não sei quando, estão juntos há três ano e niente.

FILOMENA: Quando eu achar que é a hora certa babbo, bene você vai querer o que para o almoço?

SALVATORE: Mudando de assunto como sempre… (sorri) Eu vou ter que ir ao frigorífico levar esse documento e resolver uma coisa, vá ao clube amore, almoce lá, você já passou tempo demais aqui comigo.

FILOMENA: Eu adoro estar com você, e se você quiser eu vou até lá.

GIGIO: (descendo as escadas) Eu vou, o que tem que ser resolvido não cabe á você.

FILOMENA: (séria) Olha como fala comigo.

GIGIO: Mas é verdade, trata – se de um problema em uma das máquinas, você não vai querer quebrar a unha fazendo trabalho pesado só para impressionar o seu babbo. (sorri).

FILOMENA: (com raiva) Escuta aqui…

SALVATORE: (interrompendo Filomena) Parem de brigar, não gosto disso.

FILOMENA: Gigio está falando bobagens! Não faço nada para te impressionar, faço porque gosto.

GIGIO: Gosta de se aparecer e Salvatore gosta de deixar você brincar de empresária só para te ver feliz.

SALVATORE: (olha sério para Gigio) Agora você está passando dos limites! Não faço nada disso, minha filha é capaz de fazer mais coisas ali do que você e eu juntos, e você sabe.

GIGIO: (sorri) Você que está dizendo…

FILOMENA: Deixa babbo, eu entendo Gigio, ele quer se sentir superior á alguém mesmo não sendo, é bom para o ego dele depois de ter sido traído por Cesca, o que mostra que como homem (olha Gigio) é um inútil. (sobe as escadas).

GIGIO: (fica com raiva).

 

Cena 8

Suíte de Francesca e Gigio

 

FRANCESCA: (ao telefone) Leontina, presta atenção, quero que você ligue para o dono do restaurante que Gigio gosta e diga a ele que Gigio e eu vamos fazer aniversário de casamento amanhã e eu quero fazer uma surpresa ao Gigio fechando o restaurante só para nós (ouve Leontina), se ele falar que não você diz que eu pago o quanto ele quiser, liga agora e depois me diga a resposta dele. (desliga o telefone, sorri) Boa jogada Filomena. (pensativa) Mas… O que será que ela vai querer em troca?…

 

Cena 9

Mais Tarde – Clube

 

FILOMENA: (entra, vai em direção ao restaurante, olha para a quadra de tênis, vê Adalberto jogando, se aproxima da quadra).

ADALBERTO: (jogando tênis, não vê Filomena, perde o jogo, vai saindo da quadra).

FILOMENA: (olhando Adalberto) Você perde até em uma partida de tênis…

ADALBERTO: (olha Filomena) A vida não é feita só de vitórias sabia?

FILOMENA: Não é, mas a sua está sendo só de derrotas. (sorri).

ADALBERTO: Dá licença, Carmela está me esperando para almoçar.

FILOMENA: Antes quero te falar uma coisa… Hoje Gigio estava brigando com Cesca porque ela chegou tarde em casa.

ADALBERTO: (sorri) Foi é? E o que tenho com isso?

FILOMENA: Não venha com esse tipo de joguinho comigo, eu sei que ela estava com você e eu a ajudei, disse que ela estava comigo.

ADALBERTO: Então agora você vai nos apoiar?

FILOMENA: (sorri) Nunca… Me perguntaram por que a ajudei, tive que inventar qualquer desculpa, mas para você eu digo o por que.

ADALBERTO: (olhando Filomena) Estou curioso.

FILOMENA: (olhando Adalberto) Cesca me disse que te ligou porque brigou com Gigio e quis se vingar dele ou seja, você foi usado mais uma vez. (sorri) E nada me deixa mais satisfeita do que saber que você está sendo usado ao bel prazer de Francesca.

ADALBERTO: (fica sério, olhando Filomena) Não entendo você, por que faz essas coisas.

FILOMENA: Você nem deve se entender… (olhando Adalberto) Você não passa de um brinquedinho nas mãos de Francesca e quando ela se cansar, vai te jogar fora. (sorri, vai em direção ao restaurante).

ADALBERTO: (com raiva) É isso que você pensa…

 

Cena 10

Restaurante

 

GIGIO: (entra com Eliseo).

RECEPCIONISTA: (sorri) Olá, bem vindos.

GIGIO: Grazie.(entrando no restaurante).

RECEPCIONISTA: Só um minuto. (pega um envelope, entrega a Eliseo) O gerente escreveu um pedido de desculpas para a senhorita Filomena pelo inconveniente de ontem a noite.

ELISEO: (pega o envelope, olha Gigio, olha a recepcionista) Eu entrego a ela, grazie.

GIGIO: (olhando Eliseo) Você estava aqui ontem com Filomena?

ELISEO: Estava… E ela teve uma pequena discussão com o cozinheiro, vamos entrar Gigio.

GIGIO: Francesca estava com vocês?

ELISEO: (disfarça) Estava…

GIGIO: Você não sabe mentir, ao contrário de Filomena, que menti tão bem que ela mesma acredita no que está inventando. (fica sério, olha a recepcionista) Eu quero ver a lista de clientes que estiveram aqui ontem a noite.

RECEPCIONISTA: Eu não tenho permissão seu Gigio.

GIGIO: (pega o caderno da mesa) Agora tem. (começa a procurar os nomes, encontra apenas de Filomena e Eliseo, fica com raiva) Ela me enganou! Mais uma vez Francesca me enganou!

51233dde-7353-4350-b35e-fb11f5fd0f0e

 

Fim do Capítulo

 

 

 

 

Anúncios

2 comentários em “Ferreto – episódio 01 (estreia)

  1. Nossa, que porcaria de roteiro. Poderia ao menos estudar, para apresentar algo decente as pessoas. Sua escrita é rasa e seus diálogos são bem sofríveis. Não há descrição ou cabeçalho correto. Coloca as ações entre diálogos. Uma zona! Você é ruim desde os tempos de Recanto das Letras!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s