Ferreto – capítulo 8

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 8

Cena 1

Apartamento de Adalberto

 

ADALBERTO: (olhando Francesca, sorri) Eu sabia que você não iria conseguir ficar longe de mim.

FRANCESCA: (sorri) Como você fez para vir para cá?

ADALBERTO: Falei para a Cacá que minha mãe não estava se sentindo bem e que passaria a noite com ela.

FRANCESCA: (da risada, olha Adalberto) E Carmela inocente acreditou… Bobinha a minha sorella. (beija Adalberto).

ADALBERTO: (beijando Francesca a olha) E você, o que disse a Gigio?

FRANCESCA: (segura a mão de Adalberto, o puxando para o quarto) Não vamos perder nosso tempo falando de Gigio… Vamos aproveitar querido, preciso de você.

ADALBERTO: E eu de você. (vai com Francesca para o quarto).

 

Cena 2

Mansão Ferreto – Sala

 

ELISEO: (olhando Filomena) Isso é verdade Filó? Você teve um caso com esse tal Leonel?

FILOMENA: Claro que não! Não sei por que você dá atenção para o que Romana fala.

ROMANA: (olhando Filomena) Deixa de ser sínica sorella, conta para o Eliseo a verdade, você ficou um bom tempo com Leonel, e detalhe, ele mal tinha se separado.

FILOMENA: Você quer calar essa boca! Para de mentir, você está inventando essas coisas porque está com raiva de mim.

ROMANA: (sorri, olha Eliseo) Leonel está aqui como você disse, pergunte a ele.

FILOMENA: Ninguém vai perguntar nada pra ele. (olha Eliseo) Eliseo, ele não gosta de mim.

ROMANA: (da risada) Então não estamos falando do mesmo homem, ou você esqueceu de tudo que Leonel fez para ficar perto de você.

FILOMENA: Para com isso Romana!

SALVATORE: (se aproxima, sorri) Vocês vão jantar?

FILOMENA: Eu vou jantar fora com Eliseo.

ELISEO: (olha Filomena) Não… Agora quero ficar aqui, assim vou ter oportunidade de conversar com Leonel.

FILOMENA: Você não tem porque falar com ele.

ROMANA: Se eu fosse você eu falaria… (sorri).

LEONEL: (se aproxima sorri) Tinha me esquecido o quanto essa casa é bela.

ROMANA: É que você nunca prestou atenção na casa exatamente. (sorri).

LEONEL: (olha Filomena) Pode ser… (sorri).

FILOMENA: (olha Eliseo) Se você não sair daqui comigo agora, não precisa mais voltar.

ELISEO: (sério) Está bem… Vamos. (sai com Filomena).

SALVATORE: Nunca entendi essa implicância entre você e Filó.

LEONEL: (sorri) Sabe que nem eu.

 

Cena 3

Clube – Bar

 

GIGIO: (está procurando Francesca).

HÉLIO: (se aproxima) Eu achei que você já tinha ido Gigio.

GIGIO: (pensativo) Estava procurando Cesca… Ela deve ter ficado furiosa porque demorei.

HÉLIO: Quer que te ajude procurar?

GIGIO: Não, ela deve ter ido para a casa.

HÉLIO: (sorri) Se é assim fica aqui, já te disse que isso de ficar preso só com uma mulher não está com nada.

GIGIO: (sorri) Estou preso a Cesca muito mais do que gostaria.

HÉLIO: Aproveita que ela saiu, eu quero te apresentar uma morena que conheci agora pouco, acho que fará o seu tipo.

GIGIO: (da risada) Conhecendo o seu bom gosto ela deve ser espetacular.

HÉLIO: E é Gigio, ela se chama Lilian.

GIGIO: Vou com você, conheço a moça e depois vou para a casa. (sorri).

 

Cena 4

Apartamento de Adalberto – Quarto

 

FRANCESCA: (está deitada com Adalberto, o beijando, sorri) Sempre é bom ter você por perto.

ADALBERTO: Cesca e essa bobagem de renovação de votos vai ter mesmo?

FRANCESCA: Vai querido… Tenho que fazer o jogo de Gigio para ver o que ele está armando, não acredito na mudança dele.

ADALBERTO: (olhando Francesca) Foge comigo Cesca.

FRANCESCA: (da risada) Ficou louco? Vou com você e vamos viver com que dinheiro? Eu tenho uma boa quantia que minha mamma me deixou, mas não é o suficiente para ter a vida que gosto.

ADALBERTO: Podemos pegar das contas de nossas pais.

FRANCESCA: Eu jamais faria isso com o babbo, ele é incrível demais para ser roubado por mim e por qualquer um, não querido, vamos deixar tudo como está.

ADALBERTO: (olhando Francesca) Eu te amo tanto…

FRANCESCA: (sorri, acaricia o rosto de Adalberto) Gosto de você também querido. (o beija).

Cena 5

Restaurante

 

ELISEO: (olhando Filomena) Filó… Você vai me contar ou não a história do Leonel?

FILOMENA: Não tenho nada para contar.

ELISEO: Se é assim, vou perguntar a Romana, ela sim vai me contar.

FILOMENA: Você não vai perguntar! Mas que coisa…

ELISEO: Que ela está falando a verdade eu sei, ela não iria inventar algo assim.

FILOMENA: (olha Eliseo) Você me venceu pelo cansaço, só vou falar uma vez e se você perguntar de novo nunca mais falo com você.

ELISEO: Está bem, então me conta.

FILOMENA: Que eu não suporto Leonel é vero… E que tivemos uma coisa sem importância também…

ELISEO: Seu pai me disse que ele é casado e tem dois filhos… Você tem vinte e oito anos, quando foi isso?

FILOMENA: Há algum tempo já… Mas isso não interessa porque já foi, muito antes de te conhecer.

ELISEO: Mas não me agrada que ele fique debaixo do mesmo teto que você.

FILOMENA: (olhando Eliseo) Não fui eu quem o convidou e também nós vamos viajar esse fim de semana, e no que depender de mim nem passo do lado dele, realmente não o suporto.

ELISEO: Seu babbo sabe do que houve entre vocês?

FILOMENA: Não e nem vai saber, agora para com isso, já basta a mania que você tem de achar que gosto de Adalberto.

ELISEO: Não é mania.

FILOMENA: (séria) Você está ficando irritante já, eu vou para a casa.

ELISEO: Não… Vou parar, prometo.

FILOMENA: Acho bom… E Romana que me aguarde…

 

Cena 6

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

 

FRANCESCA: (entra).

SALVATORE: (a olha) E Gigio?

FRANCESCA: Deve estar no inferno babbo.

SALVATORE: Brigaram de novo?

FRANCESCA: Ainda não, e quando ele chegar, diga que estou aqui faz tempo. (sobe as escadas).

SALVATORE: (fecha os olhos, fica tonto, se apoia no sofá).

EMPREGADA: (se aproxima) Seu Salvatore, o que foi?

SALVATORE: (se recuperando, a olha) Uma tontura nada demais.

EMPREGADA: O senhor quer alguma coisa?

SALVATORE: Não, já estou melhorando. (se senta).

EMPREGADA: É melhor chamar a dona Filomena.

SALVATORE: Não, e você não vai contar essa bobagem para ela entendeu, já estou bem.

EMPREGADA: Sim senhor… (vai para a cozinha).

GIGIO: (entra).

SALVATORE: (o olha) Gigio… Se eu fosse você antes de entrar no seu quarto colocaria uma armadura.

GIGIO: Faz tempo que a Cesca chegou?

SALVATORE: Sim, o que aconteceu?

GIGIO: Eu encontrei uns amigos no clube e ela voltou para a casa sozinha.

SALVATORE: Você não deveria deixar Cesca de lado assim.

GIGIO: Eu disse para ela ir falar com meus amigos comigo, mas ela não quis.

SALVATORE: (se levanta, sorri) Boa Sorte, boa noite Gigio, vou me deitar.

GIGIO: Vou subir com você. (sobe as escadas com Salvatore).

 

Cena 7

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está se arrumando para dormir, se senta na cama, olha o móvel ao lado) Eu não acredito que aquela inútil não colocou a minha água aqui. (se levanta) Amanhã ela vai se ver comigo. (sai).

 

Cena 8

Corredor

 

LEONEL: (observa de seu quarto Filomena saindo, vê Gigio e Salvatore, espera eles entrarem em seus quartos, entra na suíte de Filomena).

 

Cena 9

Suíte de Filomena

 

LEONEL: (se esconde atrás da porta).

FILOMENA: (entra, fecha a porta, se assusta ao ver Leonel, o olha, nervosa) Você ficou louco? O que está fazendo ai?

LEONEL: (sorri, se aproxima dela) Eu estava com muita saudade.

FILOMENA: (fecha o roupão, se afasta de Leonel, o olha) Você não deveria ter vindo aqui.

LEONEL: E você sabe que eu faço tudo que me dá vontade, não estava conseguindo mais viver apenas com suas lembranças.

FILOMENA: Para de falar essas coisas e saia já do meu quarto, aliás, volte para Paris, lá é sua casa, lá está sua família, aqui você não tem nada.

LEONEL: (se aproximando) Eu vim buscar aqui o que me falta… Você.

FILOMENA: (olhando Leonel nos olhos) Vai embora…

LEONEL: (a olhando nos olhos) Não estava mais suportando a saudade de você.

FILOMENA: (se afasta, nervosa) Eu vou ver se tem alguém no corredor para você sair.

LEONEL: (puxa Filomena pelo braço, a segura, a olha muito) Você quer o mesmo que eu. (a beija com vontade).

 

Cena 10

Suite de Francesca

 

FRANCESCA: (está deitada na cama).

GIGIO: (vem enxugando o cabelo do banheiro, a olha) Cesca, quando eu cheguei você estava dormindo, gostaria de te pedir desculpas…

FRANCESCA: (interrompendo Gigio) Pare com esse discurso velho Gigio Di Angelis, você disse que iria mudar, só quero saber quando.

GIGIO: Você não me esperou amore.

FRANCESCA: Esperei, mas me cansei como sempre. (se levanta, olha Gigio) Eu mudei Gigio, você está vendo isso, mas se tudo continuar na mesma, não vou aguentar.

GIGIO: Isso nunca mais vai acontecer Cesca.

FRANCESCA: (anda pelo quarto) Eu tinha em mente uma noite incrível para nós e você faz o que?… Me larga sozinha naquele clube.

GIGIO: (abraça Francesca) Eu errei e peço desculpas, não fica zangada, no Domingo vamos renovar nossos votos, vamos tentar manter a paz até lá.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Está bem… Vou voltar a dormir.

GIGIO: (sorri) Não faz isso… Não me castiga assim.

FRANCESCA: (sorri) Aposto que você se diverte muito mais com seus amigos, não precisa de mim.

GIGIO: (sorri, a beija, a olha) Não mesmo.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Agradeça por não te colocar no sofá, boa noite. (se deita, fecha os olhos).

 

Cena 11

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (retribuindo o beijo de Leonel, empurra Leonel, dá um tapa no rosto dele, o olha nervosa) Sai já daqui! E nunca mais faça isso, eu sou uma mulher comprometida e você é um homem casado!

LEONEL: (com a mão no rosto, dá risada).

FILOMENA: (séria) Eu não suporto essa sua risadinha… Não sei onde você vê tanta graça.

LEONEL: (sorri) Desse seu jeito de se esquivar das coisas que senti, é engraçado e eu adoro.

FILOMENA: Já que você não quer sair, saio eu.

LEONEL: (tranca a porta, tira a chave, coloca no bolso da camisa, a olha) Para sair você terá que vir pegar a chave. (sorri).

FILOMENA: Leonel… Para com esse joguinho, o que vivemos em Paris foi ótimo, mas acabou assim que voltei ao Brasil e isso já faz muito tempo.

LEONEL: Não acabou eu sei que você senti algo por mim, e você sabe que sou apaixonado por você, as coisas que vivemos foram as melhores, nunca senti isso por ninguém.

FILOMENA: Eu estou noiva. (mostra a mão com o anel de compromisso).

LEONEL: (se aproxima, sorri, a beija a olha) Não estou nem ai pra isso, sou casado. (sorri, a beija).

FILOMENA: (beijando Leonel, o olha muito) Leonel, por favor, abre a porta antes que aconteça uma desgraça.

LEONEL: (sorri) Eu quero exatamente isso, e você também.

FILOMENA: (olhando Leonel) Sabe o que eu mais odeio em você?… É esse sei jeito sínico de me olhar.

LEONEL: (a beija, a olha) Você adora. (a beija mais, a deita na cama).

FILOMENA: Para… Some daqui.

LEONEL: (sorri) Não saio mesmo. (a beija com vontade).

FILOMENA: (retribui).

 

Cena 12

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Sala de Jantar

 

SALVATORE: (está tomando café, olha a empregada) Ninguém acordou ainda?

EMPREGADA: Seu Gigio e dona Francesca saíram, parece que foram escolher algumas coisas para a festa. Dona Romana saiu logo cedo, e ainda não vi Dona Filomena.

SALVATORE: E meu amigo?

EMPREGADA: Deve estar dormindo a porta do quarto dele está fechada.

SALVATORE: Bene, então vou aproveitar o sábado e dar uma volta, não demoro. (se levanta).

EMPREGADA: O senhor tem que tomar o remédio.

SALVATORE: (olha a empregada, sorri) Ordens da Filomena?

EMPREGADA: (sorri) Sim, e disse que se o senhor não tomar o remédio…

SALVATORE: (interrompe a empregada, sorri) E se o babbo sair sem tomar o remédio você está demitida, sua inútil.

EMPREGADA: (sorri) Exatamente isso.

SALVATORE: (da risada) Me dá esse bendito remédio.

 

Cena 13

Apartamento de Eliseo

 

ROMANA: (entra) Bom dia Eliseo.

ELISEO: Bom dia, obrigado por ter vindo.

ROMANA: (se senta) Eu poderia ser hipócrita e falar que estou surpresa por você ter me chamado aqui.

ELISEO: Filomena não me contou nada do que aconteceu entre ela e o sujeito que está na casa de vocês, e eu sei que nem vai, por mais que isso tenha sido faz tempo me interessa saber.

ROMANA: E você quer que eu te conte?

ELISEO: Isso quero saber tudo o que aconteceu entre eles.

ROMANA: Vou te contar aquilo que eu sei, porque a única pessoa que pode te contar tudo é Leonel.

ELISEO: (se senta ao lado de Romana) Tudo bem… O que você sabe?

ROMANA: (olha Eliseo, sorri).

 

Cena 14

Mansão Ferreto – Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (de olhos fechados, sorri, abre os olhos, fica séria ao ver Leonel dormindo ao seu lado, se senta) Leonel! Acorda!

LEONEL: (de olhos fechados) O que foi?

FILOMENA: (inconformada, pega o travesseiro bate em Leonel) Como assim o que foi! O que ainda está fazendo aqui?

LEONEL: (abre os olhos, se senta sorri) Depois do que aconteceu não consegui ir para o meu quarto.

FILOMENA: Eu acho que você tem algum problema muito sério nessa sua cabeça! Se alguém entrasse aqui!

LEONEL: Eu já vou, não precisa ficar assim, logo de manhã faz mal. (sorri).

FILOMENA: (se levanta, veste o roupão) Levanta dai agora e vai embora.

LEONEL: (sorri) Estou semi nú cherié, quer mesmo que saia assim no corredor?

FILOMENA: Se você der mais um sorrisinho desse não respondo por mim, me dá a porcaria da chave.

LEONEL: (aponta a camisa na cadeira) Está ali.

FILOMENA: (pega a chave do bolso do camisa, joga a camisa em Leonel, abre a porta, olha o corredor) Não tem ninguém, vai rápido.

LEONEL: (veste a camisa, se levanta, pega a calça, veste, se aproxima de Filomena a olha) Eu dormi tão bem… (sorri).

FILOMENA: (sorri um pouco) Vai logo.

LEONEL: (a beija, sorri, sai).

FILOMENA: (sorri, fecha a porta, entra no banheiro, sem notar que o relógio de Leonel ficou sobre a cômoda).

 

Cena 15

Mansão Magalhães – Suíte de Carmela e Adalberto

 

CARMELA: (está se arrumando, olha uma nota de pagamento em cima do móvel, pega, vê que Adalberto pagou uma divida no clube com cheque de Salvatore).

ADALBERTO: (entra, sorri) Bom dia Cacá.

CARMELA: (olha séria para Adalberto, mostra a nota) Adalberto, você pode me explicar o que significa isso?

ADALBERTO: (olhando Carmela, pensativo).

 

Fim do Capítulo

Anúncios

2 comentários em “Ferreto – capítulo 8

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s