Pátria Amada – capítulo 4

 

CAPÍTULO  4 

“QUEM MATOU O SENADOR?”

 

          Série de:

          Fábio Moda Magnoni

 

          Baseado na sinopse de:

          Taís Grimaldi  

 

          Direção:
Amora Mautner
          Vinicius Coimbra

 

          PERSONAGENS:
L. FERNANDO      BERNARDO
OLGA             ALCIDES
CECÍLIA        PERITO 2
NICOLAS        PERITO 1
MANUELA        ARTHUR
JOEL
RAYSSA


 

CENA 01/CASA DE MANUELA/SALA-INT/DIA.

Manuela e Joel. Conversa já iniciada.

MANUELA – O quê?

JOEL – É isso mesmo que você escutou, encontraram o senador Luis Fernando Gama morto.

MANUELA – Meu Deus! Que barbárie. E como é que foi isso?

CENA 02/CASA DE EMÍLIA/SALA-INT/DIA.

Emília abraçando Cecília, que esta aos prontos. Conversa já iniciada.

EMÍLIA – Calma, minha filha, calma!

CECÍLIA – Não posso acreditar, mãe. O amor da minha vida, se foi!

EMÍLIA – Veja pelo lado bom, o Luis Fernando teve o fim que merecia, ele recusou ser pai dessa criança.

CECÍLIA – Mesmo assim, apesar de tudo, eu nunca consegui amar tanto outro homem como eu amei o Fernando.

CENA 03/GABINETE DE L. FERNANDO/SALA DELE/INT/DIA.

CAM JÁ ABRE: o cadáver de Luis Fernando estirado ao chão. Ele esta com um corte fundo no rosto e o pescoço roxo.
Os peritos tiram diversas fotos do local. Delegado Alcides entra.

ALCIDES – (ao Perito) Descobriram a causa da morte?

PERITO – Ainda não temos um laudo oficial, mas estamos suspeitando de asfixia.

ALCIDES – Pistas do crime?

PERITO – Por enquanto nada, mas quem cometeu esse crime sabia muito bem onde estava lhe dando.

 

CENA 04/AP DE L. F/SALA-INT/DIA.

Olga chorando perante Olga. Bernardo e Rayssa num canto, sem expressão de tristeza.

BERNARDO – Como ela consegue ficar assim?

RAYSSA – Mamãe sempre foi sentimental, confesso que também estou angustiada, afinal é o nosso pai.

BERNARDO – Que era um monstro, um canalha, é duro falar isso, mas… Mereceu o fim que teve!

RAYSSA – Quem será que matou o nosso pai, hein?

BERNARDO – Suspeitos é o que não faltam!

CENA 05/CASA DE ARTHUR/SALA-INT/DIA.

Arthur abre a porta, Manuela já entra afobada.

MANUELA – Foi você, não foi?

ARTHUR – Eu o quê?

MANUELA – Foi você que matou o Senador!

Arthur tenso.

PRIMEIRO INTERVALO COMERCIAL

CONTINUAÇAO IMEDIATA.

ARTHUR – Como você pode pensar isso de mim?

MANUELA – Depois do que eu vi ontem a noite, eu não duvido mais nada de você!

 

 

 

 

ABRE FLASH BACK NÃO GRAVADO:.

         CENA 06/SENADO/ESTACIONAMENTO/INT/NOITE.

TUDO ESTA ESCURO, NENHUMA MOVIMENTAÇAO. Vemos Luis Fernando e Arthur, cara a cara. Ambos com as vozes alteradas. Conversa já iniciada.

ARTHUR – Eu preciso de 50 mil reais!

LUIS FERNANDO – Eu já disse que não tenho!

ARTHUR – É questao de vida ou morte, os agiotas estao me procurando, prometeram me matar se eu não sanar a dívida.

LUIS FERNANDO – Ninguém mandou você se envolver com gente perigosa, com a máfia da droga de Brasília!

ARTHUR – Eu precisava na época para ajudar nas despesas da minha mae que estava com câncer/

LUIS FERNANDO – (corta) Viu no que deu ajudar os outros? Ela morreu no seqüestro e você ficou aí, jurado de morte e pior, tua mãe morreu levando o câncer consigo!

ARTHUR – (JOGA CHARME/APROXIMA-SE) Por favor, em nome da nossa história, das nossas aventuras.

LUIS FERNANDO – (sensual) Não faz isso comigo!

Arthur beija Luis Fernando.

ARTHUR – Esse beijo não mostra o quanto eu preciso de você?

CAM REVELA, Manuela atrás do pilar, que se revela.

MANUELA – Vocês são amantes?!

Ambos surpresos.

FECHA FLASH BACK NÃO GRAVADO.

Continuaçao…

 

CENA 07/CASA DE ARTHUR/SALA-INT/DIA.

Cont da cena 05. Manuela e Arthur, fixos.

MANUELA – Depois que eu flagrei vocês ele arrancou com o carro e foi embora, talvez ele não quisesse te ajudar!

ARTHUR – Você não tem que se meter na minha história com o L.F

MANUELA – Você se esqueceu que tem uma história comigo também? A gente é amante há quanto tempo? Mais de seis anos!

ARTHUR – E você nunca quis me assumir, nunca quis abandonar aquele trouxa do Joel.

MANUELA – Eu tenho uma família/

ARTHUR – (corta) Família que você odeia, você foi capaz de internar o próprio filho num hospício.

MANUELA – Isso não é da sua conta! (t) Você matou o Luis Fernando?

ARTHUR – Isso também não é da sua conta.

Manuela sai batendo a porta.

CENA 08/HOSPÍCIO/QUARTO DE NICOLAS/INT/DIA.

Nicolas amarrado a cama, ele com uma expressão de sofrimento. A Enfermeira entra e aplica um medicamento no braço dele.

NICOLAS – Até quando?

ENFERMEIRA – Até quando o medico achar que você esta bem.

NICOLAS – (sonolento) Eu quero ir embora daqui, eu não agüento mais!

 

 

 

CENA 09/HOSPÍCIO/SALA DO MÉDICO/INT/DIA.

O Médico e Manuela, ambos sentados, um de frente para o outro.

MÉDICO – O seu filho não apresenta problemas psíquicos, não faz sentido mantê-lo aqui.

MANUELA – O meu filho se envolve com droga e o senhor tem a petulância de insinuar que isso é normal?

MÉDICO – Seu filho não é um dependente químico, apenas se envolveu uma vez, talvez pelas amizades, pela curiosidade, mas ele não tem quadro de viciado.

MANUELA – Quanto o senhor quer pra manter o meu filho nesse hospício com o diagnostico de “ drogado”?

O Médico sorri.

CENA 10/CASA DE  MANUELA/SALA-INT/DIA.

Manuela entra, Joel olhando o seu tablet.

MANUELA – As notícias não são nada boas, parece que o nosso filho piorou!

JOEL – Sério?

MANUELA – Sim, o médico até dobrou a medicação.

JOEL – Que martírio, meu Deus! Logo eu vou visitá-lo. (t) Viu as informações do enterro do senador?

MANUELA – Vi sim, vou ter que ir né.

JOEL – Quem será que matou esse homem, hein?

MANUELA – Seja quem for, fez um excelente trabalho.

JOEL – Sim, livrou o Brasil de um canalha!

 

 

CENA 11/IML/INTERIOR/DIA.

O Perito analisa uma taça de vidro encontrada na cena do crime. Perito 2 entra com um papel.

PERITO 2 – Saiu o resultado do hemograma.

PERITO – O que mostrou?

PERITO 2 – Taxa de álcool relativamente alta no sangue.

PERITO – O que precisamente?

PERITO 2 – Vinho.

PERITO – Uma bebida para receber alguém especial, não acha?

PERITO 2 – Esta desconfiando de uma mulher?

PERITO – O crime tem ares muito femininos, a pancada á cabeça, sinal de fragilidade, o modo como foi acertado mostra espanto, uma vez que o corte foi desproporcional.

PERITO 2 – Esta dizendo que a pessoa que deu uma pancada no Senador foi surpreendida?

PERITO – Sim. Pancadas de corto profundo e reto, quase sempre, equivalem a uma pessoa que estava pronta para dar o “bote”, e, nesse caso, não foi bem isso que aconteceu, uma vez que o corte foi desproporcional, como relatei.

PERITO 2 – Isso nos leva a crer que a pessoa que estava tomando o vinho com o Senador não o matou.

PERITO – Não necessariamente, mas vamos continuar investigando.

CENA 12/IML/SALA DE BALISTICA/INT/DIA.

Cam abre: o Perito dispara dentro d’ água, Alcides ao lado.

ALCIDES – Então acharam a marca de um tiro no quadro do gabinete onde o Luis Fernando Gama foi encontrado?

PERITO – Sim, já temos certeza que  o tiro foi dado com silenciador, por causa do formato que achamos a bala.

Alcides pega a bala (que esta no saco plástico) e observamos que ela esta amassada nas laterais.

ALCIDES – Já sabe com qual arma foi efetuado o tiro?

PERITO – Calibre 38.

CENA 13/CASA DE MANUELA/QUARTO/INT/DIA.

Sonoplastia: escutamos a água caindo no chuveiro. Joel entra com uma calibre 38 em mãos. Ele abre o cofre e coloca o revolver lá dentro, fechando posteriormente.

JOEL – Pronto. Agora ninguém saberá o que eu fiz com essa arma!

ABRE FLASH BACK NÃO GRAVADO:

CENA 14/GABINETE DE L.F/SALA DELE/INT/NOITE.

                            LETREIRO: Noite do crime…              

  1. Fernando á sua mesa, Joel entra.

JOEL –  (ríspido) Será que a gente pode conversar um minuto?

  1. FERNANDO – Ah Joel, olha a hora, eu quero ir embora!

JOEL – Você tem que me escutar!

  1. FERNANDO – Então vai (levanta-se) desembucha porque eu não tenho muito tempo.

JOEL – O partido ta insatisfeito com você e eu como líder vim dizer que você não terá nosso apoio nas próximas eleições.

  1. FERNANDO – O quê? Vocês estao se esquecendo quem coloca dinheiro naquela merda? É através de mim, através dos meus contatos, que o nosso partido é hoje um dos maiores do país!

JOEL – Nós não queremos perder nossos eleitores, portanto você ta fora!

  1. FERNANDO – Quero ver quem vai me tirar dessa!

Joel aponta um revólver a Luis Fernando.

  1. FERNANDO – O que é isso? Ta pensando em matar o Senador da república? Se tu fizer isso, automaticamente uma gravação que eu fiz cai na mão da mídia, você sabe do que eu to falando, né? Do seqüestro falso que você armou e que resultou na morte da mãe do funcionário meu, o Arthur, só pra mostrar o quanto eu era preocupado com os meus funcionários e, que no fim, acabei pagando o resgate que resultou somente no cadáver, ponto pro partido né, por ter um senador preocupado com os seus funcionários e família!

JOEL – Você não seria capaz, tu não sabe com quem esta lhe dando!/

  1. FERNANDO – (corta/grita) Com um merdinha, um pau mandando, uma marionete!

Cam fecha, no revólver com silenciador de Joel, que dispara em direção ao quadro.

JOEL – Se você não tomar tenencia, o tiro pega em você!

Joel sai, LF assustado.

FECHA FLASH BACK NÃO GRAVADO.

CENA 15/CASA DE MANUELA/SALA-INT/DIA.

Voltamos ainda com Joel, angustiado.

JOEL – Ninguém pode saber que aquele seqüestro com a mãe do Arthur não passou de uma farsa para aumentar a popularidade do L.F, nem pode saber que eu to metido nessa história!

Congela.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s