Atores interpretarão personagens no “Mesão da Esperança”

Dona-Armenia-Rainha-da-Sucata

Recentemente, você viu no RD1 as novidades que aparecerão em breve na edição de 30 anos do “Criança Esperança”. Entre elas, o “Mesão” que vai contar com artistas da casa atendendo aos telefonemas com uma forma diferente de cativar o público.

Todos os escalados estarão caracterizados com os principais personagens que interpretaram ao longo da carreira e vão interagir com os mesmos trejeitos, sotaques e bordões.

Aracy Balabanian, por exemplo, estará como Dona Armênia de “Rainha da Sucata”. Protagonista do mesmo sucesso, Regina Duarte será Maria do Carmo. Marcelo Serrado também está confirmado na pele do mordomo Crô, de “Fina Estampa”.

As informações são de Cristina Padiglione, do jornal “Estado de S. Paulo”. O “Mesão da Esperança” vai ao ar durante o “Estrelas” e “Caldeirão do Huck” do dia 15 de agosto, quando o “Criança” vai ao ar.

Anúncios

Globo 50 Anos: Criança Esperança


Em 1986, a Rede Globo, junto com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), lançou a campanha Criança Esperança no programa comemorativo dos 20 anos de Os Trapalhões. A partir de então, anualmente, são realizados os shows que incentivam as doações feitas pelos telespectadores e por várias instituições.

Os shows reúnem diversos artistas, entre músicos, apresentadores e atores do elenco da emissora. O mestre de cerimônias do espetáculo é o humorista Renato Aragão, embaixador do Unicef no Brasil desde 1991.

Nos intervalos entre as apresentações musicais, são abordados temas relativos ao bem-estar e aos direitos da criança e do adolescente, como o aleitamento materno, a gravidez precoce, a transmissão de doenças e a violência, entre muitos outros.

Desde 2004, a campanha é desenvolvida em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que passou a administrar os recursos arrecadados e a apoiar a Globo na abordagem dos temas mais relevantes. É a Unesco a responsável pela seleção e pelo acompanhamento técnico e financeiro dos projetos apoiados.

Em 28 anos de campanha, o Criança Esperança arrecadou mais de 250 milhões de reais, beneficiando mais de cinco mil projetos e quatro milhões de crianças e adolescentes. Todo o dinheiro das doações é investido integralmente em projetos sociais no Brasil.

CURIOSIDADES

O envolvimento da Rede Globo com projetos sociais começou em 1979, quando a emissora participou da campanha pelo Ano Internacional da Criança, estabelecido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como programa-modelo, a campanha é reproduzida em diversos países pelo Unicef.

Criança Esperança é transmitido desde 2004 na TV Globo Internacional, que, em 2008, englobava mais de 480 mil assinantes do tipo premium espalhados em 114 países, entre os quais Estados Unidos, Canadá, Japão, Chile, Argentina, Equador, México, Venezuela, Colômbia, Angola, Panamá, África do Sul, Moçambique, Austrália e alguns países da Europa.

A campanha Criança Esperança teve importante atuação junto à Assembleia Constituinte de 1988, colaborando para sensibilizar a sociedade e os constituintes no sentido da inclusão dos direitos da criança e do adolescente na nova Carta Magna, o que aconteceu através da Emenda Popular que resultou no artigo 227 da Constituição.

Em 1992, o Criança Esperança recebeu medalha no Encontro Mundial de Cúpula pela Criança ( world Summit for Children) por sua contribuição na luta contra os problemas que afligem a infância brasileira.

Em junho de 2003, com o tema “Igualdade na diversidade”, o programa Criança Esperança, em parceria com o Unicef, realizou em Brasília o 1º Seminário Criança Esperança, que contou com a participação de 200 especialistas, pesquisadores, representantes de Organizações Não Governamentais (Ongs), ministros e secretários de governo. Os participantes debateram sobre desigualdade social com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Unicef sobre as diferenças étnicas, culturais e geográficas. A iniciativa marcou uma nova fase da campanha da Rede Globo e foi elogiada pelo então Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, que enviou uma mensagem escrita à emissora.

No Brasil, a campanha já recebeu diferentes tipos de doações, além das contribuições em dinheiro feitas por telefone e pela Internet. Em 2002, por exemplo, o site da campanha promoveu um leilão de camisas autografadas dos jogadores de futebol Ronaldo Fenômeno e Ronaldinho Gaúcho, e dos capacetes dos pilotos de F-1 Ayrton Senna e Rubem Barrichello. O compositor Roger Waters, um dos fundadores do grupo de rock Pink Floyd, doou um violão autografado para ser leiloado em benefício do programa social. Em 2008, a campanha recebeu 200 mil reais da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Em 2008, a tradicional música da campanha ganhou nova letra, assinada por Paulo Massadas e Michael Sullivan, com arranjo de Lincoln Olivetti.

Ainda em 2008, os ingressos do show de domingo foram doados para instituições parceiras do projeto, como Afroreggae, Cufa, além dos jovens atendidos nos Espaços Criança Esperança e de instituições de ensino integrantes do projeto Amigos da Escola.

Em julho de 2008, a TV Globo e Unesco assinaram, em Paris, acordo para a ampliação da parceria entre a emissora e a agência da ONU na realização do projeto Criança Esperança. Koïchiro Matsuura, diretor-geral da Unesco, e José Roberto Marinho, vice-presidente de Responsabilidade Social Corporativa das Organizações Globo, firmaram o documento na presença do embaixador do Brasil na Unesco, João Carlos Souza Gomes, e dos principais executivos da organização.

Espaços Criança Esperança

Em 2002, foram criados os Espaços Criança Esperança (Criesp), que funcionam como centros-modelos de atendimento a crianças e adolescentes de baixa renda, oferecendo atividades esportivas, artísticas, culturais e de informática. São financiados pelo Fundo Criança Esperança, mantido por doações. O primeiro foi instalado no Rio de Janeiro, em parceria com a organização não-governamental Viva Rio, para atender às comunidades das favelas do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho, na Zona Sul da cidade. Em São Paulo, o Espaço Criança Esperança, criado em parceria com o Instituto Sou da Paz, foi instalado no Jardim Ângela, na Zona Sul. O terceiro Espaço Criança Esperança foi implantado em Belo Horizonte (MG), no Aglomerado da Serra, na Zona Sul, localização da maior favela da Região Metropolitana.

Em agosto de 2003 foi inaugurado em Olinda (PE) o quarto Espaço Criança Esperança, para beneficiar duas mil crianças carentes. A cidade foi escolhida, entre outros motivos, por apresentar um alto índice de crimes contra crianças e adolescentes. A unidade de Olinda é uma parceria entre a Rede Globo, o Unicef, a ONG Diaconia e a prefeitura municipal.

Em 2011, o Espaço Criança Esperança em Olinda foi transferido para Jaboatão de Guararapes, município próximo a Recife.

Os Espaços Criança Esperança beneficiam mais de 10 milhões de crianças e adolescentes, registrando mais de 44 mil atendimentos mensais nas oficinas culturais, esportivas, educativas e de formação oferecidas nas unidades.

PRÊMIOS

Em abril de 1980, o jornalista Roberto Marinho, então presidente das Organizações Globo, foi condecorado pelo Unicef com um diploma de honra e uma medalha em reconhecimento por seu trabalho e o da emissora na promoção da campanha. Em 1989, o jornalista recebeu da Unicef o prêmio Comunicação e Infância.

A campanha Criança Esperança foi premiada pela Organização Mundial de Saúde e pelo próprio Unicef.

Em 1991, o projeto ganhou o prêmio Eco, da Câmara Americana de Comércio, pela melhor contribuição à comunidade, na área de saúde.

Em 1992, a campanha foi premiada com a medalha de prata comemorativa do encontro mundial de cúpula pela criança (World Summit for Children), pela contribuição ao problema dos menores carentes.

Em 2000, o Unicef entregou às Organizações Globo um diploma de reconhecimento ao programaCriança Esperança, que, em 15 anos, beneficiara diretamente 4.570 projetos sociais em todo o Brasil. No documento, o Unicef destacava a responsabilidade social da TV Globo e elogiava a trajetória do programa, inspirador da adoção de políticas públicas em todo o Brasil.

Em 2007, o projeto Criança Esperança recebeu o prêmio Top Educação, da revista Educação, na categoria social.