Ferreto – capítulo 23 (último capítulo)

Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

 

 

 

Capítulo 23 (Último Capítulo)

Cena 1

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Suíte de Francesca e Gigio

GIGIO: (está se arrumando, pensativo).

FRANCESCA: (se aproxima, o abraça por trás, o olha pelo espelho) Por que está com essa cara amore?

GIGIO: Você acha pouco as coisas que estão acontecendo?

FRANCESCA: (olhando Gigio pelo espelho) Se for pela ameaça do Marcelo, nem leve em consideração Gigio, isso só mostra a imaturidade dele.

GIGIO: (se vira de frente para Francesca, a olha) Não, isso mostra que ele te ama e que é capaz de tudo por você, mas eu não dou a mínima para esse moleque, mas me importo com você, com o que senti e por quem senti.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Antes você não se importava com nada disso…

GIGIO: Disse bem, antes, porque agora me importo, não quero que falem que minha mulher tem aventuras por ai, já basta tudo que passei por causa do seu amante.

FRANCESCA: Gigio é melhor mudarmos de assunto ou vamos acabar brigando, e ficar mal com você é a última coisa que quero amore. (passa a mão no cabelo de Gigio) Te amo. (beija Gigio).

GIGIO: (beija Francesca).

FRANCESCA: (olha Gigio, sorri) Sabe eu estava pensando amore, que tal darmos uma festa para nossos amigos.

GIGIO: Uma festa? Que tipo de festa?

FRANCESCA: (sorri, se afasta, anda pelo quarto) Uma festa para celebrarmos nosso momento. (olha Gigio sorri) E se fizermos uma festa comemorando o ano novo chinês?

GIGIO: (sorri) Até que não é má ideia, eu faço tudo que você quiser, só falar quando e onde.

FRANCESCA: (abraça Gigio o olha, demonstra felicidade) Eu estava pensando em nosso iate, desde quando compramos nunca fizemos bom uso. (da risada).

GIGIO: É verdade, fica lá encostado, nunca temos tempo.

FRANCESCA: Você nunca tem tempo…

GIGIO: Mas agora terei.

FRANCESCA: (sorri) Perfeito… Vou ver algumas coisas e te falo o dia.

GIGIO: Tudo bem.

FRANCESCA: (se afasta) Vamos tomar café?

GIGIO: Vamos. (sai com Francesca).

Frigorifico Ferreto – Sala de Marcelo

FILOMENA: (está sentada no lugar de Marcelo).

MARCELO: (entra, a olha) Filomena… Bom dia.

FILOMENA: (olha Marcelo) Sente – se, tenho duas coisas para te falar, uma boa e a outra ruim, qual você prefere primeiro?

MARCELO: (se senta, olha Filomena) A ruim.

FILOMENA: Soube da briga que você e Gigio tiveram aqui, aliás, todos já sabem, e é isso que quero evitar, que os problemas da família fique na boca do povo.

MARCELO: Mas Filomena…

FILOMENA: (interrompe Marcelo) Ainda não terminei de falar, aqui não é lugar para ficar se agarrando com Cesca, espero que isso não se repita mais e não ameace Gigio, você não sabe do que ele é capaz.

MARCELO: Posso falar agora?

FILOMENA: Pode.

MARCELO: Eu estava trabalhando quando Cesca entrou e me beijou, Gigio viu e partiu para cima de mim… Agora quanto a ameaça não posso fazer nada, eu fiquei com raiva dele… Eu sei que aqui é local de trabalho, peço desculpas.

FILOMENA: Desculpas não adiantam porque o escândalo já aconteceu, mas espero que isso não se repita.

MARCELO: Não vai…

FILOMENA: (se levanta).

MARCELO: Qual é a boa notícia?

FILOMENA: (olha Marcelo) Você está se saindo muito bem, sinceramente não esperava um bom desempenho de sua parte, mas está me surpreendendo.

MARCELO: (sorri um pouco) Obrigado.

FILOMENA: (vai saindo, olha Marcelo) Mesmo assim se arrumar outra confusão será demitido. (sai).

MARCELO: Pelo menos dessa vez ela me deu bom dia… (sorri).

Mansão Vasconcellos – Sala

ADALBERTO: (está sentado, pensativo).

CARMELA: (desce as escadas, está com Isabela no colo, se aproxima de Adalberto) Adalberto… Está tudo bem?

ADALBERTO: (olha Carmela, sorri um pouco) Esta sim Cacá…

CARMELA: (se senta, o olha) Mesmo? Você não conseguiu dormir direito… Por acaso você fez outra divida de jogo?

ADALBERTO: (olha Carmela) Não, está tudo bem mesmo.

CARMELA: Se você diz… Eu vou levar Isabela para Filomena e não demoro.

ADALBERTO: Espera me deixa ficar um pouco com ela depois você leva. (pega Isabela no colo).

CARMELA: (observa Adalberto) Se tem divida ou não, não sei, mas que está acontecendo alguma coisa está.

ADALBERTO: (pensativo, olhando Isabela).

Uma Semana Depois – Dia da Festa – Fazenda Ferreto

MARCELO: (está caminhando pela fazenda).

CASEIRO: (se aproxima) O que está achando daqui rapaz?

MARCELO: (sorri um pouco) É um lugar muito bonito.

CASEIRO: É sim, depois se você quiser te mostro a fazenda toda.

MARCELO: Eu quero ver sim.

CASEIRO: Você me dá licença porque tenho que resolver um assunto ai, mas não demoro viu, até logo. (sai).

MARCELO: Só falta você aqui Cesca…

Guarujá – Hotel – Suíte de Francesca e Gigio

FRANCESCA: (ao telefone) Nada vai dar errado meu querido, é só prestar atenção quando eu der o sinal, não esqueça, quando eu balançar a echarpe branca você entra no iate, te amo. (desliga o telefone).

GIGIO: (entra).

FRANCESCA: (se levanta, sorri) Amore, estava agora mesmo verificando os últimos detalhes da nossa festa.

GIGIO: (sério) Eu ouvi você falando eu te amo… Quem estava com você ao telefone? Aquele moleque?

FRANCESCA: Gigio você está ficando paranoico querido.

GIGIO: (segura o braço de Francesca, a encara) Eu estou entrando no seu jogo para ver até onde você é capaz de ir Francesca.

FRANCESCA: Me solta você está me machucando!

GIGIO: E posso machucar muito mais, então para de correr atrás de Marcelo. (solta Francesca, sai).

FRANCESCA: (com raiva, com a mão no braço) Você vai ver até onde vou chegar Gigio…

Corredor

GIGIO: (se encosta na parede, está chateado).

ELISEO: (se aproxima) Gigio… Está tudo bem?

GIGIO: (olha Eliseo) Está, é só o cansaço… E Filomena?

ELISEO: Estou indo falar com ela agora, está hospedada numa suíte no andar de cima.

GIGIO: Vou com você. (entra no elevador com Eliseo).

Suíte de Filomena

FILOMENA: (está deitada, com a mão na cabeça).

ELISEO: (bate na porta, entra, está com Gigio, olha Filomena) Está tudo bem?

FILOMENA: Não… Eu quis saber o que aconteceria se eu parasse de tomar o remédio que o médico disse que seria para a vida toda… E me arrependi, a minha cabeça está doendo horrores.

ELISEO: Mas por que você foi fazer isso Filó?…

FILOMENA: Já falei porque, não faz pergunta idiota, já basta a dor.

GIGIO: E você trouxe o remédio?

FILOMENA: (olha Gigio) Sim, e não finja preocupação porque isso é culpa sua.

GIGIO: (olha Filomena) Eu me arrependi de verdade… Sei que foi grave o que fiz, mas eu estava fora de mim… (se senta na cama ao lado de Filomena, a olha muito) Lamento de verdade e fico feliz por você ter ficado viva, sei que ultimamente tenho brigado muito com você, mas foi porque vi que perderia meu lugar para você, que é muito competente, inteligente, sabia que Salvatore te daria plenos poderes nos negócios.

FILOMENA: Por que está falando tudo isso?

GIGIO: Porque quero que você me perdoe, mais do que querer… Eu preciso que me perdoe.

ELISEO: (observa).

FILOMENA: (olhando Gigio) Vamos esquecer isso… Te perdoo.

GIGIO: Mesmo? Você me perdoa por ter te empurrado da sacada?

FILOMENA: Sim e se me lembrar disso toda hora não perdoo mais.

GIGIO: (sorri) Está bem… Muito obrigado… Você não sabe o alivio que me dá. (se levanta) Eu vou até o iate e espero vocês na festa.

FILOMENA: Se eu não melhorar não vou conseguir ir.

GIGIO: Até a noite você vai estar bem. (sorri, sai).

ELISEO: (se senta ao lado de Filomena a olha) Me explica o que aconteceu… Por que você perdoou Gigio? Ele tentou te matar, se você estivesse morta ele iria pedir perdão como?

FILOMENA: (olha Eliseo) Senti sinceridade nele… Lógico que uma coisa assim é inesquecível, ainda mais com um remédio que te lembra diariamente do que aconteceu, mas… Eu quis perdoar, é estranho, mas quis.

ELISEO: Eu não perdoaria e não perdoo…

FILOMENA: Você já alugou o quarto que falei?

ELISEO: Já, mas é desnecessário, vou ficar aqui com você.

FILOMENA: Nós não somos casados e você sabe como as pessoas adoram falar da vida alheia, o quarto serve como fachada entendeu… Agora me faz um favor, fecha a cortina, a claridade está acabando comigo. (coloca a mão na cabeça).

ELISEO: (fecha as cortinas).

Noite – Hotel – Recepção

GIGIO: (esta de saída).

ELISEO: (está entrando no hotel).

GIGIO: Eliseo eu já estou indo para a festa, Filomena melhorou?

ELISEO: Quando eu saí ela estava dormindo, acho que não vamos.

GIGIO: Uma pena, mas se você quiser ir fique á vontade.

ELISEO: Obrigado, qualquer coisa eu olho a festa do hotel, e Cesca?

GIGIO: Já está na festa, agora vou pra lá, até logo. (sai).

Festa no Iate

(Assista a cena da festa no link abaixo, se não assistir não vai entender a continuação da cena).

Iate

FRANCESCA: (mostra estar desesperada, olha Julia e Hélio) É melhor vocês irem embora.

HÉLIO: (nervoso, preocupado) Eu posso ajudar.

FRANCESCA: Não, é melhor vocês irem agora.

HÉLIO: Está bem, vou aguardar notícias. (sai com Júlia que está nervosa).

LEONTINA: Dona Francesca é melhor chamarmos a polícia.

FRANCESCA: (olha séria para Leontina) Ainda não, antes quero falar com vocês… Eu quero que o que Gigio disse antes de morrer, morra com ele, vocês não vão contar nada a ninguém e muito menos para a polícia.

LEONTINA: Mas dona Francesca…

FRANCESCA: (interrompe Leontina, olha as pessoas em volta) Cem mil dólares… É o que vou pagar pelo silêncio de cada um de vocês. (olha Arnaldo) Você concorda?

ARNALDO: (olhando Francesca) Sim, eu não vou falar nada.

FRANCESCA: (olha todos novamente) Quero ouvir a resposta de cada um, conto com a descrição de vocês que será muito bem paga?

JOSIAS: Eu aceito.

KLEBER: (pensativo, olha Francesca) Concordo.

FRANCESCA: (olha Leontina) E você Leontina? Cem mil dólares não caem tão facilmente em suas mãos todos os dias… Aceita?

LEONTINA: (olha Francesca) Sim.

FRANCESCA: (olha Ivete) E você?

IVETE: (está com medo) Eu não quero fazer parte disso.

ARNALDO: Deixa de bobagens, a madame está oferecendo uma grana só para calarmos a boca.

JOSIAS: Você já faz parte disso, viu o mesmo que nós.

IVETE: (com medo) Está bem… Eu aceito.

FRANCESCA: (sorri) Ótimo… Em breve cada um irá receber o que prometi.

Dia Seguinte – Manhã – Hotel – Suíte de Filomena

FILOMENA: (está se arrumando).

ELISEO: (entra, a olha, está assustado, preocupado, se aproxima dela) Filó…

FILOMENA: (olha Eliseo).

ELISEO: (a olhando) Aconteceu uma coisa muito ruim no iate.

FILOMENA: (preocupada) Com Cesca? Onde ela está?

ELISEO: Não foi com ela… (a olha nos olhos) Foi com Gigio.

FILOMENA: Para com essa enrolação e fala de uma vez o que aconteceu.

ELISEO: Gigio foi assassinado.

FILOMENA: (olhando Eliseo, sem acreditar) Assassinado…

ELISEO: Alguém entrou no iate e atirou em Gigio várias vezes.

FILOMENA: (olhando Eliseo) Quem fez isso?

ELISEO: Ninguém sabe.

FILOMENA: Eu vou até lá, preciso ver Cesca. (vai saindo).

ELISEO: (segura Filomena a olha) Não vai lá ainda, você não vai gostar do que vai ver, acredite, eu fui lá e parece cenário de filme de terror.

Iate

DELEGADO: A senhora não viu quem atirou no seu marido?

FRANCESCA: (abalada) Não, eu só ouvi o barulho dos tiros e quando vim ver o que estava acontecendo vi Gigio caído aqui… (chora).

DELEGADO: A senhora sabe se seu marido tem inimigos, ou se tem desavenças?

FRANCESCA: (pensativa, olha o delegado) Tem… Tem sim, um empregado nosso, ele é contador do frigorifico, ele e Gigio tiveram uma briga feia e ele ameaçou Gigio de morte na frente de todo mundo, meu marido descobriu um desfalque que ele deu na nossa empresa, foi horrível.

DELEGADO: Onde podemos encontrar esse homem?

FRANCESCA: (chora) A minha secretária pode informar o endereço, agora eu posso ir?

DELEGADO: Pode.

FRANCESCA: (vai saindo do iate, sorri).

Dois Dias Depois – Fazenda Ferreto – Sala

FRANCESCA: (entra, sorri ao ver Marcelo, o abraça) Meu amor agora sim… Agora estamos livres de uma vez por todas de Gigio.

MARCELO: (olha muito Francesca) Me conta como isso aconteceu quem matou o Gigio?

FRANCESCA: Foi o Carlos, as testemunhas o reconheceram, sei que estou sendo fria diante de tudo isso Marcelo, mas Carlos me livrou de Gigio para sempre, agora estou livre, estamos livres para vivermos o nosso amor.

MARCELO: (olhando Francesca, sorri) Vendo por esse lado…

FRANCESCA: (sorri, beija Marcelo).

Mansão Ferreto – Escritório

FILOMENA: Toda essa história está acabando comigo, não aguento mais essa maldita perseguição da imprensa.

ELISEO: O assassinato de Gigio foi um acontecimento.

FILOMENA: Ainda não acredito no que Carlos foi capaz…

ELISEO: (olha Filomena) Ele jura que não foi ele quem matou Gigio.

FILOMENA: Se declarar culpado é que ele não vai, o fato é que ele foi reconhecido por algumas pessoas que estavam no iate.

ELISEO: Agora Cesca tem o caminho livre para ficar com Marcelo.

FILOMENA: Eu só espero que ela deixe Gigio esfriar, porque se Cesca assumir o caso com Marcelo agora as pessoas vão comentar.

ELISEO: (pensativo).

Noite – Apartamento de Adalberto

FRANCESCA: (entra).

ADALBERTO: Cesca até que enfim você resolveu vir falar comigo.

FRANCESCA: (olha Adalberto) Você fez um ótimo trabalho querido.

ADALBERTO: (sorri, se aproxima) Agora vamos poder ficar juntos.

FRANCESCA: (se afasta, olha Adalberto) Não vamos ficar juntos… Eu estou apaixonada por outra pessoa.

ADALBERTO: (sério) Você está brincando?

FRANCESCA: É sério, eu estou apaixonada por Marcelo e vou ficar com ele.

ADALBERTO: (segura os braços de Francesca, está nervoso) Eu matei Gigio como você mandou! Você disse que ficaríamos juntos!

FRANCESCA: Adalberto me solta.

ADALBERTO: Não! Eu cansei de ser seu brinquedinho, que você usa e quando cansa encosta num canto! Você vai vir comigo agora!

FRANCESCA: Para com isso! (consegue se soltar,olha muito para Adalberto) Nem tente agir contra mim, se me entregar todos irão saber que você é o verdadeiro assassino de Gigio e não aquele infeliz do Carlos.

ADALBERTO: (fica com vontade de chorar) Eu amo você… Você disse que viria comigo.

FRANCESCA: Mas não vou e espero que você não me procure mais, o que houve entre nós acabou… Agradeço por ter me livrado de Gigio… Espero que você fique bem querido… E não faça nenhuma besteira. (sai).

ADALBERTO: (se senta, chora) Maldita… Ordinária!

Dias Depois – Mansão Ferreto – Sala

FRANCESCA: (ao telefone) Isso será uma cerimônia intima aqui na minha casa.

MARCELO: (entra).

FRANCESCA: (não vê Marcelo, sorri) Esse dia está perfeito, obrigada. (desliga).

MARCELO: (se aproxima, sorri) Conseguiu o padre que queria para fazer nosso casamento?

FRANCESCA: (olha Marcelo, sorri, o abraça) Sim amore, e ele disse que pode vir no próximo sábado, eu estou muito feliz.

MARCELO: Eu também Cesca, até parece mentira que vamos nos casar.

FRANCESCA: (feliz) Mas é verdade Marcelo, nosso pesadelo acabou. (beija Marcelo).

FILOMENA: (entra, olha Francesca e Marcelo se beijando) Vocês dois vivem se agarrando em qualquer lugar da casa é impressionante.

FRANCESCA: (sorri) Agora eu posso.

FILOMENA: (olha Marcelo) E você? O que está fazendo aqui?

MARCELO: Cesca me chamou, e não precisa ficar brava, daqui a pouco volto para o frigorifico.

FILOMENA: Acho bom.

FRANCESCA: (da risada) É interessante ver como vocês se dão bem.

MARCELO: Nem tanto, é cada coisa que sua sorella me diz.

FRANCESCA: Mas nunca te ouvi reclamar.

MARCELO: É porque sei que esse é o jeito dela.

FILOMENA: Eu estou aqui, não falem como se fosse invisível.

ELISEO: (entra, está aflito).

FILOMENA: (olha Eliseo) Eliseo… Que cara é essa? Não diga que é algo ruim, já chega o que aconteceu…

ELISEO: (olha Filomena) Você ainda não sabe o que aconteceu com o Carlos?

FRANCESCA: Não me diga que ele saiu da prisão, era só o que faltava.

ELISEO: (olha Francesca) Ele saiu de certa forma.

FILOMENA: Para com esse suspense e fala de uma vez o que aconteceu per Dio.

ELISEO: Carlos se matou na cadeia.

MARCELO: (olhando Eliseo) Quando foi isso?

ELISEO: Hoje de manhã, ele se enforcou…

FRANCESCA: (se senta pensativa).

FILOMENA: Dio…

FRANCESCA: Agora essa história acabou de vez… Carlos irá fazer companhia a Gigio no inferno.

ELISEO: Carlos afirmava ser inocente… O assassino de Gigio pode ser outra pessoa.

FRANCESCA: (olha séria para Eliseo) As testemunhas viram Carlos no iate, Carlos ameaçou Gigio de morte, todos ouviram, então para de falar esse tipo de bobagem, Carlos matou Gigio e pagou em vida e agora pagará com a morte queimando no inferno.

FILOMENA: Para de falar assim Cesca… Vamos encerrar esse assunto de uma vez por todas, acabou eu não quero mais ouvir essas coisas… Vem comigo Eliseo. (entra no escritório).

ELISEO: (olha Francesca, entra no escritório).

MARCELO: (se senta ao lado de Francesca a olha muito) Cesca… Você acha que Carlos era mesmo o assassino de Gigio?

FRANCESCA: Tenho certeza amore, e se ele se matou foi porque quis fugir da pena que deram a ele, e como disse Filomena, já chega desse assunto. (sorri) Vamos falar do nosso casamento.

MARCELO: (olhando Francesca) Você teve alguma coisa nessa história? Pode me contar, confia em mim.

FRANCESCA: (se levanta, indignada) Marcelo! Como você é capaz de pensar uma coisa dessas de mim?

MARCELO: (se levanta, olha Francesca) Você disse que daria um jeito definitivo para se livrar de Gigio e ele foi assassinado.

FRANCESCA: (fica com vontade de chorar) Não acredito, eu estava tão feliz, e foi só falar nesse maldito assunto que tudo acabou! Eu seria incapaz de fazer uma coisa horrível dessas, eu estava sim preparando algo para me livrar de Gigio, mas eu o faria ir para a cadeia… Absurdo Marcelo.

MARCELO: (abraça Francesca) Desculpa amore, não fica assim.

FRANCESCA: (abraçada com Marcelo, pensativa).

Escritório

FILOMENA: (o telefone toca, atende) Alô. (olha Eliseo, disfarça) Não posso falar agora, estou ocupada.

ELISEO: (observa).

FILOMENA: Eu já falei para me deixar em paz, depois falamos sobre isso. (desliga).

ELISEO: Quem era?

FILOMENA: Um repórter, ele vive me atormentando para que eu fale sobre a morte de Gigio.

ELISEO: (olha Filomena) Pela sua cara, o modo como falou, tenho quase certeza que era Adalberto.

FILOMENA: Você agora lê expressões faciais? Não era Adalberto, por que ele me ligaria?

ELISEO: Era isso que eu gostaria de saber.

FILOMENA: (se levanta) Odeio quando você começa com essas coisas.

ELISEO: (se levanta) Está bem… Não precisa ficar assim.

FILOMENA: (olha Eliseo) Eu tenho que sair, vou comprar o vestido para usar no casamento da Cesca, quer vir comigo?

ELISEO: Não vai dar, eu tenho que passar no frigorífico, mas eu volto mais tarde.

FILOMENA: Va bene, então nos vemos mais tarde, mas se começar com isso de Adalberto de novo é melhor nem vir.

ELISEO: (a olha muito) Você sabe que faço isso porque tenho ciúmes dele.

FILOMENA: Mas não precisa ter! Ele é casado com Carmela, e mesmo se fosse o último homem na terra, eu não ficaria com ele, não o suporto, coloca na sua cabeça, o único homem que eu amo é você.

ELISEO: (sorri) É bom ouvir isso, eu também te amo.

FILOMENA: (sorri, o beija, o olha) Até mais tarde. (sai).

ELISEO: (fica sério) Vestido… Sei, pois vamos ver aonde você vai amore.

Clube – Quadra

ADALBERTO: (está parado).

FILOMENA: (se aproxima, está brava) Para de ficar me ligando! Eu já te falei que não vou comprar os bens que babbo deixou para Carmela!

ADALBERTO: (sorri, a olha) Oi, vou bem e você?

FILOMENA: (séria) Adalberto, se você não parar de ficar atrás de mim eu vou ter que falar para Carmela, e vou criar uma história que será impossível ela não acreditar, você não entende, Eliseo sabe que é você que fica me ligando, não quero problemas com ele.

ADALBERTO: Por que você não o deixa e fica comigo.

FILOMENA: (da risada, olha Adalberto) Sabe que seria interessante, você trabalhar no circo como palhaço. (séria, o olha) Eu nunca vou fazer isso, e já perdi tempo demais aqui com você. (vai saindo).

ADALBERTO: (a segura, a olha muito) Enquanto você não aceitar o meu convite para sair, vou continuar te ligando, eu sei que você também quer.

FILOMENA: Eu vou contar até três para você tirar essa mão de mim.

ADALBERTO: (a solta sorri, coloca as mãos para cima) Pronto.

FILOMENA: Adalberto presta atenção… Eu sei que você deve estar se roendo por dentro de tanto ódio porque Cesca preferiu Marcelo e te chutou de novo, e sei que é por isso que está atrás de mim, mas eu não aceito sobras, nunca precisei disso. (o olha nos olhos) Você é lixo da minha sorella, não me serve para nada, você é um inútil. (sorri, sai).

ADALBERTO: (fica com raiva).

ELISEO: (estava vendo Filomena e Adalberto conversar, pensativo).

Mais Tarde – Apartamento de Eliseo

ELISEO: (está sentado em frente á uma máquina de escrever, pensativo, começa a escrever, ao terminar pega o papel, lê em voz alta) Eu sei que você é o assassino, eu vi você matar Gigio Di Angelis na festa chinesa. (pensativo) Com isso eu vou tirar você do meu caminho Adalberto…

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Sala

CARMELA: (entra desesperada) Filomena! Cesca!

FILOMENA: (sai do escritório, preocupada) O que foi? Por que todo esse escândalo?

CARMELA: (nervosa, chorando, se aproxima de Filomena) O Adalberto foi embora, não faço ideia pra onde, esse desgraçado foi embora e me deixou sem nada!

FILOMENA: Fica calma Carmela, como você sabe que está sem nada?

CARMELA: Porque ele teve a cara de pau de me escrever! Ele disse que vendeu tudo que babbo me deixou porque precisava do dinheiro, e ainda disse que sabia que eu ficaria bem. (chora).

FILOMENA: Ele vendeu o que exatamente?

CARMELA: (nervosa) Tudo! Até minhas ações!

FILOMENA: (olhando Carmela) Suas ações estão comigo… Eu as comprei para que não caíssem em mãos erradas.

CARMELA: (se senta, indignada) Filó… Você teve a coragem de fazer isso comigo?

FILOMENA: Eu comprei só as ações, o resto não faço ideia do que ele fez, mas eu comprei porque já sabia que você não seria capaz de mante – las por muito tempo e estava certa.

CARMELA: E você fala isso assim com essa calma, com essa cara de pau!

FILOMENA: (olhando Carmela) Acredite, fiz isso por Isabela, pelo futuro dela, e é por ela que digo que essa casa está de portas abertas para vocês, agora que ficaram sem nada.

CARMELA: (chora) É claro que me restou voltar para cá… Não tenho mais nada e manter uma casa como aquela sozinha será impossível, se é que ele não a vendeu também…

FILOMENA: (olhando Carmela, pensativa) Por que ele foi embora?

CARMELA: E eu sei lá, mas também não quero saber, espero que ele nunca mais volte! Por que depois de tudo isso que ele me fez nunca irei perdoa – lo.

Alguns Meses Depois – Frigorifico Ferreto – Sala de Marcelo

FRANCESCA: (entra, olha Marcelo, sorri) Amore, está muito ocupado?

MARCELO: (sorri) Para a minha mulher nunca estou ocupado.

FRANCESCA: (se senta no colo de Marcelo, o beija, o olha sorri) Eu tenho uma surpresa para você.

MARCELO: É mesmo?

FRANCESCA: (olhando Marcelo) A partir de hoje você é um dos acionistas do frigorifico Ferreto.

MARCELO: (sorri, olhando Francesca) Como assim?

FRANCESCA: (da risada) Simples meu amor, passei uma parte das minhas ações para o seu nome, agora você terá direitos como todos os acionistas.

MARCELO: (fica feliz, beija Francesca, a olha) Grazie amore, você é uma mulher incrível.

FRANCESCA: (olha em cima da mesa de Marcelo, um pedaço de papel com um telefone escrito e um nome, pega, olha Marcelo) Quem é Ana?

MARCELO: (sorri, olha Francesca) É uma moça que chegou faz pouco tempo aqui, ela mora na Mooca.

FRANCESCA: E por que você tem o telefone dela?

MARCELO: Eu a encontrei na rua por acaso, conversamos, e ela me deu o numero caso tivesse uma vaga aqui para ela trabalhar.

FRANCESCA: (olhando Marcelo, rasga o papel) Aqui não tem mais vagas amore.

MARCELO: (sorri) Sabia que com ciúmes você fica ainda mais linda.

FRANCESCA: (sorri) Você ainda não viu nada… (beija Marcelo).

Mansão Ferreto – Sala

FILOMENA: (está com Isabela, sentada no chão, a chamando para ver se ela anda) Vem bambina, vem com a titia.

ISABELA: (dá alguns passos em direção á Filomena).

CARMELA: (se aproxima, observa).

FILOMENA: (sorri a segura) Que linda meu amor, logo você estará andando pela casa toda não é?

CARMELA: (com ciúmes, pega Isabela de Filomena a olha) Acho que agora é minha vez de ficar com a minha filha.

FILOMENA: (se levanta, olha Carmela) Você não fica com ela porque não quer.

CARMELA: Mentira! Você sempre a pega e não me deixa ficar com a menina.

DIVA: Com licença, dona Filomena, telefonema para a senhorita.

FILOMENA: Vou atender no escritório. (olha Carmela) Comigo ela andou, e o que você fez por ela?… (entra no escritório).

CARMELA: (imitando Filomena) Comigo ela andou… (olha Isabela, sorri) Sua titia te ama, mas eu amo muito mais porque você é minha filha.

Escritório

FILOMENA: (ao telefone) Não acredito que você teve coragem de ligar, o que quer?… Ela está ótima, melhor do que com você…

ELISEO: (entra).

FILOMENA: (não vê Eliseo, continua falando ao telefone) Se você me ligar de novo é capaz de acharem que eu sei onde você está. (olha Eliseo, disfarça, continua falando ao telefone) Vou proibir de passarem suas ligações. (desliga, olha Eliseo) Faz parte da educação bater na porta antes de entrar.

ELISEO: Com quem estava falando?

FILOMENA: Era engano, mas toda hora esse inútil se engana e já estou sem paciência… Amore você acredita que a Carmela está com ciúmes da Isabela comigo?

ELISEO: Acredito você parece ser a mãe e não ela.

FILOMENA: Não exagera… Eu gosto muito da bambina.

ELISEO: Isso você não precisa nem falar. (sorri).

FILOMENA: (sorri) E também Carmela não é capaz de cuidar nem dela mesma quem dirá da Isabela, não quero que a bambina seja como ela, uma inútil.

ELISEO: (sorri) Vamos almoçar?

FILOMENA: Vamos, vou buscar a minha bolsa. (sai).

ELISEO: (fica sério) Engano uma ova, esse infeliz foi pra longe mas ainda está me incomodando, vou ter que tomar providências… Mandar outro bilhete e ver se assim ele some da minha vida, sai do meu caminho!

Uma Semana Depois – Mooca – Casa de Zé Bolacha – Quarto de Leontina e Zé Bolacha

LEONTINA: (está se arrumando, pega umas correspondências que estão na penteadeira, olha uma por uma, vê um envelope apenas com destinatário no nome dela, abre, tem uma lista do horóscopo chinês).

LEONTINA: (lê em voz alta) Estão todos condenados… (pensativa, com medo).

Mais Tarde – Haras

ADALBERTO: (está andando disfarçado pelo haras, observa Zé Bolacha e Leontina, se aproxima de um rapaz) Com licença, me pediram para preparar os cavalos para aquele casal, mas não sei quais devo preparar, você pode me ajudar?

RAPAZ: Sim, vem comigo que eu te mostro os animais.

ADALBERTO: (sorri, vai com o rapaz).

Minutos Depois

LEONTINA: (está cavalgando, percebe que a sela está soltando, cai do cavalo, bate a cabeça em uma pedra).

ZÉ BOLACHA: (fica desesperado ao ver a mulher caída) Leontina! (vai correndo até ela, se abaixa para ver como ela está) Leontina! (a olha muito).

LEONTINA: (está fraca, olha Zé, fala baixo, quase sem forças) Não diga que eles me mataram… Proteja nossa família… Todos vão morrer… Procure a lista chinesa… Estão todos condenados. (perde as forças, morre).

ZÉ BOLACHA: (fica desesperado).

ADALBERTO: (observa de longe) Quero ver se agora vou ser ameaçado novamente… (coloca os óculos de sol, sai andando tranquilamente).

São Paulo – 1995

PAULO: (Arnaldo resolveu mudar o nome para Paulo Soares,está trabalhando em um escritório que fica dentro de um edificio, o telefone toca, atende) Alô… Sim… (fica preocupado) Como é que foi isso?… Estou indo pra ai, estou indo pra ai. (desliga o telefone, está aflito) Ah meu Deus. (pega o casaco, sai de seu escritório, está nervoso).

Corredor

SECRETÁRIA: Paulo…

PAULO: (a interrompe, está muito aflito) Depois, depois… (vesti o casaco saindo apressado, entra no elevador, está muito aflito, sai do elevador, sai do prédio, está chovendo muito, faz sinal para um taxi que não para, espera outro, quando vê um carro, um Opala Preto vindo em sua direção, fica assustado, é atingido fatalmente pelo Opala Preto).

 

Anúncios

Ferreto – capítulo 22 (penúltimo capítulo)

 

 Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

 

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 22 (Penúltimo Capítulo)

Cena 1

Frigorífico Ferreto – Sala de Marcelo

 

FRANCESCA: (assustada, olhando Marcelo, dá um tapa no rosto dele, se aproxima de Gigio, mostra estar nervosa) Gigio esse infeliz teve a coragem de me agarrar e me beijar a força! Ele não entende que já acabou o que tínhamos que não significa mais nada!

MARCELO: (coloca a mão no rosto, olha Francesca).

GIGIO: (segura Francesca pelos braços, a chacoalha) Você acha que sou idiota!

MARCELO: (puxa Francesca para seu lado, encara Gigio) Na minha frente você não vai agredir Cesca.

GIGIO: (da um soco no rosto de Marcelo, o olha com raiva) Eu quero você longe da minha mulher seu moleque borra botas!

MARCELO: (olha Gigio com raiva, revida o soco) Acho que sua mulher não quer estar longe de mim.

FRANCESCA: (fica entre Gigio e Marcelo) Parem já! Vamos embora Gigio.

GIGIO: (olha Marcelo, está com raiva) Está avisado Marcelo… Fique longe de Cesca.

FRANCESCA: Ele vai ficar Gigio, não quero nada com Marcelo.

GIGIO: (olha Francesca) Em casa conversamos. (sai com Francesca).

MARCELO: (está com raiva) Maledetto.

 

Cena 2

Mansão Ferreto – Sala

 

DIVA: Me chamou dona Filomena?

FILOMENA: Sim, eu quero que você mande arrumar a suíte que era minha, quero que limpem muito bem, vou comprar móveis novos, e tudo o

que precisar, aquela suíte será para a minha sobrinha, dê um jeito no quarto de hospedes ao lado da suíte.

DIVA: Pode deixar dona Filomena.

FILOMENA: Era só isso, pode ir.

DIVA: Com licença. (sai).

ELISEO: (entrando) Isso que você está fazendo é muito feio…

FILOMENA: (olha Eliseo) Ouvir atrás da porta também é, e não fale como se eu fosse criança porque não suporto.

ELISEO: (se aproxima a olha) Aposto que o quarto ao lado da suíte é para Carmela.

FILOMENA: É um ótimo quarto.

ELISEO: Deveria ser ao contrário ao menos, o bebê no quarto e sua irmã na suíte.

FILOMENA: Melhor você parar de dar palpite, não vai adiantar de nada, já tomei minha decisão.

ELISEO: Ainda dá tempo de voltar atrás, é só devolver as ações para Carmela, e você pode pedir para ela vir aqui com a Isabela e passar uns dias.

FILOMENA: (suspira, olha Eliseo) Nunca volto atrás em minhas escolhas ou decisões, e não vou me contentar com migalhas, quero ter Isabela perto de mim, e afinal, o que você veio fazer aqui?

ELISEO: (sorri) Reparou que desde quando você me viu está me atacando?

FILOMENA: Por que você fica ai dizendo um monte de besteiras!

ELISEO: Não são besteiras e você sabe.

FILOMENA: Me faz um favor? Quando você sair, fecha a porta.

GIGIO: (entra discutindo com Francesca, está nervoso) Eu vi! Para de mentir!

FRANCESCA: Gigio não precisa ficar assim amore.

GIGIO: Eu te pego aos beijos com aquele moleque no frigorifico, e você quer que eu fique como?

FILOMENA: Espera… Vocês não fizeram escândalo no frigorifico, fizeram?

FRANCESCA: (olhando Filomena) Gigio… Ficou alterado, gritou, bateu em Marcelo, que revidou…

FILOMENA: Eu só vou falar uma vez, Gigio você não tinha porque estar lá, e muito menos fazer um escândalo desse! E Cesca, se eu souber de mais coisa do tipo eu vou colocar Marcelo na rua! O frigorifico, não é lugar para se encontrar com o amante! Fui clara?

FRANCESCA: Sim Hitler… Gigio, vamos subir e terminar a conversa por favor. (sobe as escadas).

GIGIO: Eu vou porque quero ver até onde vai a cara de pau da Cesca. (sobe as escadas).

ELISEO: (olha Filomena).

FILOMENA: (olha Eliseo) O que foi?

ELISEO: (a olha sorri) Heil Hitler.

FILOMENA: (séria, o olha) Pode parar com isso, não tem graça.

ELISEO: Tem sim. (sorri) E respondendo sua pergunta, eu vim porque combinamos de comprar os tais móveis para o quarto da Isabela.

FILOMENA: É mesmo, eu só vou pegar umas coisas e vamos, me espera aqui.(vai subindo as escadas).

ELISEO: Heil Hitler!

FILOMENA: (para na escada, o olha sorri).

ELISEO: (sorri) Foi a Cesca que disse…

FILOMENA: Se você continuar com isso não vou mais sair com você.

ELISEO: Parei… (sorri).

FILOMENA: Que bom, e isso vale para todos os dias, já volto, enquanto isso no lugar de ficar ai parado liga para a Leontina e pergunta como as coisas estão por lá depois do vexame de Gigio. (sobe as escadas).

 

Cena 3

Mansão Vasconcellos – Sala

 

CARMELA: (ao telefone, sorrindo) Romana, que saudade, como estão as coisas ai em Florença?

ROMANA: Melhores do que quando estava ai sorella, aqui não tenho que olhar para pessoas indesejadas.

CARMELA: Mas e você Romana? Como você está? Me refiro emocionalmente.

ROMANA: Indo Cacá, mas você pode apostar que logo eu vou me recuperar totalmente.

CARMELA: (sorri) Tenho certeza minha irmã, e quando vamos nos ver novamente, porque já estou com saudades.

ROMANA: (sorri) O dia que você vier á Florença, não pretendo voltar ao Brasil tão cedo, e como você me conhece bem, já deve supor que já não estou mais sozinha aqui, arrumei uma ótima companhia, um rapaz lindo.

CARMELA: (da risada) Só você mesmo minha irmã, fica bem ai e não me deixe sem notícias.

ROMANA: Pode deixar sorella, até logo.

CARMELA: (desliga o telefone).

ADALBERTO: (entra de bom humor, com sacolas de compras nas mãos).

CARMELA: (observa) Adalberto… De onde você tirou tudo isso?

ADALBERTO: (beija o rosto de Carmela, sorri) A sorte sorriu para mim Cacá, ganhei no jogo! E com o dinheiro paguei uma divida que tinha e ainda sobrou.

CARMELA: (sorri) É mesmo, mas olha, então aproveita e pare de jogar, assim não faz mais dividas.

ADALBERTO: (sorri) Pensei a mesma coisa sabia.

 

Cena 4

Mansão Ferreto – Suíte de Francesca e Gigio

 

GIGIO: (nervoso) Para de mentir Cesca! Eu vi vocês se beijando! Por que você faz isso?… Você diz que me ama e na primeira oportunidade me trai.

FRANCESCA: (pensativa, olhando Gigio) Está bem Gigio, realmente beijei Marcelo, mas me deixa explicar… Eu estava conversando com ele, que não aceita o fim do nosso caso, por mais que eu explique que só o usei ele não acredita, daí ele me pediu um beijo para que me deixasse em paz e eu dei, só isso.

GIGIO: (sorri, se aproxima de Francesca, segura o rosto dela a olha muito) Eu não sou idiota… E quero que fique bem claro, que eu nunca vou te deixar, você é minha mulher, e se eu te pegar de novo perto daquele moleque borra botas, eu vou fazer com que ele pague caro, e você sabe que não sou um homem de blefar, estou dando a minha palavra que os dois serão castigados. (solta Francesca, sai).

FRANCESCA: (com raiva) Está cada vez mais insuportável a convivência com Gigio… Odeio você.

 

Cena 5

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

 

ELISEO: (entra com Filomena) Filó por um instante eu achei que você iria mandar o vendedor fechar a loja pra você comprar ela toda.

FILOMEMA: Não exagera, não comprei tanta coisa assim.

ELISEO: É mais fácil eu falar o que você não comprou, o vendedor, porque de resto…

FILOMENA: (sorri) Eu quero o melhor para o quarto da minha sobrinha. (se senta) Mas isso que comprei é só o começo, porque certas coisas gosto de comprar fora daqui.

ELISEO: (se senta ao lado de Filomena a olha) Você já parou para pensar na reação da Carmela quando ela souber que aquele infeliz do marido dela te vendeu as ações?

FILOMENA: Fala um pouco mais alto, assim todo mundo ouve.

ELISEO: Não tem ninguém aqui.

FILOMENA: Nessa casa as paredes tem olhos e ouvidos, não fala mais isso aqui, ou melhor, para de falar isso, até Carmela descobrir, Isabela estará andando, e não sei que preocupação toda é essa com Carmela, afinal as ações estão em boas mãos, as minhas.

FRANCESCA: (desce as escadas, se aproxima) Eu preciso da ajuda de vocês.

FILOMENA: (olha Francesca) Não… Não quero nem saber do que se trata, se só uma pessoa não basta para te ajudar coisa boa é que não é.

FRANCESCA: Eu quero muito ver Marcelo hoje á noite, e não posso sair sozinha, Gigio vai desconfiar.

FILOMENA: Desconfiar não, ele vai ter certeza.

FRANCESCA: Por isso que eu quero um favor de vocês… Se eu sair com vocês ele não vai desconfiar de nada.

FILOMENA: Claro que vai Cesca, desde quando você sai conosco.

ELISEO: (olha Francesca) Se ele for junto não vai ter como desconfiar, podemos ir os quatro ao clube, e depois de um tempo lá você e Filomena inventam qualquer coisa para saírem juntas e eu fico com Gigio esperando vocês voltarem, é só pedir para Marcelo te esperar em algum lugar do clube.

FILOMENA: (olha Eliseo) Você teve uma ideia, e uma boa ideia, inacreditável. (sorri).

ELISEO: (sorri).

FRANCESCA: Eu adorei por mim tudo bem.

FILOMENA: Por mim não, Gigio me jogou da sacada por que babbo me deixou como administradora dos negócios, imagine o que fará se descobrir que eu estou acobertando ao seu amante e você a se encontrarem.

ELISEO: Está com medo?

FILOMENA: Claro que não…

FRANCESCA: (sorri) Se não está com medo você pode me fazer esse favor sorella, o que me diz?

FILOMENA: Va bene… Só essa vez, porque não vou perder meu tempo para que você fique aos beijos com Marcelo.

FRANCESCA: (abraça Filomena, sorri) Grazie!

GIGIO: (entra) Nossa… Para as duas estarem assim coisa boa não deve ser.

FRANCESCA: (olha Gigio) Foi a saudade que senti da minha sorella, nós estávamos combinando de irmos hoje á noite nós quatro ao clube.

GIGIO: É mesmo?

FRANCESCA: Sim, vai ser ótimo, você não vai me negar isso não é? (olhando Gigio).

GIGIO: (sorri) Claro que não, faz tempo que não vamos ao clube, vai ser bom.

FILOMENA: (olha Francesca).

FRANCESCA: (sorri para Filomena).

 

Cena 6

Á Noite – Clube Paulistano – Restaurante

(Filomena, Eliseo. Francesca e Gigio estão juntos á mesa).

 

FRANCESCA: Senti falta desse restaurante, aliás do clube de maneira geral, gosto muito daqui.

GIGIO: Eu também, aqui sempre encontro com amigos.

FRANCESCA: E me deixa por eles.

FILOMENA: Não comecem, se não eu vou deixar vocês aqui, não vou passar vergonha por causa de uma briga.

ADALBERTO: (entra com Carmela).

ELISEO: (olha Adalberto entrando no restaurante) Eu não acredito…

CARMELA: (se aproxima da mesa, sorri) Sorellas! Que surpresa encontrar vocês aqui.

FILOMENA: Digo o mesmo Carmela.

ADALBERTO: Podemos nos sentar com vocês?

GIGIO: Não, peço desculpas á você Carmela, mas não gostaria de ter Adalberto conosco.

FRANCESCA: Gigio…

ELISEO: Eu concordo com Gigio, se fosse só você Carmela, seria um prazer ter você conosco.

FILOMENA: (sorri) Carmela você se casou com um homem que não tem muitos admiradores.

ADALBERTO: (olha Filomena) Mas tenho admiradoras…

FILOMENA: Duvido.

CARMELA: Parem de discutir, e nós viemos aqui para jantar juntos, só nós dois se lembra? Por isso deixamos Isabela com sua mãe.

FILOMENA: Eu não entendo você Carmela, larga a bambina em qualquer lugar, isso é um absurdo.

GIGIO: (olhando Adalberto) Tenham um bom jantar.

ADALBERTO: (olha Francesca, sai com Carmela).

FRANCESCA: Vocês foram sem educação com Carmela coitada.

GIGIO: Com ela não, mas com Adalberto.

ELISEO: (fala baixo para Filomena) Eu posso saber o que Adalberto quis dizer com admiradoras?

FILOMENA: (olha Francesca) Cesca, eu quero te mostrar um novo espaço que abriram aqui no clube, vem comigo. (se levanta, olha Eliseo).

FRANCESCA: (se levanta, olha Gigio) Não demoro amore.

GIGIO: Está bem.

FRANCESCA: (sai com Filomena).

ADALBERTO: (observa).

 

Cena 7

Em Frente ao Restaurante

 

FILOMENA: Cesca eu vou ficar sozinha numa sala, portanto não demore.

FRANCESCA: Pode deixar, Marcelo está me esperando na quadra que fica aqui perto.

FILOMENA: Então vai logo, e não demore, vamos juntas para não desconfiarem. (saem).

 

Cena 8

Quadra

 

MARCELO: (está esperando Francesca).

FRANCESCA: (se aproxima, sorri, abraça Marcelo) Amore não posso demorar, queria te ver.

MARCELO: (olhando Francesca) Eu também, você pode me explicar que cena foi aquela? Por que me bateu?

FRANCESCA: Desculpa amore, tive que bater por causa de Gigio, aliás… Falando nele, vou te pedir uma coisa.

MARCELO: Fala.

FRANCESCA: Eu quero que você ameace Gigio por telefone.

MARCELO: Pra que?

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Fala para ele me deixar em paz, que não o amo, e que se não me deixar vai se arrepender, que você irá mata – lo

quero que ele veja que você me ama e é capaz de tudo por mim, você faz isso meu amor?

MARCELO: (olhando Francesca) Faço… Amanhã.

FRANCESCA: (sorri, beija Marcelo, o olha) Um pouco mais de paciência meu amor e logo estaremos juntos.

MARCELO: (olhando Francesca) Assim espero te amo. (beija Francesca).

 

Cena 9

Sala do Clube

 

FILOMENA: (está sentada).

ADALBERTO: (se aproxima) Eu sabia que não iria te encontrar aqui com Cesca.

FILOMENA: (se levanta, olha Adalberto) Eu posso saber o que você está fazendo aqui?

ADALBERTO: Carmela precisou ir ver Isabela, e eu disse que ficaria mais um pouco.

FILOMENA: O que aconteceu com Isabela?

ADALBERTO: Nada demais, porém minha mãe não tem muita paciência com bebê chorando.

FILOMENA: E por que você veio aqui?

ADALBERTO: Para comprovar que Cesca não estaria aqui.

FILOMENA: (sorri) Ela foi ver Marcelo.

ADALBERTO: Você tem um prazer enorme em me dizer isso não é?

FILOMENA: Tenho sim, porque quando falo que ela te faz de trouxa você nunca acredita, e ver a sua cara de imbecil quando você vê isso com seus próprios olhos é impagável, agora vai embora, já é chato ficar aqui e com você então fica pior.

ADALBERTO: (olha Filomena) Se não me tratar melhor, eu vou até o restaurante e conto para seu noivinho o que houve entre nós. (sorri).

FILOMENA: (olha Adalberto) Não pense que vai me ameaçar Adalberto, porque até nisso você vai sair perdendo, ou você acha que eu não posso fazer o mesmo com você, só que no meu caso posso fazer muito pior, posso fazer com que você vá preso por roubar as ações de Carmela.

ADALBERTO: Mas você comprou de mim, está nisso até o pescoço.

FILOMENA: (sorri) Você não tem nada provando que eu comprei de você, já eu posso pagar alguém e pedir para que a pessoa minta que você vendeu as ações para ele e que assim eu descobri que você roubou as ações de Carmela porque vieram oferecer a mim e assim te colocar na cadeia.

ADALBERTO: (olhando Filomena, sorri um pouco) Venceu…

FILOMENA: Nunca mais me ameace novamente.

FRANCESCA: (entra) Podemos ir. (olha Adalberto) O que você está fazendo aqui?

FILOMENA: Veio bisbilhotar.

FRANCESCA: Filó aproveitando que ele está aqui…

FILOMENA: (interrompendo Francesca) Te espero perto do restaurante, se demorar eu entro sem você. (sai).

FRANCESCA: (olha Adalberto) O que há entre Filomena e você?

ADALBERTO: (sorri) Está com ciúmes?

FRANCESCA: (da risada) Por favor… Não seja ridículo.

ADALBERTO: Então por que perguntou? (se aproxima de Francesca a olha muito).

FRANCESCA: (olhando Adalberto, pensativa, sorri) Curiosidade.

ADALBERTO: E se eu te falar que estou me interessando mais por ela.

FRANCESCA: Eu vou rir e falar que é mentira, porque você gosta de mim.

ADALBERTO: Isso não me impede de ter outra.

FRANCESCA: (beija Adalberto).

ADALBERTO: (beija Francesca).

FRANCESCA: (olha muito Adalberto) Viu como você gosta de mim.

ADALBERTO: E você de mim, não nega.

FRANCESCA: (olhando Adalberto) Não… Não nego querido…

ADALBERTO: Então por que você está se encontrando com Marcelo?

FRANCESCA: Eu estava usando ele, queria que Gigio visse que eu posso ter outro caso não mudasse, mas Marcelo não entende e vive atrás de mim, e hoje coloquei um fim nisso de uma vez por todas. (acaricia o rosto de Adalberto) Nenhum homem me completa como você querido.

ADALBERTO: (sorri) Eu sabia que cedo ou tarde você voltaria para mim.

FRANCESCA: (sorri) Eu tenho que ir agora, mas quero te ver amanhã no nosso apartamento, depois te ligo para combinar a hora… Te amo querido. (sai).

ADALBERTO: (fica feliz).

 

Cena 10

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Sala de Jantar

 

FILOMENA: (está tomando café).

GIGIO: (entra, se senta) Bom dia…

FILOMENA: (olha Gigio) Bom dia…

GIGIO: Acredito que você tenha acordado cedo porque vai ao frigorifico?

FILOMENA: (olha Gigio) Eu acordei cedo porque não tenho o costume de dormir até meio dia.

GIGIO: (sorri) Estava brincando.

EMPREGADA: (se aproxima) Com licença, Seu Gigio, telefone para o senhor.

GIGIO: Quem é?

EMPREGADA: Não quis falar o nome, apenas disse que é algo do seu interesse.

GIGIO: Vou atender. (se levanta, sai).

 

Cena 11

Sala

 

GIGIO: (atende o telefone) Pronto.

FRANCESCA: (descendo as escadas, observa).

MARCELO: Eu quero que você deixe Cesca em paz, ela não te ama.

GIGIO: Mais como é que você se atreve a falar assim comigo?

MARCELO: Não desliga Gigio, escuta com atenção, se você insistir

em não dar o divorcio a Francesca, eu acabo com você, eu mato você,

entendeu? (desliga).

GIGIO: (está com raiva, joga o telefone no chão) Desgraçado!

FRANCESCA: (se aproxima) O que foi meu amor?

GIGIO: (nervoso) Aquele moleque me ameaçou Cesca! Disse que se não te der o divórcio vai me matar!

FRANCESCA: Gigio se acalme.

FILOMENA: (se aproxima).

GIGIO: Não quero me acalmar! Quero quebrar a cara do Marcelo!

FILOMENA: Não quero que vá ao frigorifico fazer escândalos.

GIGIO: (nervoso) Filomena ele me ligou para me ameaçar! Ele disse que se eu não deixar Cesca irá me matar! Você entende isso?

FILOMENA: Pelo menos ele te avisou, não te atacou de uma vez como você fez comigo.

FRANCESCA: (sorri, disfarça).

GIGIO: Você tem que tomar uma atitude, ele agora é seu problema!

FILOMENA: Para mim Marcelo não causa problema algum, ao contrário, ele se sai bem a cada dia, tem me ajudado muito, se é problema para você

não tenho culpa, qualquer coisa que tem para resolver com ele, faça fora do frigorifico, você está proibido de entrar lá, os seguranças já sabem. (sai).

GIGIO: (com raiva, olha Francesca) Tudo isso é culpa sua!

FRANCESCA: Minha? Eu te falei que Marcelo não aceitou o fim da nossa relação, agora você acredita em mim?

GIGIO: (olha Francesca nos olhos) Não!

FRANCESCA: (acaricia o rosto de Gigio) Estou assustada com tudo isso, se Marcelo foi capaz de te ameaçar, irá fazer isso comigo também.

GIGIO: (olhando Francesca) O que ele fez foi grave, posso ir até a delegacia e dar queixa, assim me livro desse moleque de uma vez por todas.

FRANCESCA: Não faça isso amore, isso só vai nos trazer mais problemas.

GIGIO: Ele quer você, mas nunca terá.

FRANCESCA: Eu não o quero amore, é você o único homem da minha vida. (beija Gigio, o abraça, sorri sem que ele veja).

 

Cena 12

Mais Tarde – Apartamento de Adalberto – Quarto

 

FRANCESCA: (está deitada beijando Adalberto, o olha muito) Querido eu estive pensando muito esses dias e percebi que não dá mais para ficar longe de você.

ADALBERTO: (olhando Francesca) Você está falando sério?

FRANCESCA: Muito sério… Sei que vou magoar muito a Carmela, mas te conheci primeiro, pensei em morarmos fora do país…

ADALBERTO: (sorri) É o que mais quero Cesca, vou quando você desejar.

FRANCESCA: (beija Adalberto, o olha) Mas temos um problema muito maior do que Carmela… Gigio.

ADALBERTO: Quando ele perceber estaremos longe, ele vai ter que aceitar.

FRANCESCA: Não vai. Gigio irá nos procurar até no inferno… (olhando Adalberto) Por isso que antes de fugirmos nós temos que mandar ele para o inferno.

ADALBERTO: (olha Francesca) Você quer matar Gigio?

FRANCESCA: É o único jeito de termos paz meu querido, matando Gigio, você faria isso por nós?

ADALBERTO: (pensativo, olha Francesca) Faço qualquer coisa para ficar com você.

FRANCESCA: (sorri, beija Adalberto, o olha muito) Só assim seremos felizes, sem Gigio no nosso caminho.

 

Fim do Capítulo

Ferreto – capítulo 21 (últimos capítulos)

Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita

por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide

Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série

é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens

Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas

na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a

Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide

Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

 Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674 

Capítulo 21

Cena 1

Mansão Ferreto – Piscina

 

FILOMENA: (assustada olhando Marcelo) O que você está fazendo

aqui?

MARCELO: (olhando Filomena) Estava de saída porque vim ver Cesca.

FILOMENA: (olhando Marcelo) Não conte nada a ninguém sobre o que

você viu, vou te pagar muito bem pelo seu silêncio, e peço que esqueça

isso…

MARCELO: (sorri) Não precisa se preocupar Filomena, não vou contar

nada, fica sendo nosso segredo.

FILOMENA: Ótimo… Mesmo assim será recompensado pelo seu

silêncio e se for leal a mim também.

MARCELO: Conte comigo… Agora me fale onde fica a saída, por favor,

estou perdido aqui.

FILOMENA: Vá reto e vire à esquerda.

MARCELO: Grazie. (sai).

FILOMENA: (fica séria, entra).

 

Cena 2

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Sala

 

FILOMENA: (está descendo as escadas).

GIGIO: (entra, a olha) É com você mesma que eu quero falar.

FILOMENA: Como você entrou aqui!

GIGIO: Por favor, Filomena vamos conversar.

FRANCESCA: (desce as escadas, observa).

FILOMENA: Não tenho nada o que falar com você! E fora da minha

casa.

FRANCESCA: Sorella… Eu acho que você deveria dar uma chance a

Gigio, ouvir o que ele tem para te falar.

FILOMENA: (olhando Francesca, estranha) Não quero ouvir nada dele.

FRANCESCA: (olhando Filomena) Confia em mim… Ouve Gigio.

FILOMENA: Está bem, você tem cinco minutos. (entra no escritório).

GIGIO: Grazie amore.

FRANCESCA: Você foi até a fazenda?

GIGIO: Fui mais voltei, vou falar com Filomena antes que ela se

arrependa de me ouvir. (entra no escritório).

FRANCESCA: O que ele veio fazer aqui?

 

Cena 3

Escritório

 

FILOMENA: (está sentada, olha Gigio) Fale o que tanto quer e depois vá

embora.

GIGIO: Eu pensei muito em tudo que eu fiz… Da maneira que vinha

agindo… E quero que me desculpe.

FILOMENA: (sorri se levanta) Achei que fosse algo sério.

GIGIO: É sério, não estou fingindo, não quero ficar longe de Cesca e

nem me afastar dos negócios, quando Salvatore te deixou no comando de

tudo me desesperei, fiquei com medo de perder o meu lugar, porque eu

reconheço, você é melhor do que muitos homens que administram suas

empresas… Daí fiz o que fiz, esqueci da família que somos.

FILOMENA: Você demorou quanto tempo para decorar essa cena?…

GIGIO: Mas que droga Filomena! Estou sendo sincero, estou aqui para

admitir meus erros, me desculpar e poder ao menos voltar pra cá que

sempre foi a minha casa.

FRANCESCA: (entra) Com licença, foi inevitável não ouvir a conversa…

Filó… Perdoe Gigio, acho que voltar a ter paz aqui será muito bom.

FILOMENA: (olhando Francesca) Gigio tentou me matar! E você quer

que eu o perdoe? O que está acontecendo com você Cesca?

FRANCESCA: Acontece que já cansei de viver feito cão e gato aqui,

chega dessas brigas Filó, e o mesmo digo ao Gigio que pelo menos está

se mostrando arrependido.

FILOMENA: Quer saber de uma coisa, eu não tenho tempo para ficar

aqui jogando conversa fora, Gigio pode voltar a morar aqui, mas eu não o

perdoo por tudo que me fez e que fique claro que se fizer qualquer coisa

contra mim pagará caro. (sai).

GIGIO: (abraça Francesca) Grazie amore.

FRANCESCA: (olha Gigio) Você não disse tudo isso só para voltar a

morar aqui não é?

GIGIO: Não, realmente quero fazer as coisas de outro modo.

FRANCESCA: (olhando Gigio, sorri) Que bom ouvir isso meu amor,

mais ainda é ver a sinceridade em seus olhos, agora sim seria o momento

perfeito para fazermos uma segunda lua de mel.

GIGIO: (sorri) Verdade, onde você gostaria?

FRANCESCA: (sorri) Tem que ser um lugar diferente de todos onde já

fomos.

GIGIO: O que você acha da China?

FRANCESCA: (da risada, olha Gigio) Exótico, gostei, vamos para a

China amore. (beija Gigio).

 

Cena 4

Sala

 

FILOMENA: (está de saída).

LEONEL: (entra, a olha sorri) É bom começar o dia te vendo.

FILOMENA: Léo não tenho tempo para você.

LEONEL: Eu vim me despedir de você… Resolvi voltar para o meu país.

FILOMENA: (olhando Leonel) Boa decisão Léo.

LEONEL: Podemos ir tomar um café?

FILOMENA: Vou perder a minha manhã, mas vamos.

LEONEL: (sorri) Fico feliz.

FILOMENA: (sai).

LEONEL: (vai com ela).

 

Cena 5

Mansão Vasconcellos – Sala de Jantar

 

CARMELA: (está tomando café, chateada).

ADALBERTO: (entra, se senta) Bom dia Cacá.

CARMELA: (desanimada) Bom dia…

ADALBERTO: Por que você está assim?

CARMELA: Ah Adalberto estou muito chateada com a ida de Romana

para a Itália e ainda mais sabendo o motivo que a levou a tomar essa

decisão… Ela é a irmã que mais tenho afinidade, vou sentir muito a falta

dela.

ADALBERTO: Romana sabe o que faz Cacá, se ela achou que se afastar

daqui definitivamente faria bem a ela você deveria torcer para que ela se

sair bem por lá.

CARMELA: Eu sei… Mas vou sentir falta dela… Bem, vou arrumar

Isabela, quero fazer uma surpresa á Filomena.

ADALBERTO: (olha Carmela) Por que Surpresa?

CARMELA: (sorri) Vou deixar Isabela com ela… Filó ficou muito

chateada quando soube que não pode ter filhos, quero que ela saiba que

Isabela é nossa, minha, dela, de Cesca e Romana.

ADALBERTO: Cuidado ou nossa filha será de Filomena.

CARMELA: Romana me disse a mesma coisa e eu acho que vocês tem

uma visão muito errada de Filó. (se levanta, beija Adalberto, sorri) Vou

arrumar nosso anjinho. (sai).

ADALBERTO: Não seja tão inocente Cacá…

 

Cena 6

Café

 

LEONEL: Amo demais os meus filhos e vou voltar por eles.

FILOMENA: Faz muito bem Léo, aqui você não tem nada.

LEONEL: (olhando Filomena) Eu passaria a vida aqui se você ficasse

comigo, mas eu sei que será tempo perdido.

FILOMENA: (sorri) Demorou mas você acordou Léo…

LEONEL: (da risada a olha) Sabia que você diria isso, nunca vou me

esquecer de você.

FILOMENA: Esqueça, será mais saudável á você.

LEONEL: Tem certeza que não me quer?

FILOMENA: (sorri) Tenho, você é um grande amigo, mas não tenho

nenhum sentimento nobre por você.

LEONEL: Gostei disse de sentimento nobre. (sorri).

FILOMENA: Eu tenho que ir Léo… Te desejo toda a sorte do mundo. (se

levanta).

LEONEL: (se levanta, a olha) Não quero um aperto de mão ou um

tapinha nas costas de adeus, eu quero um beijo, mas não um beijo no

rosto… (sorri).

FILOMENA: (sorri) Desce da nuvem Léo, estamos em um local público,

as pessoas podem comentar.

LEONEL: Que eu saiba você deu um tempo no seu noivado o que te

torna solteira, livre.

FILOMENA: Não vou te beijar aqui.

LEONEL: Nós nunca mais vamos nos ver… Só um beijo de despedida.

FILOMENA: (olha Leonel) Não!

LEONEL: (beija Filomena).

FILOMENA: (beija Leonel).

LEONEL: (olha Filomena sorri) Sabe que podemos nos despedir

melhor…

FILOMENA: Adeus Léo. (sai).

LEONEL: (da risada, sorri) Adeus…

 

Cena 7

Mais Tarde – Hotel – Suíte de Francesca e Marcelo

 

MARCELO: (nervoso) Você vai sair em lua de mel com o Gigio e me

pede calma? Eu não entendo isso.

FRANCESCA: (acaricia o rosto de Marcelo, o olha muito) Meu amor eu

preciso que você confie em mim, tudo que estou fazendo é para o nosso

bem, para ficarmos juntos.

MARCELO: Cesca me explica onde é que entra nós em você e Gigio

saírem em lua de mel.

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Não posso te falar, mas tenha certeza

meu amor que em breve nós estaremos juntos. (beija Marcelo).

MARCELO: (beija Francesca a olha) Você está me enrolando?

FRANCESCA: (sorri) Nunca, apenas tenha um pouco de paciência que

logo Gigio não irá mais nos atrapalhar.

 

Cena 8

Mansão Ferreto – Sala

 

CARMELA: (está sentada com Isabela).

FILOMENA: (entra, olha Carmela) Sorella… Como vai?

CARMELA: (se levanta, sorri) Bem Filó, olha quem eu trouxe para te

visitar. (mostra Isabela).

FILOMENA: (olha Isabela, olha Carmela) Não preciso da sua pena…

(vai subindo as escadas).

CARMELA: Nada disso Filó… Não posso trazer Isabela aqui é isso?

FILOMENA: (volta, olha Carmela) Claro que pode, mas eu sei por que

está fazendo isso.

CARMELA: (da Isabela para Filomena segurar) Que bom que você sabe,

já estou atrasada para fazer as unhas, as coisas dela estão naquela bolsa

em cima do sofá. (vai saindo).

FILOMENA: Você não pode largar a menina aqui assim, volta aqui.

CARMELA: (sai).

FILOMENA: Carmela volta aqui! (olha Isabela) Sua mãe é uma inútil te

largou aqui e tenho um monte de coisa para fazer… (se senta, olha Isabela

sorri) Você é tão linda bambina… Uma princesa… Queria que Eliseo

estivesse aqui, assim nós poderíamos dar um passeio.

GIGIO: (entra, se aproxima, sorri) É a filha de Carmela?

FILOMENA: É, se você não sabe ela se chama Isabela.

GIGIO: Filó… Sobre aquilo que eu disse sobre você não poder ter

filhos…

FILOMENA: (interrompendo Gigio) Deixa pra lá.

GIGIO: Está bem, vou arrumar minhas coisas, fui comprar passagens

para Cesca e eu irmos para a China ainda hoje.

FILOMENA: (olha Gigio) O que vocês vão fazer na China?

GIGIO: (sorri) Uma segunda lua de mel.

FILOMENA: E por que na China?

GIGIO: (sorri) Achamos exótico.

FILOMENA: Vindo de vocês é comum.

GIGIO: Vou fazer as malas. (sobe as escadas).

FILOMENA: (olha Isabela) Eu queria saber o que sua tia Cesca pretende.

 

Cena 9

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

 

GIGIO: (desce as escadas, está com algumas malas nas mãos).

FRANCESCA: (desce as escadas) Tudo pronto amore?

GIGIO: Sim, é bom irmos agora.

FRANCESCA: Só vou me despedir de Filó.

GIGIO: Está bem. (sai).

FILOMENA: (se aproxima).

FRANCESCA: Você sumiu, onde estava?

FILOMENA: Lá em cima com Isabela, ela dormiu agora.

FRANCESCA: Eu já estou indo viajar.

FILOMENA: Não vai me contar o que pretende com tudo isso?

FRANCESCA: (abraça Filomena) Me livrar de Gigio para sempre. (olha

Filomena sorri, sai).

FILOMENA: (sorri) Eu sabia… Estava bozinha demais.

 

Cena 10

Bar

 

MARCELO: (está sentado, pensativo).

ZÉ BOLACHA: (se aproxima, dá um tapa nas costas de Marcelo) Como

vai Marcelo?

MARCELO: (sorri) Pai, senta ai.

ZÉ BOLACHA: (se senta, olha Marcelo) Está preocupado com alguma

coisa?

MARCELO: Estou… Estava aqui pensando no meu relacionamento…

ZÉ BOLACHA: Pode me falar abertamente Marcelo porque Leontina já

me contou tudo.

MARCELO: (sorri) Francesca saiu numa segunda lua de mel com Gigio

e me disse que está fazendo isso por nós… Tenho medo deles se

acertarem e eu perder ela pai… A amo muito.

ZÉ BOLACHA: (sério) Seria bom se você se afastasse dela Marcelo,

deveria ter continuado com Romana.

MARCELO: Não teve jeito pai… Cesca me ganhou.

 

Cena 11

Á Noite – Mansão Ferreto – Sala

 

ADALBERTO: (entra) Vim buscar minha filha.

FILOMENA: Está la em cima dormindo no meu quarto.

ADALBERTO: (sorri, se aproxima de Filomena) Sabia que eu fiquei

pensando o dia todo no que aconteceu ontem.

FILOMENA: Não deveria… Eu já nem sei mais do que se trata.

ADALBERTO: (segura Filomena pelos braços, a olha muito) Duvido…

FILOMENA: (se afasta) Já pensou sobre minha proposta? Pago sua

divida se tiver as ações de Carmela.

ADALBERTO: (sorri) Eu quero minha divida paga e mais o valor dela á

parte.

FILOMENA: (sorri) Eu sabia… Va bene, se esse é o preço que você está

colocando nas ações, terá.

ADALBERTO: (puxa Filomena, a olha muito) Por que você não fica

comigo?

FILOMENA: (olhando Adalberto nos olhos) Porque você não significa

nada para mim.

ADALBERTO: Não foi o que me pareceu ontem… Você estava gostando.

FILOMENA: (olhando Adalberto) Sabe por que fiquei com você

ontem?… Porque eu descobri que na vida apenas uma coisa que quero

não posso ter, mas o resto… Posso, e não vou medir esforços para

conseguir, você foi uma das coisas que tive vontade de experimentar e

tive, agora a vontade passou. (sorri).

ADALBERTO: (a olhando) Mentira… (faz que vai beijar Filomena).

FILOMENA: (olhando Adalberto).

ELISEO: (entra, sério) Atrapalho?

FILOMENA: (se assusta ao ouvir a voz de Eliseo).

ADALBERTO: (disfarça, se afasta de Filomena) Não, aliás você chegou

em boa hora, sua noivinha me tira do sério, vou buscar minha filha. (sobe

as escadas).

FILOMENA: (olha muito Eliseo) Você veio logo…

ELISEO: (se aproxima de Filomena, a olha) Alguma coisa me dizia para

voltar… Vi minha mãe, e voltei, ela está bem.

FILOMENA: Que bom.

ADALBERTO: (desce as escadas com Isabela no colo, olha Filomena)

Da próxima vez vou pedir para Cacá vir buscar nossa filha só para não

ter que olhar na sua cara. (sai).

FILOMENA: É um imbecil…

ELISEO: O teatrinho já pode parar, eu vi Filomena, vocês estavam

juntinhos ai quase se beijando.

FILOMENA: Não diga bobagens, Adalberto e eu estávamos discutindo.

ELISEO: Odeio quando você tenta me fazer de idiota!

FILOMENA: Va bene… Vou te contar o que estava acontecendo,

Adalberto tem uma divida de jogo para pagar e me pediu ajuda e eu disse

que só ajudo se em troca ele me der as ações de Carmela, e ele acaba de

me cobrar o valor da divida em dobro, eu disse que aceito e também

disse umas verdades e ele não gostou.

ELISEO: Como é? Você vai roubar as ações da sua sorella?

FILOMENA: Eu não vou roubar nada, as ações de Carmela estarão mais

seguras comigo, ela é uma inútil.

ELISEO: Não concordo com esse tipo de coisa.

FILOMENA: (olha Eliseo) Pois trate de se acostumar com meu modo de

agir, afinal vamos nos casar e não quero ter que viver discutindo com

você.

ELISEO: É errado isso Carmela vai ficar sem nada e… (olha Filomena)

Você disse que vai se casar comigo?

FILOMENA: (olhando Eliseo) Sim… Senti muito a sua falta, e se antes já

tinha a certeza do meu amor por você, agora tenho muito mais.

ELISEO: (sorri) É sério isso?

FILOMENA: (sorri) Sim…

ELISEO: (a olha muito) Você não sabe o quanto temi voltar e ouvir você

me dizer que nossa separação seria definitiva, eu te amo. (beija

Filomena).

FILOMENA: (beija Eliseo).

 

Cena 12

1 Mês Depois

 

Frigorífico Ferreto – Sala de Marcelo

MARCELO: (ao telefone) Eu agradeço a oportunidade, você não vai se

arrepender, grazie. (desliga, sorri) Isso Marcelo, você está cada vez

melhor. (se levanta).

FRANCESCA: (entra, olha Marcelo sorri) Eu quase morri de saudades!

(beija Marcelo com vontade).

MARCELO: (retribui).

 

Cena 13

Mansão Ferreto – Escritório

 

FILOMENA: (está sentada, lendo uns documentos).

ADALBERTO: (entra, coloca uma pasta sobre a mesa) Ai está… As ações

de Carmela agora são suas.

FILOMENA: (pega a pasta, olha Adalberto, sorri vitoriosa). Olha só…

Até que você serve para alguma coisa.

ADALBERTO: Eu quero o dinheiro que me prometeu.

FILOMENA: (pega a bolsa, tira um talão de cheques, começa a

preencher, tira uma folha, entrega á Adalberto) Ai está.

ADALBERTO: (pega o cheque, sorri) Foi um prazer fazer negócios com

você.

FILOMENA: (sorri).

 

Cena 14

Frigorífico Ferreto – Sala de Marcelo

 

MARCELO: (feliz olhando Francesca) Eu achei que você iria desistir de

mim.

FRANCESCA: Nunca, eu já disse que te amo e muito mais do que você

imagina.

MARCELO: (sorri) Eu também te amo Cesca. (beija Francesca).

GIGIO: (entra, vê o beijo de Francesca e Marcelo, fica furioso) É assim

que você diz me amar sua ordinária?

FRANCESCA: (assustada olhando Marcelo).

 

Fim do Capítulo

Ferreto – capítulo 20 (últimos capítulos)

Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

 

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

 

 

Capítulo 20

Cena 1

Mansão – Mansão Ferreto – Suíte de Francesca e Gigio

GIGIO: (está sentado na poltrona, pensativo).

FRANCESCA: (se aproxima, o olha) Posso falar com você?

GIGIO: (sério, a olha) O que quer falar? O que acha que ainda pode falar comigo?

FRANCESCA: (se abaixa perto de Gigio o olha sincera) Eu queria que você descobrisse o que estava acontecendo entre Marcelo e eu.

GIGIO: (sorri) Não é possível… Cesca você deveria entrar em um curso de teatro, esse dom de atuar deve ser aproveitado.

FRANCESCA: (acaricia a mão de Gigio) Estou falando sério… Você disse que iríamos recomeçar e nada mudou então eu vi Marcelo, percebi que o que havia entre ele e Romana não era nada demais e que vocês eram amigos e o usei, mas você nunca percebeu nada, queria chamar a sua atenção.

GIGIO: E tudo aquilo que você me disse? Que estava apaixonada por esse moleque, também foi para chamar a minha atenção?

FRANCESCA: (se senta no colo de Gigio o abraça) Foi… Queria ver qual seria sua reação amore… Às vezes acho que você não me ama mais e quis testar isso.

GIGIO: (olhando Francesca nos olhos) Cesca… Se isso for verdade você fez a pior besteira da sua vida.

FRANCESCA: (acaricia o rosto de Gigio o olhando nos olhos) Eu sei, mas tinha que fazer a última jogada amoré, e com isso percebi que ainda temos chance de salvar nosso casamento.

GIGIO: E Marcelo?

FRANCESCA: (sorri) O que queria dele já consegui, ele foi uma peça do meu jogo… Você acredita em mim Gigio?

GIGIO: (olhando Francesca) Vindo de você não tem como não acreditar, as coisas que você faz são surpreendentes.

FRANCESCA: Então vamos nos dar mais uma chance?

GIGIO: (sorri) Vamos, eu te amo, e você não precisa fazer esse tipo de coisa para testar o meu amor, nunca mais entre nesse tipo de aventura porque não terá perdão.

FRANCESCA: (beija Gigio, o olha muito sorri) Pode deixar. (abraça Gigio, sorri vitoriosa).

Cena 2

Escritório

FILOMENA: (está lendo um documento).

ROMANA: (entra) Preciso falar com você.

FILOMENA: (não olha Romana, continua lendo) Antes de entrar deve – se bater na porta, e estou ocupada agora.

ROMANA: Eu vou embora dessa maldita casa.

FILOMENA: (olha Romana) O que?

ROMANA: Eu estou indo embora daqui, dessa casa, do país… Decidi ir para a Itália… Não tenho o que fazer aqui.

FILOMENA: (olhando Romana) Não devemos fugir dos nossos problemas.

ROMANA: Quem fala você terminou seu noivado porque não pode ter filhos, isso é o que? Ficar e enfrentar? E eu não vim te pedir conselhos vim te avisar que hoje vou embora.

FILOMENA: Pelo que vi você está decidida mesmo.

ROMANA: Estou e vim te falar que o período que estiver fora, você vai cuidar do que babbo me deixou, veja bem, cuidar, não estou te dando nada.

FILOMENA: (olhando Romana) Nunca pensei que você me deixaria cuidando das suas coisas, muito menos ações.

ROMANA: Nem eu, mas no memento não tenho tempo para procurar outra pessoa, estarei sempre entrando em contato.

FILOMENA: Está bem.

ROMANA: Vou terminar de arrumar as minhas coisas. (sai).

FILOMENA: (pensativa).

Cena 3

Mais Tarde – Frigorífico Ferreto – Escritório de Filomena

LEONTINA: (está guardando umas pastas).

MARCELO: (entra) E Filomena?

LEONTINA: Está chegando, por quê?

MARCELO: (sorri) Porque consegui uma coisa que ela queria, e com isso vou ter o que quero.

LEONTINA: Marcelo… Só te peço para fazer as coisas honestamente.

MARCELO: Não se preocupe, sei exatamente o que faço.

FILOMENA: (entra, olha Marcelo) O que faz aqui?

MARCELO: (sorri) Boa tarde.

LEONTINA: Eu já guardei os documentos que me pediu nas pastas, com licença. (sai).

FILOMENA: (se senta, olha Marcelo) Você conseguiu convencer o empresário?

MARCELO: Consegui. (coloca uma pasta em cima da mesa) Ai estão os documentos assinados por ele, você tem o seu sócio de volta.

FILOMENA: (pega a pasta, abre, olha os documentos, olha Marcelo) Muito bem… Como disse agora você ocupará o lugar de Gigio, mas vou ficar atenta a cada passo que você der durante um mês.

MARCELO: (olhando Filomena) Garanto que não irei decepcionar.

FILOMENA: Se falhar irá decepcionar a si mesmo e não a mim, já pode ir para a sua sala.

MARCELO: (sorri) Com licença. (sai).

FILOMENA: (olhando os documentos) É… Até que esse rapaz não é o inútil que pensei que fosse.

Cena 4

Mansão Ferreto – Suíte de Romana

CARMELA: (entra, olha Romana) É verdade que você vai embora?

ROMANA: Como as notícias correm.

CARMELA: Não vai Romana, ou então passe alguns dias fora e volte.

ROMANA: Não Carmela, não tenho mais nada para fazer aqui, nada mais me prende a esse lugar.

CARMELA: Você ficou muito chateada com toda essa história da Cesca com o Marcelo não foi?

ROMANA: Fiquei mais do que chateada, estou enojada com as coisas que as pessoas são capazes de fazer, pessoas próximas a nós, que amamos, essas são as que mais ferem.

CARMELA: Sinto muito… Mesmo assim queria você perto de mim.

ROMANA: Larga esse fracassado do Adalberto e venha comigo.

CARMELA: (sorri) Não posso, tenho Isabela e não quero deixar ela longe da família, e principalmente de Filó, agora que ela descobriu que não pode ter filhos…

ROMANA: É um bom motivo para você pegar sua filha e deixar bem longe dela, ou então você perderá a menina para Filomena.

CARMELA: Não exagere Romana.

ROMANA: Não é exagero, conheço Filomena, se você deixar ela brincar de mamãe com sua boneca, ela não vai mais te devolver, fique atenta, e agora já chega de falar dela, quero me despedir de você bem longe dessa maldita casa, vamos para o clube e de lá vou para o aeroporto.

CARMELA: (chateada) Você tem certeza que quer ir mesmo?

ROMANA: Tenho… Cansei daqui.

Cena 5

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

FILOMENA: (entra).

GIGIO: (se aproxima, está com raiva) Que história é essa de você dar o meu lugar no frigorífico para o Marcelo!

FILOMENA: (olhando Gigio) As notícias correm não é eu não lhe devo satisfação do que faço no frigorífico, você não trabalha mais lá esqueceu?

GIGIO: (segura o braço de Filomena, a encara) Eu já perdi a cabeça por muito menos Filomena, você colocou o amante da Cesca no meu lugar! Isso não vou admitir!

FILOMENA: (encara Gigio, altiva) Pelo jeito o rapaz é melhor do que você em tudo… Tira a mão de mim.

GIGIO: (não solta Filomena) Eu exijo meu emprego de volta! Se seu pai te deixava brincar de mandar, eu não vou permitir!

FILOMENA: (fica com raiva se solta) E quem é você para exigir algo? Coloca na sua cabeça, aqui quem manda sou eu!

FRANCESCA: (entra) O que está acontecendo?

GIGIO: (olhando Francesca) Sua irmãzinha te fez um favor, colocou Marcelo na gerencia do frigorífico.

FRANCESCA: Eu já te falei sobre isso, Marcelo não foi nada para mim.

FILOMENA: Eu tenho mais o que fazer do que ficar aqui perdendo o meu tempo, e você Gigio, se colocar a mão em mim novamente vai se arrepender.

GIGIO: (olha Filomena, sorri) Deus sabe mesmo o que faz… Alguém como Cesca, como você realmente não merece ser mãe.

FILOMENA: (dá um tapa no rosto de Gigio, está com raiva) Eu quero você fora da minha casa! E quero que saia agora!

GIGIO: (com a mão no rosto) Não saio.

FILOMENA: Então eu vou chamar os seguranças! A polícia! Mas aqui você não fica!

FRANCESCA: Vamos manter a calma…

FILOMENA: Não! Gigio já passou de todos os limites e se você quiser vá com ele!

GIGIO: Está assim porque falei a verdade não é… (sorri).

FILOMENA: (encara Gigio, sai).

FRANCESCA: Gigio você quer calar essa boca! Para de provocar Filomena, você não pode fazer uma guerra aqui.

GIGIO: Vou atormenta – la tanto que ela não vai agüentar e fazer tudo que eu quiser.

FILOMENA: (entra com os seguranças) Quero Gigio fora daqui, podem leva – lo.

GIGIO: Você enlouqueceu?

FRANCESCA: Você dizia Gigio…

FILOMENA: Quero que o tire daqui e não o deixe mais entrar, fui clara?

SEGURANÇA: Sim. (se aproxima de Gigio).

GIGIO: Não… Eu vou sozinho, só vou pegar as minhas coisas.

FILOMENA: Depois Cesca te leva às coisas, no momento só quero que você saia!

GIGIO: (olha Francesca) Você vem comigo?

FRANCESCA: Não… Essa é a minha casa.

GIGIO: E você é casada comigo.

FILOMENA: Conversem lá fora!

GIGIO: (olha Filomena, sorri, sai, os seguranças o acompanha).

FILOMENA: (se senta) Odeio Gigio…

FRANCESCA: (sorri) Eu vou dar uma de boa esposa e vou ver meu marido na sarjeta, já volto. (sai).

ELISEO: (entra, olha Filomena) Eu preciso falar com você.

FILOMENA: (se levanta) Agora não posso graças a Gigio minha cabeça está doendo, depois nos falamos.

ELISEO: Depois não dá, estou indo para a Itália.

FILOMENA: (olha Eliseo) Por quê?

ELISEO: Porque acabei de receber uma ligação de lá e minha mãe não está bem, vou vê – la.

FILOMENA:… E quanto tempo você vai ficar lá?

ELISEO: Eu achei que você queria se livrar de mim.

FILOMENA: Realmente se não quiser voltar mais é um problema seu. (vai subindo as escadas).

ELISEO: (vai atrás a segura devagar, a olha) Eu vou voltar, só vim te falar que nesse tempo que estiver fora que você pense e reconsidere sobre o fim do nosso compromisso, que pra mim não acabou…

FILOMENA: (olhando Eliseo) Já pensei antes de decidir.

ELISEO: Pense novamente, mas esqueça a razão que, aliás, nesse caso você não tem… Pense com o coração…

FILOMENA: Nunca fiz isso…

ELISEO: Para tudo existe uma primeira vez… Ao menos posso te dar um abraço de despedida?

FILOMENA: Você não disse que vai voltar?

ELISEO: (sorri) Eu vou voltar despedida que digo é agora e não para sempre.

FILOMENA: (abraça Eliseo).

ELISEO: (fecha os olhos) Pense bem… Por favor, eu te amo.

FILOMENA: (o olha) Boa viagem. (sobe as escadas).

Cena 6

Rua

GIGIO: (está em seu carro com Francesca) A sua irmã passou de todos os limites.

FRANCESCA: Amore… Você também passou, ficou assim porque Marcelo foi contratado no seu lugar.

GIGIO: (olha Francesca) Ele é um moleque de recado. Não entende nada de administração, eu sim!

FRANCESCA: Eu sei amoré, Filomena e você estão travando uma guerra, essa foi à arma dela para te atingir, fica calmo, ao primeiro erro Filó demite Marcelo.

GIGIO: Agora vou ter que ir para meu apartamento, vem comigo Cesca.

FRANCESCA: Gigio por que você não vai para a fazenda hoje? Daí eu fico aqui hoje e acalmo Filomena, e amanhã vou até a fazenda, será bom passarmos uns dias lá.

GIGIO: Nada irá acalmar Filomena…

FRANCESCA: Esqueceu que eu sou irmã dela, a convenço a te deixar voltar para a casa hoje ou não me chamo Francesca. (sorri).

GIGIO: (sorri) Não duvido… Está bem Cesca, eu vou para a fazenda hoje e você acalma a fera.

FRANCESCA: (beija Gigio, o olha sorri) Conte com isso querido.

Cena 7

Á noite – Clube

ADALBERTO: (está andando pelo clube, pensativo, preocupado).

FILOMENA: (o olha) Por que será que não me espanto ao te ver aqui.

ADALBERTO: Já eu sim, o que faz aqui e sozinha?

FILOMENA: Eu vim jantar aqui, já você aposto que veio jogar e pela sua cara perdeu…

ADALBERTO: Você não disse que iria jantar… (continua andando).

FILOMENA: (sorri).

Cena 8

Mansão Ferreto – Sala

MARCELO: (entra, olha Francesca sorri) Quando você me ligou e pediu que eu viesse aqui fiquei curioso.

FRANCESCA: (beija Marcelo, o olha sorri) Temos a casa só para nós algumas horas.

MARCELO: Não tem ninguém?

FRANCESCA: Não, Filomena foi jantar no clube, Romana foi para Itália hoje a tarde, Gigio foi para a fazenda, portanto não temos ninguém para nos atrapalhar.

MARCELO: (sorri) Gosto da sua ousadia.

FRANCESCA: (olhando Marcelo nos olhos) Eu quero ser sua na cama de Gigio. (sorri).

MARCELO: (sorri, beija Francesca, a olha) Isso é muito bom… (beija Francesca com vontade).

Cena 9

Clube – Restaurante

FILOMENA: (está saindo do restaurante).

ADALBERTO: (se aproxima) Eu preciso falar com você.

FILOMENA: Nós não temos nada para conversar.

ADALBERTO: Eu preciso de dinheiro…

FILOMENA: (sorri) E daí?

ADALBERTO: Eu não tenho mais nada e estou devendo muito, pense, se me ajudar estará ajudando sua irmã e sua sobrinha também.

FILOMENA: Eu irei ajuda – las quando te tirar de perto delas, agora eu preciso ir.

ADALBERTO: Não… Por favor, eu faço tudo o que você quiser se me ajudar.

FILOMENA: (pensativa) Você estaria disposto a fazer qualquer coisa se eu te dar a quantia que você precisa?

ADALBERTO: Qualquer coisa.

FILOMENA: Até mesmo me vender às ações que babbo deixou para Carmela?

ADALBERTO: (olhando Filomena) Como vou fazer isso?

FILOMENA: Apenas responda, você venderia ou não as ações para mim se eu pagar sua divida?

ADALBERTO: Sim…

FILOMENA: (sorri) Então venha comigo, em casa vamos fazer um acordo, preciso de garantias que você realmente irá cumprir sua palavra.

ADALBERTO: (vai com Filomena).

Cena 10

Mansão Ferreto – Suite de Gigio e Francesca

FRANCESCA: (está deitada com Marcelo, o beija, sorri) Finalmente eu tive um momento inesquecível nessa cama. (da risada).

MARCELO: (sorri) Eu quero estar sempre assim com você.

FRANCESCA: E eu com você amoré, mas tenho que dar um jeito e me livrar de Gigio que a cada dia que passa se torna mais insuportável…

MARCELO: Ele é um homem perigoso, o pouco que convivi com ele descobri as coisas que ele é capaz.

FRANCESCA: Não vamos perder nosso momento falando de Gigio. (beija Marcelo, o olha muito sorri) Eu te amo.

MARCELO: Eu também te amo. (beija Francesca).

Cena 11

Jardim

FILOMENA: (entra com Adalberto) Como você é capaz de perder tanto dinheiro assim? Se não sabe jogar não aposta, é um inútil mesmo.

ADALBERTO: Você veio o caminho todo me atormentando, quando vai parar?

FILOMENA: Quando eu quiser, mas só disse a verdade, você é fracassado mesmo.

ADALBERTO: (encosta Filomena na parede) Um fracassado que você sempre quis.

FILOMENA: Fracassado e convencido… Eu nunca te quis, nunca gostei de lixo.

ADALBERTO: Odeio quando você me chama assim.

FILOMENA: É o que você é agora me solta!

ADALBERTO: Você não quer que eu te solte… (beija Filomena).

FILOMENA: (dá um tapa no rosto de Adalberto).

ADALBERTO: (beija Filomena novamente).

FILOMENA: (beija Adalberto).

Cena 12

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

FRANCESCA: Marcelo é melhor você sair pelos fundos.

MARCELO: Eu entrei pela porta da frente e tenho que sair igual á um bandido por que?

FRANCESCA: (sorri) Para evitar problemas amoré.

MARCELO: Dessa vez passa hein… (sorri, beija Francesca) Até logo.

FRANCESCA: (sorri) Até amoré.

MARCELO: (sai).

Cena 13

Piscina

MARCELO: (está saindo) Onde é a saída? (olha em volta, vê a luz acesa na sauna, se aproxima, ouve um barulho na porta se esconde).

ADALBERTO: (sai da sauna).

MARCELO: (observa).

FILOMENA: (sai da sauna, olha Adalberto) Não deixa ninguém te ver, ao menos uma vez faça algo certo.

ADALBERTO: (sorri) Nada te deixa de bom humor não é?

FILOMENA: (olha Adalberto) Não quando estou com um inútil como você, agora vai.

ADALBERTO: (sorri) Amanha eu volto. (sai).

FILOMENA: (sorri, se vira).

MARCELO: (se aproxima, a olha) Será que Adalberto pode me mostrar onde fica a saída por aqui?

FILOMENA: (assustada, olhando Marcelo).

Fim do Capítulo

 

 

 

Ferreto – capítulo 17 e 18

 

Ferreto

 

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 17

Cena 1

Hospital – Quarto de Filomena

 

LEONEL: (olhando Eliseo) Isso foi um beijo.

ELISEO: (bravo) Agora você passou de todos os limites Leonel! Se aproveitar da situação de Filomena para beija – la!

FILOMENA: Não foi assim… Eu pedi o beijo para Léo…

LEONEL: (olha Filomena).

ELISEO: Como?

FILOMENA: Isso que você ouviu… Léo e eu sempre tivemos um relacionamento e agora percebi que é com ele que quero ficar.

LEONEL: (sorri, olha Eliseo).

ELISEO: (olha Leonel) Sai daqui, eu quero falar a sós com Filó.

LEONEL: Eu só saio daqui se ela quiser.

ELISEO: (pega Leonel pelo braço, o leva para fora, fecha a porta, se aproxima de Filomena a olha muito) Por que inventou essa história?

FILOMENA: (olhando para a frente) Não é inventado, é a verdade, Léo e eu somos amantes, e é dele que eu gosto.

ELISEO: Eu sei que é mentira, só não entendo porque você quer se livrar de mim?

FILOMENA: Quando não é para você acreditar você acredita, quando é para acreditar, não acredita… Me faz um favor? Me deixa sozinha.

ELISEO: (a olha) Eu vou, mas volto, estarei na sala de espera, te trouxe umas coisas, sei que vai querer colocar outra roupa, se maquiar, essas coisas, está tudo nessa mala, se quiser peço para a enfermeira vir te ajudar.

FILOMENA: Quando quiser, eu mesma chamo.

ELISEO: Está bem… Como você está se sentindo?

FILOMENA: Fora daqui.

ELISEO: (a olha) Estarei na sala de espera, te amo. (sai).

FILOMENA: Não vai ser fácil fazer ele me deixar… Não sei se isso é bom ou ruim. (pensativa).

 

Cena 2

Noite – Clube – Bar

 

HÉLIO: (está sentado, bebendo).

GIGIO: (entra, se aproxima, sorri) Como vai Hélio? (senta).

HÉLIO: Bem Gigio e você?

GIGIO: Indo, aconteceram uma série de imprevistos desagradáveis.

HÉLIO: (olhando Gigio) Eu tenho mais uma coisa desagradável para você, vou te contar porque sou seu amigo.

GIGIO: (olhando Hélio) O que aconteceu?

HÉLIO: Hoje á tarde eu vi Francesca aqui no clube e… Ela estava acompanhada por um homem que não vi o rosto e provavelmente não vou reconhecer se ver por ai porque eu estava de longe mas… Eles estavam se beijando.

GIGIO: (fica com raiva) Você tem certeza disso?

HÉLIO: Se eu não tivesse não estaria te contando.

GIGIO: Era só essa que me faltava, Cesca arrumar uma aventura.

HÉLIO: O que você vai fazer?

GIGIO: (olha Hélio) Ainda não sei, obrigado por me contar Hélio, é uma informação muito valiosa.

 

Cena 3

Mansão Ferreto – Sala

 

CARMELA: Eu queria tanto poder te ajudar sorella.

ROMANA: Estou muito magoada, tenho quase cem por cento de certeza que Marcelo tem outra mulher.

ELISEO: (entra) Romana preciso falar com você.

ROMANA: Fale.

ELISEO: Não me leve a mal Cacá, mas gostaria de falar a sós com a Romana.

CARMELA: (sorri) Não tem problema, vou ver Isabela. (sobe as escadas).

ELISEO: (olha Romana) Filomena quer me deixar.

ROMANA: E?

ELISEO: Como e? Ela quer me deixar até inventou um caso com aquele infeliz do Leonel.

ROMANA: Até onde eu sei esse caso existe.

ELISEO: Existia… Mas o fato é que ela quer me deixar e eu sei que é por causa desse problema de não ter filhos.

ROMANA: Típico de Filomena, ela prefere te deixar ao ter que te contar que não pode ter filhos.

ELISEO: O que eu faço agora?

ROMANA: E eu vou saber? O problema é seu, resolva sozinho.

ELISEO: Poxa Romana nunca vou saber como agradecer essa sua ajuda.

ROMANA: Eu já tenho os meus problemas, resolva os seus. (sobe as escadas).

 

Cena 4

Hospital – Quarto de Filomena

 

FRANCESCA: Estou feliz pelo o que o médico disse, tomara que amanhã você volte para a casa.

FILOMENA: Espero que seu marido não tente mais nada contra mim.

FRANCESCA: Filó, eu quero te contar uma coisa…

FILOMENA: Eu conheço esse tom e sei que boa coisa não é o que você aprontou agora?

FRANCESCA: Estou apaixonada.

FILOMENA: Até ai nenhuma novidade.

FRANCESCA: Dessa vez é diferente, estou sentindo algo muito forte por ele.

FILOMENA: Eu posso saber quem é?

FRANCESCA: É o Marcelo…

FILOMENA: (olha Francesca) Que Marcelo?

FRANCESCA: O ex-namorado da Romana.

FILOMENA: (olha para a frente) Não é possível isso, até ex ele já virou de Romana…

FRANCESCA: Filó quando você conhecer melhor o Marcelo vai gostar dele tenho certeza, estou realmente apaixonada e quero me divorciar de Gigio o quanto antes para ficar com ele.

FILOMENA: (olha Francesca) Tenho certeza que isso vai deixar Gigio fora de si, pode ser que pelo meu desejo de vingança apoie essa sua relação com esse rapaz .

FRANCESCA: (sorri) Eu sabia que poderia contar com você.

FILOMENA: Por outro lado Romana vai me odiar… Ela já sabe disso tudo?

FRANCESCA: Não, Marcelo a deixou por um pedido meu mas não disse o motivo.

FILOMENA: (sorri um pouco, olha Francesca) Sabe, acho que já encontrei um substituto para Gigio no frigorifico… Só vai depender de como Marcelo se sairá no meu teste.

FRANCESCA: (sorri).

 

Cena 5

Dia Seguinte – Manhã – Mansão Ferreto – Sala de Jantar

 

GIGIO: (está sentado no lugar que pertencia á Salvatore, tomando café).

FRANCESCA: (entra, se senta ao lado de Gigio o olha) Gigio eu acho que você não deveria se sentar ai.

GIGIO: Bom dia para você também amore, estou sentado aqui porque agora eu sou o único homem na casa.

FRANCESCA: (sorri, olha Gigio) Quando a dona da cadeira chegar você fala isso para ela, só não esquece de me chamar porque quero ver ela te tirando dai.

GIGIO: Cesca nós não tínhamos combinado de recomeçar? Por que isso agora?

ROMANA: (vem entrando).

FRANCESCA: Isso foi antes de você tentar matar minha irmã.

ROMANA: (olha Francesca) Como é? Então foi Gigio que empurrou Filomena da sacada.

GIGIO: Não é nada disso Romana.

ROMANA: Que eu saiba só tenho três irmãs, e a única que está no hospital é Filomena, não se faça de bobo que eu ouvi bem a Cesca te acusando.

GIGIO: (se levanta) Disse bem, acusando, ela não tem provas que eu fiz isso, se me derem licença vou até o escritório, depois que você terminar o café Cesca vai até lá que preciso conversar com você. (sai).

ROMANA: (se senta, olha Francesca) É uma suspeita?

FRANCESCA: Não, é um fato, Filomena me contou que eles estavam discutindo, Gigio perdeu a cabeça e empurrou a grade que estava solta e ela caiu.

ROMANA: Entendi… É quando Filomena começa a discutir seja lá o motivo realmente dá vontade de matar ela. (toma suco).

FRANCESCA: (olha Romana) Não acredito que você disse isso.

ROMANA: (sorri) Estava brincando, sei que Gigio fez uma loucura.

MARCELO: (entra) Bom dia.

ROMANA: (ignora Marcelo).

FRANCESCA: Bom dia.

MARCELO: Gigio pediu que eu viesse aqui para entregar uns documentos.

FRANCESCA: Gigio está no escritório.

MARCELO: Vou até lá então. (olha Romana) Romana…

ROMANA: (se levanta, olha Francesca) Peça para a empregada levar café para mim na piscina. (sai).

FRANCESCA: (olha brava para Marcelo) Por que você quis puxar assunto com ela?

MARCELO: (sorri) Não quero que ela fique mal por mim.

FRANCESCA: (se levanta olha Marcelo) Depois ela arruma outro e isso passa você não tem mais nada com ela.

MARCELO: Fica calma Cesca, ficar irritada assim logo pela manhã faz mal. (sorri).

FRANCESCA: Não seja sínico!

MARCELO: (da risada) Adoro ver você assim sabia. (fala no ouvido de Francesca) Queria te acalmar com um beijo, mas aqui não posso…

FRANCESCA: (sorri, olha Marcelo) Depois marcamos algo… (sai).

 

Cena 6

Hospital – Quarto de Filomena

 

FILOMENA: (está sentada na cama, se olhando em um espelho de mão).

MÉDICO: (entra) Bom dia.

FILOMENA: (abaixa o espelho) Bom dia.

MÉDICO: Eu te trouxe uma boa noticia, você já pode voltar para a casa.

FILOMENA: Finalmente, não suporto ficar parada muito tempo.

MÉDICO: Mas vai ter que ficar alguns dias de repouso, entenda, a sua queda foi grave, mais um pouco e você estaria paralitica, por isso o uso do colar cervical é importante.

FILOMENA: Com tudo isso a dor de cabeça que eu sinto vai desaparecer depois também?

MÉDICO: É natural que você sinta dor já que teve um leve traumatismo craniano, vou te receitar um remédio para a dor, você não pode ficar sem ele ou pode ter crises fortes de dor de cabeça.

FILOMENA: Essa vai ser a única sequela?

MÉDICO: Aparentemente sim e como falei você teve muita sorte.

FILOMENA: Sim… Bem a que horas vou poder ir para a casa?

MÉDICO: Assim que sua irmã chegar, agora eu tenho que resolver algumas coisas, vou deixar seu noivo entrar.

FILOMENA: Não, eu quero ficar sozinha, diga a ele para ir embora.

MÉDICO: (olha Filomena, estranha) Tudo bem. (sai).

FILOMENA: O que eu faço para afastar você de mim Eliseo?

 

Cena 7

Mansão Vasconcellos – Sala de Jantar

 

CARMELA: (está tomando café).

ADALBERTO: (se senta) Bom dia Cacá.

CARMELA: Bom dia… Adalberto você pode me dizer aonde passou a noite toda?

ADALBERTO: Aqui em casa, eu cheguei tarde do clube e não quis te acordar.

CARMELA: Deixa de ser mentiroso, eu levantei para tomar água, te procurei pela casa toda, o que você andou aprontando?

ADALBERTO: (olha Carmela) Eu estava no clube jogando com alguns amigos.

CARMELA: Jogando de novo Adalberto, eu espero que você não tenha feito mais dividas com isso.

ADALBERTO: Não, estávamos jogando por diversão.

CARMELA: Assim espero, porque meu babbo não está mais aqui para você roubar ele na cara dura como fez quando falsificou a assinatura dele naquele cheque.

ADALBERTO: Essa história já foi resolvida Cacá.

CARMELA: Foi, foi, claro que foi, sua mãe preferiu dar o que você roubou para a Filó do que enfrentar um escândalo na imprensa.

ADALBERTO: Mas de qualquer forma foi resolvida.

CARMELA: (se levanta) Não vai se meter em problemas novamente Adalberto, se não for por mim que seja pela sua filha… Eu vou ver como está Filomena e depois ao clube, marquei com algumas amigas, Isabela vai comigo. (sai).

ADALBERTO: Faço o que bem entender. (toma café).

 

Cena 8

Mansão Ferreto – Escritório

 

GIGIO: (ao telefone, nervoso) Nós combinamos Desiré! Você já deveria ter acabado com Filomena!

DESIRÉ: Por mais que a odeie, não tenho coragem, já fui até o hospital duas vezes, mas não tive forças para entrar no quarto dela, é melhor você contratar alguém.

GIGIO: Quer saber de uma coisa, esquece isso! (desliga o telefone, está nervoso) Covarde!

FRANCESCA: (entra) Estou aqui, seja breve porque vou ao hospital ver Filomena. (se senta, olha Gigio).

GIGIO: (sorri olhando Francesca, se aproxima, se senta na mesa, acaricia o rosto de Francesca) Como você tem passado amore? Não conversamos mais.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Estou muito bem, por que?

GIGIO: (acariciando o rosto de Francesca) Tem ido ao clube?

FRANCESCA: (sorri olhando Gigio) Não porque minha irmã está no hospital, passo o tempo com ela.

GIGIO: (sorri, aperta o rosto de Francesca) A mentira nessa casa é a grande matriarca.

FRANCESCA: (se levanta, se afasta de Gigio) O que deu em você?

GIGIO: (se levanta, olha Francesca, está sério) Eu tenho amigos em todas as partes Cesca, e eu sei que você andou beijando um cara no clube, só não sei quem é amante da vez.

FRANCESCA: (da risada) Por favor, Gigio, não me venha com isso, esse seu amigo só pode estar louco, eu não fui ao clube esses dias.

GIGIO: (olhando Francesca) Para o seu bem espero que seja verdade, por que vou ser sincero, sou capaz de matar você se me trair novamente.

FRANCESCA: (encara Gigio, sorri, se aproxima dele, acaricia o peito de Gigio) Duvido… Você me ama demais para acabar com a minha vida.

GIGIO: (segura a nuca de Francesca a olha muito) Infelizmente amo muito. (beija Francesca).

FRANCESCA: (beijando Gigio, o olha sorri) Pare de acreditar em coisas que não existem amore, confia em mim.

GIGIO: (se afasta de Francesca) Esta bem, realmente não devo dar ouvidos as fofocas.

FRANCESCA: Era sobre isso que você queria falar comigo?

GIGIO: Era sim.

FRANCESCA: Então vou ao hospital.

GIGIO: Está bem, à noite vamos jantar fora.

FRANCESCA: (sorri) Claro boa ideia querido. (joga um beijo para Gigio, sai).

GIGIO: (pega o telefone) Alô, ela está saindo indo agora ao hospital, quero que você vigie cada passo da minha mulher. (desliga o telefone, está sério) Quero saber com quem você está andando Cesca.

 

Cena 9

Sala

 

MARCELO: (está sentado).

FRANCESCA: (saindo do escritório, nervosa, se aproxima de Marcelo, fala baixo) Alguém nos viu no clube.

MARCELO: Quem?

FRANCESCA: Não faço ideia mas já chegou a notícia aos ouvidos de Gigio que eu estava no clube beijando alguém.

MARCELO: Por que você não aproveita e conta a verdade, assim podemos ficar juntos.

FRANCESCA: As coisas não são fáceis assim.

ROMANA: (entra, olha Marcelo e Francesca) Encontrar vocês dois pelos cantos cochichando já não é algo incomum… Que segredo vocês teriam?

FRANCESCA: (pega a bolsa, coloca os óculos de sol, vai saindo) Não estou com paciência para você Romana. (sai).

MARCELO: (se levanta).

ROMANA: (olha Marcelo) Foi por ela que você me deixou?

MARCELO: O que é isso Romana, fala baixo se Gigio ouvir isso é capaz de acreditar.

ROMANA: E se ele ver vocês pelos cantos vai ter certeza de que entre vocês há algo.

MARCELO: A minha relação com Francesca é profissional, ela é a mulher do meu chefe.

ROMANA: Até onde eu sei isso não importa para você e muito menos para ela.

GIGIO: (sai do escritório) Que bom que está ai Marcelo, preciso resolver umas coisas e vou precisar da sua ajuda, vem comigo. (sai).

MARCELO: (olha Romana, sorri um pouco) Depois conversamos. (sai).

ROMANA: (pensativa).

 

Cena 10

Mais Tarde – Hospital – Quarto de Filomena

 

ENFERMEIRA: (está ajudando Filomena a se arrumar).

FILOMENA: (sentada na cama, se olhando em um espelho de mão).

ELISEO: (entra, sorri) Estou feliz em te ver bem assim.

FILOMENA: (olha a enfermeira) Nos deixe a sós um instante.

ENFERMEIRA: Pois não, qualquer coisa é só me chamar, com lincença. (sai).

ELISEO: (se aproxima de Filomena) Como você está se sentindo?

FILOMENA: Melhor… (olha Eliseo) Eu tenho uma coisa para te falar.

ELISEO: Tem que ser agora? Não pode ser na sua casa?

FILOMENA: Não pode ser na minha casa porque você não irá mais lá.

ELISEO: Eu acho que você bateu a cabeça com muita força mesmo e ainda não está bem.

FILOMENA: Estou ótima e totalmente lúcida… Eliseo, nós não vamos mais nos casar, eu estou terminando nosso noivado.

ELISEO: (olhando Filomena, sem acreditar no que ouviu).

 

Fim do Capítulo

 

Capítulo 18

Cena 1

Hospital – Quarto de Filomena

ELISEO: (olhando Filomena) Você não pode terminar uma coisa que envolve a nós sem me dizer o motivo.

FILOMENA: (olhando Eliseo) Posso sim, eu não quero mais me casar com você.

ELISEO: O que te fez chegar nessa conclusão? Eu mereço saber, e ai vamos ver se é ou não motivo de terminar.

FILOMENA: (altiva, olhando Eliseo) Va bene, você quer saber então vou te contar, aceitar o seu pedido de casamento foi um erro, um ato sem pensar, na verdade eu queria provocar Adalberto e consegui, mas não poderia imaginar que chegaria tão longe nosso relacionamento.

ELISEO: (olhando Filomena, sério) Do que você está falando?

FILOMENA: (se senta na cama, olha Eliseo) As coisas aconteceram em tempos próximos, Adalberto correndo atrás de mim depois que levou um pé da Cesca e você implorando a minha atenção, pensei bem e vi que estando com você Adalberto sairia do meu pé, e resolvi te dar uma chance.

ELISEO: (com vontade de chorar) Eu achei que você me diria outra coisa… Nunca uma coisa como essa.

FILOMENA: Ainda tem mais… Mesmo estando com você, Adalberto não me deixou em paz, ele não entendia que eu jamais o aceitaria depois que ele escolheu Cesca, foi ai que resolvi aceitar o seu pedido de casamento, para ver até onde iria Adalberto, marquei um jantar com ele e disse para ele ir em casa no dia seguinte á noite porque tinha uma surpresa, quando chegou lá ele encontrou a nossa festa de noivado. (sorri).

ELISEO: (olhando Filomena) Você sumiu da festa um tempo… Estava com ele?

FILOMENA: Estava, ele ficou bravo, disse que não era palhaço, e eu disse que era sim que nasceu para ser feito de trouxa, e ele me beijou, aliás, nós nos beijamos, Romana até presenciou o momento.

ELISEO: Não foi só ele que nasceu para ser feito de trouxa não… O que você quer me contando essas coisas que estão acabando comigo?

FILOMENA: (olhando Eliseo) Terminar nosso noivado, eu não consegui te amar nesses anos… Te tenho como um grande amigo apenas, não quero mais viver essa farsa, a vida pode terminar sem que eu encontre um amor de verdade como o de Leonel, aliás… O relógio que você encontrou no meu quarto Léo esqueceu porque passou a noite comigo.

ELISEO: Não precisa falar mais nada! Eu já entendi! Esse tempo todo você me usou de escudo contra Adalberto, brincou com meus sentimentos porque eu sim te amo! E agora? O que eu faço com o que sinto por você?

FILOMENA: Tenho certeza que você vai encontrar alguém para usar esse sentimento.

ELISEO: (com vontade de chorar olha Filomena) Você está sendo cruel comigo, fria… Como nunca foi, está doendo… Mas você não se importa… Pode ficar tranquila porque eu nunca mais vou te procurar, se é isso que você quer, conseguiu… (sai, bate a porta).

FILOMENA: (fecha os olhos, coloca a mão no rosto, chora) É melhor assim…

 

Cena 2

Clube – Salão de Jogos

 

ADALBERTO: (está jogando poker, está nervoso pois está perdendo, perde o jogo) Droga!

 

Cena 3

Bar

 

ADALBERTO: (está bebendo).

HOMEM: (se aproxima, coloca um papel em cima da mesa) É esse o valor que está me devendo.

ADALBERTO: (olha o papel, bebe) Não tenho agora, depois acertamos.

HOMEM: Nada disso, eu quero agora.

ADALBERTO: (coloca a mão no bolso pega a chave do carro, joga em cima da mesa) Leva meu carro, cobre o valor da divida.

HOMEM: (sorri, pega a chave) Verdade, tudo bem vou aceitar, mais sorte da próxima vez. (sai).

ADALBERTO: (joga o copo no chão, está com raiva) Tudo culpa da Cesca que me chutou, mais isso não vai ficar assim.

 

Cena 4

Frigorifico Ferreto – Sala de Gigio

 

GIGIO: (está lendo um documento).

MARCELO: (entra, se senta) Gigio acabei de voltar do escritório do advogado e ele não quis me dar o documento que você me pediu.

GIGIO: (olha Marcelo) Por que não?

MARCELO: Porque ele já sabe que agora é para Filomena a quem deve prestar serviços e disse que é algo confidencial, somente ela pode receber, ler e assinar.

GIGIO: (nervoso) Eu não acredito nisso! Eu preciso desse documento para entregar é um de nossos sócios!

MARCELO: É só com ela, eu tentei de tudo mas ele não me deu o documento.

GIGIO: (pega o telefone, está nervoso, disca uns números) Alô, aqui é Gigio di Angelis, você pode me dizer que história é essa de negar o documento que preciso para hoje!… Sim ela ficou responsável, mas se você não sabe Filomena está no hospital! Como ela vai até ai para ler ou pegar esse documento!… Você quem sabe! (desliga).

MARCELO: O que ele falou?

GIGIO: (nervoso, ofegante) Que vai levar o documento para Filomena… Isso é o cumulo!

MARCELO: (olhando Gigio, sorri disfarça).

Cena 5

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

(estão presente Carmela, Leonel e Diva).

 

FILOMENA: (entra com Francesca, está caminhando devagar, está usando um colar cervical, olha em volta) É bom estar aqui novamente.

FRANCESCA: É bom ter você aqui de volta sorella.

CARMELA: (sorri) Você nos deu um susto e tanto, mas se recuperou logo.

ROMANA: (desce as escadas, observa).

LEONEL: (se aproxima de Filomena, a olha) Antes que me pergunte, como já falei não estou mais aqui, só vim dar as boas vindas.

FILOMENA: (olha Leonel) Não era necessário nada disso.

DIVA: (olha Filomena) Nós arrumamos o quarto aqui debaixo para a senhorita.

FILOMENA: Por quê?

FRANCESCA: Eu pedi assim você não tem que subir a escada e fazer esforço.

FILOMENA: Eu vou ficar no meu quarto, não quero ser tratada como uma invalida.

FRANCESCA: Mas Filó…

FILOMENA: (interrompendo Francesca) Mais nada, eu quero ir para o meu quarto agora, Diva prepare um chá para mim.

DIVA: Sim senhorita. (sai).

ROMANA: (sorri, olha Filomena) Finalmente resolveu deixar cair a máscara sorella?

FILOMENA: (olhando Romana) Nunca precisei fingir quem não sou Romana e você sabe muito bem.

CARMELA: Não é hora de discutir, eu te ajudo a subir Filó.

FILOMENA: De jeito nenhum, eu posso caminhar, não preciso da ajuda de ninguém. (olha Leonel) E você fora daqui, já não preciso mais da sua ajuda. (começa a subir as escadas devagar).

CARMELA: Gente… O que deu nela?

ROMANA: Se não percebeu Filomena está sem a sombra.

CARMELA: Como assim?

ROMANA: Eliseo não veio com ela.

FRANCESCA: E nem vai vir… Ela terminou o noivado.

LEONEL: (sorri) É mesmo?

FRANCESCA: (sorri) Não se anima Léo, você não tem chance.

LEONEL: Eu vou embora agora porque notei que ela está nervosa, mas volto. (sorri, sai).

CARMELA: Cesca, eles brigaram?

FRANCESCA: Não Cacá, Filomena decidiu assim.

ROMANA: Porque ela é egoísta.

FRANCESCA: Não fala assim.

ROMANA: Falo e repito, Filomena está sendo egoísta sim, ela preferiu terminar tudo do que enfrentar a situação e contar a verdade á Eliseo.

CARMELA: Do que vocês estão falando?

FRANCESCA: De nada, eu vou ver Filomena. (sobe as escadas).

ROMANA: (olha Carmela) Filomena não pode ter filhos.

CARMELA: (olhando Romana) Dio… Então… Ela tentou se matar?

ROMANA: Não, ela não tentou se matar, mas é por isso que ela está nesse humor de cão.

 

Cena 6

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está sentada na poltrona).

FRANCESCA: (entra) Está tudo bem?

FILOMENA: Não, só vai ficar bem quando eu puder me livrar dessa coisa no meu pescoço e da dor que sinto.

DIVA: (entra) Aqui está o seu chá dona Filomena. (coloca em cima da mesa).

FILOMENA: Diva eu quero ficar no quarto de babbo, amanhã eu vou ver o que fica lá e o que sai, contrate alguém para ajudar.

DIVA: Claro, pode deixar, com licença. (sai).

FRANCESCA: (olha Filomena) Quanto tempo você vai ficar de repouso?

FILOMENA: O médico me pediu uma semana, mas não vou virar uma inútil, vou fazer algumas coisas daqui mesmo e semana que vem vou ao frigorifico.

FRANCESCA: Vai demitir Gigio?

FILOMENA: Vou, mas não conte para ele ainda, eu tenho uma semana para colocar alguém no lugar dele.

FRANCESCA: Marcelo é qualificado para isso.

FILOMENA: (toma chá, olha Francesca) Isso quem vai decidir serei eu.

 

Cena 7

Mais Tarde – Frigorifico Ferreto – Sala de Reuniões

 

MARCELO: (está sentado).

FRANCESCA: (entra, sorri).

MARCELO: (se levanta) Eu fiquei curioso quando você me pediu que te esperasse aqui.

FRANCESCA: (beija Marcelo, o olha muito) Tenho duas coisas para te falar, a primeira é que Filomena vai chutar Gigio fora daqui em breve e quer alguém para ocupar o lugar dele e você é a pessoa mais indicada para isso.

MARCELO: (olhando Francesca) Eu quero conseguir as coisas por mérito meu e não por influencia de ninguém.

FRANCESCA: (ajeitando a gola da camisa de Marcelo) Eu sei amore, mas temos que aproveitar essa oportunidade.

MARCELO: Sim, quero mostrar á Filomena que sou capaz.

FRANCESCA: Ótimo porque ela não vai te aceitar só por mim… (olha muito Marcelo sorri) A segunda coisa é muito importante, quase urgente.

MARCELO: O que?

FRANCESCA: (fala no ouvido de Marcelo) Não aguento mais essa vontade de ficar com você. (beija o pescoço de Marcelo).

MARCELO: (sorri, beija Francesca, a olha) Digo o mesmo.

FRANCESCA: Hoje á noite eu fiz uma reserva em um hotel, para ninguém desconfiar de nada você vai na frente, uma hora antes de mim chegar lá.

MARCELO: Como vai fazer para despistar Gigio?

FRANCESCA: (sorri) Deixa comigo, até mais tarde. (beija Marcelo, sai).

MARCELO: (sorri).

 

Cena 8

Sala de Gigio

 

GIGIO: (está de saída).

FRANCESCA: (entra) Está saindo amore?

GIGIO: Sim, estou indo para a casa e você? O que faz aqui?

FRANCESCA: (se mostra chateada) Acabei de vir do médico Gigio, não estava me sentindo muito bem, minha gastrite atacou de novo.

GIGIO: (olhando Francesca) É mesmo?

FRANCESCA: Sim, infelizmente vou ter que adiar nosso jantar.

GIGIO: Tudo bem, eu estava indo te falar que o jantar teria que ser adiado mesmo, um dos sócios marcou uma reunião comigo hoje e vamos demorar pelo jeito.

FRANCESCA: (abraça Gigio, o olha) Vamos marcar para amanhã?

GIGIO: (sorri) Sim, me espera que te levo para a casa, só vou guardar umas coisas.

FRANCESCA: (sai).

GIGIO: (fica sério, pega o telefone) Alô, é Gigio, presta atenção, quero que você fique vigiando a minha casa, se minha mulher sair a siga. (desliga) Sei bem que gastrite você tem…

 

Cena 9

Mansão Ferreto – Escritório

 

FILOMENA: (está lendo uns documentos).

ADVOGADO: Essas são algumas propriedades que seu pai deixou para você e também o documento que te nomeia administradora dos negócios.

FILOMENA: (assina os documentos, entrega ao advogado) Pronto, era só isso?

ADVOGADO: Por enquanto sim. (se levanta) Desejo melhoras para você.

FILOMENA: Grazie.

ADVOGADO: (sai).

FILOMENA: (olha a foto de Salvatore) Será que eu vou conseguir babbo?… Sinto tanto a sua falta.

LEONEL: (entra, sorri) Oi.

FILOMENA: Não acredito… Leonel o que eu tenho que fazer para me deixar em paz?

LEONEL: Mas nem conversar comigo você quer?

FILOMENA: Não tenho nada para falar com você.

LEONEL: (se senta) Tem sim, quero saber como você está.

FILOMENA: Melhorando.

LEONEL: Isso é muito bom.

FILOMENA: (se levanta) Se me der licença eu tenho que ficar no meu quarto.

LEONEL: (se levanta): Eu te acompanho.

FILOMENA: (olha Leonel) Posso saber para que?

LEONEL: Para te ajudar, você não pode fazer muito esforço.

FILOMENA: Só de falar com você faço esforço.

LEONEL: (sorri) Por que me trata assim? Já sei que você terminou seu noivado.

FILOMENA: Não quero falar sobre isso… (sai do escritório).

 

Cena 10

Sala

 

GIGIO: (entra com Francesca).

FILOMENA: (saindo do escritório, olha Gigio).

GIGIO: (sorri) Que bom te ver aqui.

FILOMENA: (sorri um pouco) Mas é muito sínico.

GIGIO: (se aproxima de Filomena) De verdade é bom te ver aqui, espero que em breve você volte a fazer as coisas que sempre fez.

FILOMENA: (da um tapa no rosto de Gigio) Isso foi pelo que você fez comigo, nunca vou te perdoar.

GIGIO: (fica com a raiva, com a mão no rosto).

FRANCESCA: (observa admirada, sorri).

FILOMENA: (da outro tapa no rosto de Gigio) E isso porque me deu vontade

GIGIO: (ameaça ir para cima de Filomena).

LEONEL: (entra no meio, encara Gigio) Acho melhor você ficar na sua.

GIGIO: (com raiva) Você está louca! Me agredir dessa maneira.

FILOMENA: E o que você me fez? Achou pouco?

GIGIO: (encara Filomena com raiva) A intenção era matar você, mas o diabo não queria concorrência e você sobreviveu. (sobe as escadas).

FILOMENA: (com raiva, olha Francesca) Eu quero Gigio fora dessa casa.

FRANCESCA: (sorri) Eu também.

FILOMENA: Conte comigo para o que precisar.

FRANCESCA: (beija o rosto de Filomena, sobe as escadas).

LEONEL: (olha Filomena) Vem cá… É verdade isso?

FILOMENA: O que?

LEONEL: Que você compete com o demônio? (da risada).

FILOMENA: (olhando Leonel, séria, vai subindo as escadas de vagar).

LEONEL: Espera, eu te ajudo.

FILOMENA: Se chegar perto eu não respondo por mim.

LEONEL: (sorri) Está bem, desculpa bandeira branca… (segura a mão de Filomena).

FILOMENA: Você só vem comigo se for de boca fechada e sem dar esse sorrisinho irritante.

LEONEL: (sério, faz um gesto que não vai falar, sobe as escadas com Filomena).

 

Cena 11

Suíte de Gigio e Francesca

 

GIGIO: (joga um objeto no espelho, está com raiva).

FRANCESCA: (entra) Ah não, vá descontar sua raiva em outro lugar, não destrua minhas coisas.

GIGIO: Você viu! Ela me bateu!

FRANCESCA: E você a jogou da sacada, acho que o seu ato foi pior.

GIGIO: Isso já passou!

FRANCESCA: As vezes você é tão incessível Gigio, se eu fosse você não declarava guerra á Filomena, ou vai sair perdendo. (se deita).

GIGIO: (pensativo) Infelizmente você tem razão, por algum motivo imbecil Salvatore a deixou no comando de tudo.

FRANCESCA: Acho que babbo fez uma boa escolha.

GIGIO: Era para ele ter escolhi a mim!

FRANCESCA: Gigio para de chilique por causa disso, eu que sou a maior interessada não estou como você.

GIGIO: Claro, você está do lado da sua irmã, mas tem razão, falar, esbravejar, não vai adiantar de nada a merda já foi feita.

FRANCESCA: (fecha os olhos) Não baixe o nível, por favor.

GIGIO: (pensativo) Eu tenho que me aproximar do inimigo e não provoca – ló mais… Tenho que estar ao lado dele e é o que vou fazer.

 

Cena 12

Sala

 

ELISEO: (entra)

ROMANA: (entra em seguida, olha Eliseo) Eu achei que não te veria por aqui tão cedo sabia, o que foi? Filomena assoviou?

ELISEO: Essa foi boa, vou rir depois.

ROMANA: (sorri) O que faz aqui?

ELISEO: O que você acha?

ROMANA: Pode subir, sua lady está no quarto dela com certeza.

ELISEO: Me faz um favor, vai ver se ela pode falar comigo.

ROMANA: Sobe logo, você nunca teve essa frescura e se eu perguntar ela vai falar que não quer te ver.

ELISEO: É… Tem razão. (sobe as escadas).

ROMANA: (sorri) Esse ai foi gostar justo de Filomena, coitado.

 

Cena 13

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está sentada na cama).

LEONEL: (está sentado numa cadeira ao lado da cama) Você não acha que enfrentar Gigio assim pode ser perigoso?

FILOMENA: Não, se ele é capaz de tudo eu também sou.

LEONEL: Me fala uma coisa… Por que você terminou seu noivado, não ama seu noivo?

ELISEO: (estava entrando, para ao ouvir Leonel, fica ouvindo).

FILOMENA: Amo, mas foi melhor assim…

LEONEL: Posso dizer que é melhor para mim, mas te vejo tão chateada…

FILOMENA: Se você soubesse… (olha Leonel) Eu disse coisas horríveis para que ele me deixasse, coisas que fiz e me arrependi, como a vez que você entrou aqui no meu quarto.

LEONEL: Você contou para ele?

FILOMENA: Contei… Eu sabia que só assim ele iria me deixar.

LEONEL: Eu não entendo, se você o ama por que fez isso?

FILOMENA: (olha para a frente) Promete não contar á ninguém?

LEONEL: Prometo.

FILOMENA: Eu descobri que não posso ter filhos…

LEONEL: (olhando Filomena) Entendi, mas isso não impede seu casamento.

FILOMENA: Eu não quero contar isso á ele, eu achei melhor terminar.

LEONEL: Falando como amigo te digo que você deve contar, vai ver que ele vai querer se casar com você, e falando como pretendente te falo que tenho dois filhos e não quero mais nenhum, você é a mulher ideal para mim. (sorri).

FILOMENA: (sorri) Você não existe Léo… Mas não posso ficar com você porque não te amo, o que sinto as vezes é uma atração e mais nada.

LEONEL: Me contento com a atração.

FILOMENA: Mais eu não, tem que ter sentimento, e isso tenho por ele.

 

Cena 14

Corredor

 

ROMANA: (vê Eliseo ouvindo atrás da porta, se aproxima devagar) Sabia que é feio ouvir a conversa dos outros.

ELISEO: (com a mão no peito, olha Romana) Isso não se faz, quase tive um infarto agora. (olha Romana, sorri) Eu sabia que Filomena não poderia ser tão fria como foi comigo no hospital, ela disse para esse imbecil do Leonel que me ama.

ROMANA: Poxa que bacana, quer uma queima de fogos?

ELISEO: Pode ser irônica a vontade, eu tenho que fazer ela me contar que não pode ter filhos, assim eu digo que não me importo.

ROMANA: Boa sorte, porque é mais fácil nascer pelo em ovo do que ela te contar. (vai para seu quarto).

ELISEO: (pensativo) Eu vou conseguir, só tenho que pensar em um jeito.

 

Cena 15

Mais Tarde – Entrada do Hotel Lampone

 

FRANCESCA: (estaciona seu carro, desce).

DETETIVE: (tira fotos de Francesca entrando no hotel).

Cena 16

Suíte do hotel

 

MARCELO: (está sentado).

FRANCESCA: (entra sorri).

MARCELO: Finalmente a senhora Vitória chegou. (se levanta).

FRANCESCA: (da risada, olha Marcelo) E o senhor Antonio achou que não viria? (beija Marcelo).

MARCELO: (beijando Francesca a olha sorri) Isso de nomes falsos foi inteligente.

FRANCESCA: (olhando Marcelo, sorri) Para ficar com você invento qualquer coisa. (se beijam com vontade).

 

Fim do Capítulo.

Não perca os últimos capítulos de

Ferreto

Ferreto – capítulo 16

 

 Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

 

Capítulo 16

Cena 1

Mansão Ferreto – Escritório

 

FRANCESCA: (olha Marcelo) Me deixa falar com Adalberto a sós.

MARCELO: (faz que sim com a cabeça, olha Adalberto) Estarei na sala. (sai).

ADALBERTO: (com raiva, segura Francesca pelos braços, a chacoalha) Foi por causa dele que você me deixou!

FRANCESCA: Fala baixo e tira as mãos de mim! (se solta, empurra Adalberto, o olha muito) Nosso tempo já foi Adalberto, entenda isso de uma vez por todas.

ADALBERTO: Não! Você sabe que eu te amo, e que nós sempre nos demos bem, sabe que eu só me casei com Carmela para estar perto de você que se casou com esse infeliz do Gigio.

FRANCESCA: Sei de tudo isso mais a vida é minha e eu a vivo como bem entendo, eu estou apaixonada por Marcelo… Aconteceu não planejei nada.

ADALBERTO: (sorri, inconformado) Apaixonada?…

FRANCESCA: Sim, apaixonada como eu nunca estive, espero que você entenda isso, e que seja prudente em guardar esse segredo, caso contrário, se falar algo para Gigio, vou contar tudo o que houve entre nós em detalhes.

ADALBERTO: Eu não acredito no que está acontecendo, é brincadeira não é?

FRANCESCA: Não, é muito sério,e peço que não me procure mais.

ADALBERTO: (olhando Francesca) Sabe o que mais dói? Que Filomena esteve certa esse tempo todo ao me dizer que você só me usava quando convinha pra você e depois… Jogava fora.

FRANCESCA: Não é bem assim.

ADALBERTO: (sorri) Claro que é, mas que fique claro isso não vai ficar assim. (sai).

Cena 2

Hospital – U. T. I.

ELISEO: (nervoso) Eu vou denunciar Gigio! Ele tentou te matar!

FILOMENA: (olha Eliseo) Ainda não… Eu vou agir quando sair daqui.

ELISEO: (olhando Filomena) Você não vai contar que foi ele que fez isso com você?

FILOMENA: Por enquanto não, e nem você.

MÉDICO: (entra, se aproxima, olha Filomena) Que bom vê – La acordada, como se sente?

FILOMENA: Com muita tontura, e minha cabeça está doendo.

MÉDICO: Eu vou fazer alguns exames e testes agora que acordou, e dependendo do resultado vou te transferir para o quarto. (olha Eliseo) Espera lá fora, por favor, quando terminar te chamo.

ELISEO: Claro. (segura a mão de Filomena, a olha) Vai ficar tudo bem e logo você estará em casa. (sorri, sai).

FILOMENA: (pensativa).

 

Cena 3

Frigorífico Ferreto – Sala de Gigio

 

CARLOS: (está nervoso) Eu não vou para a cadeia por sua causa Gigio!

GIGIO: Carlos você assim como eu roubou dinheiro daqui, assuma.

CARLOS: Você me obrigou!

GIGIO: A roubar?

CARLOS: Sim! Disse que era para eu pegar uma parte dos lucros e depositar em uma conta que não fosse minha! Eu tenho família e não vou para a cadeia.

GIGIO: (vai saindo) Eu não sou padre para ficar ouvindo confissões e lamentações Carlos, se vira.

Corredor

CARLOS: (fica na frente de Gigio o encara com raiva) Você não sabe do que eu sou capaz.

GIGIO: Está me ameaçando?

CARLOS: Não, estou te avisando que isso não vai ficar assim, eu vou acabar com a sua vida seu desgraçado! (da um soco em Gigio).

GIGIO: (coloca a mão na boca, olha Carlos com raiva) Você perdeu o juízo?

CARLOS: Está avisado Gigio, eu sou capaz de te matar se insistir que tenho culpa nesse desfalque. (sai).

GIGIO: (com a mão na boca, olha em volta, vê as pessoas olhando, fica sem graça, entra em seu escritório).

 

Cena 4

Mais Tarde – Clube – Restaurante

 

MARCELO: (olha Romana) Você foi ver Filomena?

ROMANA: Ainda não, eu vou depois, ou então vou esperar ela voltar para a casa.

MARCELO: Você não se preocupa?

ROMANA: Ela está bem, até já foi transferida para o quarto, não tenho com o que me preocupar.

MARCELO: (olhando Romana, com o pensamento distante).

ROMANA: (olha Marcelo) Marcelo, não foi para falar de Filomena que você me chamou aqui… Finalmente decidiu me contar o porquê ficou tão distante de mim esses dias?

MARCELO: Isso… O que eu tenho para te falar não é fácil porque tenho medo de te magoar.

ROMANA: (sorri um pouco, ascende um cigarro, fuma, olha Marcelo) Vá direto ao ponto.

MARCELO: (olhando Romana) Romana eu estava me sentindo perdido por estar namorando você que é uma mulher rica, de um mundo muito diferente do meu, e por mais que me doa, eu acho melhor nós terminarmos nosso relacionamento agora que não há brigas entre nós.

ROMANA: (olhando Marcelo, chateada, disfarça) Você nunca se importou com a minha classe social Marcelo, de verdade essa não colou, porque você não fala de uma vez que está gostando de outra mulher.

MARCELO: Porque não estou gostando de ninguém, é como eu falei, as vezes não me sinto bem com seus amigos me olhando como se eu fosse um nada.

ROMANA: (apaga o cigarro, está nervosa) Eu não sou burra, seu comportamento mudou comigo de um tempo para cá, só pode ser outra mulher, e não vem com essa história que não quer me magoar, você sabe o quanto eu gosto de você.

MARCELO: Não tenho outra mulher, é como eu falei, sinto muito, você é uma mulher incrível, estar com você é muito bom, mas não me sinto bem com certas pessoas e lugares que você gosta.

ROMANA: (se levanta, pega a bolsa olha Marcelo) Isso se resolveria mudando os ambientes que frequentamos, você não está sendo homem o suficiente para assumir que existe outra mulher nisso tudo.

MARCELO: Romana vamos conversar.

ROMANA: Não sou mulher de ficar com alguém que não me quer, você está sendo claro e direto.

MARCELO: Cada momento ao seu lado foi incrível, gostaria muito de ser seu amigo.

ROMANA: (sorri, está triste disfarça, coloca os óculos de sol) Nunca aceitei migalhas e não é agora que vou aceitar. (sai).

MARCELO: (pensativo).

Cena 5

Hospital – Quarto de Filomena

 

FILOMENA: (está sentada na cama, usando um colar cervical, pensativa).

FRANCESCA: (entra, se senta ao lado de Filomena, sorri) É tão bom te ver assim sorella, fiquei com medo de perder você também.

FILOMENA: (olha Francesca) Não tem nada de bom na minha situação… Estou presa á essa maldita cama, usando essa porcaria no pescoço.

FRANCESCA: Em breve você vai se recuperar, até já saiu da U. T. I.

FILOMENA: (fecha os olhos).

FRANCESCA: (segura a mão de Filomena) Filó… A leitura do testamento do babbo já foi feita, ele dividiu as ações do frigorífico igualmente para cada uma de nós, e te deixou na administração dos negócios.

FILOMENA: (abre os olhos, olha Francesca) Eu sonhei com o babbo… (fica emocionada) Eu daria tudo para te – lo ao meu lado agora.

FRANCESCA: Não fica assim, você não está sozinha, estou aqui e também tem Eliseo que não saiu desse hospital enquanto você não acordou, ele te ama muito.

FILOMENA: (olha para frente, pensativa) Eu decidi uma coisa muito importante Cesca, não vai ser fácil mas eu quero assim.

FRANCESCA: O que?

FILOMENA: (olha Francesca) Não vou mais me casar com Eliseo.

FRANCESCA: (olha muito Filomena) Mas eu não vejo motivos para você fazer isso, você ouviu o que eu te falei? Ele te ama.

FILOMENA: Eu sei, mas já estou decidida, a vida é minha e eu a sigo como quiser.

FRANCESCA: Mas não se esqueça que essa decisão ai envolve outra pessoa, que eu tenho certeza que vai ficar arrasado, e querer saber o por que.

FILOMENA: Ele não vai saber, nem por mim e nem por ninguém, fui clara?

FRANCESCA: Foi… Mas eu ainda acho que além de uma atitude errada, é egoísta da sua parte.

GIGIO: (entra, olha Filomena).

FILOMENA: (olha séria para Gigio) Cesca, você pode pegar um pouco de água para mim?

FRANCESCA: (se levanta) Claro, já volto. (olha Gigio) E você comporte – se aqui não é lugar para falar de negócios e nem brigar por eles. (sai).

GIGIO: (se aproxima de Filomena a olha) Como você está?

FILOMENA: (olhando Gigio nos olhos, está com raiva) Gigio você não sabe o que te espera.

GIGIO: (se senta, olha Filomena) Eu estava bêbado, nervoso, perdi a cabeça e peço desculpas por isso.

FILOMENA: (sorri) Não seja hipócrita que não lhe cai bem, a sua intenção foi mais do que clara, você queria se livrar de mim e não perdeu tempo, mas para o seu azar, eu estou viva, e no poder de tudo.

GIGIO: (olhando Filomena) Já te contaram… Mas isso não vai mudar nada.

FILOMENA: Vai mudar sim, porque a primeira coisa que fizer quando sair daqui será te despedir e depois te denunciar pelo desfalque.

FRANCESCA: (vem entrando, percebe que estão discutindo, fica atrás da porta).

GIGIO: Você não pode fazer isso! Eu não roubei nada, foi o Carlos! E aquele frigorífico vai falir sem mim!

FILOMENA: Com isso você não tem que se preocupar e sim eu, há tempos que queria alguém mais capacitado que você na gerencia, mas babbo por consideração te deixava lá, agora tudo será diferente.

GIGIO: (com raiva) Maldita… Você sempre quis puxar o meu tapete.

FILOMENA: Essa será uma das coisas Gigio, o que te espera não se compara nem ao inferno, você vai se arrepender de ter me jogado daquela sacada.

FRANCESCA: (entra, inconformada, olha muito para Gigio) Foi você Gigio… (nervosa, grita) Você foi capaz de tentar matar a minha irmã!

GIGIO: (se levanta, olhando Francesca).

 

Cena 6

Mansão Ferreto – Sala

 

ELISEO: (entra).

LEONEL: (se aproxima) Como Filomena está?

ELISEO: Você é o homem mais cara de pau que eu conheço, não tenho que te dar esse tipo de informação.

LEONEL: Eu só estou preocupado.

ELISEO: Problema seu, eu não entendo o que você ainda está fazendo nessa casa.

LEONEL: (olha Eliseo) Para você ficar sabendo, estou indo nesse momento para um hotel, não quero causar problemas á Filomena quando ela voltar.

ELISEO: Ótimo, essa pode ser a sua primeira atitude sensata, agora me dá licença porque vou pegar umas coisas para ela. (sobe as escadas).

LEONEL: Se ninguém me conta… Eu vou até lá falar com ela. (sorri).

ROMANA: (entra, está triste).

LEONEL: (olha Romana) Romana o que aconteceu?

ROMANA: (olha Leonel, está com vontade de chorar, sorri) Aconteceu um clichê, me apaixonei Léo, e fui dispensada.

LEONEL: (abraça Romana) Não fica assim, aquele babaca não merece você, que nem no seu nível está.

ROMANA: (se afasta) Agradeço, mas não preciso ser consolada Leo, mas você tem um pouco de razão, Marcelo é um babaca. (sobe as escadas).

 

Cena 7

Suíte de Filomena

 

ELISEO: (está separando algumas roupas e colocando na mala).

DIVA: (entra) Oi seu Eliseo, como está Filomena?

ELISEO: Melhor Diva, felizmente ela já saiu da U. T. I. e foi para o quarto.

DIVA: Que bom, olha eu arrumei o quarto, algumas coisas quebraram, mas o que estava no chão eu guardei, e o exame que estava amassado coloquei na gaveta da penteadeira.

ELISEO: Exame?

DIVA: Sim, eu não olhei sobre o que era afinal é particular.

ELISEO: Está certo Diva, obrigado.

DIVA: (sai).

ELISEO: (pensativo, preocupado, abre a gaveta, pega o exame).

 

Cena 8

Hospital – Quarto de Filomena

 

GIGIO: Cesca foi um acidente.

FRANCESCA: (olha Filomena) É verdade?

FILOMENA: Não, Gigio fez por que quis.

FRANCESCA: (grita) Estou farta de você Gigio! E se Filomena não te denunciar eu mesma faço!

MÉDICO: (entra) Mas o que está acontecendo aqui? Que gritaria é essa? Vocês estão num hospital.

FRANCESCA: Desculpa… (olha Filomena) Eu volto quando me acalmar. (sai).

GIGIO: (vai atrás de Francesca).

MÉDICO: (olha Filomena) Está tudo bem?

FILOMENA: Comigo mais ou menos, mas com Gigio as coisas estão ficando bem complicadas. (sorri um pouco).

 

Cena 9

Rua

 

FRANCESCA: (está caminhando, nerosa).

GIGIO: (segura o braço de Francesca) Me espera!

FRANCESCA: Tira a mão de mim!

GIGIO: Para de escândalo, estamos na rua! Vamos para a casa.

FRANCESCA: Eu não vou á lugar algum com você! Como você foi capaz de fazer uma coisa assim com Filomena?

GIGIO: (olhando Francesca) Você me conhece, sabe que eu sou capaz de qualquer coisa.

FRANCESCA: Sim, mas de matar alguém? E pior da própria família?

GIGIO: Ela é da sua família e estava me tirando do sério, agora ela disse que vai me despedir e depois me denunciar por roubo.

FRANCESCA: Concordo com ela plenamente, e nós precisamos conversar sobre nosso casamento.

GIGIO: (sorri, coloca os óculos de sol) Não temos não, estou com problemas sim, mas que não tem nada com nosso casamento amore, então nem adianta vir falar de separação, agora entra no carro.

FRANCESCA: Eu vim e vou voltar de taxi, mas eu não vou para a casa, preciso buscar um vestido. (se afasta).

GIGIO: (pensativo, sério) Hoje mesmo Desiré terá que fazer uma visitinha para Filomena. (entra no carro).

 

Cena 10

Mansão Ferreto – Suíte de Filomena

 

ELISEO: (está lendo o exame).

ROMANA: (entra) Vai me dizer que a saudade é tanta que você veio passar um tempo aqui?

ELISEO: Nada disso, eu estou o tempo todo com Filó no hospital, eu só vim buscar umas coisas para ela.

ROMANA: O que é isso?

ELISEO: (olha Romana) Não entendi direito.

ROMANA: Se Filomena souber que você está bisbilhotando as coisas dela vai ficar louca da vida.

ELISEO: Não é bem assim, eu só fiquei preocupado, a Diva disse que é um exame.

ROMANA: (pega o papel da mão de Eliseo, lê, o olha) Estava errada, se ela souber que você leu isso vai te matar.

ELISEO: Do que isso se trata isso de trompa de falópio? É grave?

ROMANA: Você vai ter que perguntar para ela, não quero me meter.

ELISEO: Por favor, fala pra mim.

ROMANA: Mas você não leu?

ELISEO: Li, mas não entendi muito bem.

ROMANA: Por que é burro, está bem claro aqui.

ELISEO: Não precisa ofender também.

ROMANA: Ai Dio, eu vou te contar mas não ouse falar o meu nome para Filomena, se ela perguntar você fala que leu e entendeu tudinho, é capaz dela se espantar mas é a solução.

ELISEO: Deixa as ironias de lado e me fala o que significa isso.

ROMANA: Eu vou resumir pra você que fica menos cansativo para mim, você já percebeu que nessa casa não tem criança?

ELISEO: Já, claro, mas imagino que Cesca não queria ter filhos ainda.

ROMANA: Nem que ela quisesse, ela não pode ter filhos, eu também não, mas isso pra mim não é problema algum, não tenho vocação para ser mãe.

ELISEO: Mas Carmela tem uma filha.

ROMANA: Sim e se ela não tiver mais filhos, Isabela será a única herdeira dos Ferreto. (olhando Eliseo) Porque Carmela é a única de nós que pode ter filhos, já entendeu ou quer que eu desenhe?

ELISEO: (se senta, pensativo) Então foi por isso que Filomena ficou daquele jeito…

ROMANA: Eliseo guarda esse exame, e finge que não sabe de nada, até ela decidir te contar, isso se contar.

ELISEO: Mas ela tem que me contar, eu quero poder falar que estou com ela em tudo porque a amo.

ROMANA: (olhando Eliseo) Só estamos nós aqui, me fala você ainda vai querer se casar com ela sabendo disso, que estando com ela não poderá ter filhos.

ELISEO: (se levanta, olha Romana) Você sabe o quanto eu lutei para conseguir me aproximar dela, todo mundo aqui sabe e não é por um detalhe desses que vou deixa – la, amo Filomena e vou me casar com ela. (pega a mala com as coisas de Filomena, sai).

ROMANA: (pensativa).

 

Cena 11

Clube – Quadra de tênis

 

FRANCESCA: (está em um lugar distante e sem movimento).

MARCELO: (se aproxima sorri) Gostei de ser intimado por você. (beija Francesca).

FRANCESCA: (beijando Marcelo, o olha sorri) Fiquei curiosa para saber o que você tinha para me dizer.

MARCELO: Eu terminei tudo com Romana.

FRANCESCA: (sorri, feliz,abraça Marcelo) Que bom! (o olha muito, está feliz) Agora temos que nos livrar de Gigio, e vamos poder ficar juntos.

MARCELO: (sorri) Você acha que vai ser fácil?

FRANCESCA: Não, mas não será impossível, você acredita que foi Gigio quem empurrou Filomena da sacada.

MARCELO: (sorri um pouco) Acredito, eu já tinha percebido isso.

FRANCESCA: Com esse tipo de atitude vai ser fácil arrumar um motivo para me separar dele.

MARCELO: (olhando Francesca) E quando ele te der o divórcio você vai se casar comigo?

FRANCESCA: (sorri) É um pedido?

MARCELO: (sorri) Praticamente.

FRANCESCA: Então praticamente eu aceito. (da risada, beija Marcelo).

HÉLIO: (de longe, vê Francesca beijando Marcelo, mas não consegue identifica – lo).

 

Cena 12

Hospital – Quarto de Filomena

 

LEONEL: (entra, sorri) Oi.

FILOMENA: (sorri um pouco) Leo… Você não desiste nunca não é?

LEONEL: (se aproxima da cama, sorri) Nunca, eu vim ver como você está, e te dizer que já sai da sua casa, estou em um hotel.

FILOMENA: Que bom, eu estou melhor, apesar de ter que ficar com essa coisa no pescoço, é incomodo mas o médico disse que vou ter que usar uns dias porque ameniza a dor e ajuda a não me movimentar muito e me machucar mais ainda.

LEONEL: Eu gostei, deu um charme a mais.

FILOMENA: (sorri) Mentiroso, deve estar horrível.

LEONEL: (a olhando) Não está não, me conta como foi esse acidente.

FILOMENA: Não quero falar sobre isso.

LEONEL: Está bem. (segura a mão de Filomena) O importante é que você está aqui.

FILOMENA: Leo… Eu preciso da sua ajuda em algo que estive pensando.

LEONEL: Pode falar.

FILOMENA: Eu preciso que Eliseo se decepcione comigo e não queria mais se casar comigo.

LEONEL: (sorri) Faço isso com o maior prazer.

FILOMENA: Não fique feliz, eu não vou ficar com você, só quero que ele me deixe.

LEONEL: Posso saber por que?

FILOMENA: Não, você vai me ajudar?

LEONEL: Vou, com uma condição.

FILOMENA: Qual?

LEONEL: Que você me de um beijo. (sorri).

FILOMENA: (séria) Vou ignorar isso.

LEONEL: (sorrindo) Não vai não. (a beija).

ELISEO: (entra, olha Leonel beijando Filomena, fica bravo) Mas o que significa isso?

 

Fim do Capítulo

Não Perca os últimos capítulos de Ferreto.

Ferreto – capítulo 15

 

Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 15

Cena 1

Hotel Lampone – Suíte de Marcelo e Francesca

 

FRANCESCA: (está deitada, abraçada com Marcelo, sorri) Sabia que há tempos não me sentia bem assim.

MARCELO: (sorri, acaricia o rosto de Francesca) E eu nunca me senti assim.

FRANCESCA: (se senta na cama, olha Marcelo) Sínico aposto que você fala isso para Romana.

MARCELO: (olha Francesca) Não, com ela não tenho tempo nem de falar, ela não dá tempo para isso. (sorri).

FRANCESCA: (da tapas no braço de Marcelo, se levanta, está brava) Cretino! Nunca mais me procure!

MARCELO: (da risada, se levanta, abraça Francesca a olha) Calma ainda não terminei de falar, com você é diferente, não é apenas sexo e sim algo a mais, eu sinto algo muito grande por você.

FRANCESCA: (olhando Marcelo, séria) Mentiroso…

MARCELO: Acredite, é verdade Cesca, eu penso em você o tempo todo. (a olha muito) Estou apaixonado por você.

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Então deixa Romana… Só assim vou acreditar em você, no seu amor, na sua paixão… Se você for só meu.

MARCELO: (beija Francesca, a olha) Vou deixar, mesmo porque não é justo com ela.

FRANCESCA: (se afasta, anda pela suíte) Se preocupa com ela tanto assim?

MARCELO: Sim, Romana é uma pessoa incrível e não merece ser magoada e nem traída dessa maneira.

FRANCESCA: Eu sei, ela é minha sorella… Sabe Marcelo, gosto da sua sinceridade, isso é importante e assim como você também serei sincera, ou você deixa Romana ainda essa semana, ou pode me esquecer.

MARCELO: (se aproxima de Francesca, a olha muito) Vou deixar porque nunca vou conseguir te esquecer. (beija Francesca).

 

Cena 2

Mansão Ferreto – Sala

 

ELISEO: (entra, está preocupado).

DIVA: (se aproxima).

ELISEO: Filomena veio para cá?

DIVA: Sim senhor, já faz um tempo que a vi chegando, ela foi para o quarto dela.

ELISEO: Eu vou lá falar com ela.

DIVA: Quer que eu te anuncie?

ELISEO: Não. (sobe as escadas).

 

Cena 3

Suíte de Filomena

 

ELISEO: (entra, vê os objetos caídos no chão) Filomena. (a procura, olha em volta) Mas o que aconteceu aqui? (olha a janela aberta, percebe que a grade da sacada caiu se aproxima lentamente da sacada, olha para baixo, vê Filomena caída, sai da suíte correndo).

 

Cena 4

Jardim

 

ELISEO: (se aproxima de Filomena, está nervoso, preocupado, se abaixa, a olha muito) Filomena você está me ouvindo? (segura a mão dela, chora).

DIVA: (se aproxima, fica nervosa, preocupada) Meu Deus o que aconteceu com ela?

ELISEO: (com vontade de chorar) Não sei Diva, o quarto dela está todo revirado, alguém entrou aqui?

DIVA: Não, só o seu Gigio.

ELISEO: Gigio… Você ouviu alguma briga entre os dois?

DIVA: Não, ele foi muito grosso comigo, me pareceu que ele estava bêbado.

ELISEO: Vai chamar rápido uma ambulância, depois vemos isso.

DIVA: (vai rápido para dentro da mansão).

ELISEO: (olha Filomena, acaricia o rosto dela).

FILOMENA: (está desacordada).

ELISEO: (chora, olha para cima) Seu Salvatore eu sei que o senhor a ama, mas eu também deixa ela comigo…

 

Cena 5

Bar

 

GIGIO: (está bebendo, pensativo) O que eu fiz?… Ela me provocou… Será melhor que ela tenha morrido ou do contrário as coisas vão se complicar para mim. (bebe).

 

Cena 6

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

 

FRANCESCA: (entra, olha Romana e Diva,sorri) Nossa vocês estão acordadas ainda?

ROMANA: Aconteceu uma tragédia aqui.

FRANCESCA: (fica séria) Que tragédia?

DIVA: Dona Filomena caiu da sacada do quarto dela, seu Eliseo a encontrou e foi com ela para o hospital.

FRANCESCA: (pensativa, preocupada) Eu vou até lá, não sei como você ainda está aqui Romana.

ROMANA: Eu cheguei agora pouco.

FRANCESCA: Então vem comigo!

DIVA: Por favor, qualquer noticia vocês me avisam.

FRANCESCA: Pode deixar, e Gigio?

DIVA: Não sei, ele tinha chegado, estava alterado, mas depois não o vi mais.

FRANCESCA: Quando ele chegar avisa o que aconteceu. (sai com Romana).

 

Cena 7

Hospital – Sala de Espera

 

ELISEO: (está sentado, com a cabeça baixa, preocupado).

MÉDICO: (se aproxima).

ELISEO: (se levanta, olha o médico) Como Filomena está?

MÉDICO: (olha Eliseo) Nós a colocamos em coma induzido devido ao traumatismo craniano que ela sofreu devido a queda, o estado dela é delicado, as próximas vinte e quatro horas vão ser de observação, ela tem que reagir quando a tirarmos do coma.

ELISEO: Eu posso vê – La?

MÉDICO: Quando ela estiver acomodada na U.T. I eu venho te chamar, com licença. (sai).

ELISEO: (se senta, coloca as mãos na cabeça, chora).

 

Cena 8

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Sala

 

LEONEL: (está nervoso, fumando).

GIGIO: (desce as escadas, olha Leonel) Bom dia Léo, o que foi?

LEONEL: Cesca não me deixou ficar no hospital, disse que não é hora de arrumar confusão com Eliseo.

GIGIO: Ela está certa, minha cunhada sofreu um acidente feio, já mandei olharem as grades dos outros quartos para que isso não aconteça mais.

LEONEL: Você vai até o hospital?

GIGIO: Vou, mas não agora, e é melhor você não ir, eu te trago noticias.

LEONEL: Mas que droga! Eu queria ficar lá.

 

Cena 9

Hospital – Sala de Espera

 

ELISEO: (está sentado, pensativo).

FRANCESCA: (se aproxima de Romana) Essa demora está acabando com os meus nervos.

ROMANA: Não adianta ficar assim, temos que esperar o médico chegar e falar se podemos ou não ver Filomena.

MÉDICO: (se aproxima).

ELISEO: (se levanta, olha o médico) Já pode ver Filomena?

MÉDICO: Pode, mas poucos minutos, e um de cada vez.

ROMANA: Pode ir Eliseo, se não você vai ficar aqui como interno por ter um infarto.

ELISEO: (sai com o médico).

FRANCESCA: (olha Romana) Eu não acho que tenha sido um acidente o que aconteceu com Filó…

ROMANA: Eu falei com a Diva, não entrou ninguém em casa, só o quarto dela que estava revirado, pra mim ela resolveu beber e como não está acostumada deu nisso.

FRANCESCA: (olha Romana) Eu acho que ela se jogou.

ROMANA: (sorri) Não me faz rir aqui que é um lugar de silêncio, a troco de que Filomena acabaria com a própria vida?

FRANCESCA: Ontem ela soube que não pode ter filhos…

ROMANA: (olha Francesca) Mesmo assim eu acho que isso não a faria pensar em suicídio, vamos saber o que de fato aconteceu quando ela acordar.

 

Cena 10

  1. T. I.

 

ELISEO: (entra, se aproxima, olha Filomena que está com aparelhos que a fazem respirar ligados a ela, coloca a mão com cuidado sobre a mão dela).

ENFERMEIRA: (entra).

ELISEO: (olha a enfermeira) Ela pode me ouvir?

ENFERMEIRA: (aplicando um remédio no soro) Não sei te informar ao certo, o doutor a colocou em coma induzido, tem pacientes que ouvem sim, com licença. (sai).

ELISEO: (olhando Filomena) Não sei o que aconteceu com você… Mas seja lá o que for você tem que ficar boa. Você tem que reagir amore… Eu te amo. (chora).

 

Cena 11

Frigorífico Ferreto – Sala de Gigio

 

MARCELO: (olhando Gigio) Não vejo como Filomena poderia ter caído da sacada do quarto dela sozinha, alguém deve ter a empurrado.

GIGIO: Acidentes acontecem Marcelo, ela deve ter ido ficar na sacada e caiu, a grade estava solta.

MARCELO: Se ela sabia disso não iria se apoiar na grade.

GIGIO: (nervoso) Não importa o que aconteceu e sim que ela está muito mal no hospital e nós temos muito trabalho aqui.

MARCELO: (olhando Gigio, pensativo) Foi você Gigio?

GIGIO: Eu o que?

MARCELO: Que empurrou Filomena da sacada?

GIGIO: (olha Marcelo com raiva) Nunca mais repita um absurdo desses! Filomena é minha cunhada, convivo há anos com ela e jamais seria capaz de um ato cruel desses!

MARCELO: Tudo bem, não está mais aqui em falou. (vai saindo).

GIGIO: Espera, eu não quero que você comente isso com ninguém, Romana, Leontina, Cesca, ninguém entendeu, se não eu demito você por levantar falso testemunho contra mim, e vá até ao hospital avisar Cesca que o juiz irá á tarde para a mansão para fazer a leitura do testamento do Salvatore, todas as filhas devem estar presentes.

MARCELO: (faz que sim com a cabeça, sai).

GIGIO: (sério, pensativo) Preciso pensar em alguma coisa caso ela sobreviva… Será mais fácil se ela morrer.

 

Cena 12

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Escritório

(Romana, Francesca, Carmela e Gigio estão sentados).

 

CARMELA: Assim que isso acabar eu vou ver Filomena, vocês deveriam ter me contado antes o que aconteceu com a minha irmã.

FRANCESCA: Não deu Carmela, foi tudo tão de repente, mas fica calma, Eliseo está no hospital, qualquer coisa ele vai nos avisar.

JUIZ: (entra) Com licença.

GIGIO: Fique á vontade.

JUIZ: (se senta, olha á todos) Todos que eu requisitei estão aqui?

ROMANA: Só falta nossa irmã Filomena, que está internada no hospital, ela sofreu um acidente.

JUIZ: Então vou ler o testamento e tudo que for direcionado a ela vocês comuniquem, vou deixar uma cópia do testamento aqui, vou começar. (abre a pasta onde está o testamento de Salvatore).

GIGIO: (observa, está apreensivo).

JUIZ: (pega quatro envelopes na mão, coloca em cima da mesa) Seu Salvatore deixou essas cartas para cada uma de vocês.

FRANCESCA: (pega os envelopes, separa a carta dela e de Filomena, entrega uma para Romana, outra para Carmela).

CARMELA: (emocionada) Não tivemos muito tempo para nos despedir do babbo, e ler essa carta será como um último adeus.

JUIZ: (pega o testamento, começa a ler)… As ações do frigorífico Ferreto serão divididas igualmente entre minhas filhas, Francesca, Romana, Filomena e Carmela, vinte e cinco por cento para cada uma. Nomeio minha filha Filomena Ferreto como administradora dos negócios e dos bens que tenho em meu nome.

GIGIO: (se levanta, bravo) Isso é um absurdo! Eu deveria ficar á frente de tudo!

FRANCESCA: (olhando Gigio) Não acho, babbo escolheu bem, digo isso por mim, estou acostumada que os outros cuidem do que é meu, e não fazer isso pessoalmente confio em Filomena.

ROMANA: Eu não confio, mas concordo, por enquanto, porque quando me der na telha cuido do que é meu e pronto.

CARMELA: Eu concordo também.

GIGIO: Mas eu não! Eu deveria ficar no lugar de Salvatore!

FRANCESCA: Você não é filho dele Gigio.

GIGIO: Não importa, eu dou a minha vida por tudo isso, e por que me chamaram aqui?

JUIZ: Seu Salvatore te deixou uma quantia em dinheiro.

GIGIO: (olha o juiz) Tem como recorrer ou algo assim?

JUIZ: Não.

ROMANA: Gigio para de escândalo, estava mais no que na cara que babbo faria isso mesmo, não adianta ficar assim.

GIGIO: (com raiva) Verdade… Filomena pode não sair do hospital. (sai).

CARMELA: (assustada) Meu Deus eu não esperava uma atitude dessas de Gigio.

FRANCESCA: Você não o conhece como eu, quando quer, Gigio se transforma em um monstro.

 

Cena 13

Sala

 

GIGIO: (se apóia no sofá, está com raiva).

LEONEL: (se aproxima) O que foi Gigio?

GIGIO: (olha Leonel) Aquela maldita da Filomena se não morrer vai ficar na administração de tudo!

LEONEL: (sério) Natural, afinal ela é filha do Salvatore, e não fale assim dela.

GIGIO: Falo como eu quiser! Vou tomar minhas providencias! (sai).

LEONEL: (sorri) Ela já era interessante antes, agora ficou mais ainda.

 

Cena 14

Entrada da Mansão

 

DESIRÉ: (vê Gigio, se aproxima) Como vai?

GIGIO: Péssimo.

DESIRÉ: Eu percebi, posso saber por quê?

GIGIO: (olhando Desiré, pensativo) Desiré… Você gostaria de me ajudar num plano contra Filomena?

DESIRÉ: (sorri) Mas é claro que sim, qual seria esse plano?

GIGIO: Terminar o que eu comecei…

 

Cena 15

Hospital – Sala de Espera

 

MÉDICO: (se aproxima de Eliseo) Tenho uma boa noticia para você.

ELISEO: Qual?

MÉDICO: Eu tirei os sedativos da paciente e ela está reagindo bem.

ELISEO: (sorri) Ela acordou?

MÉDICO: Ainda não, ela vai voltar aos poucos.

ELISEO: Eu posso entrar?

MÉDICO: Pode.

 

Cena 16

  1. T. I.

 

ELISEO: (entra, se aproxima de Filomena, a olha) É bem melhor sem aqueles aparelhos em você… (segura a mão dela).

FILOMENA: (mexe a mão devagar).

ELISEO: (observa) Filó… Você consegue me ouvir?

FILOMENA: (abre os olhos).

ELISEO: (sorri, feliz) Dio… Como você está se sentindo amore?

FILOMENA: (despertando, olha Eliseo, fala baixo) Com muita dor na cabeça…

ELISEO: Eu vou chamar o médico, você lembra o que aconteceu?

FILOMENA: (olhando Eliseo) Gigio…

ELISEO: O que tem ele?

FILOMENA: (fecha os olhos) Gigio… Me jogou da sacada.

ELISEO: (olha muito Filomena, pasmo).

 

Cena 17

Mansão Ferreto – Escritório

 

FRANCESCA: (está lendo a carta que Salvatore deixou, se emociona).

MARCELO: (entra, a olha sorri) Oi.

FRANCESCA: (enxuga as lagrimas, sorri) Olá…

MARCELO: (se aproxima) Por que está chorando?

FRANCESCA: Pelas coisas lindas que babbo me escreveu.

MARCELO: (sorri) O que ele escreveu?

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Muitas coisas, mas entre elas o que mais me chamou a atenção foi a parte que ele disse para que eu sempre siga meu coração, para não ficar presa á algo ruim.

MARCELO: E o que seu coração quer?

FRANCESCA: Você. (beija Marcelo).

MARCELO: (beijando Francesca).

FRANCESCA: (olha Marcelo) Já terminou com Romana?

MARCELO: Ainda não.

FRANCESCA: (empurra Marcelo) Então me procure quando terminar.

MARCELO: (segura Francesca, a beija).

ADALBERTO: (entra, olha Francesca e Marcelo se beijando, fica com raiva) Mas que bela cena.

FRANCESCA: (olha Adalberto assustada, sem saber o que fazer).

MARCELO: (olha calmo para Adalberto, sorri um pouco).

 

Fim do Capítulo

Não Perca