Ferreto – capítulo 13 e 14

Ferreto

 

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 13

Cena 1

 

Uma Semana Depois – Manhã – Mansão Ferreto – Suíte de Filomena

FILOMENA: (está sentada em frente à penteadeira, olhando o envelope fechado contendo o resultado do exame que fez pensativa).

ELISEO: (entra, sorri) Bom dia.

FILOMENA: (guarda o envelope dentro da gaveta, fecha, se levanta) Bom dia.

ELISEO: (se aproxima, a beija, a olha) Acabaram de me falar que você não está se alimentando direito, é verdade?

FILOMENA: Eu não tenho vontade de nada.

ELISEO: Seu babbo não iria gostar disso.

FILOMENA: (olha Eliseo) Eu sinto tanta falta dele. (chora).

ELISEO: (a abraça) Eu queria tanto poder te ajudar, não gosto de te ver assim.

FILOMENA: (olha Eliseo) Você já ajuda estando ao meu lado.

ELISEO: (enxuga as lagrimas de Filomena) Sempre vou estar.

FILOMENA: (o olha, pensativa) Mesmo se fossemos só você e eu sempre?

ELISEO: Sim, e para mim isso não é só, é tudo que eu quero.

FILOMENA: E se eu nunca quiser ter filhos, você vai querer estar comigo sempre?

ELISEO: (sorri) Te conhecendo como conheço acho difícil você nunca querer ter filhos, mas se você não quiser por mim tudo bem, eu te amo, lutei para que você me notasse e ficasse comigo, e não vou te deixar só porque você não quer ter filhos.

FILOMENA: (pensativa, o olha) É bom saber disso.

ELISEO: Por que isso agora? É isso que você queria resolver antes de marcar a data do nosso casamento, se quer filhos ou não?

LEONEL: (entra, sorri) Bom dia.

ELISEO: (olha bravo para Leonel) Você sabia que se deve bater na porta antes de entrar?

LEONEL: Eu não vim aqui falar com você e sim com Filomena.

FILOMENA: Sai Leonel, não quero falar com você.

LEONEL: (a olha sorri) Eu preparei café da manhã para você, com tudo que você gosta.

ELISEO: Eu vim buscar Filomena para tomar café fora daqui, ela precisa sair um pouco, e você é muito atrevido, mesmo na minha presença não perde a oportunidade de dar em cima da minha noiva.

LEONEL: Você está confundindo gentileza com safadeza, o que mostra a sua insegurança.

ELISEO: (faz que vai bater em Leonel).

FILOMENA: (segura de leve o braço de Eliseo) Calma, não vale a pena amore. (olha Leonel) Concordo com Eliseo, está sendo atrevido e eu dispenso suas gentilezas, vou sair com meu noivo.

LEONEL: (sorri um pouco) Você quem sabe, só queria ajudar. (sai).

ELISEO: (nervoso) Não sei o que esse sujeito está fazendo aqui ainda.

FILOMENA: Eu vou pedir para ele ir embora.

ELISEO: Ótimo quero estar presente quando você fizer isso.

FILOMENA: (sorri) Fica calmo, é assim mesmo que Léo quer te deixar.

ELISEO: (olha Filomena) Léo?…

FILOMENA: Sim, Léo é o apelido de Leonel.

ELISEO: Eu sei, mas não gosto quando você o chama assim, soa intimo demais.

FILOMENA: Va bene, me espera na sala, vou retocar a minha maquiagem, e caso se encontre com o senhor Leonel Boaventura o ignore.

ELISEO: (sorri) Senhor Leonel Boaventura soou melhor. (a beija) Estarei lá embaixo. (sai).

FILOMENA: (séria) Eu tenho vontade de matar Leonel! Inútil…

 

Cena 2

Sala

 

FRANCESCA: (está olhando uma foto de Salvatore).

GIGIO: (entra acompanhado de Marcelo, olha Francesca) Cesca, você já falou para Filomena que é amanhã a leitura do testamento de Salvatore?

FRANCESCA: Já sim, ela quer que seja aqui, e eu concordo.

GIGIO: Tudo bem, eu preciso pegar um documento no nosso quarto, já volto. (sobe as escadas).

MARCELO: (olha Francesca, se aproxima) Como você está?

FRANCESCA: (olha Marcelo) Sentindo falta do babbo…

MARCELO: Eu imagino como deve estar sendo difícil, Romana não quis ir a três festas que teve essa semana.

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Você ama Romana?

MARCELO: Por que quer saber?

FRANCESCA: Curiosidade.

ROMANA: (desce as escadas) A amizade de vocês cresce a cada dia, vira e mexe os encontro assim, conversando pelos cantos.

MARCELO: Não é amizade, é convivência, não se esqueça que eu trabalho para Gigio.

ROMANA: (se aproxima de Marcelo o olha sorri) Estavam falando sobre o que?

FRANCESCA: Seu namoradinho estava me importunando, eu vou lá saber dos negócios de Gigio, eu hein. (sai).

ROMANA: (olha Marcelo) O que há entre vocês?

MARCELO: (sorri) Romana você está ficando paranóica, Francesca é mulher de Gigio meu patrão e sua sorella, ela não me suporta e eu particularmente a acha chata.

ROMANA: (sorri) Que bom que seja assim. (beija Marcelo).

 

Cena 3

Corredor dos Quartos

 

GIGIO: (encontra Filomena, a olha) Oi, você tem um minuto?

FILOMENA: Não, estou de saída.

GIGIO: Amanhã vamos saber quem Salvatore deixou no comando de tudo.

FILOMENA: Não estou preocupada com isso.

GIGIO: Claro que não, já deve estar se sentindo vitoriosa.

FILOMENA: (olha com raiva Gigio) Não sei como você é capaz de falar esse tipo de coisa! Como se eu estivesse torcendo pela morte do meu babbo!

GIGIO: Pode ser que não, mas provavelmente ele te deu o poder, mas você não é a pessoa mais indicada para isso, eu sou, espero que seja sensata amanhã e me nomeie presidente dos negócios.

FILOMENA: (sorri, encara Gigio) Você deveria trabalhar no circo Gigio, é um palhaço e tanto.

GIGIO: (fica sério).

DIVA: (se aproxima) Dona Filomena, o que devo fazer de almoço hoje?

FILOMENA: Pergunte a Francesca e foi bom te encontrar, a grade da sacada do meu quarto está solta, mande concertar. (sai).

DIVA: (entra no quarto de Filomena).

GIGIO: Eu preciso fazer alguma, não vou deixar que ninguém fique no lugar que pertence a mim.

 

Cena 4

Hotel – Suíte de Desiré

 

LEONEL: (entra) O que de tão importante você tinha para me dizer?

DESIRÉ: (olhando Leonel) Junior e Aline estão aqui, e querem te ver.

LEONEL: Eu não acredito nisso.

DESIRÉ: Seus filhos estavam com saudade de você.

LEONEL: (olha Desiré) Sabe que a presença deles aqui veio em boa hora.

DESIRÉ: (olhando Leonel) É mesmo?

LEONEL: (sorri) Sim, vou apresenta – los a Filomena.

DESIRÉ: Eu nunca vou permitir isso!

LEONEL: Você os trouxe, e sabe como eles me amam e sempre ficam do meu lado. (sorri).

 

Cena 5

Mansão Vasconcellos (Carmela e Adalberto) – Sala

 

ROMANA: (entra, cumprimenta Carmela) Como vai Cacá?

CARMELA: (se senta) Ainda estou triste pela morte de babbo, e você?

ROMANA: (se senta) Também, mas ficar chorando infelizmente não vai trazer o babbo de volta… E minha sobrinha? (sorri).

CARMELA: (sorri) Está dormindo, ela é um anjinho, não me dá trabalho, daqui a pouco ela acorda e vamos lá em cima ver ela.

ROMANA: E o traste do seu marido?

CARMELA: Romana não fala assim, sei que Adalberto tem muitos defeitos, mas ele está se esforçando para melhorar.

ROMANA: Conhece aquele ditado, pau que nasce torto, morre torto, é o caso do Felisberto. (fica distante, pensativa).

CARMELA: Romana… O que você tem?

ROMANA: (olha Carmela) Eu acho que Marcelo está me escondendo alguma coisa.

CARMELA: Como o que?

ROMANA: Não faço idéia, ele tem agido de um modo estranho comigo, distante, às vezes frio…

CARMELA: Pode ser impressão sua Romana.

ROMANA: (olha Carmela) Tomara que seja só isso mesmo. (pensativa).

 

Cena 6

Frigorífico Ferreto – Sala de Gigio

 

GIGIO: (está escrevendo).

MARCELO: (entra) Queria falar comigo?

GIGIO: Sim, preciso que você chame todos os acionistas para uma reunião aqui hoje á tarde, é de extrema importância que todos estejam presentes.

MARCELO: Pode deixar, do que se trata a reunião?

GIGIO: Não conte a ninguém, mas eu preciso deixar todos á par de que Filomena é a possível substituta de Salvatore aqui, e isso não pode acontecer.

MARCELO: Mas ela é uma mulher muito inteligente, já resolveu coisas que seu Salvatore não conseguiu.

GIGIO: Conseguiu nada, Salvatore facilitava tudo pra ela, eu que sempre dei meu sangue por esse frigorífico e não vou deixar que ninguém fique no lugar que pertence a mim.

FRANCESCA: (entra, sorri) Olá.

MARCELO: (olha Francesca, sorri).

GIGIO: Amore que surpresa você aqui.

FRANCESCA: Eu vim pedir um favor para a Leontina e aproveitei para te ver.

GIGIO: (se aproxima de Francesca a beija) Eu estou resolvendo umas coisas importantes agora amore, vou buscar um relatório no escritório de Salvatore e já volto me espera aqui, Marcelo te faz companhia. (sai).

FRANCESCA: (olhando Marcelo nos olhos, se aproxima) Passei aqui só porque me deu vontade de te ver de novo.

MARCELO: (olhando Francesca sorri) Assim eu não resisto e te beijo aqui mesmo.

FRANCESCA: (da risada, se afasta de Marcelo) Aqui é muito perigoso, mas eu vim aqui para te falar que hoje á noite quero me encontrar com você.

MARCELO: É só me falar onde e a que horas madame.

FRANCESCA: (sorri, anota o endereço, entrega o papel para Marcelo) Hoje á noite no hotel Lampone, o endereço está ai.

MARCELO: (sorri, guarda o papel) Hotel é…

FRANCESCA: (olhando Marcelo nos olhos) Não aguento mais ficar bancando a adolescente que sai escondida apenas para dar uns beijinhos… Quero mais do que isso.

MARCELO: (sorri, beija Francesca).

FRANCESCA: (beijando Marcelo, se afasta sorri) Você ficou louco? Se Gigio entra aqui é capaz de matar nós dois.

MARCELO: Não dou a mínima para Gigio, que, aliás, está armando para que todos os acionistas fiquem contra Filomena.

FRANCESCA: Como é?

GIGIO: (entra) Pronto você já pode sair Marcelo.

MARCELO: Com licença. (sai).

FRANCESCA: (pensativa, olhando Gigio) Eu posso saber que coisa importante você tem para resolver hoje?

GIGIO: Coisas do dia a dia amore, mas que se não forem resolvidas logo, pode dar prejuízo depois.

 

Cena 7

Café – Mesa de Filomena e Eliseo

ELISEO: (segura a mão de Filomena, a olha) Você já sabe que amanhã será feita a leitura do testamento do seu Salvatore?

FILOMENA: Sei, eu de verdade não estou com cabeça para nada disso, essa semana foi e está sendo muito difícil para mim, babbo está me fazendo muita falta.

ELISEO: Filó tem uma coisa que eu queria te falar e estava esperando o momento certo.

FILOMENA: O que é?

ELISEO: O resultado da investigação que você pediu já saiu.

FILOMENA: E…

ELISEO: Como eu já havia dito falta uma boa parte dos lucros.

FILOMENA: Só quero ver como Gigio vai explicar isso.

MARCELO: (se aproxima) Com licença, bom dia, que bom que encontrei você aqui Filomena.

FILOMENA: (olha altiva para Marcelo) Para mim nunca é bom te encontrar, o que quer comigo? Como soube que eu estava aqui?

MARCELO: Eu estava passando e vi vocês, eu tenho algo muito importante para te falar.

FILOMENA: O que é?

MARCELO: (olhando Filomena) Gigio marcou uma reunião com todos os acionistas do frigorífico hoje á tarde para provar que você ou qualquer uma de suas irmãs são incapazes de administrarem o frigorífico e que ele sim é a pessoa indicada.

FILOMENA: (olha muito Marcelo, inconformada).

 

Cena 8

Mansão Ferreto – Entrada

 

FRANCESCA: (está entrando na mansão).

ADALBERTO: (a segura pelo braço, a olha) Eu quero falar com você.

FRANCESCA: (se solta, está brava) Mas que mania infeliz que você tem de aparecer assim do nada, ficou louco?

ADALBERTO: (a olha) Faz dias que você está me evitando.

FRANCESCA: Adalberto você já está me enchendo! Se não sabe esperar azar o seu!

ADALBERTO: Esperar o que? Você e Gigio brigarem para dai sim você lembrar que eu existo?

FRANCESCA: Adalberto eu vou ser direta, não quero mais nada com você, basta desse caso sem futuro, e não quero causar dor a Cacá se um dia ela vier a descobrir que somos amantes.

ADALBERTO: Você está falando sério mesmo?

FRANCESCA: Muito sério, foi bom enquanto durou, agora segue a sua vida que eu sigo a minha. (entra).

ADALBERTO: (fica triste, com raiva) Você está enganada se pensa que vai ser fácil assim se livrar de mim Cesca.

 

Cena 9

Café – Mesa de Filomena e Eliseo

 

FILOMENA: Gigio não tem o direito de fazer isso.

ELISEO: Eu não estou sabendo de nada disso.

MARCELO: Claro que não, Gigio não te contou porque sabia que você falaria para Filomena.

FILOMENA: (olha Marcelo) O que você quer em troca do que me contou?

MARCELO: Nada.

FILOMENA: (sorri sarcástica) Marcelo não precisa fazer o bom moço comigo, se me contou isso é porque quer alguma coisa, não vejo outra razão.

MARCELO: (olhando Filomena) Não acho justo que Gigio queira ocupar um lugar que não pertence a ele.

FILOMENA: (se levanta, olha Marcelo) Cedo ou tarde você vai me dizer o que quer em troca dessa informação.

ELISEO: (se levanta) O que você pretende fazer Filó?

FILOMENA: Ir para a casa e avisar as minhas sorellas que temos uma reunião para ir. (olha Marcelo) Ainda não gosto de você.

MARCELO: (sorri um pouco) De nada.

FILOMENA: (sai com Eliseo).

MARCELO: Só quero ver o que você vai fazer agora Gigio. (sorri).

 

Cena 10

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Escritório

 

FILOMENA: (está guardando uns documentos em uma pasta).

LEONEL: (entra).

FILOMENA: (o olha) O que quer aqui?

LEONEL: (sorri) Para de me tratar assim.

FILOMENA: (fecha a pasta, olha Leonel) Eu quero que você saia dessa casa ainda hoje.

LEONEL: Não vou sair, e nem é você que quer que eu vá e sim aquele cara imbecil que você é noiva.

FILOMENA: Não vou admitir que você fale assim dele, e já disse, você tem que sair.

LEONEL: E se eu não sair? (sorri).

FILOMENA: (fica nervosa) Você é um inútil! Odeio você. (vai saindo).

LEONEL: (a segura, a encosta na porta, a olha muito) Amo você. (a beija).

FILOMENA: (retribui o beijo, empurra Leonel, nervosa) Para de fazer isso! Mas que inferno Léo! Me deixa em paz. (sai, bate a porta).

LEONEL: (sorri) Não vou deixar… Não consigo.

Cena 11

Sala

 

ROMANA: (olha Filomena) O que foi?

FILOMENA: (nervosa) Leonel! Ele consegue me tirar do sério.

ROMANA: (sorri) Sei.

FILOMENA: (séria) Vou ignorar o seu sarcasmo porque não estou a fim de discutir agora, já está pronta?

ROMANA: Estou eu não costumo me envolver nesse tipo de coisa, mas vendo como Gigio vem agindo acho que ele merece saber qual é o lugar dele.

FRANCESCA: (se aproxima) Podemos ir.

FILOMENA: E Carmela?

ROMANA: Vai nos encontrar lá.

FILOMENA: É uma inútil mesmo, o combinado era que nós quatro chegássemos juntas.

ROMANA: Para de fazer tempestade em copo d’água e vamos logo sorella.

FRANCESCA: (olha Filomena) Gigio vai ter uma surpresa.

 

Cena 12

Frigorífico Ferreto – Sala de Reuniões

(estão presentes os acionistas).

 

GIGIO: (entra com Marcelo) Boa Tarde á todos. (se senta na cadeira de Salvatore).

ELISEO: (entra).

GIGIO: (olha Eliseo) O que você está fazendo aqui?

ELISEO: (se senta) Eu vim fazer parte da reunião, o que mais seria?

GIGIO: Mas quem te convocou para estar aqui?

MARCELO: (observa).

ELISEO: (sorri) Filomena.

GIGIO: Mas ela não está sabendo dessa reunião.

FILOMENA: (entra com Francesca, Romana e Carmela) Ai que você se engana Gigio, não há nada do que se passe aqui que eu não saiba.

GIGIO: (olha sem acreditar para Filomena, Francesca, Romana e Carmela).

 

Fim do Capítulo

Não perca os últimos capítulos de Ferreto.

Gigio quer ficar no lugar de Salvatore, mas Filomena não vai permitir


 

Capítulo 14

Cena 1

Frigorífico Ferreto – Sala de Reuniões

 

GIGIO: (sem saber o que fazer pela presença de Filomena, Francesca, Romana e Carmela) Vocês vieram para a reunião?

FILOMENA: Claro, afinal a reunião se trata do futuro do frigorífico, eu vou pedir para que você saia da cadeira do meu babbo.

GIGIO: (olha com raiva para Filomena, se levanta).

FILOMENA: (fica atrás da cadeira de Salvatore, olha os acionistas) Agradecemos a presença de todos aqui, não vou me prolongar muito porque acredito que todos temos muito a fazer, amanhã será a leitura do testamento de Salvatore Ferreto, e como todos aqui sabem ele não teve filhos homens e sim quatro mulheres como estão vendo, uma de nós irá ocupar o lugar de babbo, e espero que isso não seja um problema para os senhores.

 

Cena 2

Mansão Ferreto – Sala

 

LEONEL: (desce as escadas, olha Desiré , Junior e Aline).

ALINE: (sorri, abraça Leonel) Papai! Estava com saudades!

LEONEL: (sorri abraçando Aline) Eu também meu amor.

JUNIOR: (abraça Leonel) Senti sua falta papai.

LEONEL: (sorri) E eu a sua Junior.

DESIRÉ: Eu falei eles estavam loucos para ver você.

ALINE: Quando você vai voltar para a casa papai?

LEONEL: Não sei ainda Aline.

JUNIOR: A mamãe disse que você quer ter outra família.

 

Cena 3

Frigorífico Ferreto – Depois da Reunião – Sala de Reunião

(Filomena, Romana, Francesca, Carmela, Gigio e Eliseo estão sentados).

 

GIGIO: Por que você pediu para ficarmos aqui? Você deveria ir para a casa comemorar a aceitação que teve aqui hoje Filomena.

FILOMENA: Guarde suas ironias, eu tenho algo importante a dizer e é assunto de família.

ROMANA: Então fala logo porque ficar aqui está me entediando.

CARMELA: E eu tenho que ver Isabela, a deixei na casa da avó.

CARLOS: (entra) Com licença.

GIGIO: Você não disse que é um assunto de família?

FILOMENA: (olha Gigio) Não vou me prolongar. (olha em volta) Eu mandei os livros da contabilidade para outros profissionais e eles chegaram na mesma conclusão que Eliseo, que estava faltando boa parte do lucro das vendas.

GIGIO: (olha Filomena) Eu sei, assim como você também mandei investigar e realmente há um desfalque.

CARLOS: (olha Gigio).

ROMANA: Mas isso é um absurdo Gigio, como tiram dinheiro e você não percebe, que eu saiba você cuida dessa parte.

GIGIO: Pois é, mas acontece que não cuido sozinho disso, Carlos também cuida dessa parte.

CARLOS: (olhando Gigio, esta nervoso) Mas eu não roubei nada.

FRANCESCA: Só pode ser um dos dois, ou então os dois que roubaram da empresa porque seria impossível que uma coisas dessas passasse despercebida por vocês.

GIGIO: (olhando Carlos) Confessa que roubou Carlos vai ser melhor para você.

CARMELA: Mas se ele for inocente não pode confessar Gigio.

FILOMENA: Até quando os dois vão fazer esse joguinho de esconde esconde?

GIGIO: Eu não roubei nada, por que eu roubaria a minha própria empresa?

FILOMENA: O frigorífico não é seu, é meu e das minhas sorellas.

ELISEO: Eu acho que devemos comunicar a polícia sobre o roubo, assim vamos descobrir quem está tirando dinheiro daqui.

GIGIO: E você não se mete!

FILOMENA: Eliseo está certo, já que não querem confessar por bem, vão se entender com a polícia.

GIGIO: (olhando Carlos) Fala que foi você que roubou.

CARLOS: (nervoso, com raiva) Fomos nós Gigio! Você também pegou dinheiro daqui e muito mais do que eu!

GIGIO: (olha Carlos, está com raiva).

 

Cena 4

Mansão Vasconcellos – Jardim

 

LIDIA: (está sentada, cuidando de Isabela que está no carrinho de bebê, sorri) Você é tão linda meu amor, pena que tem o sangue daquela família de carcamanos.

ADALBERTO: (se aproxima) Mamãe eu preciso falar com você.

LIDIA: Se quiser dinheiro fale com o seu pai.

ADALBERTO: Ele não vai querer me emprestar.

LIDIA: Meu filho geralmente quando pegamos um empréstimo devolvemos o dinheiro, você nunca devolveu um tostão.

ADALBERTO: (olhando muito Lidia) Eu não tenho de onde tirar dinheiro mamãe, estou quebrado.

LIDIA: Para que você quer o dinheiro?

ADALBERTO: Eu preciso investir num negócio.

LIDIA: Você quer dizer no jogo.

ADALBERTO: (olhando Lidia) Mamãe, por favor, me empresta dinheiro e eu prometo te devolver.

LIDIA: Ai meu filho não faça promessas que não pode cumprir, mas eu vou te emprestar, só não conte ao seu pai.

ADALBERTO: (sorri) Pode deixar, obrigado.

 

Cena 5

Frigorífico Ferreto – Sala de Reunião

 

FRANCESCA: (olha Gigio) Eu poderia te falar que estou surpresa, mas vindo de você nada mais me surpreende.

GIGIO: (se levanta) É mentira! Ele está falando isso para não ficar com a culpa toda!

FILOMENA: (olha Carlos) Se você me contar exatamente como as coisas aconteceram não vou te entregar á policia, mas quero que você saiba que a partir de agora não trabalha mais aqui.

CARLOS: (com vontade de chorar) Eu não posso ficar sem emprego, Gigio me obrigou a fazer vistas grossas e me dava uma parte do que pegava.

ROMANA: (se levanta, pega a bolsa, olha em volta) Querem a minha opinião? Por mim colocaria os dois na cadeia, mas como conheço Filomena sei que ela vai querer manter isso debaixo dos panos, que pelo menos devolvam o que roubaram. (sai).

CARMELA: (se levanta) Eu também já vou, tenho que buscar Isabela. (olha Gigio) Com essa atitude toda a admiração que tinha por você acabou. (sai).

GIGIO: Mas eu não fiz nada! Carlos está querendo jogar a culpa em mim.

FRANCESCA: Para de mentir Gigio já está ficando ridículo, outro dia mesmo eu descobri que você tem uma conta na suíça.

FILOMENA: (se levanta, olha Carlos) Eu quero falar com você em particular, venha comigo. (sai).

GIGIO: (olha Carlos) Cuidado com o que você vai falar.

CARLOS: (sai).

ELISEO: (se levanta, olha Gigio) Não adiantou de nada você ter dito que eu estava enganado para se livrar.

GIGIO: (olha Eliseo com raiva) Some daqui antes que eu quebre a sua cara.

ELISEO: (sorri, sai).

FRANCESCA: (se levanta, olha Gigio) Como você teve coragem Gigio? Babbo confiava tanto em você, assim como nós.

GIGIO: Eu só peguei o que mereço Cesca, dou o meu sangue por esse lugar.

FRANCESCA: Eu sei você se doa demais ao trabalho para ter cada vez mais dinheiro e com isso acabou com o nosso casamento.

GIGIO: Cesca…

FRANCESCA: Não quero te ouvir agora. (sai).

GIGIO: (chuta a cadeira, está com ódio) Maldita! Eu vou tirar você do meu caminho Filomena! De um jeito ou de outro eu vou te tirar do meu caminho!

 

Cena 6

Recepção

Marcelo e Romana estão conversando

 

ROMANA: Foi isso o que aconteceu.

MARCELO: Por essa eu não esperava, que Gigio escondia alguma coisa eu já tinha percebido, agora que o Carlos fosse jogar tudo no ventilador não.

ROMANA: Filomena ameaçou chamar a polícia e ele ficou com medo.

MARCELO: Como será que essa história vai acabar?

ROMANA: Não sei… Bem vamos mudar de assunto.

FRANCESCA: (se aproxima, olha Romana conversando com Marcelo, volta, fica escondida prestando atenção).

ROMANA: (sorri) Vem almoçar comigo, aqui perto tem um restaurante ótimo.

MARCELO: (olha Romana) Acho que não vai dar, Gigio deve estar precisando de mim.

ROMANA: Não mais do que eu. (sorri).

MARCELO: (sorri, olha Romana) Está certo, eu vou.

ROMANA: (beija Marcelo, o olha sorri) Te espero lá então, não demora. (sai).

MARCELO: (passa perto de Francesca, não a vê).

FRANCESCA: (segura Marcelo o olha) Sabia que quando vejo você assim com Romana me da vontade de desistir de você.

MARCELO: (sorri) Ciúmes?

FRANCESCA: Pode ser…

MARCELO: Oficialmente estou com ela.

FRANCESCA: A é, então oficialmente pode esquecer do nosso encontro de hoje á noite. (vai saindo, está brava).

MARCELO: (segura Francesca a beija, a olha muito) Estou contando os segundos para chegar á noite.

FRANCESCA: (sorri) Você é louco? Qualquer um pode nos ver. (se afasta).

MARCELO: (sorri) Todos estão ocupados demais.

FRANCESCA: E sobre hoje á noite eu só vou se você não ficar de beijinhos com Romana por ai.

MARCELO: É difícil porque ela beija bem.

FRANCESCA: (da um tapa no braço de Marcelo) Não fale mais comigo!

MARCELO: (sorri) Calma…

FRANCESCA: Você a ama?

MARCELO: Vou deixar essa pergunta na sua cabeça até o nosso encontro. (sorri) Com licença. (sai).

FRANCESCA: (pensativa) Ele quer me enlouquecer assim.

 

Cena 7

Sala de Filomena

 

ELISEO: (entra) Como foi a conversa com Carlos?

FILOMENA: Não muito diferente do que ele contou na reunião, Gigio pegava dinheiro, ele descobriu e Gigio dava uma parte do que roubava para ele.

ELISEO: O que você vai fazer?

FILOMENA: Demiti Carlos, e vou afastar Gigio do frigorífico, mas não hoje, depois da leitura do testamento do babbo, e mesmo porque hoje já não tenho mais força para discutir com ele, a reunião foi cansativa e desmascarar Gigio também. (se levanta) Eu vou para a casa.

ELISEO: (segura a mão de Filomena, sorri) Você esteve incrível na reunião, o modo como você colocou as coisas e conseguiu a aceitação para você e suas sorellas foi brilhante.

FILOMENA: (sorri) O melhor foi ver Gigio derrotado, o plano dele foi por água abaixo.

ELISEO: (a olhando) Eu te amo.

FILOMENA: (sorri) Nem vem com essa cara porque aqui não é lugar disso.

ELISEO: Mas não tem ninguém aqui, só nós e você disse que estava indo para a sua casa e eu vou ficar aqui… Só um beijo. (sorri).

FILOMENA: (o beija, sorri) Não se acostuma a fazer isso aqui porque abri uma exceção.

ELISEO: (sorri) Tudo bem, nos vemos mais tarde?

FILOMENA: Sim, eu gostaria de sair á noite, ir ao clube talvez, desde quando babbo se foi que eu não consigo sair de casa.

ELISEO: Claro vamos ao Clube então.

FILOMENA: Até á noite então. (sai).

 

Cena 8

Mais Tarde – Mansão Ferreto

 

ROMANA: (entra, está nervosa).

LEONEL: (se aproxima) Romana… Aconteceu alguma coisa?

ROMANA: Aconteceu Leo, briguei com Marcelo. (sobe as escadas).

FILOMENA: (entra).

LEONEL: (sorri) É bom ver que você está melhor.

FILOMENA: (olha Leonel) Você tem que ir embora dessa casa.

LEONEL: Tenho? Por quê?

FILOMENA: Porque eu estou mandando você sair, fiquei num hotel, alugue um apartamento, fique debaixo do viaduto, onde você desejar, mas amanhã te quero bem longe daqui.

LEONEL: (se aproxima de Filomena, a olhando nos olhos) Você não quer que eu vá.

DESIRÉ: (entra, fica séria) Até que enfim te encontrei Filomena.

FILOMENA: (olha Desiré) Quem te deixou entrar? Me fala que vou demitir você não é bem vinda aqui então pode se retirar.

DESIRÉ: Você não tem vergonha na cara? Leonel é um homem casado e você está noiva.

FILOMENA: (segura Leonel pelo braço, o coloca ao lado de Desiré) Leva esse inútil para bem longe e faça bom proveito, nunca mais volte aqui Desiré porque se não chamo a policia e digo que você invadiu a minha casa. (sobe as escadas).

DESIRÉ: (sorri) Que coisa Leonel, sua amante não te quer mais.

LEONEL: Ela não é minha amante, e já está na hora de sair daqui mesmo, vou me hospedar em um hotel…

 

Cena 9

Suíte de Francesca

 

FRANCESCA: (está escolhendo um vestido, o telefone toca, atende) Alô.

ADALBERTO: Cesca não desliga, eu quero te fazer um convite.

FRANCESCA: Que tipo de convite?

ADALBERTO: Vamos viajar para Buenos Aires e passar um fim de semana lá, sem precisar nos escondermos.

FRANCESCA: (sorri) Você tem como bancar essa viagem?

ADALBERTO: Tenho, consegui dinheiro para que você não precise pegar e alguém notar.

FRANCESCA: A idéia não é má querido, vou ver se consigo inventar algo e te falo.

ADALBERTO: Tudo bem, te amo.

FRANCESCA: (sorri, desliga) Isso Adalberto, me ame muito, é sempre bom ter alguém por perto que é capaz de fazer tudo por você.

 

Cena 10

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (entra na suíte, coloca a bolsa em cima da mesa, pensativa, abre a gaveta da penteadeira, pega o envelope contendo o resultado do exame que fez para saber se pode ou não ter filhos, fica olhando para o envelope fechado um tempo, se senta, abre o envelope devagar, tira o papel contendo o resultado, fecha os olhos, suspira, abre os olhos, começa a ler o resultado do exame, fica imóvel, sem acreditar no que acabou de descobrir, amassa o papel com calma, olha para a frente, fica com vontade de chorar, se levanta, começa a ficar ofegante, alterada, joga tudo que estava na penteadeira no chão, chora).

FRANCESCA: (entra assustada) O que aconteceu Filomena? Eu ouvi um barulho, você está bem? (se aproxima de Filomena).

FILOMENA: (olhando Francesca, não contendo as lágrimas) Não… Eu nunca senti uma dor como essa.

FRANCESCA: (olhando Filomena) Você está passando mal? Quer que eu chame um médico?

FILOMENA: (se senta no chão, chora).

FRANCESCA: (se abaixa perto de Filomena, está preocupada) Per Dio sorella, me conta o que você tem…

FILOMENA: (olha Francesca, chora em silêncio) O mesmo que você… O mesmo que Romana… (não consegue falar, chora, olha Francesca) Eu tenho o útero seco assim como vocês!

FRANCESCA: (olha muito Filomena, as lagrimas escorrem) Eu sinto muito…

FILOMENA: E eu muito mais… (chora).

FRANCESCA: (a abraça, fecha os olhos, fica em silêncio sentada no chão com ela).

 

Cena 11

Á noite – Hotel Lampone – Suíte de Marcelo e Francesca

 

FRANCESCA: (entra, está preocupada).

MARCELO: (a olha sorri) Estava com saudades de estar a sós com você. (beija Francesca).

FRANCESCA: (beija Marcelo, sorri um pouco) Eu também.

MARCELO: O que foi? Por que está assim?

FRANCESCA: Estou preocupada com Filomena, aconteceu uma coisa ruim com ela e quando fui me trocar para vir aqui ela saiu.

MARCELO: Não precisa ficar assim, ela sabe se cuidar. (beija o pescoço de Francesca, fala no ouvido dela) Essa noite você é só minha.

FRANCESCA: (olha Marcelo) E você Marcelo, quando vai ser só meu?

MARCELO: (beija Francesca, a olha) Em breve.

FRANCESCA: (sorri) Só quero ver. (beija Marcelo, o olha, acaricia o rosto dele) Nunca pensei em sentir isso de novo, essa paixão, essa coisa boa que sinto quando estamos juntos.

MARCELO: Me faz a pergunta de novo.

FRANCESCA: Você ama Romana?

MARCELO: (olhando Francesca) Eu amo você Cesca. (a beija com vontade).

FRANCESCA: (retribui).

 

Cena 12

Mansão Ferreto – Sala

 

ELISEO: Como ela não esta? Nós marcamos de sair.

DIVA: Eu não sei o que aconteceu com dona Filomena, mas ela não estava nada bem, deve ser falta do seu Salvatore.

ELISEO: Eu vou procurar Filomena, se ela voltar diga para me esperar. (sai).

GIGIO: (entra está bêbado, olha Diva) Minha mulher está?

DIVA: Não senhor, dona Francesca foi á uma festa com Dona Romana.

GIGIO: E aquela cobra maldita da Filomena, está ai?

DIVA: Não senhor, ela saiu agora pouco e não disse onde foi.

GIGIO: (da risada) Os ratos estão todos fora da casa, pode ir dormir Diva.

DIVA: Eu vou esperar dona Filomena.

GIGIO: (grita) Pode ir Diva!

DIVA: (sai assustada).

GIGIO: (sobe as escadas).

Cena 13

Suíte de Filomena

 

GIGIO: (olha a porta aberta, entra, vê tudo caído no chão, começa a chutar as coisas) Odeio você!

FILOMENA: (entra, olha Gigio) O que você está fazendo aqui?

GIGIO: A porta estava aberta.

FILOMENA: Sai daqui, eu quero ficar sozinha.

GIGIO: (olhando com raiva Filomena) Você… Não vai me tirar tudo o que já consegui.

FILOMENA: Gigio você está bêbado e eu sem paciência para te aturar então sai daqui!

GIGIO: (segura com força os braços de Filomena, a chacoalha, grita) Você não manda em mim!

FILOMENA: (empurra Gigio se afasta, fica perto da janela) Mas o que é isso, você ficou louco? Eu já mandei você sair.

GIGIO: (se aproximando aos poucos de Filomena a olha) Eu vou ficar no lugar do Salvatore, há tempos que esperava esse velho imbecil morrer!

FILOMENA: (da um tapa no rosto de Gigio) Não fale assim do meu babbo! Você é quem é imbecil! Foi traído anos pela Cesca e nunca percebeu, se você não tem vocação nem para ser homem quem dirá administrador de uma empresa!

GIGIO: (com ódio encosta Filomena na grade da sacada que está solta, a olha) Você se acha invencível, mas não é, e eu vou acabar com você.

FILOMENA: (se segura em Gigio) Me deixa sair daqui e vai embora!

GIGIO: Como você quiser… (empurra a grade que solta da sacada e cai).

FILOMENA: (se desequilibra, cai da sacada, perde os sentidos).

GIGIO: (olhando da janela Filomena caída no chão, sorri) Agora eu vou sair daqui… (sai do quarto, encosta a porta).

Fim do Capítulo

Não Perca os últimos capítulos de Ferreto

Anúncios

Ferreto – capítulo 12

 

 Ferreto

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

 

Capítulo 12

Cena 1

Noite – Campos do Jordão – Rua

 

FRANCESCA: (beijando Marcelo, o olha sorri) Isso pode ser perigoso sabia…

MARCELO: (sorri) É bom correr riscos de vez em quando.

FRANCESCA: (percebe uma movimentação) O que será que aconteceu ali?

MARCELO: (observa) Não sei… Parece que tem uma pessoa caída no chão.

FRANCESCA: (observa, olha o sapato do homem caído, fica preocupada) Eu quero ver quem é o homem que está caído no chão.

MARCELO: Mas por quê? Vamos voltar ao hotel.

FRANCESCA: (nervosa) Não, eu acho que é babbo que está ali. (vai correndo até onde está o homem caído, pede licença ás pessoas que estão o cercando, olha Salvatore desacordado, fica desesperada, se ajoelha ao lado dele) Babbo! Fala comigo. (segura a mão de Salvatore).

MARCELO: (se aproxima, olha Salvatore caído) Meu Deus, o que será que aconteceu?

FRANCESCA: (chorando) Não sei, vai chamar uma ambulância! Babbo tem problema de coração, ele está gelado.

MARCELO: Não demoro. (corre para achar um telefone).

FRANCESCA: (nervosa, olha as pessoas em volta) Eu quero todo mundo fora daqui! Saiam de perto do meu babbo, isso não é atração turística! Fora daqui todo mundo! (olha Salvatore desacordado, chora, acaricia o rosto dele) Vai ficar tudo bem…

 

Cena 2

Hotel – Suíte de Gigio e Francesca

 

ROMANA: (entra) Gigio você sabe me dizer onde está Marcelo?

GIGIO: Ele foi procurar Francesca e até agora não voltou.

ROMANA: Eu não acredito que você o mandou atrás dela, você é o marido, você deveria ter saído da sua zona de conforto e ido atrás dela e não mandar Marcelo.

GIGIO: Fica tranquila Romana, eu pedi á ele que conversasse com Cesca, que explicasse que me exaltei e me arrependi, daqui a pouco eles chegam.

ROMANA: Daqui a pouco? Tem horas que estou esperando.

GIGIO: Para de reclamar, e me deixa em paz.

ROMANA: Nossa… O que será que minha sorella fez para te deixar assim. (sorri). A renovação dos votos não valeu de nada?

GIGIO: (olha sério para Romana) Você já viu que Marcelo não está aqui, portanto, retire – se porque não estou com o humor para ouvir suas gracinhas.

ROMANA: (olhando Gigio) É… Pelo jeito ela fez uma festinha particular. (da risada, sai).

GIGIO: (fica com raiva, pega um objeto, joga na parede) Inferno!

 

Cena 3

Fazenda – Sala de Jantar

 

ELISEO: (está jantando) Nós poderíamos levar essa cozinheira conosco amore. (sorri).

FILOMENA: (está pensativa, preocupada).

ELISEO: (a olha) Filó…

FILOMENA: (olha Eliseo) O que você disse?

ELISEO: (segura a mão dela a olha) O que você tem?

FILOMENA: Não sei… Estou assim desde quando falei com babbo… Uma sensação ruim, muito ruim.

ELISEO: Você ficou impressionada com o modo como ele falou com você, mas está tudo bem amore, não fica assim.

FILOMENA: (olha Eliseo, sorri um pouco) Pode ser isso mesmo.

ELISEO: Você nem tocou na comida, não sabe o que está perdendo. (sorri).

FILOMENA: Sei sim, a cozinheira daqui só não está na minha casa porque ela se recusa a sair da fazenda. (sorri, suspira) Mas estou sem fome, realmente estou sentindo uma coisa muito estranha…

 

Cena 4

Dia Seguinte – Manhã – Hospital – Sala de Espera

 

FRANCESCA: (está sentada pensativa, triste).

ROMANA: Estão demorando demais.

FRANCESCA: Gigio foi falar com o médico.

MARCELO: (se aproxima com dois copos de suco, entrega um para Francesca, outro para Romana).

ROMANA: Não quero Marcelo, grazie.

MARCELO: Toma, vai te fazer bem.

GIGIO: (se aproxima).

FRANCESCA: (se levanta, olha muito Gigio) E ai? Como babbo está?

GIGIO: (olha Francesca) Cesca… O estado de saúde do Salvatore é muito delicado.

ROMANA: (olhando Gigio) Ele corre algum risco de… morrer?

GIGIO: (olha Romana) Sim… Infelizmente sim.

ROMANA: (fecha os olhos, abraça Marcelo).

FRANCESCA: (chora) Gigio não podemos fazer nada?

GIGIO: Fica calma Cesca, eu já pedi para transferirem ele á São Paulo, aqui não tem muitos recursos para o caso dele.

FRANCESCA: (se senta chorando).

GIGIO: (se senta ao lado de Francesca, a olha) Vai ficar tudo bem você vai ver.

FRANCESCA: (abraça Gigio, chora).

ROMANA: (enxuga ás lágrimas) Alguém já avisou Filomena e Carmela?

MARCELO: Eu liguei para as duas agora pouco, com Carmela consegui falar diretamente, mas Filomena não estava e deixei recado.

 

Cena 5

Fazenda – Sala

 

ELISEO: (entra).

EMPREGADA: (se aproxima aflita) Seu Eliseo que bom que chegou, aconteceu uma desgraça.

ELISEO: (preocupado) O que foi?

EMPREGADA: O seu Salvatore está entre a vida e a morte no hospital.

ELISEO: (olhando a empregada sem acreditar) Quem disse isso? O que aconteceu?

EMPREGADA: Eu não sei o que aconteceu direito porque o rapaz queria falar com dona Filomena, ele se chama Marcelo.

ELISEO: (fecha os olhos) Dio… Como vou falar isso para a Filó…

EMPREGADA: Ele deixou o telefone do hospital. (entrega o papel com o número anotado á Eliseo, vai para a cozinha).

FILOMENA: (entra, sorri) Caminhar aqui logo cedo é muito bom não é, você gostou?

ELISEO: (olha Filomena, sorri um pouco, está chateado) Gostei muito.

FILOMENA: (olhando Eliseo) Não parece, está com uma cara…

ELISEO: (se aproxima de Filomena, se senta com ela no sofá, segura a mão dela a olha) Eu tenho que te contar uma coisa.

FILOMENA: (olhando Eliseo) O que?

ELISEO: (suspira a olha) Salvatore está internado no hospital, a empregada não soube falar o que aconteceu direito, Marcelo ligou avisando.

FILOMENA: (olha muito Eliseo, se levanta) Nós temos que ir para lá agora!

ELISEO: (se levanta) Calma, eu vou ligar para o hospital e pedir informação.

FILOMENA: (aflita, com vontade de chorar) Então liga logo! E pede para falar com Cesca.

ELISEO: (se senta ao lado do telefone, liga para o hospital) Bom dia, eu quero falar com Francesca Ferreto… Obrigado. (tampa o telefone olha Filomena) Vão chamar.

GIGIO: Alô.

ELISEO: Gigio.

FILOMENA: Mas é um intrometido mesmo! Queria falar com a Cesca! (pega o telefone de Eliseo) Gigio, como está o babbo?

GIGIO: A situação é bem delicada.

FILOMENA: (as lagrimas escorrem) O que ele tem?

GIGIO: Salvatore teve outro infarto, eu pedi que o transferissem para São Paulo.

FILOMENA: E… Ele corre risco de… Morrer?

GIGIO: Sim…

FILOMENA: (desliga o telefone, se senta, está em choque).

ELISEO: (preocupado) O que ele falou?…

FILOMENA: (olha Eliseo) Babbo não pode me deixar assim… Eu sabia que não deveria ter deixado ele sozinho… Ele precisava de mim, e eu não estava lá…

ELISEO: (a olha) Nós vamos voltar agora para São Paulo e você vai dizer isso a ele.

FILOMENA: (fecha os olhos, chora).

ELISEO: (a abraça).

FILOMENA: (chorando) Ele é tudo pra mim… Não pode me deixar.

 

Cena 6

Mais Tarde – São Paulo – Hotel – Suíte de Desiré

 

LEONEL: (entra) Seja lá o que tem para me dizer seja breve, tenho que ir ao hospital ver Salvatore.

DESIRÉ: É ele que você quer ver?

LEONEL: O que você quer?

DESIRÉ: Que você volte para a casa, seus filhos precisam de você.

LEONEL: Não precisam, já são grandinhos, e se precisarem vou ajudar.

DESIRÉ: (se aproxima de Leonel) Eu preciso de você.

LEONEL: (sorri) Não, você precisa do meu dinheiro, se me der o divórcio posso te dar uma boa quantia.

DESIRÉ: Não vou te dar isso nunca Léo… Você está preso a mim.

LEONEL: Então não tenho nada o que fazer aqui.

DESIRÉ: Eu te amo Leonel! Volta comigo, por favor.

LEONEL: (olha nos olhos de Desiré) Eu nunca te amei, entenda isso.

DESIRÉ: Não fala assim…

LEONEL: Mas é verdade! Só me casei com você porque me convinha, eu não amava ninguém e como você estava disponível, me casei com você.

DESIRÉ: (olhando Leonel, está com raiva) Vou fazer da sua vida um inferno!

LEONEL: Não perca o seu tempo, nada do que você fizer vai me afetar.

DESIRÉ: (sorri) Mas vai afetar a sua amiguinha, pode ter certeza! Se você não vier comigo, vou me vingar.

LEONEL: (sério) E se não for embora daqui vou tirar meus filhos de você! (sai).

DESIRÉ: (está com raiva, grita) Você vai voltar comigo Leonel, querendo ou não.

 

Cena 7

Hospital – Sala de espera

 

FRANCESCA: (está sentada com a cabeça encostada na parede, triste).

MARCELO: (se aproxima com um copo de água) Pra você…

FRANCESCA: (pega o copo) Obrigada. (toma um pouco de água, olha Marcelo) E se ele nos viu? E se foi por isso que babbo passou mal?

MARCELO: Não pense assim, não se culpe, infelizmente aconteceu o que teria de acontecer, sem motivos.

FRANCESCA: (fecha os olhos, está mal) Não quero que o babbo se vá.

MARCELO: (se senta ao lado de Francesca a abraça) Vai ficar tudo bem.

ROMANA: (se aproxima, olha Marcelo abraçando Francesca, fica séria) Atrapalho?

MARCELO: (se levanta, olha Romana) Não… Eu estava consolando sua sorella.

ROMANA: (olhando Marcelo) Isso eu vi.

FRANCESCA: (se levanta) Não briguem atoa, e você fique tranquila Romana, jamais me envolveria com um Zé ninguém.

GIGIO: (se aproxima) Salvatore acordou, Carmela está com ele agora, só pode entrar um de cada vez.

FRANCESCA: Depois dela eu entro então.

 

Cena 8

Unidade de Terapia Intensiva

 

CARMELA: (está segurando a mão de Salvatore, o olha sorri) Babbo que bom te ver acordado, você nos deu um susto.

SALVATORE: (está com aparelhos ligados em seu corpo, está fraco, a olha) É bom te ver também querida, e suas sorellas?

CARMELA: Estão ai fora esperando a vez para entrar.

SALVATORE: Eu quero ver as quatro agora.

CARMELA: O médico disse que só pode uma por vez babbo.

SALVATORE: Diga ao médico que o paciente quer que as quatro filhas dele fiquem por perto e não uma de cada vez, por favor querida, chame suas sorellas.

CARMELA: (sorri) Está bem, não demoro. (sai).

SALVATORE: (olha para cima) Preciso de mais uns minutos… (as lagrimas escorrem).

 

Cena 9

Recepção

 

FILOMENA: (está acompanhada de Eliseo, entra, está triste).

ELISEO: Vou perguntar onde está o seu Salvatore. (vai falar com a recepcionista).

LEONEL: (entra, se aproxima) Oi…

FILOMENA: (olha Leonel) Léo, você estava junto quando babbo passou mal?

LEONEL: Não, eu estava no hotel, soube quando o internaram por lá.

ELISEO: (se aproxima, não gosta de ver Leonel, olha Filomena) Ele está no terceiro andar.

FILOMENA: Vamos até lá então. (entra no elevador).

ELISEO: (olha Leonel) Você não é da família, não precisa ficar aqui. (entra no elevador com Filomena).

 

Cena 10

Unidade de Terapia Intensiva

 

Romana, Carmela e Francesca estão ao lado da cama de Salvatore

SALVATORE: (olhando as três sorri) Agora sim… E Filomena?

FRANCESCA: Ainda não chegou, mas já está vindo babbo.

SALVATORE: (olhando Francesca, segura a mão dela) Filha… Há muito tempo você perdeu o brilho que tinha no olhar… Desejo que recupere, que seja feliz… Mas só tome cuidado para não magoar as pessoas em volta… Que te amam de verdade.

FRANCESCA: (segurando a mão de Salvatore, chora em silêncio, o olha) Pode deixar.

SALVATORE: (olha Romana sorri, segura a mão dela) Minha rebelde…

ROMANA: (sorri se segurando para não chorar) Faço o que tenho vontade…

SALVATORE: (sorri) Continue assim… Gosto de como você faz as coisas, mas brigue menos.

ROMANA: (beija a mão de Salvatore, sorri entre as lágrimas) Vou tentar, mas não prometer.

SALVATORE: (sorri) Imaginava essa resposta. (olha Carmela).

CARMELA: (chora).

SALVATORE: (segura a mão de Carmela) Continue assim… Doce, gentil, mas preste mais atenção nas atitudes das pessoas, nem todos são como você meu anjo.

CARMELA: Eu te amo babbo.

SALVATORE: (sorri) Também te amo, amo todas vocês.

FILOMENA: (entra, fica parada perto da porta, olha Salvatore) Eu fico longe de você um dia e olha onde te encontro…

SALVATORE: (olha Filomena, se senti aliviado) Que bom que você chegou a tempo…

FILOMENA: (se aproximando da cama) Vamos ter muito tempo…

SALVATORE: (estende a mão para Filomena).

FILOMENA: (segura a mão de Salvatore, se senta ao lado da cama, se contendo para não chorar o olha) Aposto que não tomou seu remédio direito.

SALVATORE: (sorri) Eu quero saber o que tem para me dizer.

FILOMENA: (abaixa a cabeça, chora, disfarça, olha Salvatore) Em casa eu te conto.

SALVATORE: (a olhando nos olhos) Conta agora…

FILOMENA: (suspira, olha Salvatore) Eu resolvi fazer o exame para saber se posso ou não ter filhos… E assim poder marcar de uma vez por todas a data do meu casamento.

SALVATORE: Independente do que der, case – se e seja feliz, eu sou feliz por ter você. (olha em volta) Vocês são minhas alegrias.

FILOMENA: (segurando a mão de Salvatore, o olha) Agora é melhor você descansar, em casa te dou o puxão de orelha que merece pelo susto que nos deu.

SALVATORE: (olha Filomena nos olhos) Cuide de tudo…

FILOMENA: Não fala assim… Você não pode me deixar, eu preciso tanto de você. (chora).

SALVATORE: (olha Filomena, Romana, Carmela e Francesca, as vê criança, sorri) É bom vê – lãs juntas… Nunca se esqueçam que eu amo vocês. (fecha os olhos).

FILOMENA: Babbo…

SALVATORE: (suspira, o aparelho faz barulho).

FRANCESCA: Eu vou chamar o médico. (sai desesperada).

FILOMENA: (olhando Salvatore, acaricia o rosto dele, chora, o abraça).

ROMANA: (se senta, chora).

CARMELA: (olhando Salvatore sem acreditar que ele morreu, chora).

FRANCESCA: (entra com o médico) Pronto…

FILOMENA: (olha Francesca).

FRANCESCA: (olhando Filomena, chora) Não adianta mais não é…

FILOMENA: (faz que não com a cabeça, olha a mão de Salvatore segurando a sua, tira aos pouco, chora).

 

Cena 11

Uma Semana Depois – Mansão Ferreto – Sala

 

FRANCESCA: (está olhando uma foto de Salvatore).

GIGIO: (entra acompanhado de Marcelo, olha Francesca) Cesca, você sabe se Filomena está?

FRANCESCA: Está no quarto dela e não quer ver ninguém.

GIGIO: Mas eu tenho que falar com ela. (sobe as escadas).

MARCELO: Como você está?

FRANCESCA: (olha Marcelo) Sentindo falta do babbo…

MARCELO: Eu imagino como deve estar sendo difícil, Romana não quis ir em três festas que teve essa semana.

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Você ama Romana?

MARCELO: Por que quer saber?

FRANCESCA: Curiosidade.

ROMANA: (desce as escadas) A amizade de vocês cresce a cada dia, vira e mexe os encontro assim, conversando.

MARCELO: Não é amizade, é convivência, não se esqueça que eu trabalho para Gigio.

ROMANA: (se aproxima de Marcelo o olha sorri) Estavam falando sobre o que?

FRANCESCA: Seu namoradinho estava me importunando, eu vou lá saber dos negócios de Gigio, eu hein. (sai).

Cena 12

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está olhando pela janela, triste).

GIGIO: (entra) Filomena preciso falar com você.

FILOMENA: Sai daqui, eu quero ficar sozinha.

GIGIO: Vou ser breve, o resultado da investigação que você mandou fazer saiu hoje. (coloca um envelope em cima da mesa).

FILOMENA: Não quero saber disso agora… Depois eu olho com calma.

GIGIO: (olhando Filomena) Você ainda está nesse teatrinho de chorar pela morte do papai.

FILOMENA: (olha Gigio com raiva) Eu não dou a mínima para o que você pensa de mim, portanto guarde suas opiniões.

GIGIO: (olhando Filomena) O testamento de Salvatore vai ser lido amanhã, pode ter certeza que você vai ser a maior beneficiada cunhadinha.

FILOMENA: Por mim o babbo estaria aqui! Pouco me importa o que vai acontecer amanhã.

GIGIO: (sorri) Duvido…

FILOMENA: Sai daqui!

GIGIO: Só uma coisa… Espero que você seja sensata e me deixe na presidência do frigorífico, afinal você é mulher e muitos acionistas não vão te querer lá.

FILOMENA: (encara Gigio) Quem não estiver de acordo que saia, se babbo confiar a mim que fique a frente dos negócios, ficarei, e você irá ficar onde sempre esteve, isso se você se portar bem, se não, estará fora.

GIGIO: (olha Filomena) Você está me dizendo que vai me demitir?

FILOMENA: Se for preciso sim, agora saia daqui e me deixe em paz.

GIGIO: (fica com raiva, sai).

FILOMENA: (se senta, pensativa) Babbo… Que saudade.

 

Cena 13

Sala

 

GIGIO: (desce as escadas, está bravo).

MARCELO: (olha Gigio) O que aconteceu?

GIGIO: (olha Marcelo, está com raiva) Ainda não aconteceu, mas se Salvatore deixou tudo nas mãos de Filomena vai acontecer, e é isso que tenho que impedir.

MARCELO: (observa Gigio, pensativo).

 

Fim do Capítulo

Ferreto – capítulo 11

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 11

Cena 1

Fazenda

 

FILOMENA: (olha a mão de Eliseo segurando o braço dela, o olha) Se me soltar eu conto o que você quer ouvir.

ELISEO: (solta o braço de Filomena, a olha) Desculpa… Mas você estava fugindo de novo…

FILOMENA: (o olha) Como você já sabe, Leonel e eu realmente tivemos um relacionamento, eu o deixei, e por isso ele me persegue, não sabe perder.

ELISEO: Você disse que se eu soubesse o motivo do relógio dele estar no seu quarto eu não estaria aqui com você, o que aconteceu de verdade?

FILOMENA: (olhando Eliseo) Leonel me procurou… Quis se aproximar de mim, e eu disse que estava noiva e que te amava muito, mas ele não se contentou, entrou escondido no meu quarto…

ELISEO: (fica nervoso) Eu não acredito nisso! Eu sabia que tinha alguma coisa errada.

FILOMENA: Calma e ouve até o fim antes de ter um colapso nervoso… Como estava dizendo, ele entrou no meu quarto escondido, e eu briguei com ele, Leonel tentou me beijar e eu o empurrei, foi ai que ele bateu o braço e o relógio dele caiu, eu só fui ver isso depois, mas eu o expulsei do meu quarto, nada aconteceu.

ELISEO: Como nada! Esse sujeito é um atrevido! Quando voltarmos ele vai se ver comigo.

FILOMENA: (se aproxima de Eliseo, acaricia o rosto dele, o olha nos olhos) Amore, eu só não te contei antes porque sabia dessa sua reação… Eu já resolvi tudo, ele já sabe que comigo não tem mais chances, eu amo você.

ELISEO: (a olha muito) Eu também te amo e não quero te perder, não quero esse sujeito perto de você.

FILOMENA: Quando voltarmos vou conversar com babbo e pedir que ele mande Leonel embora.

ELISEO: (sorri) Grazie. (a beija).

FILOMENA: (retribui o beijo, o abraça, sorri vitoriosa e aliviada).

 

Cena 2

São Paulo – Mansão Vasconcellos (Carmela e Adalberto) – Sala de Jantar

 

CARMELA: (está tomando café da manhã).

ADALBERTO: (entra, olha Carmela) Cacá, você não vai para a festa da sua irmã?

CARMELA: (está chateada) Depois de tudo que aconteceu não tenho cara para ir a renovação dos votos de Cesca.

ADALBERTO: (se senta) Eu já pedi desculpas Cacá… Eu sei que errei, mas estava desesperado.

CARMELA: Não justifica, eu vou passar o dia aqui, com a cabeça dentro de um buraco pelo que você fez.

ADALBERTO: (pensativo, olha Carmela) Poxa eu tinha combinado de passar o dia com meus pais, mas desmarco e passamos o dia juntos. (sorri).

CARMELA: De jeito nenhum, pode ir, eu fico aqui com Isabela.

ADALBERTO: Cacá, não fica assim comigo, eu te amo.

CARMELA: Eu também te amo Adalberto, e espero que esse seja o seu último vacilo. (se levanta, sai).

ADALBERTO: (pensativo) Eu vou nessa festinha ridícula… (sorri).

 

Cena 3

Campos do Jordão – Hotel – Restaurante

 

GIGIO: (está entrando).

MARCELO: (se aproxima) Bom dia Gigio.

GIGIO: (sorri, aperta a mão de Marcelo) Bom dia! O que está achando daqui?

MARCELO: É um lugar muito bonito.

GIGIO: Por isso escolhi aqui para a renovação dos votos.

MARCELO: Romana me disse que vai ser um almoço e não um jantar.

GIGIO: Eu decidi de última hora, achei melhor porque assim fico com a noite livre para ficar com Cesca, ela vive reclamando que não tenho tempo para ela, hoje terei. (sorri).

FRANCESCA: (se aproxima, olha Marcelo) Bom dia.

MARCELO: (olha Francesca) Bom dia.

GIGIO: Amore vamos tomar café? (olha Marcelo) Nos acompanha?

MARCELO: Obrigado, estou esperando Romana.

ROMANA: (se aproxima, segura a mão de Marcelo) Estava caríssimo. (sorri).

FRANCESCA: Podemos tomar café juntos, e babbo?

ROMANA: Acabei de me encontrar com ele, foi até o salão de festas ensaiar o que vai falar, ele está nervoso coitado. (sorri).

FRANCESCA: Uma pena Filó não estar aqui.

GIGIO: Pois eu estou adorando.

FRANCESCA: Claro… Ela está perto de descobrir coisas comprometedoras não é…

GIGIO: (olha Francesca) Não vamos falar disso hoje.

ROMANA: Concordo com Gigio a respeito de Filó, foi só falar nela que já casou um desconforto, então vamos tomar café logo.

LEONEL: (está saindo do restaurante).

ROMANA: (olha Leonel) Léo, bom dia, nós estamos chegando e você saindo, acordou cedo. (sorri).

LEONEL: Bom dia, eu nem dormi Romana, passei a noite no bar e agora vim curar a minha ressaca.

FRANCESCA: (sorri) Você não muda.

LEONEL: (sorri) Mudar pra que? Com licença, vou até meu quarto tomar um banho gelado, preciso me recuperar antes da festa.

ROMANA: (sorri olhando Leonel) O banho gelado é para curar a ressaca ou apagar o fogo que está guardado ai dentro…

LEONEL: (da risada) Dessa vez é a ressaca, com licença. (sai).

MARCELO: Você foi indelicada Romana.

ROMANA: (sorri) Não disse nada demais.

 

Cena 4

Algum tempo depois – Campos do Jordão – Salão de Festas do Hotel

 

SALVATORE: (se aproxima de Romana, sorri) Você está belíssima filha.

ROMANA: (sorri) Grazie babbo, o senhor também está lindo!

SALVATORE: (dá uma volta, sorri) Grazie, e Marcelo?

ROMANA: Gigio o chamou, daqui a pouco ele vem.

SALVATORE: Eu estou nervoso filha, tenho medo de errar o que tenho para falar.

ROMANA: Você vai se sair muito bem.

HÉLIO: (se aproxima, sorri) Olá, como vão?

ROMANA: Hélio! Estou bem querido, você está lindo como sempre.

HÉLIO: Obrigado, você está deslumbrante.

SALVATORE: Bem vindo Hélio, vou esperar Cesca e Gigio. (sai).

ROMANA: Você veio acompanhado?

HÉLIO: (sorri) Não e você?

ROMANA: Estou com meu namorado que Gigio está alugando.

Cena 5

Suíte de Francesca e Gigio

 

GIGIO: Francesca está demorando.

MARCELO: É natural Gigio, eu vou levar o seu presente para o salão e colocar na mesa de vocês.

GIGIO: Obrigado Marcelo.

MARCELO: (está saindo).

FRANCESCA: (entra, está usando um vestido justo, branco, longo, detalhado com renda na parte superior, brincos de brilhante).

MARCELO: (olhando Francesca, a admirando).

FRANCESCA: (sorri olhando Marcelo) Algum problema?

MARCELO: (sorri, passa por ela, fala discretamente para que Gigio não ouça) Perfeita… (sai).

FRANCESCA: (sorri, olha Gigio) Então… Como estou?

GIGIO: (sorri se aproximando de Francesca a olha muito) Maravilhosa amore. (beija Francesca).

FRANCESCA: (beijando Gigio o olha) Já vamos ir para o salão?

GIGIO: Sim. (da o braço para Francesca segurar).

FRANCESCA: (coloca a mão no braço de Gigio, sai com ele).

 

Cena 6

São Paulo – Mansão Ferreto – Sala

 

EMPREGADA: (se aproxima de uma mulher que está olhando a sala) Pois não?

DESIRÉ: (se vira, olha a empregada, fala com sotaque francês) Eu gostaria de falar com Salvatore Ferreto.

EMPREGADA: Seu Salvatore não está, aliás, no momento não tem ninguém da família aqui, todos menos dona Filomena foram para a renovação de votos do seu Gigio com dona Francesca.

DESIRÉ: Você sabe se Leonel Boaventura veio aqui?

EMPREGADA: Sim, ele está passando uns dias aqui e também foi a festa.

DESIRÉ: (pensativa, olha a empregada) Eu me chamo Desiré Aragon, sou mulher de Leonel, e preciso falar muito com ele, onde será essa festa?

EMPREGADA: Vou pegar o endereço para a senhora. (sai).

DESIRÉ: (com raiva) Desgraçado! Veio ficar debaixo do mesmo teto que aquela descarada! Mas isso não vai ficar assim…

 

Cena 7

Interior de São Paulo – Fazenda – Sala

 

FILOMENA: (entra com Eliseo) Adoro esse lugar, fazia muito tempo que não vinha. (se senta).

ELISEO: (se senta ao lado de Filomena) Por que parou de vir?

FILOMENA: Não tenho tempo, você sabe.

ELISEO: Sei, para falar com você preciso marcar um horário.

FILOMENA: (olha Eliseo) Não seja engraçadinho que não é para tanto, nós passamos quase o dia todo juntos a semana toda.

ELISEO: (sorri) Estava brincando, mas deveríamos vir mais vezes aqui.

FILOMENA: Sim, e quando não tiver nada para resolver, assim poderemos aproveitar melhor.

ELISEO: (olha Filomena) Eu sei como aproveitar nosso tempo aqui.

FILOMENA: (olha Eliseo, sorri um pouco) Sabe é? Como?

ELISEO: (fala no ouvido dela).

FILOMENA: (da risada, o olha) Mas é muito cara de pau mesmo…

ELISEO: (sorri, se levanta, a olha) É um ótimo jeito de aproveitar o tempo sem ninguém por perto.

FILOMENA: (se levanta o olha sorri) E se eu falar que não acho um bom jeito de aproveitar o tempo.

ELISEO: Dai vou jogar carta com o caseiro, ele me convidou.

FILOMENA: (da risada, o olha sorri) Não vai não, você é ruim e vai passar vergonha porque ele é muito bom, perdi algumas vezes para ele, a primeira opção é melhor…

ELISEO: (sorri) Que bom porque a aposta seria o meu carro.

FILOMENA: (se aproxima dele sorri, o olha muito) Agora o jogo será outro, entre você e eu. (o beija).

ELISEO: (a beijando a olha sorri) Desse jogo eu gosto. (a beija).

 

Cena 8

Campos do Jordão – Salão de Festas do Hotel

– Apenas alguns amigos e familiares estão no salão. Francesca e Gigio entram no salão, todos os observam, chegam ao altar.

 

SALVATORE: (sorri olhando Francesca e Gigio) Eu estou muito honrado e feliz em ser o mestre de cerimônia da renovação dos votos de vocês meus filhos, considero Gigio um filho também. (sorri) Hoje se renova a esperança, o amor, a vida…

– A cerimônia dura mais alguns instantes, Gigio coloca uma aliança na mão de Francesca e Francesca coloca uma aliança na mão de Gigio, se beijam, todos aplaudem.

SALVATORE: (abraça Francesca, a olha sorri) Você está linda amore.

FRANCESCA: (sorri) Você também babbo, se saiu muito bem.

SALVATORE: Grazie.

GIGIO: Eu vou roubar ela um instante de você Salvatore. (sorri).

SALVATORE: Há 13 anos que você a roubou de mim Gigio, eu vou cumprimentar minhas sorellas. (se afasta).

GIGIO: (olha Francesca, entrega uma caixinha para ela) Eu comprei para você.

FRANCESCA: (sorri, abre a caixinha, dentro tem um solitário de diamante, olha Gigio) Gigio… É maravilhoso.

GIGIO: (sorri, coloca o anel em Francesca) Assim como você, eu te amo muito.

FRANCESCA: (olha Gigio sorri) Obrigada Gigio.

GIGIO: E você, me ama?

FRANCESCA: (olhando Gigio) Estamos recomeçando…

GIGIO: (sorri) Entendi…

FRANCESCA: (beija Gigio o olha) Estou gostando de tudo.

 

Cena 9

Mesa de Romana

 

ROMANA: Isso aqui está chato, daqui a pouco vamos sair.

MARCELO: (sorri) Não está chato, eu estou gostando.

ROMANA: Está mórbido, parado, não gosto disso.

MARCELO: Não exagera, não é para tanto.

SALVATORE: (se aproxima com Anunciatta) Com licença filha.

ROMANA: (olha Anunciatta sorri, se levanta, a abraça) Tia! Come stai? (“Como está?”).

ANUNCIATTA: Bene Romana, Grazie. (sorri) Você está linda querida.

ROMANA: (sorri) Deixa te apresentar, esse é meu namorado, Marcelo.

MARCELO: (se levanta, cumprimenta Anunciatta) Muito prazer.

ANUNCIATTA: O prazer é meu. (sorri, olha Salvatore) Ainda não vi Carmela e Filomena.

SALVATORE: Elas não vieram, Carmela não estava se sentindo bem e Filó foi até a fazenda resolver um problema para mim.

ROMANA: E a tia Úrsula?

ANUNCIATTA: Está ali querida, vamos até lá, traga seu namorado.

 

Cena 10

Jardim do Hotel

 

LEONEL: (está fumando).

DESIRÉ: (se aproxima) Então é aqui que você está.

LEONEL: (olha Desiré) O que você está fazendo aqui?

DESIRÉ: Vim atrás de você seu irresponsável, largou seus filhos e veio atrás da sua amante!

LEONEL: (sério, olha Desiré) Não fala assim comigo, nós estamos separados, eu não abandonei meus filhos e ela não é minha amante.

DESIRÉ: Eu não assinei nada! Nós estamos casados e vai ser assim até que um de nós morra!

LEONEL: (segura o pescoço de Desiré) Espero que seja você a morrer primeiro e presta atenção, volte para a França! Não ouse a fazer nada de mal contra ela ou vai se ver comigo. (joga Desiré no chão, entra no hotel).

DESIRÉ: (caída no chão, tosse, fica com raiva).

 

Cena 11

Mais Tarde – Atrás do Hotel

 

ADALBERTO: (está encostado na parede).

FRANCESCA: (se aproxima esta brava) Você enlouqueceu de vez! Ter a cara de pau de vir até aqui sem me avisar e ainda me mandar recado na minha suíte!

ADALBERTO: Soube que Cacá não viria e vim te ver, já acabou essa palhaçada de renovar os votos?

FRANCESCA: Já e agora você pode ir embora, Gigio pode te ver aqui.

ADALBERTO: (beija Francesca).

FRANCESCA: (retribui, empurra Adalberto) Para com isso vai embora.

ADALBERTO: Eu te amo.

GIGIO: (se aproxima, está bravo) Eu sabia que você deveria estar por aqui seu desgraçado. (dá um soco em Adalberto).

FRANCESCA: (segura Gigio) Ele já está indo.

GIGIO: (olha muito Francesca) Você teve a coragem de chamar o seu amante aqui.

FRANCESCA: Eu não o chamei, ele apareceu aqui por conta própria.

ADALBERTO: (limpando o sangue do lábio) É verdade, eu vim ver Cesca.

GIGIO: (dá outro soco em Adalberto) Mentira! Cansei da mentira de vocês!

FRANCESCA: (nervosa) Eu não estou mentindo!

GIGIO: (dá um tapa no rosto de Francesca) Você não vale nada!

FRANCESCA: (olha muito Gigio, com a mão no rosto) E você nunca vai mudar. (tira o anel que ganhou joga no chão, sai).

ADALBERTO: Gigio… Dessa vez é verdade, eu vim conversar com Cesca ela não sabia, não foi nada combinado.

GIGIO: Dá próxima vez que te ver perto da minha mulher vou matar você com minhas próprias mãos. (sai).

ADALBERTO: (com a mão no queixo) Ela não é sua… É minha.

 

Cena 12

Fazenda – Quarto de Filomena

 

ELISEO: (está deitado na cama com Filomena) Filó, quando você vai marcar uma data para nosso casamento?

FILOMENA: Eu já te disse que primeiro preciso resolver uma coisa…

ELISEO: Que coisa?

FILOMENA: (o olha) Não posso te falar ainda, mas assim que eu resolver isso te falo.

ELISEO: E se essa coisa nunca se resolver? Nunca vamos nos casar?

FILOMENA: (olhando Eliseo, pensativa).

ELISEO: (a olha) A não… É isso, se você não resolver isso que não sei o que é, você não vai se casar comigo?

FILOMENA: Eliseo, melhor mudarmos de assunto, se não vamos acabar brigando.

ELISEO: (se senta na cama, aflito) Não, eu te conheço, por favor, me fala que coisa é essa que tem para resolver.

FILOMENA: (se senta) Eu não posso te falar ainda.

ELISEO: Você quer ter certeza se me ama mesmo? (a olha muito) É isso?

FILOMENA: Se você soubesse o quanto essa sua dúvida me irrita… Eu não sou mulher de estar com alguém por estar, se estamos juntos é porque eu te amo.

ELISEO: Então o que você tem que resolver?

FILOMENA: Confia em mim, no momento certo você vai saber, e para com essas perguntas que já estou ficando nervosa.

ELISEO: Va bene… Como você quiser. (fica chateado).

 

Cena 13

Campos do Jordão – Rua

 

FRANCESCA: (está caminhando, nervosa, pensativa).

MARCELO: (se aproxima, a segura) Francesca, espera.

FRANCESCA: Eu quero você longe de mim! Aposto que Gigio te mandou!

MARCELO: Isso, ele está preocupado.

FRANCESCA: Sei… Tão preocupado que mandou você no lugar de vir pessoalmente me procurar.

MARCELO: Eu não sei o que aconteceu entre vocês, mas ele está arrependido.

FRANCESCA: (olha Marcelo, nervosa) Arrependida estou eu! De ter me casado com Gigio, porque eu não o amo mais! (as lagrimas escorrem) Não o suporto…

MARCELO: (olhando Francesca).

FRANCESCA: Volta para o hotel, Romana não vai gostar de saber que você veio atrás de mim a mando de Gigio.

MARCELO: Romana não está no hotel, a convidaram para uma festa e ela foi, eu não quis ir porque me sentiria um peixe fora d’água, se você quiser podermos ir para algum lugar até você se acalmar.

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Está bem…

 

Cena 14

Interior de São Paulo – Fazenda – Quarto de Filomena

 

FILOMENA: (sentada na cama, olha Eliseo) Eu amo você de verdade, pode ter certeza que não é nada ao seu respeito e sim do meu, é algo meu.

ELISEO: E eu não posso saber nem um pouquinho do que se trata?

FILOMENA: Ainda não, mas vai saber no momento certo e vamos parar de falar disso. (o telefone toca).

ELISEO: (estranha) Se eu te falar que nem vi o telefone ai você não acredita, quem será?

FILOMENA: Não sei, ainda não desenvolvi o dom de ver através do aparelho, atende que você vai saber.

ELISEO: (olha Filomena, sorri) Não precisa ficar nervosa. (atende) Alô.

SALVATORE: Eu nem quero saber o que está fazendo no quarto da minha filha, passa o telefone para ela.

ELISEO: (olha Filomena) Já sei quem você puxou. (passa o telefone para ela) Seu babbo.

FILOMENA: (sorri, pega o telefone) Babbo.

SALVATORE: (sorri) Filha, senti sua falta.

FILOMENA: E eu a sua babbo, como você está?

SALVATORE: Bem, só queria te ouvir.

FILOMENA: Como foi o circo de Gigio?

SALVATORE: Não fala assim, foi tudo muito bonito.

FILOMENA: Não adianta ser bonito e não ser sincero.

SALVATORE: (sorri) Nisso você tem razão, mas acho que Gigio está disposto a mudar, enfim meu amor, só me deu vontade de ouvir você, dai te liguei e quem atende? Esse estorvo.

FILOMENA: (sorri) Não fala assim.

SALVATORE: (da risada) Estou brincando filha, não conta pra ele, mas até que gosto dele. (fica quieto um tempo).

FILOMENA: Babbo…

SALVATORE: Te amo… Muito.

FILOMENA: (fica com vontade de chorar) Eu também te amo.

SALVATORE: Até breve querida… (desliga, fecha os olhos).

FILOMENA: (desliga o telefone, está triste).

ELISEO: (olha Filomena, preocupado) O que foi?

FILOMENA: Uma sensação estranha… Parece que… Babbo estava se despedindo de mim.

 

Cena 15

Campos do Jordão – Hotel – Bar

 

GIGIO: (entra, está nervoso, se senta, pede uma bebida).

DESIRÉ: (se aproxima) Gigio Di Angelis…

GIGIO: (olha Desiré) Não estou a fim de conversar com ninguém agora.

DESIRÉ: (sorri) Não se lembra de mim? Desiré.

GIGIO: (olhando Desiré) Sim, mulher do Léo.

DESIRÉ: Exatamente.

GIGIO: É um prazer revê – la mais ainda não quero conversar com ninguém, só beber.

DESIRÉ: (se senta ao lado de Gigio) Aposto que essa revolta é por causa da sua mulher.

GIGIO: (bebe, não responde).

DESIRÉ: Meu marido me deixa assim também, mas dessa vez eu estou ganhando, simplesmente me recuso assinar o divórcio.

GIGIO: Não quero ser grosseiro com você e por isso vou me sentar do outro lado, não venha atrás de mim. (sai).

DESIRÉ: (sorri, pensativa) É disso que eu preciso um homem furioso.

 

Cena 16

Noite – Rua

 

FRANCESCA: (sorri, está caminhando acompanhada de Marcelo) O tempo voou Marcelo, babbo já deve estar preocupado comigo.

MARCELO: (sorri) Gostei da nossa conversa, nunca poderia imaginar que você tem vontade de ter uma família.

FRANCESCA: Por que não?

MARCELO: Você é muito elegante, refinada, não tem filhos, achei que gostasse da vida só com Gigio.

FRANCESCA: A vida com Gigio é um inferno, isso até dá um bom titulo para filme de terror. (da risada).

MARCELO: (olhando Francesca, sorri a admirando, para se caminhar) E a vida ao seu lado deve ser muito interessante, por isso ele não quer ficar longe.

SALVATORE: (vinha caminhando, observa Marcelo e Francesca conversando).

FRANCESCA: (olhando Marcelo nos olhos) Está me cantando Marcelo?

MARCELO: (sorri) Se eu disser que sim o que acontece.

FRANCESCA: Eu iria te dizer que você é namorado da minha irmã.

MARCELO: Mas você se envolveu com o marido da sua outra irmã…

FRANCESCA: Adalberto eu conheci antes de Carmela, ele só se casou com ela para ficar perto de mim.

MARCELO: Você o ama?

FRANCESCA: (sorri) Não… Me faz bem estar com ele, mas amor mesmo não sinto nem por ele e nem por Gigio.

MARCELO: Por que não se livra deles?

FRANCESCA: Gigio não me deixa e Adalberto está sempre disposto a me agradar… A fazer o que quero…

MARCELO: (se aproxima de Francesca, a olhando nos olhos) E se eu também estiver disposto a fazer todas as suas vontades…

FRANCESCA: (beija Marcelo).

MARCELO: (beijando Francesca).

SALVATORE: (vê Marcelo e Francesca se beijando, fica chateado, se afasta um pouco, sente uma forte dor no peito, coloca a mão sobre o peito, cai no chão desacordado).

 

Fim do Capítulo


Ferreto – capítulo 10

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 10

Cena 1

Mansão Ferreto – Escritório

 

SALVATORE: (nervoso) Vamos Carmela! Fala! Seu marido teve a cara de pau de me roubar?

CARMELA: (olhando Salvatore) Babbo eu nem sei como te falar isso…

ROMANA: Mas eu sei, Adalberto falsificou a sua assinatura e pagou uma divida altíssima.

SALVATORE: (da um soco na porta, está muito nervoso) Eu vou acabar com a raça desse desgraçado!

CARMELA: (com vontade de chorar) Babbo fica calmo…

SALVATORE: (com a voz elevada) Não tem como ficar calmo! Isso eu não vou perdoar, se ele não me devolver o que roubou, vai para a cadeia! (começa a passar mal).

ROMANA: (preocupada) Babbo, é melhor você se sentar um pouco.

SALVATORE: (passando mal, nervoso) Não quero sentar! (fica tonto, se apoia na cadeira).

CARMELA: (segura Salvatore) Romana vai buscar um copo de água para o babbo.

FILOMENA: (entra) O que está acontecendo aqui? Ouvi babbo gritando…

SALVATORE: (se senta, está passando mal, olha Filomena) Adalberto… Teve a cara de pau de falsificar a minha assinatura e pagar uma divida com o meu dinheiro!

FILOMENA: (se aproxima de Salvatore, o olha) Fica calmo, você está muito pálido… Deixa isso comigo, eu resolvo isso para você.

ROMANA: (sorri) Claro que resolve…

FILOMENA: (olha Romana) Então resolva você!

ROMANA: Esse mérito tem que ser seu. (sorri).

SALVATORE: Vou acabar com ele…

FILOMENA: (preocupada) Não se preocupa com isso, eu vou dar um jeito, mas você tem que ir descansar um pouco. (olha Carmela) Você fica aqui e vê a pressão do babbo, me fala quanto ele roubou.

CARMELA: (escreve em um pedaço de papel, entrega a Filomena).

FILOMENA: (olha o valor no papel, fica séria) Não demoro, e vocês cuidem do babbo. (sai).

ROMANA: Só faltou a capa de super filha…

CARMELA: (fica com vontade de rir, disfarça).

 

Cena 2

Rua

 

FRANCESCA: (está numa praça).

ADALBERTO: (se aproxima).

FRANCESCA: (nervosa) O que você quer comigo? Você ficou louco? Me mandar um bilhete perto de Gigio, não foi fácil despista – lo.

ADALBERTO: Desculpa Cesca, mas é um assunto urgente.

FRANCESCA: Então fala logo!

ADALBERTO: (olha Francesca) Eu não estava conseguindo dinheiro para pagar uma divida de jogo e… Falsifiquei a assinatura do seu pai em um cheque e paguei a divida.

FRANCESCA: (brava) Que sem vergonha! E você me conta isso assim!

ADALBERTO: Carmela descobriu e está nesse momento na sua casa.

FRANCESCA: Se babbo descobrir e te mandar para a cadeia não vou fazer nada para te ajudar!

ADALBERTO: Cesca eu não tive saída.

FRANCESCA: Se você fizesse algo na vida além de jogar dinheiro fora nas cartas, talvez tivesse dinheiro.

ADALBERTO: Não deixa a Cacá contar nada ao Salvatore.

FRANCESCA: Sinto muito, você roubando o meu babbo, está roubando a mim também, e isso é imperdoável, agora me dá licença e não me procura mais, se eu quiser, eu te procuro. (sai).

ADALBERTO: (fica sem saber o que fazer).

 

Cena 3

Mansão Vasconcellos (Lidia e Arthur) – Sala

 

LIDIA: (está tomando chá, a campainha toca).

EMPREGADA: (vai abrir a porta).

FILOMENA: (entra, olha Lidia).

LIDIA: (se levanta, não gosta de ver Filomena) O que você está fazendo aqui?

EMPREGADA: (vai para a a cozinha).

FILOMENA: (encara Lidia, se aproxima) Por mim eu não passaria nem na porta da sua casa, não me agrada em nada estar no mesmo lugar que você, mas as circunstancias me obrigaram a vir aqui.

LIDIA: (encara Filomena) O que você quer?

FILOMENA: O dinheiro que seu filho roubou do meu babbo.

LIDIA: (olhando Filomena) Como é?

FILOMENA: Ficou surda Lidia? Eu vim aqui recuperar o dinheiro que seu filho roubou do meu babbo.

LIDIA: (se senta) Isso que você está falando não tem sentido.

FILOMENA: (sorri sarcástica) Tem sim, seu filhinho falido roubou meu babbo.

LIDIA: (se levanta, olha Filomena) Escuta aqui sua carcamana! Você não tem o direito de entrar na minha casa e acusar o meu filho de roubo, vai embora daqui.

FILOMENA: (encara Lidia) Só saio daqui com o que pertence ao meu babbo, e se você não me der o que quero, saio daqui e vou para a delegacia denunciar o seu filhinho para a policia e você deve fazer ideia do escândalo que isso vai ser nos jornais.

LIDIA: (olha Filomena com raiva).

 

Cena 4

Mansão Ferreto – Suíte de Salvatore

 

SALVATORE: (está deitado).

CARMELA: (se aproxima) Você está melhor babbo?

SALVATORE: De saúde sim, mas de ódio não, cresce a cada momento.

CARMELA: (fica chateada) Eu nem sei o que dizer.

SALVATORE: (segura a mão de Carmela a olha) Você não fez nada minha querida, estou assim pela atitude do seu marido, você não tem que se sentir mal no lugar dele.

CARMELA: Quando eu descobri fiquei sem chão, nunca poderia imaginar que ele fosse capaz de uma coisa dessas.

SALVATORE: Eu sim, pode se esperar tudo de homens da corja de Adalberto.

 

Cena 5

Sala

 

FRANCESCA: (entra com Gigio).

LEONEL: (se aproxima sorri) Olá.

GIGIO: Leo, como vai?

LEONEL: (sorri) Muito bem e vocês?

FRANCESCA: Eu estou um pouco cansada, vou descansar um pouco antes da viajem, com licença. (sobe as escadas).

GIGIO: Você já deve estar sabendo da renovação dos votos que vai ter amanhã, está convidado. (sorri).

ELISEO: (entra).

LEONEL: (olha Eliseo sorri) Agradeço muito o convite Gigio, mas já tenho compromisso, vou para a fazenda com Filó.

ELISEO: Você não vai.

GIGIO: (olha Eliseo, sorri) Pelo jeito você já soube do que houve entre Leo e minha cunhadinha.

ELISEO: (fica sério, olha Gigio) Acho que isso não é da sua conta.

GIGIO: Va bene… Não está mais aqui quem falou. (sorri, sobe as escadas).

LEONEL: (olha Eliseo) Acho que quem não deve ir á fazenda é você, afinal creio que não deve entender nada nessa área.

ELISEO: (olhando Leonel) Eu vou acompanhando a minha noiva, o que você quer aqui? Qual é a sua?

LEONEL: (da risada) O que eu quero não está disponível no momento.

ELISEO: (fica com raiva, segura Leonel pelo colarinho da camisa o encara) E nunca estará, vou me casar com ela, portanto volte para a sua família! Bem longe daqui!

LEONEL: (empurra Eliseo, fica sério, o encara) Acha que ela vai se contentar em ter um homem como você ao lado? Já se olhou no espelho? Você não chega nem aos pés do que ela merece. (sorri, sai).

ELISEO: (fica com raiva).

 

Cena 6

Mansão Vasconcellos (Lidia e Arthur) – Sala

 

LIDIA: (nervosa) Você não seria capaz de ir até a polícia a levantar uma falsa acusação contra o meu filho!

ADALBERTO: (entra, se espanta ao ver Filomena).

FILOMENA: (olha Adalberto) Você não poderia ter chegado num momento melhor.

ADALBERTO: O que você está fazendo aqui?

ARTHUR: (entra, não entende o que está acontecendo).

LIDIA: Essa mulher veio aqui dizer que você roubou o pai dela! E que se não devolver o que você roubou vai te denunciar á policia.

FILOMENA: (olha Adalberto com raiva) Se você ainda tem uma gota de dignidade, conta para ela o que você fez ficar aqui nessa casa me dá asco, portanto você tem pouco tempo, ou fala, ou saio daqui e vou para a delegacia.

ADALBERTO: (olhando Filomena) Você faria isso?

FILOMENA: O que você acha?

ADALBERTO: (olha Lídia) É verdade mamãe… Eu estava sem saída, pedi ajuda á vocês e não me ajudaram… Então eu vi os cheques de Carmela, e tinha um assinado pelo Salvatore… Copiei a assinatura dele e paguei minha divida.

LIDIA: (olhando Adalberto, fica com vontade de chorar, com vergonha).

ARTHUR: (se aproxima, olha Adalberto) Você foi longe demais.

FILOMENA: Deixem o drama para depois, eu quero agora o que ele roubou!

ARTHUR: (olha Filomena) Faça a denuncia, quem sabe assim ele toma jeito. (entra no escritório).

FILOMENA: (olha Adalberto) Nem seu pai quer saber de você, que coisa mais deprimente. (vai saindo).

LÍDIA: Espera… (olhando para o chão, com vontade de chorar) Eu vou devolver o que meu filho roubou.

FILOMENA: (olha Lidia, sorri um pouco) Ótimo, eu quero a quantia em dinheiro, não confio em cheque de pessoa que está falindo.

LIDIA: (se levanta, olha Adalberto com raiva, dá um tapa no rosto dele, entra no escritório).

ADALBERTO: (com a mão no rosto, olha Filomena com raiva).

FILOMENA: (olha altiva para Adalberto).

Cena 7

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

 

ROMANA: (se aproxima de Francesca) Sorella eu estou indo agora com Marcelo para Campos do Jordão.

FRANCESCA: Gigio e eu vamos daqui a pouco, parece que ele vai buscar um amigo para ir conosco.

ROMANA: (olha Francesca) Como você está se sentindo com isso?

FRANCESCA: (olha Romana, sorri) Com tédio.

ROMANA: (da risada) Imaginei, vou indo Marcelo está me esperando, até breve. (sai).

LEONEL: (se aproxima) O noivinho da sua irmã foi embora?

FRANCESCA: Não, está no quarto dela, disse que lá é o único lugar que não vai ver sua cara.

LEONEL: (sorri, sínico) Idiota…

FRANCESCA: (olhando Leonel) Léo… Não destrua a vida de Filomena, ela está muito bem com Eliseo.

LEONEL: O cara é um imbecil, não merece ela.

GIGIO: (desce as escadas) Vamos amore.

LEONEL: (sorri) Desejo que tudo corra bem.

GIGIO: Obrigado, não quer mesmo vir conosco?

LEONEL: Não, eu vou para a fazenda.

FRANCESCA: E babbo? Não vai?

GIGIO: Ele disse que vai mais tarde.

FRANCESCA: Então vamos. (sai).

GIGIO: (vai com Francesca).

FILOMENA: (entra).

LEONEL: (sorri) Você sumiu.

FILOMENA: (se aproxima de Leonel, dá um tapa no rosto dele, o olha com raiva) Nunca mais me coloque em risco como você fez hoje!

LEONEL: (a olha) Eu preciso te falar uma coisa.

FILOMENA: Não quero saber e também não quero que vá a fazenda! Se você for irá se arrepender.

LEONEL: Tudo bem… Não vou á fazenda, vou á renovação de votos da Cesca, mas quando você chegar estarei aqui.

FILOMENA: (empurra Leonel sobe as escadas).

LEONEL: (sorri, coloca a mão no rosto).

 

Cena 8

Suíte de Salvatore

 

SALVATORE: (está deitado, pensativo).

FILOMENA: (entra, se aproxima) Como você está babbo?

SALVATORE: (se senta na cama) Bem filha.

FILOMENA: (entrega um envelope grande a Salvatore, o olha) Aqui está babbo, a quantia que Adalberto roubou de você.

SALVATORE: (olha Filomena, abre o envelope, olha Filomena novamente) Como você conseguiu isso?

FILOMENA: Não foi difícil, bastou ameaçar a Lidia com um escândalo nos jornais pela prisão do filhinho dela que ela me deu o que pedi.

SALVATORE: (espantado) Você foi até a casa da Lidia?

FILOMENA: Fui mesmo a odiando tinha que ir lá por você, e também… Não poderia deixar a oportunidade de me vingar dela. (sorri) Foi tão bom ver a cara que ela ficou.

SALVATORE: (sorri) Eu já falei que te amo muito?

FILOMENA: (sorri) Hoje não.

SALVATORE: (a abraça) Grazie… (a olha) As coisas que você faz por mim eu nem sei como agradecer.

FILOMENA: E não precisa, faço porque te amo, e não quero que nada te aconteça.

SALVATORE: (a olha nos olhos) Quando acontecer algo comigo… Você terá muitas responsabilidades…

FILOMENA: Babbo…

SALVATORE: (segura a mão dela) Tenho que te falar… Quando eu não estiver mais aqui, quero que você cuide de tudo, sei que será muitas coisas, mas confio plenamente em você, claro que confio nas suas sorellas, mas elas não são tão ligadas aos negócios como você.

FILOMENA: Por que você está me falando isso?

SALVATORE: (sorri) Porque só agora consegui falar, você nunca me deixa falar sobre isso.

FILOMENA: Não mesmo, não gosto… Agora eu tenho que ir, se não vai ficar tarde e eu odeio andar por aquelas estradas á noite.

SALVATORE: Você foi e largou sua sombra ai, está te esperando no seu quarto, não sei o que deu nele, mas está com uma cara…

FILOMENA: (olha Salvatore) É?… Você viu se ele falou com Leonel?

SALVATORE: Não sei filha… Filó, o que há entre você e Leo?

FILOMENA: Nada, já que você está bem, já vou indo, quando eu voltar da fazenda tenho uma coisa para te contar.

SALVATORE: Sou curioso, fala agora amore.

FILOMENA: Na volta… (sorri, beija o rosto de Salvatore, o olha) Te amo.

SALVATORE: Já estou com saudades.

FILOMENA: (sorri) Que mentira, você vai dar graças á Deus por eu estar longe e não ficar no seu pé.

SALVATORE: (sorri) Isso é mesmo.

FILOMENA: (da risada) Eu sabia, até logo babbo. (sai).

SALVATORE: (olha o envelope, suspira).

 

Cena 9

Noite – Campos do Jordão – Hotel – Suíte de Romana

 

ROMANA: (entra com Marcelo) Eu adoro esse lugar, você viu quanta coisa linda.

MARCELO: (está carregando algumas sacolas) Vi você comprou quase tudo.

ROMANA: (sorri) Eu sou assim mesmo, se gosto compro vá se acostumando Marcelo. (se senta na cama).

MARCELO: (coloca as sacolas na mesa, a olha sorri) Você pretende sair essa noite?

ROMANA: (olhando Marcelo, faz que não com a cabeça) Tenho outros planos para essa noite.

MARCELO: (sorri) Posso saber quais são esses planos?

ROMANA: (se levanta, se aproxima de Marcelo, o abraça por trás, fala no ouvido dele) Para começar a noite, vou tomar um banho relaxante na banheira. (acaricia o peito dele).

MARCELO: (segura e beija a mão de Romana) Parece um excelente programa.

ROMANA: (vira Marcelo de frente para ela, o olha nos olhos) Você está incluído nele. (beija Marcelo).

 

Cena 10

Bar do Hotel

 

LEONEL: (está bebendo, um pouco embriagado, pensativo).

SALVATORE: (se aproxima) Léo o que faz aqui? Você não deveria estar na fazenda com a minha filha?

LEONEL: (sorri, bebe, olha Salvatore) Ela não quis que eu fosse.

SALVATORE: Mas já estava tudo certo… Embora eu confie muito em minha filha acho que ela precisava de ajuda.

LEONEL: Não precisa, Filomena é inteligente. (bebe).

SALVATORE: (olhando Leonel) Por que ela não deixou você ir?

LEONEL: Porque aquele porre do noivinho dela estava com ciúmes.

SALVATORE: Acredito que com razão… Sou velho mas não cego, e eu já notei que você anda cercando minha filha.

LEONEL: (da risada, olha Salvatore) Eu deixei tudo e vim atrás dela e a encontro com um babaca do lado.

SALVATORE: (olhando Leonel) Quando tomamos uma atitude devemos ter consciência que terá consequência… O que você fez foi por sua conta, minha filha está bem e feliz com o noivo e é assim que tudo vai continuar, entendeu?

LEONEL: (sorri olhando Salvatore) Não.

SALVATORE: (sorri) É melhor que entenda por bem, não vai querer ver o meu lado mal… Boa noite. (sai).

LEONEL: (sério) Todos temos um lado mal…

 

Cena 11

Suíte de Francesca e Gigio

 

FRANCESCA: (está fumando, olhando pela janela).

GIGIO: (se aproxima, tira o cigarro da mão dela, apaga, a olha) Para com esse habito horrível amore, isso te faz mal.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Muitas coisas me fazem mal e não são tiradas de mim a força.

GIGIO: (sorri) Não precisa se zangar Cesca faço isso por te amar.

FRANCESCA: (olhando Gigio sorri) Eu estava aqui lembrando da primeira vez que nos beijamos…

GIGIO: Eu nunca me esqueço, eu achei que você não iria aceitar namorar comigo por eu ser mais velho… (sorri) Mas para a minha felicidade você disse sim e me beijou.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Eu me sentia bem ao seu lado, protegida de alguma forma, quando você me abraçava era como se eu estivesse protegida do mundo fora do abraço… Eu te amei muito…

GIGIO: (olhando Francesca) Não me ama mais?

FRANCESCA: (o olha com vontade de chorar) Talvez não da mesma forma com que te amei quando nos casamos, as coisas foram ficando mornas… Você matou muita coisa boa.

GIGIO: Me dói ouvir isso… Eu sei que andei pisando na bola algumas vezes, reconheço, mas não acredito que o suficiente para acabar o amor.

FRANCESCA: (acaricia o rosto de Gigio) Não foi o amor que acabou, foi aquela moça que se casou apaixonada.

GIGIO: (segura a mão de Francesca em seu rosto, a olha) Vou fazer de tudo para traze – la de volta, te amo muito. (beija Francesca).

 

Cena 12

Dia Seguinte – Manhã – Fazenda

 

FILOMENA: (está andando pela fazenda acompanhada de Eliseo e o caseiro) Então ninguém sabe por que os animais adoeceram.

CASEIRO: Não senhorita, dos cinco que ficaram doentes dois morreram, dai o veterinário mandou fazer uns exames.

FILOMENA: E já sabem o resultado?

CASEIRO: Ainda não, mas sai segunda, por isso pedi para o seu Salvatore vir, eu tenho pra mim que foi veneno.

FILOMENA: Caso tenha sido isso vou até a delegacia, você já pode ir.

CASEIRO: Licença. (sai).

ELISEO: (está distante, pensativo).

FILOMENA: (olha Eliseo) Eliseo… O que você tem? Está assim desde ontem, aconteceu alguma coisa?

ELISEO: (olha Filomena) Não sei… Você é que tem que me dizer.

FILOMENA: Que joguinho é esse? Detesto essas coisas, babbo me disse que você conversou com Leonel… É por isso essa cara?

ELISEO: Em parte sim, ele é muito desagradável, eu quase perdi a cabeça e bati nele pelas coisas que me disse.

FILOMENA: (olhando Eliseo) O que exatamente ele te disse?

ELISEO: (olha Filomena) Você está com medo que ele tenha me contado algo que não devesse?

FILOMENA: (séria) Para de me responder com perguntas, eu quero saber o motivo de você está assim.

ELISEO: Ele me disse que não sou homem para você.

FILOMENA: (fica aliviada, disfarça) E você levou isso em consideração? Vindo de Leonel pode se esperar qualquer golpe baixo.

ELISEO: É… (a olha) E me disse como o relógio dele foi parar no seu quarto.

FILOMENA: (olhando Eliseo) Mentira, para de tentar descobrir as coisas assim, foi como eu disse.

ELISEO: Por que tem tanta certeza que ele não me contou.

FILOMENA: Porque se ele tivesse contado você não estaria aqui.

ELISEO: (olha Filomena) Então o motivo do relógio dele estar no seu quarto realmente foi outro.

FILOMENA: (pensativa, o olha) O que? Está vendo, você me enche tanto com isso que eu até falo coisas sem pensar. (vai saindo).

ELISEO: (segura Filomena, a olha) Fala pra mim, porque Leonel é seguro ao seu respeito, o que aconteceu entre vocês á partir do momento que ele chegou?

FILOMENA: (olhando Eliseo, pensativa).

 

Fim do Capítulo

Ferreto – capítulo 09

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 9

Cena 1

Mansão Vasconcellos – Suíte de Carmela e Adalberto

 

CARMELA: (com vontade de chorar) Você falsificou a assinatura do babbo!

ADALBERTO: Eu posso explicar Cacá.

CARMELA: Explicar o que? Hein! Não tem explicação para isso! Como você teve coragem.

ADALBERTO: Eu estava desesperado Cacá, tinha que pagar essa divida.

CARMELA: (olhando Adalberto) Quantas vezes você fez isso?

ADALBERTO: Essa é a primeira vez…

CARMELA: E vai ser a última também! (ouve o bebê chorar, vai saindo).

ADALBERTO: Cacá espera… Você vai me denunciar?

CARMELA: (olhando Adalberto) Não sei Adalberto, no mínimo babbo vai achar que eu gastei esse dinheiro, mas o que você fez foi asqueroso demais. (sai).

ADALBERTO: (pensativo).

 

Cena 2

Restaurante

 

MARCELO: (está com Gigio e Francesca á mesa, está escrevendo, olha Gigio) Eu já liguei para o Buffet, está tudo em ordem para amanhã.

GIGIO: Ótimo Marcelo, daqui a pouco você já pode ir, só vou buscar uma encomenda que fiz para Cesca e não quero deixa – la sozinha.

FRANCESCA: (olha Gigio) O que você comprou?

GIGIO: (se levanta sorri) Surpresa amore, você só vai ver amanhã, eu já volto. (sai).

MARCELO: (olha Francesca) Gigio gosta muito de você.

FRANCESCA: (ascende um cigarro) Não te perguntei nada.

MARCELO: (sorri) Por que você está sempre de mau humor?

FRANCESCA: (olha Marcelo) Não te interessa.

MARCELO: (olhando Francesca) Se eu perguntei é porque interessa uma mulher tão linda, rica, conhecida na alta sociedade, casada com Gigio, não deveria ser assim, muitas mulheres no seu lugar viveriam com um sorriso estampado no rosto.

FRANCESCA: (olha Marcelo) Você não faz ideia de como minha vida virou um tédio… Graças a Gigio.

MARCELO: Romana é diferente de você, gosto muito dela, ela tem uma alegria contagiante, parece que nada a abala.

FRANCESCA: Marcelo me deixa em paz, você é secretário do meu marido e não meu, não tem que falar comigo.

MARCELO: As vezes é bom desabafar…

FRANCESCA: (olha Marcelo, séria) Por que eu contaria minhas coisas á você?

MARCELO: Va bene… Não vou insistir.

FRANCESCA: (sorri) Fico feliz em saber disso, porque se tem uma coisa que detesto, é gente intrometida.

MARCELO: (sorri, a olha) Vou falar mais uma coisa madame, você fica linda quando sorri.

FRANCESCA: (olha Marcelo nos olhos) Meu marido odiaria ouvir isso e minha sorella também.

MARCELO: Só falei o que achei nada demais, sem intenção alguma.

FRANCESCA: (traga, sorri).

 

Cena 3

Apartamento de Eliseo – Sala

 

ROMANA: (tomando chá, olha Eliseo) Filomena conheceu Leonel numa viajem que fez a Paris, ele mora lá, e eles ficaram quase um mês juntos.

ELISEO: Ele já era casado nessa época?

ROMANA: (sorri) Era, mas Leonel não é um homem politicamente correto, ele me contou que conheceu Filó em um café, que se encantou pelo jeito dela, não sei como isso foi possível porque ela deu vários foras nele.

ELISEO: É exatamente isso que mais chama a atenção nela, a personalidade.

ROMANA: Para Eliseo, se não vou vomitar, não vim aqui para você ficar rasgando elogios á ela e sim para abrir seus olhos.

ELISEO: Ela disse que foi antes de me conhecer esse caso.

ROMANA: Foi mesmo, mas ela não te contou que assim que ela voltou ao Brasil ele veio atrás dela, e não foi uma vez só não, ele larga tudo e vem, a mulher dele tem vontade de matar Filomena, o que eu compreendo perfeitamente.

ELISEO: (preocupado, pensativo) Mas ela gosta dele?

ROMANA: Digamos que o que ela senti por Leonel não é exatamente nenhum sentimento nobre, é algo… Da carne, que fala mais alto do que a razão… (sorri sarcástica).

ELISEO: (nervoso) Eu já entendi!… Como você pode saber tudo isso?

ROMANA: (se levanta, sorri) Por que eu estava em Paris com ela quando tudo aconteceu caríssimo, obvio que não fomos juntas, foi um encontro desagradável até, mas se eu fosse você, não deixaria sua amada sozinha com Leonel, ou vai ganhar um belo par de chifres. (da risada).

ELISEO: Isso não tem graça!

ROMANA: Calma, não precisa se exaltar.

ELISEO: Depois disso você quer que eu fique como? Eu vou lá ajudar Filomena com as coisas para a nossa viajem.

ROMANA: Ótimo, me dá uma carona. (olha Eliseo, sorri).

Cena 4

Mansão Ferreto – Sala

 

LEONEL: (está sentado lendo jornal).

FILOMENA: (desce as escadas o olha, vai saindo).

LEONEL: (sem tirar os olhos do jornal) Vai me evitar agora?

FILOMENA: (olha Leonel) Eu deveria ter te evitado desde o começo.

LEONEL: (sorri, fecha o jornal a olha) Mas não foi assim.

FILOMENA: Eu tenho mais o que fazer do que ficar aqui jogando conversa fora.

LEONEL: (se levanta) Concordo, a onde vamos?

FILOMENA: (séria) Você eu não sei e nem quero saber, quanto a mim não te interessa.

LEONEL: (da risada se aproxima, a olha nos olhos) Adoro esse seu joguinho sabia.

SALVATORE: (entra, sorri) Bom dia.

FILOMENA: (olha Leonel séria, se vira para Salvatore sorri) Bom dia babbo. (se aproxima, beija o rosto de Salvatore).

LEONEL: (observa sorri).

SALVATORE: A que horas você vai para a fazenda querida?

FILOMENA: Daqui a pouco babbo, só estou esperando Eliseo.

LEONEL: Eu adoraria conhecer a fazenda de vocês, dá outra vez que vim não tive a oportunidade de ir.

FILOMENA: (olha Leonel com raiva) Não estou indo á passeio, e sim resolver um problema.

LEONEL: (sorri) É mesmo? Sabe que eu tenho conhecimentos em áreas rurais, talvez eu possa ajudar.

FILOMENA: Na fazenda já tem muitos animais, não precisamos de mais um.

SALVATORE: Filha… Leonel está oferecendo ajuda, está com boas intenções.

FILOMENA: De boas intenções o inferno está cheio.

LEONEL: (sorri).

SALVATORE: (sorri um pouco) Não sei o problema que vocês tem um com o outro mas acho que está na hora de se resolverem, Leonel será bem vindo na nossa fazenda.

FILOMENA: (nervosa) Não! Eu não vou com ele.

LEONEL: Você nem irá notar minha presença.

FILOMENA: (olha Salvatore) Vai me obrigar mesmo a levar esse homem comigo?

SALVATORE: Filha Leonel pode te ajudar.

FILOMENA: Eu não acredito nisso… (sobe as escadas).

LEONEL: (sorri) Sua filha não vai com a minha cara mas eu a admiro, tem personalidade.

SALVATORE: (sorri) E como tem.

 

Cena 5

Mansão Magalhães – Quarto de Isabela

 

CARMELA: (está arrumando Isabela).

ADALBERTO: (entra, a olha) Você vai sair?

CARMELA: Vou na casa do meu babbo.

ADALBERTO: (segura a mão de Carmela a olha nos olhos) Cacá… Me perdoa, eu sei que errei, mas eu estava desesperado.

CARMELA: (olhando Adalberto) Estou muito magoada Adalberto… Você falsificou a assinatura do babbo e o roubou.

ADALBERTO: Eu vou devolver esse dinheiro, juro.

CARMELA: Como? Você não trabalha e pelo que sei seus pais não querem te dar dinheiro! (pega Isabela no colo, olha Adalberto) Não sei que horas eu vou voltar. (sai).

ADALBERTO: (sério) Era só o que me faltava… Preciso falar com Francesca.

 

Cena 6

Mansão Ferreto – Sala

 

LEONEL: (está conversando com Salvatore).

ROMANA: (entra com Eliseo, olha Leonel sorri) Leonel, ainda não tivemos tempo de conversar.

LEONEL: (sorri) Você não para em casa.

ROMANA: Verdade, estou chegando mais daqui a pouco vou sair, se você quiser pode vir comigo.

LEONEL: (olhando Romana) Eu adoraria. (olha Eliseo) Mas vou acompanhar Filomena até a fazenda.

ELISEO: (olha Leonel com raiva).

ROMANA: (sorri) Entendi…

SALVATORE: Eu sugeri que ele fosse para ajudar Filomena.

ELISEO: Não é necessário, eu vou com ela.

SALVATORE: Eu sei, mas seu negócio é números, Leonel tem experiência na área rural.

ELISEO: Filó está aqui?

SALVATORE: No quarto dela.

ELISEO: Vou lá falar com ela, com licença. (sobe as escadas).

SALVATORE: É impressão minha ou Eliseo ficou com ciúmes?

ROMANA: Não é impressão babbo… (sorri sarcástica).

Cena 7

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está nervosa, andando de um lado para o outro) Leonel passou dos limites! Ele não pode ir na fazenda. (olha em cima do móvel o relógio de Leonel, pega).

ELISEO: (entra).

FILOMENA: (coloca a mão para trás, escondendo o relógio o olha) Você veio mais cedo amore.

ELISEO: (olhando Filomena) É, precisava falar com você. (se aproxima a beija).

FILOMENA: (retribui, sorri, se afasta com a mão para trás, se aproximando da cômoda) Sobre o que você quer falar?

ELISEO: Filó… O que está escondendo?

FILOMENA: (olha Eliseo) Nada demais, só uma coisa velha que não gosto de mostrar, a inútil da empregada deixou exposto, vou guardar. (se vira para a cômoda, coloca o relógio na gaveta, fecha).

ELISEO: (se aproxima) O que é?

FILOMENA: Nada demais, um relógio velho, que só guardo porque babbo gosta.

ELISEO: Agora estou curioso, me deixa ver.

FILOMENA: Não! Melhor já ir colocando as coisas no carro.

ELISEO: (olha Filomena) Já soube que Leonel vai conosco.

FILOMENA: A ideia não foi minha, por mim ele nem estaria aqui, quanto mais viajar conosco.

ELISEO: Você sempre consegue o que quer com Salvatore, diga que não precisa desse sujeito.

FILOMENA: Eu vou tentar.

LEONEL: (entra, olha Filomena sorri) Com licença, estou procurando meu relógio.

ELISEO: (olha Filomena).

FILOMENA: (olha Leonel com raiva) E por que a porcaria do seu relógio estaria aqui?

LEONEL: Um relógio de ouro não é porcaria.

ELISEO: (abre a gaveta, pega o relógio).

LEONEL: (sorri) Ai está ele, pode me devolver, por favor.

ELISEO: (olha Filomena) Você pode me explicar o que o relógio desse cara está fazendo no seu quarto?

FILOMENA: (suspira).

 

Cena 8

Sala

 

CARMELA: (entra, abraça Salvatore) Como vai babbo?

SALVATORE: (sorri) Ótimo minha filha. (pega Isabela no colo, sorri) E essa princesa linda.

CARMELA: (sorri) Está cada dia mais esperta babbo.

ROMANA: (se aproxima, sorri) Sorella. (abraça Carmela).

CARMELA: (olha Romana) Eu preciso falar com você…

ROMANA: Aconteceu alguma coisa?

CARMELA: Podemos ir para o escritório?

ROMANA: Claro.

CARMELA: Babbo você fica com a Isabela?

SALVATORE: (sorri) Não precisa nem perguntar querida, vou com ela no jardim. (sai).

ROMANA: Cacá porque você está com cara de quem viu assombração?

CARMELA: (olhando Romana) Quando eu te contar o que Adalberto fez você também vai ficar assim.

 

Cena 9

Rua

 

MARCELO: (olha Gigio) Agora não falta mais nada.

GIGIO: Perfeito, só vou te pedir mais um favor, leva Cesca para a casa, eu vou buscar meu outro carro que está no mecânico, é com ele que vou para Campos do Jordão.

MARCELO: (incomodado) Tudo bem…

GIGIO: (beija Francesca a olha) Pode deixar tudo pronto amore, quando eu chegar em casa vai ser só o tempo de entrar, pegar as coisas e irmos, não demoro. (sai).

FRANCESCA: (olha Marcelo) O que foi Marcelo? Já se cansou de Gigio? (sorri).

MARCELO: Não sou motorista, já basta a tarefa de ficar organizando festinha que ele me deu.

FRANCESCA: (da risada, olha Marcelo) Aposto que você não aguenta Gigio um mês.

MARCELO: É melhor te levar para a casa.

FRANCESCA: (olhando Marcelo) Você vai á Campos com Romana?

MARCELO: Vou, mas que fique claro vou como convidado e não como mucama do Gigio.

FRANCESCA: (da risada) Não se preocupe com isso, Romana vai deixar isso bem claro.

MARCELO: (sorri) Posso te perguntar uma coisa?

FRANCESCA: Pode, mais dentro do carro, temos que ir. (entra no carro).

MARCELO: (entra no carro).

 

Cena 10

Interior do Carro

 

MARCELO: (olha Francesca) Você não quis ter filhos com Gigio?

FRANCESCA: (fica chateada, disfarça) Não… A minha ideia de família é diferente da que Gigio tem.

MARCELO: Qual é a sua ideia de família?

FRANCESCA: (olha Marcelo) Aprendi com o babbo que a família deve ser unida e ter muito amor entre si, o único amor que Gigio é capaz de dar, é para ele mesmo, por mais que ele diga me amar, sei que se ele precisar passar por cima de mim para conseguir qualquer coisa, ele passa.

MARCELO: Você descreve um Gigio tirano, sem coração, frio.

FRANCESCA: Esse é o verdadeiro Gigio Di Angelis.

 

Cena 11

Mansão Ferreto – Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (olha Eliseo) Esse relógio está aqui porque eu peguei de Leonel, foi um presente que eu dei, mas ele não merece nada.

LEONEL: (sorri) Presente é presente, não se pega de volta.

ELISEO: (com raiva, joga o relógio na parede, olha Leonel) Eu só vou falar uma vez, não te quero perto da minha noiva!

LEONEL: Se meu relógio quebrou você vai me dar outro.

ELISEO: Eu adoraria quebrar você, mas não quero sujar as minhas mãos.

LEONEL: (olha Filomena, sorri) Esse pobre coitado não serve para você.

ELISEO: (segura Leonel pelo colarinho da camisa) Repete o que você falou!

FILOMENA: (entra no meio, nervosa) Não repete nada e sai daqui Leonel! Já achou o relógio, vai embora, solta ele Eliseo.

ELISEO: (solta Leonel o olha) Seja lá o que você teve com ela acabou.

LEONEL: (sorri sínico, pega o relógio do chão, sai).

FILOMENA: (fecha os olhos).

ELISEO: (a olha) Não quero esse sujeito perto de você…

FILOMENA: (olha Eliseo) Eu também não quero.

ELISEO: E eu não acreditei na história que você contou, porque você estava escondendo o relógio dele de mim? Como foi que ele deixou aqui?

FILOMENA: (olha Eliseo) Escondi para evitar esse circo que aconteceu! Melhor irmos logo para a fazenda.

ELISEO: Deixei minhas coisas em casa, depois de conversar com Romana eu fiquei tão fora de mim que esqueci.

FILOMENA: Você conversou sobre o que com Romana?

ELISEO: Você não quis me contar o que houve entre você e esse sujeito…

FILOMENA: (olhando Eliseo, está brava) Não acredito que você fez isso!

ELISEO: Dessa vez não vou deixar você inverter o jogo, você vai me contar como Leonel deixou o relógio aqui.

FILOMENA: (empurra Eliseo para fora do quarto, o olha) Vai buscar as suas coisas! (bate a porta, está com raiva) Eu vou matar Leonel! Infeliz, inútil!

 

Cena 12

Escritório

 

ROMANA: Então esse galã de quinta teve a cara de pau de falsificar a assinatura de babbo?

CARMELA: Teve sorella… Eu não sei o que fazer…

Sala

SALVATORE: (entra, está com Isabela no colo, se aproxima do escritório, ouve Romana e Carmela conversando).

Escritório

ROMANA: Como assim não sabe Cacá, você tem que denunciar o Felisberto.

CARMELA: Adalberto…

ROMANA: Que seja, ele falsificou a assinatura do babbo e tirou uma boa quantia dele.

SALVATORE: (entra, bravo) Esse canalha teve a coragem de me roubar!

CARMELA: (fica surpresa ao ver Salvatore).

 

Fim do Capítulo

Ferreto – capítulo 8

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 8

Cena 1

Apartamento de Adalberto

 

ADALBERTO: (olhando Francesca, sorri) Eu sabia que você não iria conseguir ficar longe de mim.

FRANCESCA: (sorri) Como você fez para vir para cá?

ADALBERTO: Falei para a Cacá que minha mãe não estava se sentindo bem e que passaria a noite com ela.

FRANCESCA: (da risada, olha Adalberto) E Carmela inocente acreditou… Bobinha a minha sorella. (beija Adalberto).

ADALBERTO: (beijando Francesca a olha) E você, o que disse a Gigio?

FRANCESCA: (segura a mão de Adalberto, o puxando para o quarto) Não vamos perder nosso tempo falando de Gigio… Vamos aproveitar querido, preciso de você.

ADALBERTO: E eu de você. (vai com Francesca para o quarto).

 

Cena 2

Mansão Ferreto – Sala

 

ELISEO: (olhando Filomena) Isso é verdade Filó? Você teve um caso com esse tal Leonel?

FILOMENA: Claro que não! Não sei por que você dá atenção para o que Romana fala.

ROMANA: (olhando Filomena) Deixa de ser sínica sorella, conta para o Eliseo a verdade, você ficou um bom tempo com Leonel, e detalhe, ele mal tinha se separado.

FILOMENA: Você quer calar essa boca! Para de mentir, você está inventando essas coisas porque está com raiva de mim.

ROMANA: (sorri, olha Eliseo) Leonel está aqui como você disse, pergunte a ele.

FILOMENA: Ninguém vai perguntar nada pra ele. (olha Eliseo) Eliseo, ele não gosta de mim.

ROMANA: (da risada) Então não estamos falando do mesmo homem, ou você esqueceu de tudo que Leonel fez para ficar perto de você.

FILOMENA: Para com isso Romana!

SALVATORE: (se aproxima, sorri) Vocês vão jantar?

FILOMENA: Eu vou jantar fora com Eliseo.

ELISEO: (olha Filomena) Não… Agora quero ficar aqui, assim vou ter oportunidade de conversar com Leonel.

FILOMENA: Você não tem porque falar com ele.

ROMANA: Se eu fosse você eu falaria… (sorri).

LEONEL: (se aproxima sorri) Tinha me esquecido o quanto essa casa é bela.

ROMANA: É que você nunca prestou atenção na casa exatamente. (sorri).

LEONEL: (olha Filomena) Pode ser… (sorri).

FILOMENA: (olha Eliseo) Se você não sair daqui comigo agora, não precisa mais voltar.

ELISEO: (sério) Está bem… Vamos. (sai com Filomena).

SALVATORE: Nunca entendi essa implicância entre você e Filó.

LEONEL: (sorri) Sabe que nem eu.

 

Cena 3

Clube – Bar

 

GIGIO: (está procurando Francesca).

HÉLIO: (se aproxima) Eu achei que você já tinha ido Gigio.

GIGIO: (pensativo) Estava procurando Cesca… Ela deve ter ficado furiosa porque demorei.

HÉLIO: Quer que te ajude procurar?

GIGIO: Não, ela deve ter ido para a casa.

HÉLIO: (sorri) Se é assim fica aqui, já te disse que isso de ficar preso só com uma mulher não está com nada.

GIGIO: (sorri) Estou preso a Cesca muito mais do que gostaria.

HÉLIO: Aproveita que ela saiu, eu quero te apresentar uma morena que conheci agora pouco, acho que fará o seu tipo.

GIGIO: (da risada) Conhecendo o seu bom gosto ela deve ser espetacular.

HÉLIO: E é Gigio, ela se chama Lilian.

GIGIO: Vou com você, conheço a moça e depois vou para a casa. (sorri).

 

Cena 4

Apartamento de Adalberto – Quarto

 

FRANCESCA: (está deitada com Adalberto, o beijando, sorri) Sempre é bom ter você por perto.

ADALBERTO: Cesca e essa bobagem de renovação de votos vai ter mesmo?

FRANCESCA: Vai querido… Tenho que fazer o jogo de Gigio para ver o que ele está armando, não acredito na mudança dele.

ADALBERTO: (olhando Francesca) Foge comigo Cesca.

FRANCESCA: (da risada) Ficou louco? Vou com você e vamos viver com que dinheiro? Eu tenho uma boa quantia que minha mamma me deixou, mas não é o suficiente para ter a vida que gosto.

ADALBERTO: Podemos pegar das contas de nossas pais.

FRANCESCA: Eu jamais faria isso com o babbo, ele é incrível demais para ser roubado por mim e por qualquer um, não querido, vamos deixar tudo como está.

ADALBERTO: (olhando Francesca) Eu te amo tanto…

FRANCESCA: (sorri, acaricia o rosto de Adalberto) Gosto de você também querido. (o beija).

Cena 5

Restaurante

 

ELISEO: (olhando Filomena) Filó… Você vai me contar ou não a história do Leonel?

FILOMENA: Não tenho nada para contar.

ELISEO: Se é assim, vou perguntar a Romana, ela sim vai me contar.

FILOMENA: Você não vai perguntar! Mas que coisa…

ELISEO: Que ela está falando a verdade eu sei, ela não iria inventar algo assim.

FILOMENA: (olha Eliseo) Você me venceu pelo cansaço, só vou falar uma vez e se você perguntar de novo nunca mais falo com você.

ELISEO: Está bem, então me conta.

FILOMENA: Que eu não suporto Leonel é vero… E que tivemos uma coisa sem importância também…

ELISEO: Seu pai me disse que ele é casado e tem dois filhos… Você tem vinte e oito anos, quando foi isso?

FILOMENA: Há algum tempo já… Mas isso não interessa porque já foi, muito antes de te conhecer.

ELISEO: Mas não me agrada que ele fique debaixo do mesmo teto que você.

FILOMENA: (olhando Eliseo) Não fui eu quem o convidou e também nós vamos viajar esse fim de semana, e no que depender de mim nem passo do lado dele, realmente não o suporto.

ELISEO: Seu babbo sabe do que houve entre vocês?

FILOMENA: Não e nem vai saber, agora para com isso, já basta a mania que você tem de achar que gosto de Adalberto.

ELISEO: Não é mania.

FILOMENA: (séria) Você está ficando irritante já, eu vou para a casa.

ELISEO: Não… Vou parar, prometo.

FILOMENA: Acho bom… E Romana que me aguarde…

 

Cena 6

Mais Tarde – Mansão Ferreto – Sala

 

FRANCESCA: (entra).

SALVATORE: (a olha) E Gigio?

FRANCESCA: Deve estar no inferno babbo.

SALVATORE: Brigaram de novo?

FRANCESCA: Ainda não, e quando ele chegar, diga que estou aqui faz tempo. (sobe as escadas).

SALVATORE: (fecha os olhos, fica tonto, se apoia no sofá).

EMPREGADA: (se aproxima) Seu Salvatore, o que foi?

SALVATORE: (se recuperando, a olha) Uma tontura nada demais.

EMPREGADA: O senhor quer alguma coisa?

SALVATORE: Não, já estou melhorando. (se senta).

EMPREGADA: É melhor chamar a dona Filomena.

SALVATORE: Não, e você não vai contar essa bobagem para ela entendeu, já estou bem.

EMPREGADA: Sim senhor… (vai para a cozinha).

GIGIO: (entra).

SALVATORE: (o olha) Gigio… Se eu fosse você antes de entrar no seu quarto colocaria uma armadura.

GIGIO: Faz tempo que a Cesca chegou?

SALVATORE: Sim, o que aconteceu?

GIGIO: Eu encontrei uns amigos no clube e ela voltou para a casa sozinha.

SALVATORE: Você não deveria deixar Cesca de lado assim.

GIGIO: Eu disse para ela ir falar com meus amigos comigo, mas ela não quis.

SALVATORE: (se levanta, sorri) Boa Sorte, boa noite Gigio, vou me deitar.

GIGIO: Vou subir com você. (sobe as escadas com Salvatore).

 

Cena 7

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está se arrumando para dormir, se senta na cama, olha o móvel ao lado) Eu não acredito que aquela inútil não colocou a minha água aqui. (se levanta) Amanhã ela vai se ver comigo. (sai).

 

Cena 8

Corredor

 

LEONEL: (observa de seu quarto Filomena saindo, vê Gigio e Salvatore, espera eles entrarem em seus quartos, entra na suíte de Filomena).

 

Cena 9

Suíte de Filomena

 

LEONEL: (se esconde atrás da porta).

FILOMENA: (entra, fecha a porta, se assusta ao ver Leonel, o olha, nervosa) Você ficou louco? O que está fazendo ai?

LEONEL: (sorri, se aproxima dela) Eu estava com muita saudade.

FILOMENA: (fecha o roupão, se afasta de Leonel, o olha) Você não deveria ter vindo aqui.

LEONEL: E você sabe que eu faço tudo que me dá vontade, não estava conseguindo mais viver apenas com suas lembranças.

FILOMENA: Para de falar essas coisas e saia já do meu quarto, aliás, volte para Paris, lá é sua casa, lá está sua família, aqui você não tem nada.

LEONEL: (se aproximando) Eu vim buscar aqui o que me falta… Você.

FILOMENA: (olhando Leonel nos olhos) Vai embora…

LEONEL: (a olhando nos olhos) Não estava mais suportando a saudade de você.

FILOMENA: (se afasta, nervosa) Eu vou ver se tem alguém no corredor para você sair.

LEONEL: (puxa Filomena pelo braço, a segura, a olha muito) Você quer o mesmo que eu. (a beija com vontade).

 

Cena 10

Suite de Francesca

 

FRANCESCA: (está deitada na cama).

GIGIO: (vem enxugando o cabelo do banheiro, a olha) Cesca, quando eu cheguei você estava dormindo, gostaria de te pedir desculpas…

FRANCESCA: (interrompendo Gigio) Pare com esse discurso velho Gigio Di Angelis, você disse que iria mudar, só quero saber quando.

GIGIO: Você não me esperou amore.

FRANCESCA: Esperei, mas me cansei como sempre. (se levanta, olha Gigio) Eu mudei Gigio, você está vendo isso, mas se tudo continuar na mesma, não vou aguentar.

GIGIO: Isso nunca mais vai acontecer Cesca.

FRANCESCA: (anda pelo quarto) Eu tinha em mente uma noite incrível para nós e você faz o que?… Me larga sozinha naquele clube.

GIGIO: (abraça Francesca) Eu errei e peço desculpas, não fica zangada, no Domingo vamos renovar nossos votos, vamos tentar manter a paz até lá.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Está bem… Vou voltar a dormir.

GIGIO: (sorri) Não faz isso… Não me castiga assim.

FRANCESCA: (sorri) Aposto que você se diverte muito mais com seus amigos, não precisa de mim.

GIGIO: (sorri, a beija, a olha) Não mesmo.

FRANCESCA: (olhando Gigio) Agradeça por não te colocar no sofá, boa noite. (se deita, fecha os olhos).

 

Cena 11

Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (retribuindo o beijo de Leonel, empurra Leonel, dá um tapa no rosto dele, o olha nervosa) Sai já daqui! E nunca mais faça isso, eu sou uma mulher comprometida e você é um homem casado!

LEONEL: (com a mão no rosto, dá risada).

FILOMENA: (séria) Eu não suporto essa sua risadinha… Não sei onde você vê tanta graça.

LEONEL: (sorri) Desse seu jeito de se esquivar das coisas que senti, é engraçado e eu adoro.

FILOMENA: Já que você não quer sair, saio eu.

LEONEL: (tranca a porta, tira a chave, coloca no bolso da camisa, a olha) Para sair você terá que vir pegar a chave. (sorri).

FILOMENA: Leonel… Para com esse joguinho, o que vivemos em Paris foi ótimo, mas acabou assim que voltei ao Brasil e isso já faz muito tempo.

LEONEL: Não acabou eu sei que você senti algo por mim, e você sabe que sou apaixonado por você, as coisas que vivemos foram as melhores, nunca senti isso por ninguém.

FILOMENA: Eu estou noiva. (mostra a mão com o anel de compromisso).

LEONEL: (se aproxima, sorri, a beija a olha) Não estou nem ai pra isso, sou casado. (sorri, a beija).

FILOMENA: (beijando Leonel, o olha muito) Leonel, por favor, abre a porta antes que aconteça uma desgraça.

LEONEL: (sorri) Eu quero exatamente isso, e você também.

FILOMENA: (olhando Leonel) Sabe o que eu mais odeio em você?… É esse sei jeito sínico de me olhar.

LEONEL: (a beija, a olha) Você adora. (a beija mais, a deita na cama).

FILOMENA: Para… Some daqui.

LEONEL: (sorri) Não saio mesmo. (a beija com vontade).

FILOMENA: (retribui).

 

Cena 12

Dia Seguinte – Mansão Ferreto – Sala de Jantar

 

SALVATORE: (está tomando café, olha a empregada) Ninguém acordou ainda?

EMPREGADA: Seu Gigio e dona Francesca saíram, parece que foram escolher algumas coisas para a festa. Dona Romana saiu logo cedo, e ainda não vi Dona Filomena.

SALVATORE: E meu amigo?

EMPREGADA: Deve estar dormindo a porta do quarto dele está fechada.

SALVATORE: Bene, então vou aproveitar o sábado e dar uma volta, não demoro. (se levanta).

EMPREGADA: O senhor tem que tomar o remédio.

SALVATORE: (olha a empregada, sorri) Ordens da Filomena?

EMPREGADA: (sorri) Sim, e disse que se o senhor não tomar o remédio…

SALVATORE: (interrompe a empregada, sorri) E se o babbo sair sem tomar o remédio você está demitida, sua inútil.

EMPREGADA: (sorri) Exatamente isso.

SALVATORE: (da risada) Me dá esse bendito remédio.

 

Cena 13

Apartamento de Eliseo

 

ROMANA: (entra) Bom dia Eliseo.

ELISEO: Bom dia, obrigado por ter vindo.

ROMANA: (se senta) Eu poderia ser hipócrita e falar que estou surpresa por você ter me chamado aqui.

ELISEO: Filomena não me contou nada do que aconteceu entre ela e o sujeito que está na casa de vocês, e eu sei que nem vai, por mais que isso tenha sido faz tempo me interessa saber.

ROMANA: E você quer que eu te conte?

ELISEO: Isso quero saber tudo o que aconteceu entre eles.

ROMANA: Vou te contar aquilo que eu sei, porque a única pessoa que pode te contar tudo é Leonel.

ELISEO: (se senta ao lado de Romana) Tudo bem… O que você sabe?

ROMANA: (olha Eliseo, sorri).

 

Cena 14

Mansão Ferreto – Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (de olhos fechados, sorri, abre os olhos, fica séria ao ver Leonel dormindo ao seu lado, se senta) Leonel! Acorda!

LEONEL: (de olhos fechados) O que foi?

FILOMENA: (inconformada, pega o travesseiro bate em Leonel) Como assim o que foi! O que ainda está fazendo aqui?

LEONEL: (abre os olhos, se senta sorri) Depois do que aconteceu não consegui ir para o meu quarto.

FILOMENA: Eu acho que você tem algum problema muito sério nessa sua cabeça! Se alguém entrasse aqui!

LEONEL: Eu já vou, não precisa ficar assim, logo de manhã faz mal. (sorri).

FILOMENA: (se levanta, veste o roupão) Levanta dai agora e vai embora.

LEONEL: (sorri) Estou semi nú cherié, quer mesmo que saia assim no corredor?

FILOMENA: Se você der mais um sorrisinho desse não respondo por mim, me dá a porcaria da chave.

LEONEL: (aponta a camisa na cadeira) Está ali.

FILOMENA: (pega a chave do bolso do camisa, joga a camisa em Leonel, abre a porta, olha o corredor) Não tem ninguém, vai rápido.

LEONEL: (veste a camisa, se levanta, pega a calça, veste, se aproxima de Filomena a olha) Eu dormi tão bem… (sorri).

FILOMENA: (sorri um pouco) Vai logo.

LEONEL: (a beija, sorri, sai).

FILOMENA: (sorri, fecha a porta, entra no banheiro, sem notar que o relógio de Leonel ficou sobre a cômoda).

 

Cena 15

Mansão Magalhães – Suíte de Carmela e Adalberto

 

CARMELA: (está se arrumando, olha uma nota de pagamento em cima do móvel, pega, vê que Adalberto pagou uma divida no clube com cheque de Salvatore).

ADALBERTO: (entra, sorri) Bom dia Cacá.

CARMELA: (olha séria para Adalberto, mostra a nota) Adalberto, você pode me explicar o que significa isso?

ADALBERTO: (olhando Carmela, pensativo).

 

Fim do Capítulo

Ferreto – capítulo 7

TELEGLOBO

APRESENTA

 

b75e75f3-7633-4d2b-b2ab-12878c3a1ff3

Série inspirada e baseada no núcleo Ferreto da novela A Próxima Vítima, escrita por Silvio de Abreu com colaboração de Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, exibida pela Rede Globo em 1995. A minha intenção ao escrever a série é homenagear os 20 anos da novela, contando o passado das personagens Ferreto, a criação do roteiro e parte do enredo é de minha autoria, coisas ditas na novela pelas personagens formam a composição do enredo. Deixo claro que a Rede Globo, os autores Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral, não tem vinculo algum com a série faço por conta própria.

Débora Costa

f6cd271b-38f6-4a3a-90e4-2e707934a674

Capítulo 7

Cena 1

Frigorífico Ferreto – Sala de Gigio

 

GIGIO: (olhando Francesca) Filomena encheu a sua cabeça contra mim e você foi mexer nas minhas coisas não é?

FRANCESCA: Gigio poupe sua conversa furada, eu nunca soube da existência dessa conta, e aqui tem muito dinheiro.

GIGIO: (se aproxima de Francesca, a olha nos olhos) Eu nunca roubei um centavo daqui, essa conta eu abri para uma emergência.

FRANCESCA: É mesmo, e porque nunca me contou?

GIGIO: Não tinha porque contar amore, é um fundo de emergência, usaria quando fosse preciso.

MARCELO: (entra) Com licença… Carlos pediu para te chamar Gigio.

GIGIO: Ótimo, não poderia ser em hora melhor, faço questão que você fique Cesca, assim que Filomena chegar vou provar a vocês que sou inocente, já volto. (sai).

FRANCESCA: (olha Marcelo) Então não era uma brincadeira de Gigio, ele realmente te contratou.

MARCELO: (sorri) Por que isso te incomoda tanto?

FRANCESCA: (sorri) Não me incomoda.

MARCELO: (olhando Francesca) É bom saber disso.

FILOMENA: (entra, olha Francesca) Você aqui?

FRANCESCA: Eu vim falar com Gigio sobre algo que eu descobri.

FILOMENA: (olha Marcelo) Isso é um assunto de família, pode sair.

MARCELO: (olha Filomena) Você vai me desculpar, mas Gigio pediu que eu ficasse.

FILOMENA: (séria) Não desculpo e se você não sair imediatamente dessa sala, vou chamar a segurança e quero ver quem será capaz de te trazer de volta!

MARCELO: (sorri um pouco, olha Filomena, sai).

FRANCESCA: Por que você odeio o Marcelo?

FILOMENA: Não o odeio, mas me irrita só de lembrar o que aconteceu ontem por causa dele.

GIGIO: (entra com Carlos, olha Filomena) Você exagerou hein, Marcelo é meu secretário.

FILOMENA: É um assunto de família. (olha Carlos) Então, vocês vão confessar que estão nos roubando?

GIGIO: (olhando Filomena, sério).

 

Cena 2

Mansão Ferreto – Sala

 

ROMANA: (está olhando uma agenda).

SALVATORE: (se aproxima) O que está fazendo filha?

ROMANA: (sorri) Pegando o telefone de alguns amigos que Gigio pediu para chamar.

SALVATORE: Eu estou torcendo para que esse casamento volte a ser o que era.

ROMANA: Acho difícil babbo… Você conhece Cesca tão bem quanto eu e ela não suporta mais os ataques de Gigio, e nem como ele a deixa de lado.

SALVATORE: Talvez se… Cesca tivesse filhos…

ROMANA: Seria mil vezes pior babbo, há males que vem para o bem, você já parou para pensar como uma criança se sentiria no meio dessa guerra? Sim porque Cesca jamais deixaria de ser ela só porque teve um filho, e eu então? O senhor me imagina como mãe?

SALVATORE: (sorri) É difícil…

ROMANA: Então, apenas Carmela teve uma filha, ela sim tem jeito para ser mãe.

SALVATORE: Filomena ainda não sabe se pode ou não.

ROMANA: (olha Salvatore) Ela sabe sim babbo, e é por isso que não quer ter certeza absoluta indo ao médico, mas ela assim como Cesca e eu, não pode ter filhos, posso apostar com o senhor.

SALVATORE: (pensativo, chateado).

 

Cena 3

Frigorífico Ferreto – Sala de Gigio

 

CARLOS: Eu trouxe os livros que Eliseo viu e disse que estava faltando parte dos lucros.

FILOMENA: Eu também vi.

ELISEO: (entra) Com licença.

GIGIO: Pronto, agora sim eu vou falar, não há erros nesses livros.

ELISEO: Claro que há Gigio, está faltando metade dos lucros, os números das vendas não batem com os números dos lucros.

CARLOS: (entrega cópia dos livros para todos) Podem conferir, nada está faltando, você se equivocou nas contas.

ELISEO: (olhando os livros) Não é possível… Até ontem esses números não batiam, você viu Filomena.

FILOMENA: (olhando Gigio) Vou mandar abrir uma investigação.

FRANCESCA: Ótima idéia tem meu apoio.

CARLOS: Não é necessário, nada está faltando aqui como todos viram.

GIGIO: Concordo com a Filomena… Agora estou curioso para saber se há roubo ou não.

CARLOS: (olha Gigio).

FILOMENA: (observa) Algum problema Carlos?

CARLOS: Nenhum…

FILOMENA: Então nos vemos em breve e a partir de agora quem cuida disso é Eliseo.

GIGIO: Filomena…

FILOMENA: (interrompendo Gigio) Já decidi. (sai).

FRANCESCA: (sorri) Até mais tarde querido. (sai).

ELISEO: (pega os livros olha Gigio) Eu tenho certeza do que descobri… Cedo ou tarde tudo vai para cima do telhado. (sai).

CARLOS: (nervoso) Por que você deixou elas abrirem a investigação! Elas vão descobrir que estamos tirando dinheiro daqui!

GIGIO: (olhando Carlos) Depois eu resolvo isso, pode sair.

CARLOS: Olha lá o que você vai fazer Gigio… (sai).

GIGIO: (se senta) Elas vão descobrir que você está roubando Carlos… Você. (sorri).

 

Cena 4

Corredor

 

FRANCESCA: (alcança Filomena) Espera Filó, quero te mostrar uma coisa que descobri.

FILOMENA: O que é?

FRANCESCA: Melhor entrarmos na sua sala.

FILOMENA: Va bene. (se vira para voltar).

LEONEL: (esbarra em Filomena sem querer) Desculpa. (a olha sorri) Olha só… A pessoa que queria encontrar, como vai Filomena?

FILOMENA: (olhando Leonel) O que você está fazendo aqui?

LEONEL: Eu te fiz uma pergunta primeiro. (sorri).

FILOMENA: Sai da minha frente. (entra em sua sala).

FRANCESCA: (sorri olha Leonel) Acho melhor você não fazer isso.

LEONEL: (da risada, olha Francesca) Fazer o que Cesca?

FRANCESCA: Você veio atrás dela numa péssima hora.

LEONEL: (sorri) Eu não vim atrás dela, vim para oferecer uma sociedade á Salvatore.

FRANCESCA: Sei… Cuidado Leonel, não apronte das suas. (entra na sala de Filomena).

LEONEL: (sorri).

 

Cena 5

Mansão Vasconcellos – Sala

 

ARTHUR: (nervoso, olha Adalberto) Eu não vou te dar mais um centavo! Você está acabando com tudo que temos, eu já me prejudiquei muito para quitar suas dividas!

ADALBERTO: Papai só dessa vez, se eu não pagar essa divida eles vão me cobrar em breve e você sabe como eles agem.

ARTHUR: Problema seu! Pede dinheiro para sua italianinha.

ADALBERTO: O pai dela a proibiu de dar dinheiro para mim.

ARTHUR: Se vira! Não vou te dar mais nada!

ADALBERTO: (olha Arthur com raiva) Sou seu único filho e quando te peço ajuda você nega.

ARTHUR: É a primeira vez que te nego, e espero que você nunca mais jogue, quando vai aprender que você é um péssimo jogador.

ADALBERTO: Como você disse isso é um problema meu… Vou dar um jeito você vai ver.

 

Cena 6

Noite – Restaurante

 

ROMANA: Eu gosto muito desse lugar, tem gente conhecida, boa música, é muito bom você vai gostar.

MARCELO: (sorri, olha Romana) Você sempre está de bom humor, e tem uma energia inesgotável.

ROMANA: (da risada, olha Marcelo) E por que eu haveria de viver esbravejando por ai? Não Marcelo a vida foi feita para se divertir.

MARCELO: Carmela disse que você não se prende a compromissos, fiquei curioso, porque estamos juntos e quero saber até onde as coisas vão. (sorri).

ROMANA: (beija Marcelo, o olha sorri) Não pense no futuro, viva o presente Marcelo.

MARCELO: (sorri) Não me deixa sem resposta Romana.

ROMANA: (toma um pouco de champanhe, olha Marcelo) Tudo bem eu falo, nunca fiquei muito tempo com uma pessoa porque nunca senti que deveria ficar… Diferente de você que é diferente dos homens com quem me relacionei.

MARCELO: Diferente você quer dizer pobre.

ROMANA: (da risada) Não, eu me refiro a conversa, modo de ver as coisas, por exemplo, agora, estamos tendo essa conversa mais séria, se fosse um dos que estou acostumada estaríamos enchendo a cara e jogando conversa fora.

MARCELO: Você não é de jogar conversa fora.

ROMANA: (sorri) Para conquistar alguém você tem que entrar no mundo da pessoa, e se ela gosta de jogar conversa fora… (sorri).

MARCELO: (sorri) Você é inteligente, gosto disso, e família? Você já se viu casada, com filhos…

ROMANA: (da risada, bebe champanhe) Marcelo que conversa mais chata.

MARCELO: Eu tenho vontade de ter uma família, acho que porque perdi meus pais muito cedo… Quero me casar e ter muitos filhos. (sorri).

ROMANA: (olhando Marcelo nos olhos) É… Estou vendo… Mas eu não quero nada disso.

MARCELO: (olhando Romana) Por que não?

ROMANA: (termina o champanhe, se levanta, puxa Marcelo pela mão o olha sorri) Vamos dançar Marcelo, vamos nos divertir no lugar de ficar aqui e conversar sobre coisas cansativas. (beija Marcelo, o leva para a pista de dança).

 

Cena 7

Mansão Ferreto – Suíte de Filomena

 

FILOMENA: (está arrumando as malas).

ELISEO: (entra a olha) Posso falar com você agora?

FILOMENA: Não, babbo não vai gostar de te ver aqui.

ELISEO: (se aproxima a olha) Ele deixou eu vir aqui falar com você, acabou seus pretextos.

FILOMENA: Não é pretexto, é falta de paciência para ouvir a mesma coisa.

ELISEO: Filó… Eu vi, você e aquele infeliz quase se beijando.

FILOMENA: (olha Eliseo) Foi impressão sua, alias como sempre, você vê coisas onde não tem.

ELISEO: (a olhando) Você gosta dele?

FILOMENA: (séria) Me faz um favor? Quando você sair fecha a porta. (volta a arrumar as malas).

ELISEO: (fecha a mala, segura a mão dela a olha) Responde…

FILOMENA: (solta a mão de Eliseo, se afasta, nervosa) Essa sua pergunta é a mesma que você faz nesse tempo todo que estamos juntos, você já sabe a resposta, e se me perguntar mais uma vez você nunca mais fala comigo!

ELISEO: (fica chateado) Tudo bem… (vai saindo).

FILOMENA: (o olha saindo, se acalma) Espera…

ELISEO: (a olha).

FILOMENA: Desculpa, não queria falar assim com você, estou com alguns problemas e acabei descontando em você.

ELISEO: (se aproxima dela a olha) Eu sei o que vi.

FILOMENA: Você não viu nada, porque se não saberia que estávamos discutindo, e como ele não sabe argumentar perdeu o controle.

ELISEO: Não gosto de te ver perto dele, por mim ele iria morar em outro país.

FILOMENA: Para com esse ciúme, não tem sentido, eu não o suporto, ele é rude, baixo, me dá repulsa.

ELISEO: De jeito ou de outro ele mexe com você.

FILOMENA: Eliseo per Dio para com isso, eu preciso terminar de fazer as minhas malas, descobrir que Gigio tem uma conta na Suíça, babbo não estava se sentindo bem, a última coisa que preciso agora é ouvir esse disco riscado.

ELISEO: Você vai viajar?

FILOMENA: Vou para a fazenda no fim de semana, babbo disse que tem um assunto para resolver lá. (o olha) E deixou você ir comigo.

ELISEO: (sorri) É sério? Vamos ficar o fim de semana na fazenda?

FILOMENA: Não, eu estou fazendo as malas porque adoro perder tempo.

ELISEO: (a olha sorri) Hoje você está com a corda toda.

FILOMENA: Não se anima muito não, você só vai comigo se parar com essas perguntas inúteis.

ELISEO: (coloca a mão no rosto dela, a olha) Eu tenho medo de perder você.

FILOMENA: (segura a mão dele o olha) Não vai, eu amo você.

ELISEO: (sorri) Também te amo. (a beija).

SALVATORE: (entra) Essa era a conversa que você queria ter?

ELISEO: (olha Salvatore sorri) Não, já falei com ela.

SALVATORE: (sorri) Filha eu vim chamar vocês para jantar.

FILOMENA: Já vou babbo.

SALVATORE: Temos uma visita, meu amigo Leonel está aqui.

FILOMENA: (olhando Salvatore) Ele vai jantar conosco?

SALVATORE: Sim, e vai passar uns dias aqui.

FILOMENA: (espantada) Por quê?

SALVATORE: Ele quer me mostrar uns projetos que tem, veio de longe amore, não poderia deixar ele em qualquer hotel.

FILOMENA: Ele tem dinheiro para pagar o melhor hotel dessa cidade, não gosto dele…

SALVATORE: Já fiz o convite e ele já aceitou filha, vou descer ele está me esperando. (sai).

ELISEO: (olha Filomena) Quem é esse Leonel?

FILOMENA: (nervosa) É uma praga! É isso que ele é.

 

Cena 8

Clube – Bar

 

GIGIO: (está dançando com Francesca).

FRANCESCA: (olha Gigio sorri) Tinha esquecido desse seu lado… Adoro dançar com você.

GIGIO: (beija Francesca, a olha sorri) Te amo tanto Cesca, tanto.

FRANCESCA: As vezes não acredito nesse amor.

GIGIO: Acredite porque é de verdade. (sorri, fala no ouvido dela) Que tal irmos para um hotel.

FRANCESCA: (sorri, beija Gigio) Eu vou adorar querido.

HÉLIO: (se aproxima sorri) Desculpa interromper.

GIGIO: (cumprimenta Hélio, sorri) Hélio! Que bom te ver aqui.

HÉLIO: Como vai Cesca? (a olha nos olhos sorri).

FRANCESCA: (sorri) Bem.

HÉLIO: Gigio você se lembra dos nossos colegas do quinto ano?

GIGIO: Claro que me lembro, foi uma turma inesquecível, aprontávamos muito. (da risada).

HÉLIO: E como, então três deles estão aqui, vamos lá falar com eles?

FRANCESCA: (olha Gigio).

GIGIO: (olha Francesca) Amore vamos até lá cumprimentar os rapazes e saímos.

FRANCESCA: (olhando Gigio, sorri) Eu vou para a casa.

GIGIO: Não, espera aqui, prometo que não demoro.

HÉLIO: Cinco minutinhos Cesca.

FRANCESCA: Se for assim eu espero aqui.

GIGIO: (sorri, beija Francesca) Não demoro. (sai com Hélio).

FRANCESCA: (se senta, está com raiva) Se não voltar daqui cinco minutos vai se arrepender.

 

Cena 9

Mansão de Adalberto e Carmela – Suíte

 

CARMELA: (está dormindo).

ADALBERTO: (deitado ao lado de Carmela, pensativo, preocupado, se levanta, pega a bolsa de Carmela, sai).

 

Cena 10

Sala

 

ADALBERTO: (se senta no sofá, abre a bolsa de Carmela, começa a vasculhar, encontra um cheque assinado por Salvatore, pega uma folha, copia a assinatura, guarda o cheque na bolsa, esconde o papel com a assinatura falsa de Salvatore, sobe as escadas).

 

Cena 11

Suíte

ADALBERTO: (coloca a bolsa no mesmo lugar em que estava se deita, pensativo).

 

Cena 12

Mansão Ferreto – Sala

 

ROMANA: (entra).

ELISEO: (a olha sorri) Oi Romana.

ROMANA: (sorri) Oi, sua noivinha te abandonou aqui?

ELISEO: Não, ela foi se arrumar, não quer jantar aqui.

ROMANA: O que foi agora?

ELISEO: Seu pai convidou um amigo dele para passar uns dias aqui e Filó não gosta dele, disse que o tal Leonel e ela não se dão bem.

ROMANA: Leonel Boaventura está aqui?

ELISEO: Está.

ROMANA: (da risada) E Filomena teve a cara de pau de falar que não se dá bem com ele?

ELISEO: (olhando Romana) Como assim…

ROMANA: (olha Eliseo) Se minha sorella fosse uma pessoa melhor eu até não te contaria, mas ela depois de tudo que fez merece.

ELISEO: Então conta logo.

ROMANA: (olhando Eliseo) Se Leonel está nessa casa, é por causa dela.

FILOMENA: (descendo as escadas).

ROMANA: (olha Filomena sorri) Chegou na hora sorella.

FILOMENA: É?… Para que?

ROMANA: Eu estava contando ao Eliseo sobre Leonel, e bem na hora que eu iria contar do caso que tiverem você chegou. (sorri).

FILOMENA: (olha Romana com raiva).

Cena 13

Clube – Bar

 

FRANCESCA: (está sentada, nervosa, olha o horário, se levanta, vai até onde tem um telefone, disca uns números) Alô… Sim sou eu, presta atenção, preciso que você chame Adalberto para mim, diga a ele que estarei esperando por ele no apartamento, obrigada. (desliga, sai).

 

Cena 14

Mais Tarde – Apartamento de Adalberto

 

ADALBERTO: (entra, olha Francesca sorri) Quando recebi o seu recado não acreditei.

FRANCESCA: (se aproxima de Adalberto, sorri) Eu senti a sua falta meu querido. (beija Adalberto com vontade).

 

Fim do Capítulo