Vamos Recordar? Sonho Meu (última edição)

As novelas A Pequena Órfã  (TV Excelsior, 1968) e Ídolo de Pano  (TV Tupi, 1974), de Teixeira Filho, inspiraram a trama.


TRAMA PRINCIPAL

Sonho Meu é inspirada nas novelas A Pequena Órfã, exibida pela TV Excelsior em 1968, e Ídolo de Pano, produzida pela TV Tupi em 1974, ambas de Teixeira Filho. A novela conta o drama de Claudia Lins (Patrícia França), que perde a guarda da filha, Maria Carolina (Carolina Pavanelli), para a cunhada Elisa (Nívea Maria), devido às constantes brigas com o marido, o violento Geraldo (José de Abreu). A menina é deixada pela tia em um orfanato no Rio de Janeiro.

No início da trama, Claudia está de mudança do Rio de Janeiro para Curitiba, decidida a fugir de Geraldo e recomeçar sua vida. Ao chegar na nova cidade, ela conhece os irmãos Lucas Candeias de Sá (Leonardo Vieira) – por quem se apaixona – e Jorge Candeias de Sá (Fábio Assunção), um mau-caráter que faz tudo para conquistá-la. Os dois, junto com a avó, Paula Candeias de Sá (Beatriz Segall), são donos da empresa de brinquedos Ludens, onde Claudia consegue um trabalho. Ao saber da paixão de seus netos pela jovem, Paula se torna a grande rival de Claudia. Ela faz tudo para afastá-la de sua família, temendo o desentendimento entre Lucas e Jorge. Claudia, por sua vez, sofre com a ausência de sua filha, e faz o possível para recuperar a guarda da menina.

Em determinado momento da trama, Claudia se casa com Lucas e é acusada de bigamia, tendo que enfrentar um processo judicial, com risco de perder definitivamente a guarda da filha para o pai. Ela passa a sofrer com a perseguição de Geraldo e de Jorge, que se revela um homem inescrupuloso, capaz de qualquer armação para prejudicá-la. Jorge procura, de todas as maneiras, separar Claudia de seu irmão, além de tentar afastar a avó da direção da fábrica de brinquedos da família. A novela tem um final feliz: Claudia obtém a guarda da filha, e vai morar no Rio de Janeiro com Tio Zé e Lucas, com quem tem um filho.

PRODUÇÃO

A novela foi gravada em Curitiba, no Paraná.

CENOGRAFIA E ARTE

Sonho Meu contou com uma cidade cenográfica montada em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro, que reproduzia detalhes da arquitetura de Curitiba. Foram necessários 28 dias para construí-la.

CURIOSIDADES

Patrícia França e Leonardo Vieira foram convidados para estrelar o casal protagonista da trama depois do sucesso da primeira fase da novela Renascer (1993), na qual também haviam feito par romântico.

Sonho Meu marcou a estreia de Ângelo Paes Leme em novelas da TV Globo.

Este foi o último trabalho da atriz Claudia Magno, que morreu em janeiro de 1994, durante a exibição da novela. A atriz interpretava a personagem Josefina na trama.

O grande destaque de Sonho Meu foi a atuação de Carolina Pavanelli. A menina emocionou e divertiu a todos com sua doce personagem.

Fábio Assunção fez seu primeiro vilão na TV nessa novela. E foi também a primeira vez que atuava em uma trama das 18h.

Lauro César Muniz, supervisor de texto da trama, conta que o público brasileiro teve dificuldades em aceitar a bigamia da protagonista Claudia (Patrícia França), o que levou o autor a antecipar a decisão da personagem em assumir seu romance com Lucas (Leonardo Vieira) e enfrentar um processo judicial.

Sonho Meu foi exibida em vários países, como Bolívia, Chile, Chipre, Costa Rica, Filipinas, Guatemala, Honduras, Indonésia, Jordânia, Malásia, Nicarágua, Síria, Líbano, Panamá, Peru, Polônia, Porto Rico, Portugal, República Dominicana, Rússia, Turquia, Ucrânia, Uruguai e Venezuela.

TRILHA SONORA

Nacional


Bhaja Shiri Krishna – Tema de Santiago e Marília
Compositores: Mantra
Intérpretes: Homem de Bem

Ando Meio Desligado – Tema de Giacomo Madureira
Compositores: Sérgio Dias/ Rita Lee/ Arnaldo Baptista
Intérpretes: Roupa Nova

Melhores Dias – Tema de Mariana
Compositores: Dudu Falcão
Intérpretes: Rita de Cássia

Frágil – Tema de Lucia
Compositores
Intérpretes: Guido Brunini

Todas as Ruas – Tema da locação Curitiba
Compositores
Intérpretes: Orquestra Harmônica de Curitiba

Querer é Poder – Tema de abertura
Compositores: José Augusto/ Carlos Colla
Intérpretes: José Augusto e Xuxa

O Preço de uma Vida – Tema de Claudia
Compositores: Paolo Vallest/ Beppe Datti – versão de Ronaldo Bastos
Intérpretes: Selma Reis

Um Pouco Mais – Tema de Francisca
Compositores: Guilherme Arantes
Intérpretes: Guilherme Arantes

Vieste – Tema de Lucas
Compositores: Ivan Lins/ Vitor Martins
Intérpretes: Ivan Lins

Um Sonho Maior – Tema de Tio Zé
Compositores: Sérgio Fonseca
Intérpretes: Danilo Caymmi

Privação de Sentidos – Tema de Gilda
Compositores: Tavito/ Aldir Blanc
Intérpretes: Watusi

Dançando com Lágrimas nos Olhos – Tema de Fiapo e Elisa
Compositores
Intérpretes: – Orquestra e Coro RGE
 
Internacional:


What is Love
Compositores: Dee Dee Halligan/ Junior Torello
Intérpretes: Haddaway

Under the Same Sun – Tema de Gilda
Compositores: Fairbairn/ Meine/ Hudson
Intérpretes: Scorpions

Mr. Vain
Compositores: Jay Supreme/ Nosie Katzmann/ Steven Levis
Intérpretes: Culture Beat

Right Here (Human Nature Mix)
Compositores: John Bettis/ Steve Porcaro
Intérpretes: SWV

Show Me Love
Compositores: Allen George/ Fred McFarlane
Intérpretes: Robin S

Cryin’ – Tema de Giacomo Madureira e Francisca Fontana
Compositores: Joe Perry/ Steven Tyler/ Taylor Rhodes
Intérpretes: Aerosmith

Living Without Your Love – Tema de Dr. Fontana
Compositores
Intérpretes: Rennie Ladd

For Whom The Bell Tolls – Tema de Lucas e Claudia
Compositores: B. Gibb/ M. Gibb/ R. Gibb
Intérpretes: Bee Gees

Felicità
Compositores: L. Dalla
Intérpretes: Lucio Dalla

More and More
Compositores: Giora Schein/ Nosie Katzmann/ Olivier Reinecke/ Tony Dawson-Harrison
Intérpretes: Captain Hollywood Project

Wild World
Compositores: Cat Stevens
Intérpretes: Mr. Big

House of Love – Tema de Ortega
Compositores: J. Harry/ R. Charles
Intérpretes: Rupaul

Con Los Años Que Me Quedan – Tema de Magnólia
Compositores: Gloria Estefan
Intérpretes: Gloria Estefan

Don’t Say Goodbye
Compositores
Intérpretes: Oseas

AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS

Através da personagem Maria Carolina (Carolina Pavanelli), que sofre de leucemia, Sonho Meu abordou o tema da doação de sangue. A doença da menina propiciou a discussão sobre a qualidade do sangue, doação voluntária e Aids.

ELENCO

Abrahão Ribeiro

Alexandre Lipiani – Luís Ortega

André Mucci

Andrea Stelzer

Antonio Vianna

Ângelo Paes Leme – Santiago

Arminda Pinho

Beatriz Segall – Paula Candeias de Sá

Bernadeth Lyzio – Júlia

Bete Madruga – Taboinha

Bianca Blonde

Carlos Alberto – Fiapo

Carlos Kroeber – Varela

Carmem Caroline – Ximena

Carolina Pavanelli – Maria Carolina (Laleska)

Cesar Augusto

Cláudia Magno – Josefina

Cláudia Scher – Aída

Claudia Wagner

Cristina Mullins – Márcia

Daniela Camargo – Francisca

Debora Duarte – Mariana

Débora Viana

Dora Fennandes

Eduardo Caldas – Chico

Elias Gleizer – Tio Zé

Eri Johnson – Giácomo Madureira (Jayme)

Fabiano Miranda – Trigo

Fábio Assunção – Jorge

Fátima Patrício

Fernanda Ferras

Flávia Alessandra – Inês

Flávio Galvão – João Fontana

Françoise Forton – Gilda

Gisela Reimann – Alice

Hélio Ribeiro – Delegado Juarez

Isabela Garcia – Lúcia

Jayme Periard – William

Jarbas Fontenele

Jorge Cherques – Bóris

José Augusto Branco

José de Abreu – Geraldo

Julieta Wilmar

Jussara Calmon

Karine Melo – Marília

Laura de La Roque

Leonardo Borges

Leonardo Vieira – Lucas

Lina Fróes – Dona Rosa

Luciana Carvalho

Luiza Curvo – Aninha

Maguinha – Iracema

Manoel Theodoro

Mara Sandes

Marcelo Coutinho

Maria Thompson – Clara

Mauro Gorini – Feriado

Mauro Mendonça – Carlos

Mirela

Moacyr Alves

Monique Marques Marina Thompson – Clara

Monique Lafond

Myrian Pires – Cecília

Naura Schneider – Dra. Helena

Nedira Campos – Ângela

Newton Martins – Mercadoria

Nívea Maria – Elisa

Paulo Marrayo

Paulo Rezende

Patrícia França – Cláudia

Priscila Camargo – Polaca

Raimundo Emerson

Renata Castro Barbosa – Carla

Rogério França

Roselaine Pissaia

Sérgio Fonta – Cunha

Sérgio Mannarino – Carlos Alberto

Tânia Loureiro – Miriam

Vanda Alves

Walmor Chagas – Dr. Afrânio Guerra

Yoná Magalhães – Magnólia

 

FONTES

Depoimentos concedidos ao Memória Globo por: Beatriz Segall(03/06/2002), Fábio Assunção (04/04/2006) e Lauro César Muniz(12/11/2001); Boletim de Programação da Rede Globo, número: 1081; Centro de Documentação da TV Globo (Cedoc); “Fiocruz faz merchandising em novela da Globo” In: O Estado de S.Paulo, 18/11/1993; MEMÓRIA GLOBO. Dicionário da TV Globo, v.1: programas de dramaturgia & entretenimento. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2003; MEMÓRIA GLOBO. Guia Ilustrado TV Globo – Novelas e Minisséries. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2010; VIVEIROS, Virgínia. “Impunidade de uniforme branco” In: O Globo, 05/12/1993; VIVEIROS, Virgínia. “O quarteirão real da Curitiba virtual” In: O Globo, 14/09/1993; VIVEIROS, Virgínia. “Lágrimas do passado para garantir emoção” In: O Globo, 19/09/1993; “Sonho Meu ganha mais 25 capítulos” In: O Dia, 03/03/1994; www.teledramaturgia.com.br, acessado em 05/2006; http://viaglobal/cedoc (intranet),  acessado em 04/2006.


E chegamos ao fim desta coluna… Agradeço a todos que acompanhou a coluna desde a estreia e pedir desculpas por não ter avisado que a final seria hoje. Mas em 2016 voltaremos com mais uma temporada. Um beijão e até lá.

 

Vamos Recordar? O Homem Que Deve Morrer

Reencarnação, intolerância e preconceito nortearam a trama de Janete Clair.


TRAMA PRINCIPAL

Tarcísio Meira interpretou o médio Ciro Valdez 

Em Santa Catarina, na fictícia Porto Azul, o médico Ciro Valdez (Tarcísio Meira) desperta a ira do vilão racista Otto Müller (Jardel Filho) ao salvar sua vida com um transplante de coração de um jovem negro, usando seu dom mediúnico. Otto é o poderoso superintendente de uma companhia de mineração na região e suas características racistas lembram os líderes nazistas.  A raiva aumenta quando o médico se apaixona pela ex-esposa de Otto, Esther (Glória Menezes).

Gloria Menezes atuando em O Homem Que Deve Morrer

GALERIA DE PERSONAGENS

Jardel Filho, Arlete Salles e Cláudio Cavalcanti contracenam em cena de O Homem Que Deve Morrer

CIRO VALDEZ (Tarcísio Meira) – Médico que se apaixona por Esther (Glória Menezes)
ESTHER (Glória Menezes) – Ex-mulher de Otto (Jardel Filho), envolve-se com Ciro (Tarcísio Meira)
OTTO VON MÜLLER (Jardel Filho) – Superintendente de uma companhia de mineração, autoritário e racista. Ex-marido de Esther (Glória Menezes)
WANDA VIDAL (Dina Sfat) – Parceira de André (Paulo José)
ANDRÉ (Paulo José) – Atirador de facas
CESÁRIO (Carlos Eduardo Dolabella) – Casa-se com Júlia (Ida Gomes) de olho na sua herança e planeja seu assassinato
JÚLIA (Ida Gomes) – Secretária de Esther (Glória Menezes), casa-se com Cesário (Carlos Eduardo Dolabella). Tida como morta, volta para assustar o marido, fingindo ser um fantasma

Ida Gomes como Júlia

CURIOSIDADES

A saudosa Dina Sfat na pele de Wanda Vidal

Dina Sfat começou a novela grávida e permaneceu por apenas um mês na trama. Após o parto, a atriz retornou às gravações, já no final da novela, e sua personagem, Wanda Vidal, fez grande sucesso.

Os atores Tarcísio Meira e Carlos Eduardo Dolabella chegaram a ser soterrados na gravação de uma cena. Os diretores, cenógrafos e técnicos de efeitos especiais tinham que provocar o desabamento de uma mina de carvão. No momento em que foi realizada a simulação, os técnicos esqueceram que os dois atores estavam na mina. Eles foram socorridos rapidamente pela própria equipe e não sofreram nenhum tipo de ferimento.

Tarcísio Meira e Gloria Menezes em cena de O Homem Que Deve Morrer

Uma das novidades da novela foi a inclusão do transplante de coração na trama, cirurgia realizada no Brasil, pela primeira vez, em 1968.

Ruth de Souza na novela O Homem Que Deve Morrer

A atriz Ruth de Souza, intérprete de Das Dores, foi agredida por uma jovem telespectadora porque sua personagem, ameaçada por Otto Von Müller, (Jardel Filho), guardava um segredo que poderia salvar a vida do protagonista, Ciro Valdez (Tarcísio Meira).

Jardel Filho na pele de Otto Von Müller, em O Homem Que Deve Morrer

TRILHA SONORA

Menina do Mar
Compositores: Reginaldo Bessa
Intérprete: Marcos Samy
Porto do Sol
Compositores: Edu Lobo/ Ronaldo Bastos
Intérprete: Vanda e Guto
Solto no Mar
Compositores: Paulo Machado/ C. Forster
Intérprete: Sociedade Anônima
Um de Nós
Compositores: César Costa Filho/ Aldir Blanc
Intérprete: Maria Creuza
Zambi Rei
Compositores: Gonzaguinha
Intérprete: Odylon
Navegador
Compositores: Denise Emmer
Intérprete: Marcos Samy
O Homem que Deve Morrer  (Tema de abertura)
Compositor: Nonato Buzar
Intérprete: Nonato Buzar e Coral
Wanda Vidal
Compositores: Marcos Valle/ Paulo Sergio Valle
Intérprete: O Som Livre
Come to me Together
Compositores: Tavinho Bonfá/ Athayde
Intérprete: Octávio Bonfá
Um Certo Dia
Compositores: Paula Antunes
Intérprete: Ilka Soares/ O Som Livre
A Lei da Terra
Compositores: Luis Carlos Sá/ Mariozinho Rocha
Intérprete: Luis Carlos Sá
What Greater Gift Could There Be
Compositores: J. Freedman/ M. Niccos
Intérprete: Guilherme Lamounier
Guerreiro
Compositores: Fred Falcão/ W. Prado
Intérprete: Jorge Nery
O Mesmo Sol
Compositor: Nonato Buzar
Intérprete: Tarcísio Meira e Glória Menezes

CENSURA

Janete Clair criou para o protagonista uma trajetória semelhante à de Jesus Cristo, mas o argumento foi vetado pela Censura Federal. Os scripts dos dez primeiros capítulos foram proibidos, e a autora resolveu se basear no livro Eram os Deuses Astronautas? – no qual o autor Erich Von Däniken aborda a existência de vida em outros planetas – para relacionar os poderes mediúnicos de Ciro aos extraterrestres.

Cláudio Cavalcanti em O Homem Que Deve Morrer

Segundo o ator Cláudio Cavalcanti, na história original criada pela autora ele viveria o personagem Baby Liberato, um rico convertido, que seria um dos apóstolos de Ciro Valdez (Tarcísio Meira). O veto da Censura resultou na alteração do perfil de seu personagem e de vários outros da trama, como Orjana, interpretada por Neuza Amaral.

ELENCO:

Tarcísio Meira e Gloria Menezes em O Homem Que Deve Morrer

Álvaro Aguiar – Max
Ana Ariel – Rita
Ângela Leal – Angela
Antônio Pitanga – Pé na Cova
Arlete Salles – Lia
Arnaldo Weiss – Zacarias
Arthur Costa Filho – Padre
Betty Faria – Inez
Carlos Eduardo Dolabella – Cesário
Cláudio Cavalcanti – Leandro
Dary Reis – Valter
Dina Sfat – Wanda Vidal
Edney Giovenazzi – Ricardo
Emiliano Queiroz – Paulus
Ênio Santos – Hilário
Fernando Sérgio – Ricardinho
Francisco Milani
Francisco Serrano– Gustavo
Francisco Silva
Gilberto Martinho
Glória Menezes – Esther
Ida Gomes – Júlia
Ivan Cândido – Godoy
Jardel Filho – Otto von Müller
Jorge Cherques – Von Müller
Jorge Gomes
Jurema Penna – Zoraida
Léa Garcia – Luana
Lícia Magna – Clara
Lídia Mattos – Catarina
Louise Macedo – Vera
Lúcia Alves – Tula
Macedo Neto – Liberato
Mary Daniel – Conchita
Monah Delacy – Branca
Myrian Pires – Carolina
Nazareth Alair
Neuza Amaral – Orjana
Norma Blum
Paulo Araújo – Daniel
Paulo Gonçalves
Paulo José – André
Rogério Pitanga – Ivanzinho
Ruth de Souza – Das Dores
Sônia Ferreira – Enfermeira
Suzana Faini – Sônia
Suzy Kirbi – July
Tânia Scher
Tarcísio Meira – Ciro Valdez
Vinícius Salvatore
Waldir Onofre – Pedrão
Zeny Pereira – Conceição
Zilka Sallaberry – Bárbara

Produção: Daniel Filho


Vamos Recordar? Direito de Amar

DIREITO DE AMAR

 
Ambientada no Rio de Janeiro do início do século XX, a trama baseava-se em Noiva das Trevas, de Janete Clair, escrita nos anos 1950.

TRAMA PRINCIPAL

Gloria Pires como Rosália

Ambientada no Rio de Janeiro do início do século XX, a trama baseava-se na radionovela Noiva das Trevas, de Janete Clair, escrita nos anos 50. Já no começo da novela, a euforia pela virada do século se espalha pela cidade. Nessa noite de alegria e esperança, dois jovens se apaixonam durante um baile de máscaras. Mesmo sem saber quem são, Rosália (Glória Pires) e Adriano (Lauro Corona) dançam a noite inteira. Ao fim do baile, eles se separam, mas não param de pensar um no outro e fazem tudo para se reencontrarem. Só que nada é tão fácil como imaginavam.
Para salvar-se da falência, o pai de Rosália, o industrial Augusto Medeiros (Edney Giovenazzi), hipotecou a casa e prometeu a filha em casamento para o poderoso banqueiro Francisco Monserrat (Carlos Vereza), pai de Adriano. Rosália, então, mesmo apaixonada por Adriano, se vê obrigada a se casar com o banqueiro. Sua dor é dividida com a mãe, Leonor (Esther Góes), que, apesar de sempre ter estado ao lado do marido, não suporta ver o triste destino da filha. Apesar de ser um homem autoritário e cruel, Monserrat é verdadeiramente apaixonado por Rosália e se esforça para conquistar o amor da moça, a única pessoa a quem trata com carinho e atenção. Quem sofre ao ver a dedicação de Monserrat com Rosália é Adriano, obrigado a conviver diariamente com seu grande amor.

Gloria Pires e Lauro Corona em cena de Direito de Amar

TRAMAS PARALELAS

Paula, a prima mau-caráter

Quem também tenta atrapalhar o romance entre Rosália (Glória Pires) e Adriano (Lauro Corona) é Paula (Cissa Guimarães), prima da jovem. Apaixonada pelo rapaz, ela finge ser confidente de Rosália, mas, no fundo, esforça-se para evitar a aproximação dos dois. Depois de muitas armações, Paula marca seu casamento com Adriano. No entanto, no final da história, ele fica com Rosália.

Cissa Guimarães foi a vilã Paula

Dr. Ramos

Outro personagem importante na história é o médico Jorge Ramos (Carlos Zara), que se tornou inimigo do banqueiro Francisco Monserrat (Carlos Vereza) quando os dois disputaram o amor da mesma mulher. Além disso, o vilão não gosta da influência que Ramos exerce na vida de Adriano (Lauro Corona), principalmente em sua escolha profissional. Seguindo os passos e as orientações dele, Adriano acaba descobrindo sua vocação para a Medicina.

A misteriosa Joana

Lauro Corona e Ítala Nadi em cena de Direito de Amar

Paralelamente à disputa entre pai e filho pela mesma mulher, outra trama chama atenção dos telespectadores: o mistério que envolve Joana (Ítala Nandi), uma mulher tida como louca, que vive presa em um dos quartos da casa do poderoso banqueiro Francisco Monserrat (Carlos Vereza), onde é maltratada por ele.

No desenrolar da trama, o mistério envolvendo Joana e Monserrat vai se desvendando. Com a ajuda de Adriano (Lauro Corona) e Rosália (Glória Pires), Joana passa a se tratar com o médico Ramos (Carlos Zara) e, aos poucos, ela começa a se lembrar de seu passado. Seu verdadeiro nome é Bárbara. Há alguns anos, ela teve um filho que lhe foi arrancado dos braços, ainda bebê, por Monserrat, seu marido. Ele tentou matar a criança, pois sabia que o filho não era seu, mas preferiu simular a morte da esposa e criar o menino como seu herdeiro legítimo. Desde então, emocionalmente perturbada, Bárbara, a quem ele chamava de Joana, passou a viver como prisioneira do banqueiro. O filho dela é Adriano, fruto de seu relacionamento com Ramos, que se tornou o principal rival de Monserrat.

Depois de revelada a verdade, Ramos chama Monserrat para um duelo. Apesar de excelente atirador, Monserrat aponta sua arma para o alto e se deixa matar.

A independente Carola

A personagem Carola (Cristina Prochaska), uma mulher moderna, também merece destaque em Direito de Amar. Bonita e feminina, a moça causa espanto por viver sozinha e trabalhar. É alegre, ousada na maneira de pensar e de se vestir. Frequenta a roda boêmia da confeitaria de Manél (Elias Gleizer) e Catarina (Yolanda Cardoso), ponto de encontro de vários personagens da história.

CENAS MARCANTES

O saudoso Carlos Zara como Ramos

A cena em que o banqueiro Francisco Monserrat (Carlos Vereza) enfrenta o médico Ramos (Carlos Zara) em um duelo foi inspirada no romance A Montanha Mágica, de Thomas Mann, e entrou na história por sugestão de Carlos Vereza a Walther Negrão.

PRODUÇÃO

Lauro Corona e Gloria Pires contracenam em cena de Direito de Amar

A produção de Direito de Amar construiu em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, uma cidade que reproduzia detalhes da arquitetura carioca da época, como a rua da Saúde, inspirada no histórico bairro de mesmo nome, no Rio de Janeiro.
Algumas cenas externas foram gravadas em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, como a do baile de máscaras onde Rosália (Glória Pires) e Adriano (Lauro Corona) se conhecem. O cenário foi o Palácio de Cristal. Os takes tinham iluminação difusa para criar um efeito de passado.

FIGURINO E CARACTERIZAÇÃO

Carlos Vereza, Susana Faini e Gloria Pires em Direito de Amar

O figurinista Paulo Louis conta que em Direito de Amar aprendeu a vestir muitos figurantes e que o trabalho começava cedo, por volta das 8h, para que a gravação acontecesse à noite, em torno das 22h. Destaca a cena do baile de máscaras em que vestiu, aproximadamente, 500 figurantes.

Paulo Louis lembra ainda que o amadurecimento de Rosália, personagem de Glória Pires, também foi expresso em seu figurino. Inicialmente, Rosália era uma mocinha que usava roupas joviais e cabelo solto. Quando se casou, precisou respeitar as normas da época, que determinavam que mulheres casadas não podiam usar cabelo solto. Além disso, a personagem passou a vestir roupas mais fechadas.

CENOGRAFIA E ARTE

Um dos lugares centrais da cidade cenográfica era a confeitaria, onde as aspirações e os ideais do novo século eram discutidos por intelectuais, artistas e passantes. O local foi inspirado na Confeitaria Colombo, localizada no Centro do Rio de Janeiro. Outros lugares de destaque da cidade cenográfica eram a clínica do médico Jorge Ramos (Carlos Zara) e a pensão de Esmeralda (Cinira Camargo).

CURIOSIDADES

Walther Negrão lembra que a radionovela Noiva das Trevas, deJanete Clair, em que se baseou para escrever Direito de Amar,passava-se em 1800 e foi inspirada na vida da avó de Dias Gomes. A radionovela contava a história de uma noiva que andava pela ruas à noite, o que não se manteve na novela. O autor sustentou nomes de personagens batizados por Janete, como o de Francisco Monserrat, interpretado na trama televisiva por (Carlos Vereza), mas alterou o século, pois a novela começa na passagem para 1900.

Além do romance entre a doce Rosália (Glória Pires) e o romântico Adriano (Lauro Corona), o grande destaque da novela foi o vilão Francisco Monserrat, interpretado por Carlos Vereza. O ator compôs um personagem tão sedutor que, apesar de todas as perversidades, era querido pelo público. A torcida do telespectador por Monserrat obrigou o autor a exagerar as maldades do personagem, levando-o, por exemplo, a chicotear Joana (Ítala Nandi). Mesmo assim, Vereza recebeu muitas cartas de telespectadoras apaixonadas.

Carlos Vereza em sua brilhante atuação em Direito de Amar

Direito de Amar foi vendida para cerca de 50 países, entre os quais, Alemanha, Argélia, Áustria, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Jordânia, Marrocos, Nicarágua, Rússia, Tunísia e Vietnã.

A novela foi reapresentada entre 08 de novembro de 1993 e 25 de fevereiro de 1994, em Vale a Pena Ver de Novo.

Adriano (Lauro Corona) e Rosália (Gloria Pires) se beijam em cena de Direito de Amar

TRILHA SONORA

A trilha sonora trouxe a canção Fada Noturna, interpretada pela atriz Claudia Raia.

Iluminados – Tema de abertura
Compositores: Ivan Lins/ Vitor Martins
Intérprete: Ivan Lins

Sei de Cor – Tema de Adriano
Compositores: Celso Fonseca, Ronaldo Bastos
Intérprete: Maria Bethânia

Olha – Tema do Sr. de Montserrat
Compositores: Milton Nascimento
Intérprete: Milton Nascimento

Minha Pequena Princesa – Tema das irmãs Mariana, Marizé e Marinês
Compositores: Mú Carvalho/ Paulinho Tapajós
Intérprete:

Bougainvilles – Tema de Alice
Compositores
Intérprete:
Carla Daniel

Boêmio – Tema de Nelo
Compositores: Ataulfo Alves/ Wilson Falcão
Intérprete: Emílio Santiago

Por Toda a Minha Vida – Tema de Rosália
Compositores: Tom Jobim/ Vinicius De Moraes
Intérprete: Gisele

Suite from Magdalena (The Emerald) – Tema de Rosália e Adriano
Compositores: Heitor Villa-Lobos
Intérprete: André Kosteleinetz

Das Dores de Oratórios – Tema de Joana
Compositores: João Bosco
Intérprete: João Bosco

Fada Noturna – Tema de Carola
Compositores
Intérprete:
Claudia Raia

Guardião – Tema de Ramos
Compositores: João Caetano
Intérprete: João Caetano

Dias de Lua – Tema de Paula
Compositores: Cláudio Cartier/ Marco Aurélio/ Paulo César Feital
Intérprete: Cláudio Cartier

Bons Tempos – Tema de Manel
Compositores: Ary Marcos/ Lula Barbosa
Intérprete: Lula Barbosa

Cumprimentos ao Novo Século – Tema geral
Compositores
Intérprete:
Odette Ernest Dias


ELENCO

André Valli – Cipriano
Arrigo Barnabé – Eudécio (participação especial)
Betina Viany – Nanete (participação especial)
Betty Gofman – Tonica
Carlos Briani – Rogério Reis
Carlos Gregório – Sirineo Far Fan
Carlos Vereza – Francisco de Monserrat
Carlos Zara – Dr. Jorge Ramos
Célia Helena – Berenice
Chico Tenreiro – Dr. Osvaldo Cruz (participação especial)
Cinira Camargo – Esmeralda
Cissa Guimarães – Paula Barbosa
Cristina Prochaska – Carola
Edney Giovenazzi – Augusto Medeiros
Elias Gleizer – Manoel Barbosa
Ênio Santos – Dr. Silva (participação especial)
Ester Góes – Leonor Medeiros
Felipe Donovan – Tufi
Francisco Milani – Dr. Veiga
Glória Pires – Rosália Medeiros
Ítala Nandi – Joana/ Bárbara/ Nanete
João Carlos Barroso – Danilo
Lauro Corona – Adriano Monserrat
Lídia Mattos – Irmã Superiora
Louis André – André Corano (participação especial)
Luca de Castro – Juca
Luisa Thiré – Marinês
Margarida Schak – Mme. Von Reuter (participação especial)
Narjara Turetta – Mariana
Older Cazarré – Padre Inácio
Paulo Fortes – tenor (participação especial)
Priscila Camargo – Alice
Raymundo de Souza – Alberto Cerqueira (participação especial)
Rogério Márcico – Raimundo
Rômulo Arantes – Nelo
Rosana Garcia – Marizé
Suzana Faini – Mercedes
Tim Rescala – Bodoque (Teotônio Andrade da Silva)
Yolanda Cardoso – Catarina Barbosa

FONTES

Depoimentos concedidos ao Memória Globo por: Alcides Nogueira (17/12/2007), Carlos Vereza (14/06/2002), Elias Gleizer(18/04/2011), Gloria Pires (13/08/2006), Paulo Louis (01/06/2007) e Walther Negrão (18/04/2001); Boletim de Programação da Rede Globo, número: 736; CEZIMBRA, Marcia. “Preparem os lenços, lá vem Janete Clair” In: Jornal do Brasil, 16/02/1987; FERNANDES, Ismael. Memória da telenovela brasileira. São Paulo, Brasiliense, 1997, pp. 325-326; “Globo se inspira em Janete Clair” In: Folha de S. Paulo, 09/02/1987; HEE, Carlos. “Uma produção perfeita, uma direção segura: ganhou o público” In: Jornal da Tarde, 19/03/1987; MEMÓRIA GLOBO. Guia ilustrado TV Globo: novelas e minisséries. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010; MEMÓRIA GLOBO. Dicionário da TV Globo, v.1: programas de dramaturgia & entretenimento. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2003; Relatório de Vendas Internacionais/ Divisão Internacional – Rede Globo; SCHVARZMAN, Sheila. “Globo renova novela das seis” In: Folha de S. Paulo, 28/02/1987; http://www.dirce.globo.com, acessado em 12/2006; http://www.teledramaturgia.com.br, acessado em 06/2006; http://pt.wikipedia.org/wiki/Direito_de_Amar, acessado em 07/2011.


Vamos Recordar? Hipertensão

TRAMA PRINCIPAL

Dois mistérios norteavam o enredo de Hipertensão: a paternidade da protagonista e a identidade de um assassino. A novela tem início com a chegada de um grupo de teatro mambembe à pequena Rio Belo. Napoleão (Cláudio Corrêa e Castro), Candinho (Paulo Gracindo) e Romeu (Ary Fontoura), três velhos amigos que moram na fazenda Santa Lúcia, recebem os artistas em sua propriedade. Os três são viúvos de irmãs trigêmeas e moram juntos desde a morte de suas companheiras.

Napoleão (Cláudio Corrêa e Castro), Candinho (Paulo Gracindo) e Romeu (Ary Fontoura)

O grupo de artistas, liderado por Sandro Galhardo (Cláudio Cavalcanti), é formado por Carina (Maria Zilda Bethlem), Renata (Elizabeth Savala), Túlio (César Filho), Fratello (Antonio Calloni) e Pé de Meia (Anderson Martins). Quando se apresentam na praça da cidadezinha, Napoleão, Candinho e Romeu entram em choque ao reconhecerem que Carina, membro da trupe, é muito parecida com suas ex-mulheres. Eles se aproximam da moça e, durante uma conversa com ela, perguntam detalhes sobre sua vida. Carina lhes revela que sua mãe, já falecida, tinha duas irmãs gêmeas, criando a possibilidade de ser filha de um dos três.  A partir daí, a trama central da novela se apresenta: quem será o pai da jovem?

Claudio Cavalcantti, Maria Zilda Bethlem e Ary Fontoura em cena de Hipertensão

Napoleão, Candinho e Romeu se envolvem com Carina e passam a se identificar com todas as atitudes, manias e ideias da moça, na esperança de que um deles seja seu verdadeiro pai.

Ao longo da história, a viúva Donana (Geórgia Gomide) vai atrás da certidão de nascimento de Carina. No último capítulo da novela, Carina consegue, finalmente, pegar a certidão, mas borra o nome do pai, pois fica tão comovida com o comportamento dos três que não tem coragem de dar alegria a um e decepcionar os outros dois. Ela pede para conversar separadamente com Napoleão, Candinho e Romeu. Para não magoar ninguém, Carina conta a mesma história para os três: antes da certidão borrar, ela conseguiu ler o nome de seu verdadeiro pai e afirma ser o homem com quem fala. Para evitar que algum deles descubra que nem ela sabe a verdade, Carina pede que não façam comentários entre eles. Cada um fica radiante com a notícia, e o autor deixa a dúvida no ar para o público.

TRAMAS PARALELAS

Donana

Débora Evelyn, Taumaturgo Ferreira e Georgia Gomide em Hipertensão

O núcleo encabeçado por Donana (Geórgia Gomide) tem destaque na história. A viúva é uma mulher autoritária e que exerce grande influência sobre a comunidade de Rio Belo. Ela tem dois filhos: Raquel (Deborah Evelyn), a quem hostiliza por considerá-la responsável pela morte do marido, e Raimundo (Taumaturgo Ferreira), um playboy que deixou a cidade para estudar na capital. Quando volta a Rio Belo, Raimundo acaba se envolvendo com Luzia (Cláudia Abreu), filha de Odete (Lupe Gigliotti), empregada da fazenda Santa Lúcia. Os dois vivem um conturbado romance, que se complica quando ela engravida. No decorrer da novela, Luzia morre misteriosamente. Raimundo, o principal suspeito, foge.

Cláudia Abreu na pele de Luzia em Hipertensão

Enquanto permanece desaparecido, Donana se esforça para inocentar o filho, mas ele é preso, para desespero da mãe. No final, ela vai até a delegacia e revela ao delegado Joel (Nelson Xavier) que é a verdadeira assassina de Luzia. Donana conta ao delegado que ofereceu dinheiro para a moça, na tentativa de que ela desistisse de se casar com Raimundo e se mudasse para bem longe de Rio Belo. Luzia recusou o dinheiro, e as duas começaram a se agredir fisicamente. Donana, então, empurrou Luzia, que rolou barranco abaixo.

O proprietário do hotel da cidade, Marcos Mendonça (Carlos Eduardo Dolabella), é um viúvo, pai de seis filhos, que vive à procura de uma nova esposa. No decorrer da história, ele se envolve em um triângulo amoroso com Beatriz (Lúcia Alves) e Renata (Elizabeth Savala).

Elizabeth Savala em Hipertensão

Rio Belo contava também com outros habitantes importantes, como o índio Chico (Stênio Garcia), o médico Assunção (Ruy Resende) e o padre Vicente (Oswaldo Louzada).

PRODUÇÃO

Para criar a cidade fictícia de Rio Belo, a equipe de cenografia reproduziu uma cidade rural interiorana em Guaratiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro. As cenas externas da fazenda Santa Lúcia foram gravadas em Vassouras, zona rural do Rio.

CURIOSIDADES

Para escrever Hipertensão, Ivani Ribeiro atualizou o roteiro de Nossa Filha Gabriela, novela de sua autoria exibida pela TV Tupi, em 1971. A autora não alterou a estrutura da trama, mas modificou o nome de alguns personagens e incluiu novos temas.

O ator Cláudio Corrêa e Castro viveu o mesmo papel em Nossa Filha Gabriela e em Hipertensão: o metódico e autoritário Napoleão. Com Chaguinha aconteceu o mesmo: ele interpretou Boca Mole nas duas versões. Na primeira novela, Candinho e Romeu foram interpretados por Ivan Mesquita e Abrahão Farc.

O personagem de Stênio Garcia, o índio Chico, foi uma reedição de um papel vivido pelo ator na novela A Muralha (1968), exibida pela TV Excelsior e também de autoria de Ivani Ribeiro.

Hipertensão marcou a estreia de Cláudia Abreu, Antonio Calloni, Carla Marins e Eri Johnson em novelas da Rede Globo.

Cláudia Abreu em Hipertensão

A novela contou com a participação especial de Monique Evans e Sandra Bréa. As duas deram vida a pretendentes de Marcos Mendonça (Carlos Eduardo Dolabella).

TRILHA SONORA

Nacional:


Judia de Mim – Tema de Marcos
Compositores: Zeca Pagodinho e Wilson Moreira
Intérprete: Zeca Pagodinho

Desenho de Giz – Tema de Sandro
Compositores: Abel Silva/ João Bosco
Intérprete: João Bosco

Sintonia – Tema de Túlio
Compositores: Fred Goés/ Moraes Moreira/ Zeca Barreto
Intérprete: Moraes Moreira

Só pro Meu Prazer – Tema de Carola
Compositores: Fabiana Kherlakian/ Leoni
Intérprete: Heróis da Resistência

Livre para Viver – Tema de Carina
Compositores: Bernardo Vilhena/ Claudio Zoli
Intérprete: Cláudio Zoli

Gosto do Prazer – Tema de abertura
Compositores: Gilberto Gil/ Jorginho Gomes
Intérprete: A Cor do Som (Partic. especial Gilberto Gil)

Me Chama – Tema de Rachel
Compositores: Lobão
Intérprete: João Gilberto

Em Silêncio – Tema de Chico
Compositores: Gutemberg Guarabyra/ Luiz Carlos Sá
Intérprete: Sá & Guarabira

Do Nada Pra Lugar Nenhum – Tema de Renata
Compositores: Gutemberg Guarabyra/ Luiz Carlos Sá
Intérprete: Rosana

Aa Uu – Tema de Napoleão
Compositores: Sérgio Britto e Marcelo Frommer
Intérprete: Titãs

Toda Forma de Poder – Tema de Raí
Compositores: Humberto Gessinger
Intérprete: Engenheiros do Hawaii

Playmate – Tema de Gioconda
Compositores:
Intérprete: Anne Perec

Razões Tema de locação
Compositores: Armandinho
Intérprete: Armandinho

Internacional:


Human
Compositores: James Harris III/ Terry Lewis
Intérprete: The Human League

Papa Don’t Preach
Compositores: Brian Elliott
Intérprete: Madonna

Stuck With You
Compositores: Chris Hayes/ Huey Lewis
Intérprete: Huey Lewis & The News

Glory of Love – Tema de Renata
Compositores: David Foster/ Diane Nini/ Peter Cetera
Intérprete: Peter Cetera

Don’t Forget Me
Compositores: Al Connelly/ Alan Frew/ Jim Vallance/ Sam Reid/ Wayne Parker
Intérprete: Glass Tiger

Shake You Down – Tema de Antonieta e Fratelo
Compositores: G. Abbott
Intérprete: Gregory Abbott

Only a Step Away
Compositores: Antonio Coggio/ Claudio Baglioni/ Colin Copperfield/ Paul Felber
Intérprete: Wall Street Crash

Lady in Red – Tema de Rachel
Compositores: Chris De Burgh
Intérprete: Chris De Burgh

Right Between The Eyes
Compositores: Andrew Gold/ Graham Gouldman
Intérprete: Wax

Holiday Rap
Compositores: Brian Bennett/ Bruce Welch/ Curtis Hudson/ Lisa Stevens/ Lucien Witteveen/ Sven Van Veen
Intérprete: M.C. Miker “G” & D.J. Sven

Gone With The Winner – Tema de Carina e Sandro
Compositores: John Milford/ Paul Ives
Intérprete: Century

I’m the One Who Really Loves You
Compositores: Stock/ Aitken/ Waterman
Intérprete: Austin Howard

Emotion in Motion
Compositores: Ric Ocasek
Intérprete: Rick Ocasek

How do You Stop? – Tema de Carola
Compositores: Charlie Midnight/ Dan Hartman
Intérprete: James Brown

ELENCO

Alexandra Marzo – Taís
Ana Ariel – Ceição
Ana Beatriz Wiltgen – Soninha
Anderson Martins – Pé-de-meia
Antonio Calloni – Fratelo
Ary Fontoura – Romeu
Bruno Andrade – Tavinho
Bruno Rocha – Viriato
Carla Marins – Carola
Carlos Duval – Vieira
Carlos Eduardo Dolabella – Marcos
César Filho – Túlio
Chaguinha – Boca Mole
Claudia Abreu – Luzia
Cláudio Cavalcanti – Sandro Galhardo
Cláudio Corrêa e Castro – Napoleão
Daisy Tenório – governanta da casa de Marcos
Deborah Evelyn – Raquel
Dilma Machado – Jurema
Dudu Cardoso – Diogo
Elizabeth Savala – Renata
Eloísa Mafalda – Gioconda
Eri Johnson – Juca
Ernesto Piccolo – Beto
Fafy Siqueira – Fifi
Francisco Dantas – Américo
Geórgia Gomide – Donana
Horácio Veter – Tonho
Ida Gomes – Ma Mére
Igor Lage – Edi
Jonathan Nogueira – Lalau
José Mayer – Raul Galvão
Karine Moura – Nini
Lilia Cabral – Antonieta
Lis Beltrão – Solange
Lúcia Alves – Beatriz
Lupe Gigliotti – Odete
Manoel Elizário – Neco
Marcos Wainberg
Maria Zilda Bethlem – Carina
Marino Jardim – jardineiro de Marcos
Monique Evans – Alaíde
Nelson Xavier – Joel
Oswaldo Louzada – Padre Vicente
Paulo Betti – Laerte
Paulo Celestino Filho
Paulo Gracindo – Candinho
Romeu Evaristo – Sabiá
Rui Rezende – Dr. Victor Assunção
Sandra Bréa – uma das pretendentes de Marcos Mendonça (Carlos Eduardo Dolabella)
Sérgio Ropperto – Roque
Silveirinha – Seu Zequinha
Stênio Garcia – Chico
Taumaturgo Ferreira – Ray
Thereza Castro – mulher do prefeito

Vamos Recordar? Chocolate com Pimenta

CHOCOLATE COM PIMENTA

Novela no estilo de comédia romântica ambientada nos anos 1920 inspirava-se na opereta A Viúva Alegre, de Franz Lehár.


TRAMA PRINCIPAL

Chocolate com Pimenta é uma comédia romântica ambientada na década de 1920 na fictícia Ventura, uma pequena cidade cuja economia gira em torno da fábrica de chocolates e bolos artesanais Bombom, de propriedade do milionário Ludovico (Ary Fontoura). A novela foi inicialmente inspirada na opereta A Viúva Alegre, do compositor húngaro Franz Lehár.

A protagonista, Ana Francisca (Mariana Ximenes), é uma menina humilde, ingênua e romântica que, após perder o pai – assassinado por grileiros no sul do país –, vai morar em Ventura com uma parte da família que não conhece. Mesmo sendo uma espécie de “patinho feio” com seus vestidos pobres e penteados antiquados, a caipira chama a atenção do don juan Danilo (Murilo Benício), o rapaz mais bonito do colégio e a grande paixão da mimada Olga (Priscila Fantin), filha do delegado da cidade, interessada em fisgar aquele bom partido.

Olga percebe o interesse que Ana também sente por Danilo e decide pregar uma peça na moça, que é humilhada publicamente durante o baile de formatura no Instituto de Educação de Ventura, ao qual comparecera a convite do próprio Danilo. O rapaz, porém, para desgosto de Olga, passa a se interessar por Ana Francisca.

Apesar das artimanhas de Olga para impedir o romance dos dois, Ana e Danilo começam a namorar. Para ajudar a família nas despesas da casa, Ana vai trabalhar como faxineira na fábrica de chocolates e conhece Ludovico, mas não faz ideia de quem se trata, já que ele prefere fazer a menina acreditar que é um simples funcionário da empresa. Aos poucos, os dois ficam amigos.

Ana Francisca descobre que está grávida de Danilo. Mas uma armação de Olga e da tia dele, Bárbara (Lilia Cabral), provoca a separação do casal, e Ana não consegue contar a novidade ao namorado. Ao ver o desespero e o sofrimento da jovem amiga, que pensa que Danilo não quis saber do filho, Ludovico revela sua verdadeira identidade e propõe casamento a ela, para dar um nome à criança. Os dois vão para Buenos Aires, na Argentina, onde Ana começa uma vida nova. Lá, ela recebe aulas de etiqueta, dança e música, corta os cabelos à última moda e ganha vestidos finos e joias do marido, transformando-se em uma linda mulher. Ludovico, porém, com a saúde fragilizada, morre pouco depois do nascimento do filho de Ana Francisca.

Rica e acionista majoritária da fábrica de chocolates, Ana volta a Ventura sete anos depois de sua partida, disposta a se vingar. A cidade, que antes a tratava com desprezo, agora a recebe com um grande baile. Para a surpresa geral, ela decide fechar a fábrica, o único sustento de Ventura. A partir de então, passa a enfrentar os artifícios criados pelo prefeito Vivaldo (Fulvio Stefanini), o delegado Terêncio (Ernani Moraes) e o banqueiro Conde Klaus von Burgo (Cláudio Corrêa e Castro), que tentam demovê-la a todo custo da ideia.

À determinada altura, a novela subverte os padrões de um folhetim tradicional, já que os três vilões, interessados em convencer Ana a não transferir a fábrica para outra cidade, fazem tudo para reaproximá-la de Danilo.

A principal antagonista de Ana, porém, é a irmã de Ludovico, Jezebel (Elizabeth Savala), uma mulher ambiciosa que quer tomar o controle da fábrica – o que acaba conseguindo.

Em meio a essa disputa, Ana reencontra Danilo, o grande amor de sua vida e pai de seu filho Tonico (Guilherme Vieira). Embora ainda se amem, os dois não conseguem se entender. Ele – que está noivo de Olga há sete anos – acredita que Ana Francisca o traiu, casando-se com Ludovico por causa de seu dinheiro. Ela quer distância do rapaz por achar que ele a abandonou quando mais precisava de seu apoio. O romance de Danilo e Ana fica mais complicado com as intervenções de Olga e Jezebel, que viram aliadas.

Mesmo com todas as armações da dupla de vilãs, porém, Danilo descobre que é pai de Tonico, e os dois têm um final feliz, com a chegada de mais uma filha. Olga acaba se casando com o soldado Peixoto (Ângelo Paes Leme), que sempre foi apaixonado pela filha do delegado.

TRAMAS PARALELAS

Menino ou menina?

Um dos mistérios da trama gira em torno de Bernardete (Kayky Brito), a filha adotiva de Jezebel (Elizabeth Savala). Quando ficou grávida, Jezebel adoeceu e fez uma promessa a Santa Bernadete: dedicaria a filha à santa. Como acabou perdendo a criança, resolveu adotar uma menina para cumprir a promessa. Sua empregada Cândida (Yeda Dantas) tinha um filho e, sem ter condições de dar uma boa criação ao menino, decidiu levá-lo para ser adotado pela patroa, mantendo em segredo o verdadeiro sexo do bebê. Jezebel percebe que tem uma menina diferente, mas não suspeita da verdade, já que foi Cândida quem sempre cuidou da criança. Bernardete, por sua vez, também acredita ser uma menina, pois cresceu sendo tratada como tal, e não consegue explicar os sentimentos estranhos que tem por Cássia (Luiza Curvo). A verdade só é revelada às vésperas de seu casamento, arranjado pela mãe. Em pânico por não saber o que acontece consigo, Bernardete pede ajuda a Dona Mocinha (Denise Del Vecchio), governanta de Ana Francisca (Mariana Ximenes). Depois de muita insistência, Jezebel concorda em levar a filha ao médico. No consultório, para espanto de todos, descobre-se que Bernardete, na verdade, é um menino. Ele corta os cabelos, passa a usar roupas masculinas e adota o nome de Bernardo.

Vilões farsescos

Inspirados em vilões de desenhos animados, os personagens de Elizabeth Savala, Fulvio Stefanini, Cláudio Corrêa e Castro e Ernani Moraes foram alguns que garantiram o humor da trama com seu tom farsesco. Eles sempre eram os maiores prejudicados em suas próprias armações. Murilo Benício também contribuiu com o lado cômico da novela ao emprestar humor ao mocinho Danilo.

Família Buscapé

Também merece destaque a engraçada família caipira de Ana Francisca (Mariana Ximenes), formada por sua avó Carmem (Laura Cardoso), o tio Margarido (Osmar Prado), a agregada Dália (Carla Daniel) e os primos Timóteo (Marcello Novaes) e Márcia (Drica Moraes): ela, uma caipira que se acha chique; ele, um rústico que faz o público se divertir ao contracenar com Estrela, sua vaca de estimação.

PRODUÇÃO

Os primeiros capítulos da novela mostraram cenas com Mariana Ximenes, Murilo Benício e Ary Fontoura gravadas na Argentina. Serviram de cenários o famoso Teatro Cólon, localizado na Avenida 9 de Julio, centro de Buenos Aires; o Rosedal, parque da cidade; e a localidade de Tigre, próxima à capital argentina.

No Brasil, o elenco gravou na Serra Gaúcha, em pontos turísticos de Gramado (como o Lago Negro), Canela (Parque das Sequoias) e São Francisco de Paula (Ponte do Passo do Inferno). Nesta última foi realizado o desfile da fanfarra de Ventura, com direito a banda, balizas e bandeiras, e uma figuração de 150 moradores da região. Também houve gravações na região serrana do Rio de Janeiro e em São Lourenço, sul de Minas Gerais.

FIGURINO E CARACTERIZAÇÃO

Os figurinos ficaram a cargo de Lessa de Lacerda, que buscou referências em seu próprio álbum de família. A criação do visual dos atores contou com a parceria do supervisor de caracterização Sérgio Azevedo. À frente de suas equipes, os dois cuidaram para que roupas e penteados dos personagens ajudassem a diferenciar as duas fases da novela, marcando a passagem de tempo. Algumas curiosidades foram encontradas nas pesquisas: segundo o figurinista, no início da década de 1920 o comprimento das saias era acima do joelho; no final, acima da canela.

O figurinista Lessa de Lacerda conta que, ao longo da novela, tinha à sua disposição uma bordadeira e uma chapeleira de plantão, já que bordados e chapéus eram muito presentes na época em que era ambientada a trama. A maioria dos figurinos foi feita especialmente para a produção. Ana Francisca (Mariana Ximenes), por exemplo, usou cerca de 40 vestidos pretos na fase de luto da personagem.

No início da trama, Mariana Ximenes usou corpete para achatar os seios, óculos, roupas largas e cabelo de “maria mijona”. Na segunda fase, transformada em viúva glamourosa, ela apareceu de cabelos curtos à la garçonne, com um vestido de corte enviesado, característico do fim da década, lançamento da estilista Madeleine Vionnet. A extravagância de Jezebel (Elizabeth Savala) sofreu influência dos costumes criados pelo estilista Erté, famoso nos anos 1920 por seu estilo exótico e romântico.

Um dos destaques do figurino foi a caracterização de Kayky Brito, típica de uma menina de época. O ator usava vestidos, laços e sapatos de boneca e, como começava a ter pelos nas pernas, tinha de usar meia-calça o tempo todo. Além disso, teve de alongar os cabelos através de uma técnica que consiste no aplique de cabelos naturais que são descoloridos, tingidos e agrupados por tamanho em mechas, coladas aos cabelos dos atores por meio de placas de queratina que derretem com o calor. Foram usadas quase 300 mechas no ator.

A certa altura da trama, a personagem Bárbara, interpretada por Lilia Cabral, voltava à cidade completamente careca e usando uma peruca de franjas que, volta e meia, ficava torta. O efeito resultante da maquiagem aliada aos recursos de computação gráfica ficou tão bom que muitos telespectadores juravam que a atriz havia realmente raspado a cabeça.


CENOGRAFIA E ARTE

José Cláudio Ferreira dos Santos e Eliane Heringer coordenaram a equipe de cenografia da novela. A fictícia Ventura foi construída em uma área de 6 mil m2 na Central Globo de Produção (Projac), livremente inspirada em cidades que sofreram influências de várias colonizações, como Gramado e Canela, no sul do Brasil.

Os destaques da cidade cenográfica eram a fábrica de chocolates (um casarão antigo com paredes de tijolinhos, em estilo inglês do início do século XX); o hotel da personagem Margot, vivida po rRosamaria Murtinho (com fachada inspirada no hotel Quitandinha de Petrópolis, RJ, e o interior remetendo à França dos anos 1920); e a estufa de plantas localizada na praça central, onde também se encontrava uma igreja inspirada na catedral de Nova Trento, de Santa Catarina.

O sítio da família de Ana Francisca foi ambientado no bairro de Camorim, na zona oeste do Rio de Janeiro, que já servira de locação para as minisséries A Muralha (2000) e A Casa das Sete Mulheres (2003). Além de uma casinha típica da roça, feita com material de demolição, foram criados no local galinheiro, viveiro, horta, estábulo, chiqueiro e um lago artificial.

No estúdio, destacou-se o interior da fábrica de chocolates, compartimentada em módulos e com uma loja em estilo francês na frente. Contava com um forno cenográfico de ferro fundido do tamanho de um fogão industrial de dez bocas, um boiler, pias e bancadas de mármore e encanamento aparente. A equipe teve dificuldades em encontrar referências devido à ausência de registros.

A equipe de produção de arte, coordenada por Isabela Sá, visitou diversas feiras de antiguidade no Rio de Janeiro, em São Paulo e Buenos Aires para conseguir os objetos de cena. E também desenvolveu a identidade visual da fábrica de chocolates, desde o logotipo vitoriano e romântico criado nas cores vinho, creme e verde, até as embalagens dos bombons, inspiradas em embalagens inglesas da época.

Toda a linha de chocolates da fábrica foi feita especialmente para a novela, que consumia nas gravações, em média, três quilos de bombons de chocolate por semana. Também foram produzidos mais de dez mil bombons cenográficos em 15 formatos diferentes.
Outro destaque foram os autênticos carros antigos usados em cena, do acervo de um colecionador particular. O personagem de Murilo Benício usava um autêntico Ford Roadster, modelo T, de 1926 – o típico carro de playboy que, na época, ficou conhecido no Brasil como “baratinha”.

A preparação do elenco para viver seus papéis incluiu palestras sobre os anos 1920, ministradas pelo historiador André Ryoki, responsável pela pesquisa da novela. Osmar Prado, Carla Daniel e Juliana Alves ganharam noções de confeitagem, já que seus personagens eram funcionários da fábrica de chocolates. Priscila Fantin, Nívea Stelmann, Maria Maya e Sabrina Rosa fizeram aulas de baliza para as gravações do desfile da fanfarra da cidade. Os atores do núcleo rural – Laura Cardoso, Carla Daniel, Drica Moraes, Osmar Prado e Marcello Novaes – tiveram aulas de prosódia com a pesquisadora Íris Gomes da Costa para lidar com as expressões e singularidades das falas de seus personagens.

CURIOSIDADES

Assim como em outras novelas que dirigiu, Jorge Fernando fez uma participação especial na história, interpretando o palhaço do circo que chega à cidade de Ventura. A novela contou também com a participação de Lucinha Lins e Lauro Góes, como os pais de Danilo (Murilo Benício). Marcos Frota viveu um trapezista do circo, Morcego Voador, que se apaixona por Bárbara, personagem deLilia Cabral. E os cantores Zezé di Camargo e Luciano atuaram, respectivamente, como os personagens Casca e Cascudo, que aparecem no sítio da família de Ana Francisca (Mariana Ximenes). Dália (Carla Daniel) e Cascudo se encantam um pelo outro, e ela vai embora com a dupla.
Chocolate com Pimenta foi a quinta novela de época da carreira de Walcyr Carrasco, e sua terceira na TV Globo, onde antes assinara O Cravo e a Rosa (2000) e A Padroeira (2001). Em 2005, ele escreveu outro sucesso, Alma Gêmea.

anjomau97_logo1-300x231
A comédia agradou o público do horário, e alcançou excelentes índices de audiência, chegando a apresentar médias comparáveis a das novelas das 20h.

Laura Cardoso conta que a trama era tão divertida que, por vezes, o elenco não conseguia conter o riso, sendo obrigado a interromper as gravações.

Osmar Prado conta que o sotaque caipira de seu personagem, Margarido, foi inspirado no modo de falar de seu próprio pai, que era do interior de São Paulo.

Lançada em maio de 2004 no mercado externo, a novela foi vendida para diversos países, entre eles Cazaquistão, Argentina, Chile, Guatemala, Paraguai, Peru, El Salvador, Sérvia e Montenegro, Equador, Venezuela, Ucrânia, Romênia, Moldávia, Bósnia, Portugal, Uruguai, Moçambique, Nicarágua, Costa Rica, EUA e Honduras. Em Portugal, foi líder absoluta de audiência, conquistando o primeiro lugar geral e chegando a ser apresentada em dois horários por dia.

TRILHA SONORA

O pianista e compositor Mú Carvalho assinou a produção musical de Chocolate com Pimenta, cuja trilha inclui uma composição de sua autoria, Apanhei-te Mini-Moog. Músicas tradicionais ganharam novos arranjos, versões e intérpretes. Luiza Possi canta Além do Arco-Íris, versão dela para Somewhere Over the Rainbow, de Harold Arlen e Yip Harburg; Cássia Eller canta Toda Vez que Eu Digo Adeus, versão de Every Time We Say Goodbye, de Cole Porter, feita por Carlos Rennó; Luiz Melodia dá voz a uma versão de Valsa Brasileira, de Edu Lobo e Chico Buarque; e Zezé di Camargo e Luciano regravaram Tristeza do Jeca, de Angelino de Oliveira. Na trilha incidental, ritmos da época como choro, polca, maxixe, valsa e foxtrote embalavam as ações dos personagens.

Nacional

Além do Arco-Íris – Tema de Ana
Compositores: Harold Arlen/ Yip Harburg/ Luiza Possi
Intérpretes: Luiza Possi

Tristeza do Jeca – Tema de Timóteo
Compositores: Angelino de Oliveira
Intérpretes: Zezé Di Camargo & Luciano

Sensação – Tema de Graça
Compositores: Harry Akst/ Benny Davis/ Dudu Falcão
Intérpretes: KLB

Encontro – Tema de Guilherme
Compositores: A. Bonono/ Andrea Bocelli/ F. Sartori/ Dudu Falcão
Intérpretes: Fábio Nestares

Toda vez que eu Digo Adeus – Tema de Olga
Compositores: Cole Porter/ Augusto de Campos/ Carlos Rennó
Intérpretes: Cássia Eller

Voa Bicho – Tema de Margarido
Compositores: Telo Borges/ Márcio Borges
Intérpretes: Milton Nascimento

Pra Lembrar de Nós – Tema de Danilo
Compositores: Vanessa Rangel/ Ary Sperling
Intérpretes: Flávio Venturini

Tá-Hi – Tema de Márcia
Compositores: Joubert de Carvalho
Intérpretes: Eduardo Dusek

Urubu Malandro – Tema de Vivaldo
Compositores: João de Barro/ Louro
Intérpretes: Abraçando Jacaré

Sensível Demais – Tema de Celina
Compositores: Jorge Vercillo
Intérpretes: Nalanda

Valsa Brasileira – Tema do Conde Klaus
Compositores: Edu Lobo/ Chico Buarque
Intérpretes: Luiz Melodia

De um Jeito que Não Sai – Tema de Jezebel
Compositores: Ivan Lins / Ronaldo Monteiro
Intérpretes: Leila Pinheiro

Apanhei-te Mini Moog – Tema de Margot
Compositores: Mú Carvalho
Intérpretes: Mú Carvalho

Chocolate com Pimenta – Tema de abertura
Compositores: Aldir Blanc/ Mú Carvalho
Intérpretes: Deborah Blando

 
Internacional

I’m in the Mood for Love
Compositores: J. Mchugh/ D. Fields
Intérpretes: Rod Stewart

Everytime We Say Goodbye
Compositores: Cole Porter
Intérpretes: Steve Tyrell

Hey There
Compositores: R. Adler/ J. Ross
Intérpretes: Bette Midler

(Somewhere) Over The Rainbow
Compositores: Yip Harburg/ Harold Arlen
Intérpretes: Luiza Possi

In The Mood
Compositores: Andy Razaf/ Joe Garland
Intérpretes: Glenn Miller & Orquestra

Puttin’ on the Ritz
Compositores: Irving Berlin
Intérpretes: Fred Astaire

Night and Day
Compositores: Cole Porter
Intérpretes: Ella Fitzgerald

Mack the Knife (Moritait)
Compositores: Kurt Well / B. Brecht/ Marc Blitzstein
Intérpretes: Louis Armstrong

Stormy Weather (Keeps Rainin’ All the Time)
Compositores: H. Arlen/ T. Koehler
Intérpretes: Etta James

Lover
Compositores: R. Rodgers/ L. Hart
Intérpretes: John Williams & Boston Pops Orchestra

Chocolate Waltz
Compositores: John Windsor
Intérpretes: The John Windsor Company

Good Old Times
Compositores: Fabio Almeida/ Ian Duarte
Intérpretes: Swinging Jellys

Curly Little Girl
Compositores: Fabio Almeida/ Ian Duarte
Intérpretes: Charlie Robins Band

DIVULGAÇÃO

A campanha de lançamento de Chocolate com Pimenta, criada pela Central Globo de Comunicação, contou com anúncios e filmes vinculando tipos de chocolate a personagens da novela. Também foi realizado um festival gastronômico em parceria com 23 restaurantes do Rio de Janeiro e 12 de São Paulo. Durante cerca de um mês antes da estreia da novela, os estabelecimentos ofereceram em seus cardápios pratos à base de chocolate e pimenta, criados exclusivamente para o evento e batizados com os nomes dos personagens da trama.

ELENCO

Adélia Lazari – Dona Hortência (florista)
Alexandre Barillari – Beto
Andréa Avancini – Yvete
Angelo Paes Leme – Soldado Peixoto
Antônio Grassi – Reginaldo
Armando Paiva – Morador de Ventura
Ary Fontoura – Ludovico
Ary França – Epaminondas
Bruno Pereira – Thiago
Cacá Bueno – Elias
Caco Ciocler – Martim
Carla Daniel – Dália
Carlos Alberto – Juiz
Cássia Linhares – Nádia
Cássio Pandolfi
Charles Myara – Pai de Ana Francisca
Chico Carvalho – Detetive Horácio
Cláudia Borioni – Madre Superiora
Cláudio Corrêa e Castro – Conde Klaus von Burgo
Daniel Barcelos – Joalheiro, pai de Fabrício
Denise Del Vecchio – Dona Mocinha
Drica Moraes – Márcia
Élida L’Astorina – Mãe de Fabrício
Elizabeth Savalla – Jezebel
Ernani Moraes – Terêncio
Flávio Ozório – Comerciante
Francisco Fortes – Astolfo
Fúlvio Stefanini – Vivaldo
Gabriel Azevedo – Fabrício
Guilherme Piva – Paulo
Guilherme Vieira – Tonico
Gustavo Otoni – Jurado
Hilda Rebello – Matilde
Isaac Bardavid – Defensor público
Jardel Mello – Romão, sócio de Ismênia
Jean Felipe – Palito
Jorge Fernando – Palhaço do circo
José Steimberg – Médico que examina Graça
Juliana Alves – Selma
Kayky Brito – Bernardete (Bernardo)
Keruse Bongiolo – Amélia
Laura Cardoso – Carmem
Lauro Góes – Leonardo
Lília Cabral – Bárbara
Luciana Barbosa – Pureza
Lucinha Lins – Elvira
Lucy Mafra – Venúsia
Luiz Antônio – Jóia (Vitor)
Luiza Curvo – Cássia
Malu Valle – Ismênia
Marcela Barrozo – Estela
Marcello Novaes – Timóteo
Marcelo Barros – Araújo
Marco Miranda – Ladislau, perito
Marcos Frota – Morcego Voador (trapezista)
Maria Maya – Lili
Maria Silvia – Vizinha de Aninha
Mariana Ximenes – Ana Francisca
Mário Cardoso – Delegado
Mário César Camargo – Maquinista do trem
Miriam Pires – Parteira de Graça
Mônica Carvalho – Gigi
Murilo Benício – Danilo
Nívea Stelmann – Graça
Odilon Wagner – Dono da fábrica de tecidos
Osmar Prado – Margarido
Patrícia França – Sofia
Paulo de Almeida – comparsa de Juvenal
Paulo Rezende
Priscila Fantin – Olga
Renato Chocair – Eugênio
Renato Rabelo – Padre Eurico
Ricardo Martins – Quincas
Roberto Bomtempo – Juvenal
Roberto Frota – Dr. Eusébio, assessor do Secretário de Segurança Pública
Rodrigo Faro – Guilherme
Rômulo Medeiros
Rosamaria Murtinho – Margot
Rosane Gofman – Roseli
Rosina Lobosco – Dona Micaela
Sabrina de Souza Ferreira – Darlene
Sabrina Rosa – Verinha
Samara Felippo – Celina
Samuel Mello – Beleza (Vinícius)
Sarah Maciel – Bernardete criança
Sérgio Fonta – Mestre Lael
Sônia de Paula – Mulher de Epaminondas
Tânia Bondezan – Marieta
Tarcísio Filho – Sebastian
Thiago Farias
Vicente Barcellos
Victor Pecoraro – Maurício
Viviane Porto – Inácia
Walney Costa – Coronel Leitão
Yêda Dantas – Cândida
Zezé di Camargo e Luciano – Cascão e Cascudo

FONTES

Depoimentos concedidos ao Memória Globo por Walcyr Carrasco(12/03/2007), Laura Cardoso (14/08/2008), Lilia Cabral(22/06/2009), Osmar Prado (07/12/2010), Lessa de Lacerda(20/06/2006); Boletim de Programação da Rede Globo, 06/2003, 07/2003, 08/2003, 09/2003, 11/2003, 12/2003, 01/2004, 02/2004, 03/2004, 04/2004, 05/2004; Centro de Documentação da TV Globo (Cedoc); MEMÓRIA GLOBO. Entre Tramas, Rendas e Fuxicos – O Figurino na Teledramaturgia da TV Globo, Editora Globo, 2007; MEMÓRIA GLOBO. Autores – Histórias da Teledramaturgia. São Paulo, Editora Globo, 2008; MEMÓRIA GLOBO. Guia Ilustrado TV Globo – Novelas e Minisséries. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2010; BORGES, Robinson. “Walcyr Carrasco adapta ‘Viúva alegre’ para as 18h” In: Valor, 12/08/2003; CARDOSO, Rachel. “Sabor de sucesso” In: Diário de São Paulo, 08/10/2003; CASTRO, Daniel Castro. “Governo veta novela das 18h antes das 20h” In: Folha de São Paulo, 09/08/2003; “Censura livre para ‘Chocolate com Pimenta’” In: Jornal da Tarde, 14/08/2003; DUARTE, Alessandro. “O sucesso de Carrasco” In: Veja, 01/10/2003; GALLO, Renata. “Autor cede às regras do folhetim” In: O Estado de São Paulo, 29/08/2003; HAMBURGER, Esther. “´Chocolate’ remete aos primórdios do gênero” In: Folha de São Paulo, 10/09/2003; JIMENEZ, Keila. “Autor inverte clichê na próxima novela das 6” In: O Estado de São Paulo, 02/07/2003; KNOPLOCH, Carol. “‘Chocolate’ adoça ibope das 6” In: O Estado de São Paulo, 29/09/2003; KOGUT, Patrícia. “Controle remoto” In: O Globo, 16/03/2004; MERTEN, Luiz Carlos. “Mais pimenta do que chocolate” In: O Estado de São Paulo, 10/09/2003; MOREIRA, Paulo Ricardo. “Ana desiste da vingança. Por enquanto” In: O Globo, 30/11/2003; MOUSSE, Simone.“Novela das 6 com ibope nobre” In: O Globo, 12/10/2003; “O humor de Benício” In: Agora, 11/11/2003; “Os noveleiros estão vivendo seus dias de glória” In: Jornal da Tarde, 04/11/2003; “Paixão bem curiosa” In: O Dia, 21/09/2003; REIS, Leila. “Público gosta de histórias tradicionais” In:O Estado de São Paulo, 27/10/2003; http://www.somlivre.com.br, acessado em 02/2006; http://www.teledramaturgia.com.br, acessado em 02/2006; http://us.imdb.com, acessado em 02/2006.


Vamos Recordar? Anjo Mau (1997)

ANJO MAU – 2ª VERSÃO

Remake deu nova vida à personagem Nice, a ambiciosa babá que faz qualquer coisa para conquistar seu amado.

TRAMA PRINCIPAL

Anjo Mau é uma adaptação da novela homônima escrita por Cassiano Gabus Mendes e exibida pela TV Globo em 1976. Diferentemente da versão original, que se passava no Rio de Janeiro, o remake tem São Paulo como cenário.

A novela traz como protagonista e personagem-título a ambiciosa e dissimulada Nice (Gloria Pires), cujo lado obscuro só é conhecido pelo telespectador. Filha adotiva de Augusto (Cláudio Corrêa e Castro) e Alzira (Regina Dourado), ela busca ascensão social a qualquer custo. A mãe, uma mulher amargurada, é a única capaz de perceber a perversidade da filha, mantendo-se sempre atenta a seus passos.

Inconformada com sua vida, que considera medíocre e sem perspectivas, Nice se enche de esperança quando surge uma oportunidade de trabalho na mansão dos Medeiros, onde seu pai é motorista há anos. Ela aceita a vaga de babá do filho de Stela (Maria Padilha) e logo percebe em Rodrigo (Kadu Moliterno), irmão da patroa, uma saída para seus problemas. Nice decide conquistá-lo, apesar de ele ser noivo de Paula (Alessandra Negrini), e passa por cima de todos para atingir seu objetivo; mas se apaixona de verdade.

Nice acaba fazendo Rodrigo descobrir o romance de Paula com seu próprio irmão, o bon vivant Ricardo (Leonardo Brício). Arrasado, Rodrigo se torna um homem insensível, que não mais acredita nas mulheres. Para se vingar da ex-noiva, ele passa a sair com Nice, mas logo se sente culpado por estar usando a empregada. Desolado, começa a se relacionar também com Lígia (Lavínia Vlasak), que pertence à sua classe social e é apaixonada por ele desde menina. Mas Luiz Carlos (Márcio Garcia), irmão de Nice, também se envolve com a moça, e torna-se a maior arma da babá para tirá-la do caminho de Rodrigo.

Enquanto isso, o mecânico Julio (Luciano Szafir), ex-namorado de Nice, sofre por seu amor. Bonito e charmoso, ele atrai todos os tipos de mulheres, mas só tem olhos para a amada, cujo carinho passa a novela toda mendigando, em vão.

No decorrer da trama, Nice descobre que é filha biológica de Alzira, fruto de um estupro. Depois de tê-la abandonado em um orfanato, Alzira se arrependeu e buscou a criança, sem nunca revelar seu segredo a ninguém. Mas a mãe nunca conseguiu amar a filha, mal escondendo sua rejeição ao longo de todos aqueles anos.

Nice finalmente consegue se casar com Rodrigo e engravida. O parto, porém, não é tranquilo, e a ex-babá, com graves complicações de saúde, fica à beira da morte. No leito do hospital, ela recebe a visita de Alzira, que pede desculpas à filha por tê-la rejeitado, e de Rodrigo, que declara seu amor e implora que ela não o abandone sozinho com o filho. Mas Nice desfalece e entra em coma, deixando o marido desesperado.

Tempos depois, Nice reaparece na casa de Rodrigo, durante um jantar que reúne toda a família Medeiros. Todos ficam muito surpresos com sua chegada, e a ex-babá diz que vai embora com seu filho para se conhecer melhor e resgatar a pessoa boa que ela sabia que era.

A novela termina quando Nice, com seu bebê nos braços, tem uma grande surpresa ao encontrar Rodrigo no mesmo avião em que vai viajar. Na última cena, os dois brindam ao começo de uma nova vida.

PRODUÇÃO

Anjo Mau foi gravada na Central Globo de Produção, o Projac, no Rio de Janeiro; e em diversas locações da capital paulista, como o clube Hebraica e a Fundação Oscar Americano.

O hall e o bar da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), em São Paulo, serviram de cenário para o núcleo jovem da trama, formado, entre outros, por Vivian (Taís Araújo), Simone (Samara Felippo), Bruno (Emilio Orciollo Netto) e Helena (Bel Kutner), todos estudantes ligados à moda e à arte. No Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), no Parque do Ibirapuera, foram gravados muitos encontros de Ricardo (Leonardo Brício) e Paula (Alessandra Negrini).

CURIOSIDADES

Anjo Mau marcou duas importantes estreias: a do diretor Carlos Manga em novelas, depois de 50 anos de carreira, e a da autora Maria Adelaide Amaral que, pela primeira vez, assinava uma novela sozinha, após colaborar com Cassiano Gabus Mendes eSilvio de Abreu em outras produções.

Maria Adelaide Amaral fez muitas modificações na história, e criou novos núcleos e personagens para adequar a trama ao ritmo e à linguagem das telenovelas do final da década de 1990.

Gloria Pires e Cláudio Correa e Castro em cena de Anjo Mau

Os nomes de alguns personagens foram trocados no remake. O patriarca da família Medeiros se chamava Edmundo na versão original, tendo sido rebatizado de Eduardo na nova versão.

Alguns atores estiveram presentes nas duas versões de Anjo Mau. Átila Iório viveu o mesmo personagem nas duas produções, só que, na primeira versão, ele se chamava Onias, e, na segunda, Josias.

Assim como na novela exibida em 1976, o casal Stela (Maria Padilha) e Tadeu (Daniel Dantas) foi um sucesso. No original, os dois foram interpretados por Pepita Rodrigues e Osmar Prado, sendo que o personagem Tadeu se chamava Getúlio.

Maria Padilha em Anjo Mau

Susana Vieira, a Nice da versão original, fez uma participação especial no último capítulo, como a nova babá contratada pelos Medeiros.

Na primeira versão de Anjo Mau, Nice morre no parto. Maria Adelaide Amaral, autora do remake, já havia decidido que não a mataria – muitos telespectadores se manifestaram contra a morte da personagem –, mas chegou a pensar em escrever para a babá um final semelhante ao da personagem Nora, da peça Casa de Bonecas, de Henrik Ibsen: ela iria embora sozinha. O desejo do público, porém, falou mais alto, e Nice terminou ao lado de Rodrigo.

O ator Mauro Mendonça, intérprete do personagem Rui Novaes, teve de aprender a jogar golfe para atuar na novela.

Anjo Mau foi reapresentada no ano de 2003, em Vale a Pena ver de Novo.

A novela foi vendida para cerca de 30 países, entre eles Bolívia, Estônia, França, Rússia, Senegal e Venezuela.

Os saudosos Claudio Correa e Castro e Regina Dourado em Anjo mau

TRILHA SONORA

A canção Meu Mundo e Nada Mais, de Guilherme Arantes, tema de Rodrigo (Kadu Moliterno), também integrou a trilha sonora da versão original da novela, exibida em 1976. A música era tema do mesmo personagem, na época interpretado por José Wilker.

Nacional


Ser Igual é Legal – Tema de Vivian
Compositores: Carlos Careca/ Adriano Sátiro
Intérprete: Vânia Abreu

Cruzando Raios – Tema de abertura
Compositores: Orlando Morais e Tony Costa
Intérprete: Orlando Moraes

Sonhos Não São Impossíveis – Tema de Paula
Compositores: Curi/ Márcio Monteiro
Intérprete: Adriana

Hiper Conectividade – Tema de Luís Carlos
Compositores: Lulu Santos
Intérprete: Lulu Santos

Ai Mouraria – Tema de Américo
Compositores: Amadeu Do Vale/ Frederico Valério
Intérprete: Roberto Leal

Meu Mundo e Nada Mais – Tema de Rodrigo
Compositores: Guilherme Arantes
Intérprete: Guilherme Arantes

Menina Moça – Tema de Simone
Compositores: Tito Madi/Luiz Antônio
Intérprete: Miltinho e Luiz Melodia

Um Amor, Um Lugar – Tema de Helena
Compositores: Herbert Vianna
Intérprete: Fernanda Abreu e Herbert Vianna
 
O Sonho Acabou – Tema de Fred e Goreti
Compositores: Arthur Kent / Sylvia Dee/ Ronaldo Bastos
Intérprete: Roupa Nova

Estrela do meu Céu – Tema de Júlio
Compositores: Cláudio Goldman
Intérprete: Cláudio Goldman

Un Jour Tu Verras – Tema de Clô
Compositores: Marcel Mouloudji/ Georges Van Parys
Intérprete: Maysa

A História de Lili Brown – Tema de Ricardo
Compositores: Chico Buarque/ Edu Lobo
Intérprete: Leila Pinheiro

Eu Sei Que Vou Te Amar – Tema de Nice
Compositores: Tom Jobim/ Vinicius de Moraes
Intérprete: Anna Lengruber

Moon River – Tema de Lygia
Compositores: Henry Mancini/John H.Mercer
Intérprete: Roger Henri

Internacional:


Cantare È D’Amore – Tema de Fred e Goreti
Compositores: A. Minghi / P. Panella
Intérprete: Amedeo Minghi

So Beautiful – Tema de Nice
Compositores:
Chris de Burgh
Intérprete: Chris de Bourgh

Santeria
Compositores:
Bradley J. Nowell
Intérprete: Sublime

Besame Mucho
Tema de Stela e Tadeu
Compositores: Consuelo Velázquez
Intérprete: Luis Miguel

Truly Madly DeeplyTema de Luís Carlos
Compositores: Daniel Jones / Darren Hayes
Intérprete: Savage Garden

Virtual InsanityTema de Duda
Compositores: Toby Smith
Intérprete: Jamiroquai

Let’s Stay TogetherTema de Vivian
Compositores: Al Green
Intérprete: Big Montain

Solo En TiTema de Lygia
Compositores: Vince Clarke
Intérprete: Enrique Iglesias

Who Will Save Your SoulTema de Paula
Compositores: Jewel Kilcher
Intérprete: Jewel

Mouth
Compositores
Intérprete:
Joan Evans

How Come, How Long Tema de Rodrigo
Compositores: Babyface / Stevie Wonder
Intérprete: Babyface & Stevie Wonder

Love 4 Two Tema de Simone
Compositores
Intérprete:
Lulu Joppert

I’d Love You To Want Me Tema de Julio e Helena
Compositores
Intérprete:
Lord Magoo

What Do You Want From Me – Tema de Ricardo
Compositores: Potts / Hook
Intérprete: Monaco

ABERTURA

A Central de Atendimento ao Telespectador (CAT) da Rede Globo registrou muitas ligações de telespectadores interessados nos itens exibidos na abertura da novela, que mostrava uma noiva se maquiando com produtos de uma empresa de cosméticos.

A abertura foi criada pela equipe de Hans Donner.

  

AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS

Por meio de novos personagens e tramas que não existiam na versão original da novela, o remake abordou temas como a diferença de classes e o preconceito racial. A personagem Vivian (Taís Araújo) combate o racismo e defende os direitos dos negros, atuando como porta-voz de questões como a participação no mercado de trabalho e o acesso às universidades.

Anjo Mau também abordou a violência sexual, por meio da tentativa de estupro de Vivian por Ricardo (Leonardo Bricio). Após a agressão, Vivian se dirige ao Instituto Médico Legal e submete-se a exame de corpo de delito. A novela informou todos os passos que a mulher deve tomar em um caso como esse. Na trama, Ricardo se transforma em uma pessoa melhor, desculpa-se, e é absolvido em seu julgamento. Ele e Vivian se casam no final da trama.

A reinserção social de um menor abandonado foi outra questão importante inserida na novela. Atendendo a um pedido de Ricardo, que passou a dedicar-se às causas sociais, Alzira (Regina Dourado) adota um menino de rua, dando-lhe a oportunidade de conviver em família. Em seguida, cria um orfanato em sua própria casa.

ELENCO

Ada Chaseliov – Dora
Alessandra Negrini – Paula
Ana Beatriz Nogueira – Eduarda
Ana Beatriz Nogueira – Eduarda
Ariclê Perez – Elisinha Jordão Ferraz
Átilla Iório – Josias
Beatriz Segall – Clotilde Jordão
Bel Kutner – Helena Ferraz
Bruno La Roque Guimarães – Téo
Carlos Kroeber – Conrado
Carlos Kroeber – Conrado
Cida Moreira – Colega de Nice (Glória Pires) na fábrica
Cláudio Corrêa e Castro – Augusto
Daniel Dantas – Tadeu Fachini
Emilio Orciollo Netto – Bruno Novaes
Francisco Milani – Empresário
Gabriel Braga Nunes – Olavo Ferraz
Glória Pires – Nice
Ilana Cruz – Noiva
Ivens Godinho – Supervisor da fábrica
Ivone Hoffmann – Geralda
Jackson Antunes – Frederico Jordão (Freddy)
Jaqueline Fernandes – Candidata a babá
José Lewgoy – Eduardo Medeiros
Júlio Braga – Gastão
Kadu Moliterno – Rodrigo Medeiros
Lavínia Vlasak – Lígia Furtado
Léa Garcia – Aparecida Ribeiro (Cida)
Leonardo Brício – Ricardo Medeiros
Leticia Hees – Babá despedida
Licurgo Spínola – Celso
Licurgo Spínola – Celso
Lilia Cabral – Goreti Garcia
Luciano Szafir – Júlio Malagoni
Luis Salem – Beny Garcia
Luiza Brunet – Teresa Novaes
Marcela Rafea – Socorro
Márcio Garcia – Luiz Carlos Machado
Maria Padilha – Stela Medeiros Fachini
Mauricio Gonçalves – Ivan
Mauricio Gonçalves – Ivan
Mauricio Gonçalves – Ivan
Mauro Mendonça – Rui Novaes
Mila Moreira – Maria Lucinda Abreu Furtado (Marilu)
Mônica Mattos – Fátima
Niwa Yanagizawa – Colega de Nice (Glória Pires) na fábrica
Noris Barth – Marcy
Raul Gazolla – Ciro Furtado
Regina Dourado – Alzira
Samara Felippo – Simone Garcia
Sérgio Mamberti – Otávio Ferraz
Sérgio Mamberti – Otávio Ferraz
Sérgio Viotti – Américo Abreu
Susana Vieira
Susana Vieira – Participação especial como a nova babá de Téo no último capítulo
Taís Araujo – Vivian
Thelma Reston – Tiana
Thiago de La Roque Guimarães – Téo

FONTES

Depoimentos concedidos ao Memória Globo por:  Maria Adelaide Amaral (09/02/2006), Mauro Mendonça (05/11/2007); Boletim Especial de Programação da Rede Globo, 09/1997; Centro de Documentação da TV Globo (Cedoc); “‘Anjo mau’ sai do fundo do baú” In: Jornal do Brasil, 30/06/1997; JARDIM, Vera. “Lá vem a noiva da Avon” In: Jornal do Brasil, 09/11/1997; MEMÓRIA GLOBO. Dicionário da TV Globo, v.1: Programas de Dramaturgia & Entretenimento. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2003; MEMÓRIA GLOBO. Autores – Histórias da Teledramaturgia. São Paulo, Editora Globo, 2008; MEMÓRIA GLOBO. Guia Ilustrado TV Globo – Novelas e Minisséries. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2010.



Vamos Recordar? Sétimo Sentido

SÉTIMO SENTIDO

A atriz Regina Duarte interpretou duas personagens em novela que explorou o tema da paranormalidade.


TRAMA PRINCIPAL

Regina Duarte em Sétimo Sentido

A trama principal de Sétimo Sentido gira em torno da paranormal Luana Camará (Regina Duarte). Luana é uma jovem professora, tímida e discreta. Nasceu em Casablanca, no Marrocos, mas é filha de brasileiros. Durante o período Vargas, seus pais se viram obrigados a sair do país por problemas políticos. Muito ricos, deixaram a fortuna nas mãos de Antônio Rivoredo (Carlos Kroeber), melhor amigo do pai de Luana. Alguns anos depois, Luana perde os pais e está certa de que reaverá seu patrimônio, mas Antônio Rivoredo não devolve os bens da jovem, como havia prometido. No início da história, Luana está de malas prontas para vir ao Brasil com o objetivo de recuperar a fortuna de sua família, roubada pelos Rivoredo.

Francisco Cuoco em Sétimo Sentido

O braço direito de Antônio Rivoredo é Tião Bento (Francisco Cuoco), principal mentor das trapaças contra os Camará. Ainda nos capítulos iniciais, Antônio morre, e o ambicioso Tião fica de olho na direção das empresas e no dinheiro de Rivoredo, tornando-se o principal antagonista de Luana. Mau-caráter e sedutor, Tião Bento trabalha como empresário, mas sonha em ser ator. Fã de Errol Flynn, vive interpretando cenas de filmes famosos e anseia por uma oportunidade de entrar no meio artístico. Metido a Don Juan, tem uma curiosa mania: guarda sempre um pé de sapato das mulheres que seduz.

Tião Bento enfrenta a oposição de outra mulher: Sandra Rivoredo (Natália do Vale), a filha mais velha de Antônio, criada para substituir o pai nos negócios. É a presidente das Indústrias de Gêneros Alimentícios Catarina e faz tudo para afastar Tião da direção da empresa. Bom-caráter e responsável ao extremo, chega a abdicar de sua vida pessoal em prol dos negócios.

Carlos Alberto Ricelli em cena de Sétimo Sentido

Outro personagem que cruza o caminho de Luana Camará é Rudy (Carlos Alberto Ricelli), filho de Antônio e Santinha Rivoredo (Eva Todor). Rudy desperta a paixão de Luana, mas o caminho não está livre para ela, pois ele é casado com a possessiva Helenice (Beth Goulart). Apesar disso, Rudy também fica balançado com Luana, o que acaba piorando sua relação com a mulher, que já não estava boa. Esportista reconhecido, Rudy gosta de liberdade. É muito aventureiro e sempre se destacou pela ousadia. Helenice, no entanto, critica a postura do marido, pois sente muito medo de sua profissão que, muitas vezes, coloca a própria vida em risco. Os dois brigam muito por conta disso, desgastando o relacionamento dia após dia.

Fernando Torres, Eva Todor, Ruth de Souza e Otávio Augusto em cena de Sétimo Sentido

TRAMAS PARALELAS

Os Rivoredos

As relações familiares dos Rivoredo são algumas das tramas paralelas de Sétimo Sentido. Completam o núcleo ligado à família o caçula Tony (Paulo Guarnieri), Valério (Armando Bógus), novo marido de Santinha, e Harold Bergman (Fernando Torres), irmão da matriarca. Tony é um típico jovem da zona sul carioca: alegre, extrovertido e cheio de vida. Valério é um ator medíocre, sempre escalado para desempenhar papéis secundários. Após casar-se com Santinha, no entanto, sua carreira ganha um impulso, graças aos financiamentos de filmes feitos pela própria mulher. Harold, por sua vez, é um arqueólogo milionário, diretor de uma companhia de pesquisas submarinas. Tem adoração pelos sobrinhos e exerce muita influência sobre eles.

Fernando Torres em Sétimo Sentido

Entre outros personagens marcantes de Sétimo Sentido estava Gisa (Tamara Taxman), a caminhoneira filha de Tomaz (Ênio Santos), jardineiro da família Rivoredo. Bonita e extremamente franca, ela entrou para a lista de “mulheres do povo” criadas por Janete Clair, como Chica Martins, de Fogo sobre Terra (1974), Ana Preta, de Pai Herói (1979) e Maria-Faz-Favor, de Coração Alado (1980). Na época,Janete Clair divulgou que sentia necessidade de ter em seus enredos uma espécie de porta-voz do povo, aquele personagem que diz o que todos gostariam de dizer.

Tamara Taxman e Ênio Santos em cena de Sétimo Sentido

O retorno ao Brasil

Para reaver seus bens, Luana conta com a ajuda de Danilo Mendes (Cláudio Cavalcanti), jornalista que sonha ser cineasta. Em meio a tantos obstáculos, Luana fica desmotivada e decide voltar para sua cidade natal, Casablanca. A novela dá uma reviravolta quando a protagonista retorna ao Brasil encarnando a personalidade da falecida atriz italiana Priscila Capricce. Luana, que já manifestava sinais de paranormalidade, acaba sofrendo uma transformação radical e seu corpo é tomado pelo espírito da atriz. Extrovertida, sensual e esfuziante, Priscila não lembra Luana em nada, a não ser fisicamente.

Natália do Valle e Cláudio Cavalcanti em Sétimo Sentido

A trama se complica ainda mais quando Priscila consegue seduzir o principal rival de Luana, Tião Bento, e os dois acabam se casando, numa das cenas de maior destaque da novela. A cerimônia é realizada numa comunidade cigana à qual Luana havia se integrado antes de transformar-se em Priscila. Os dois chegam ao local da festa montados em cavalos brancos. Ao som de violinos, entre ciganos, os dois dançam.

Jacqueline Laurence em “Sétimo”

Em determinados momentos da história, o espírito de Priscila deixava o corpo de Luana. Em uma dessas vezes, Luana procura por Célia (Jacqueline Laurence), uma parapsicóloga sensitiva com quem ela decide fazer uma série de terapias de regressão. Célia diz a Luana ser preciso saber o que Priscila deseja para depois enfrentá-la. Duas importantes revelações são feitas. Primeiro: descobre-se que Luana e Priscila foram irmãs gêmeas em outras vidas, Luciana (Luana) e Maria Pia (Priscila). Maria salvara a vida de Luciana, criando assim, uma dívida de gratidão com a irmã, que seria resgatada no presente. A segunda revelação feita ao telespectador é que Priscila luta para descobrir o paradeiro de sua filha, por isso seu espírito não deixa o corpo de Luana. Célia consegue descobrir que Priscila deixará Luana em paz se ela conseguir localizar a menina.

Tião Bento, por sua vez, começa a ficar irritado com as repentinas mudanças no comportamento de sua mulher, que ele acredita ser Priscila. Ao descobrir que a verdadeira Priscila Capricce falecera há um ano e que sua mulher, na realidade, é Luana Camará, Tião mostra-se disposto a ajudá-la. Ele entra em contato com a parapsicóloga Célia e revela que, na realidade, sempre amou Luana, e não Priscila. A partir daí, Tião transforma-se no maior aliado e protetor da protagonista. Luana, no entanto, lembra a Tião que continua apaixonada por Rudy. Mesmo assim, ele não desiste de lutar pelo seu amor.

Através de um sonho, Luana descobre o nome do orfanato onde a filha de Priscila está. Tião vai em busca da menina, junto com sua avó materna, Augusta (Heloísa Helena), e consegue encontrar Cila (Gabriela Bicalho), a filha de Priscila. Ao ficar cara a cara com Cila, Luana imediatamente volta a ser Priscila. Emocionada, ela diz à filha que Tião é seu novo pai. Célia convence Priscila a abandonar o corpo de Luana, lembrando que seu tempo de vida terminou, e ela promete deixá-la definitivamente livre.

Enquanto isso, com a ajuda do advogado Pratini (Reinaldo Gonzaga), Danilo luta para levar o caso de Luana adiante. Ele consegue ter acesso a documentos que provam que a família Camará é proprietária legítima do patrimônio dos Rivoredo e entra com uma ação reivindicando os bens de Luana. No dia do julgamento, penúltimo capítulo de Sétimo Sentido, Janete Clair mobilizou o público, centrando o debate sobre o fenômeno da dupla personalidade. Em vários momentos Luana volta a ser Priscila, para desespero de Célia, que luta para libertar Luana do espírito da atriz em pleno tribunal.

A surpresa fica por conta de Tião Bento. Ao ser chamado para depor, Tião diz ao juiz que, de fato, Antônio Rivoredo assinou um contrato se comprometendo a devolver as Indústrias Catarina a Agenor Camará e exibe o verdadeiro documento. Luana ganha a causa na Justiça e recupera todo seu patrimônio.

No último capítulo da novela, para tristeza de Rudy, Luana decide ficar com Tião, e os dois se casam. Passam-se dois anos e a última seqüência da história mostra Tião e Luana brincando no jardim com o filho, Sebastião, formando uma família feliz.

PRODUÇÃO

Sétimo Sentido teve cenas gravadas em Casablanca, no Marrocos. A equipe de produção, no entanto, encontrou algumas dificuldades durante as gravações devido a uma lei que proibia a filmagem de lugares públicos. A solução foi viajar a lugarejos próximos da cidade para fazer algumas externas.

FIGURINO E CARACTERIZAÇÃO

Francisco Cuoco e Regina Duarte em cena de “Sétimo”

A equipe de figurino, liderada por Marco Aurélio, caprichou no visual de Regina Duarte para mostrar a diferença radical entre as duas personagens que a atriz interpretava. A discreta Luana usava roupas simples e poucos acessórios, ao contrário da exuberante Priscila, que parecia estar sempre pronta para uma festa.

A maquiagem também ajudou a marcar a diferença entre as duas personalidades. Quando Luana se transformava em Priscila, entravam em cena cílios postiços, batons de cores forte e muito blush.

CENÁRIOS

Os diretores Roberto Talma e Guel Arraes inovaram ao realizar algumas cenas de Sétimo Sentido no Consulado Geral de Portugal, que nunca havia sido aberto a uma gravação. Em suas estranhas visões, Luana (Regina Duarte) revive um baile de máscaras do início do século nos elegantes salões do prédio, que chamam atenção por detalhes arquitetônicos do norte português e preciosidades como pisos em mármore da Árrabida, móveis do século XVII e lanternas barrocas.

BASTIDORES

Em Sétimo Sentido, Janete Clair fez uma homenagem ao marido, o dramaturgo Dias Gomes. Em determinado momento da história, a atriz Priscila Capricce está em cartaz com a peça O Santo Inquérito, de Dias Gomes. Priscila interpretava Branca Dias, personagem vivida por Regina Duarte no teatro, em 1978. A cena de Priscila como Branca foi marcante.

CURIOSIDADES

Em Sétimo Sentido, Janete Clair volta ao tema da dupla – ou mesmo múltipla – personalidade, já explorado pela autora em outras novelas como Irmãos Coragem (1970), em que Glória Menezes vivia Lara, uma mulher que assumia duas outras personalidades, e Selva de Pedra (1972), na qual Simone, também papel de Regina Duarte, assumia a identidade de Rosana Reis.

Regina Duarte e Francisco Cuoco voltaram a fazer par romântico em uma novela de Janete Clair. A primeira vez foi em Selva de Pedra, no ano de 1972.

Para escrever as cenas de Luana, Janete Clair contava com a assessoria da parapsicóloga nicaragüense Telma Tablada. Diversos estudiosos do espiritismo, no entanto, criticaram a trama criada por Janete Clair. Alegavam ser impossível a possessão de um espírito sobre uma pessoa durante tanto tempo. A autora afirmou ter estudado durante um ano temas relativos à paranormalidade, parapsicologia, espiritismo e inconsciente e divulgou em diversas entrevistas à imprensa que, apesar de tentar manter o compromisso com a realidade, estava escrevendo uma ficção.

TRILHA SONORA

Nacional:

Esotérico
Compositores: Gilberto Gil
Intérprete: Gilberto Gil
 
Jeito de Amar
Compositores: Mauro Kwitko/ Pisca
Intérprete: Ney Matogrosso
 
A Cada Momento  
Compositores: Mauricio Gasperine
Intérprete: Maurício
 
Ser, Fazer, Acontecer
Compositores: Luiz Gonzaga Jr.
Intérprete: Luiz Gonzaga Jr.
 
Charme do Mundo
Compositores: Antonio Cícero/ Marina Lima
Intérprete: Marina Lima
 
As Vitrines
Compositores: Chico Buarque
Intérprete: Chico Buarque
 
Atlântida
Compositores: Rita Lee/ Roberto De Carvalho
Intérprete: Rita Lee
 
Coisa Linda
Compositores: Vinícius Cantuária
Intérprete: Vinícius Cantuária
 
Faltando um Pedaço
Compositores: Djavan
Intérprete: Djavan
 
Atiraste uma Pedra
Compositores: Herivelto Martins/ David Nasser
Intérprete: Maria Bethânia
 
Disse Alguém (All of me)
Compositores: Simons/ Marks (Versão: Haroldo Barbosa)
Intérprete: João Gilberto, Caetano Veloso e Gilberto Gil
 
Magia
Compositores: MPB4/ Kleyton Ramil
Intérprete: MPB-4
 
Então Tá
Compositores: Naila Skorpio/ Guto Graça Mello
Intérprete: Cauby Peixoto
 
Internacional:


Empty Garden
Compositores: Elton John e Bernie Taupin
Intérprete: Elton John
 
Anyone out There
Compositores: Le Bon/ Rhodes/ A. Taylor/ R. Taylor/ J. Taylor
Intérprete: Duran Duran
 
Castles in the Air
Compositores: Don McLean
Intérprete: Don McLean
 
The Other Woman
Compositores: Ray Parker Jr.
Intérprete: Ray Parker Jr.
 
Walk Away
Compositores: Matt Monro/ Don Black/ Udo Jürgens
Intérprete: Udo Jürgens
 
Gigolo
Compositores: Fonce e Larry Mizell
Intérprete: Mary Wells
 
Silenzio
Compositores:
Intérprete: Bianco
 
Chariots of Fire
Compositores: Vangelis Papathanassiou
Intérprete: Vangelis
 
Classic
Compositores: Adrian Gurvitz
Intérprete: Adrian Gurvitz
 
You Got the Power
Compositores: Goldstein/ Allen/ Brown/ Jordan/ Oskar/ Rebb/ Scott
Intérprete: War
 
How Long?
Compositores: Paul Carrack
Intérprete: Rod Stewart
 
Megatron Man
Compositores: Patrick Cowley
Intérprete: Patrick Cowley
 
Make it Easy on Yourself
Compositores: David Bacharach
Intérprete: Michael Henderson
 
Tristesse
Compositores: Bianco/ Danielle/ Faye
Intérprete: Danielle

CENSURA

Desde o primeiro capítulo, Sétimo Sentido sofreu diversos cortes impostos pela Censura Federal. Até cenas de beijos entre Luana e Rudy, ou entre ela e Tião Bento, foram proibidas. Na época, Janete Clair reclamou pela imprensa que a arbitrariedade dos cortes deixava a trama “sem pé nem cabeça”. Apesar dos problemas,Sétimo Sentido fez sucesso entre os telespectadores, garantido também pela empatiada dupla Regina Duarte e Francisco Cuoco.

ELENCO:

Elenco de Sétimo Sentido

Adriano Reys – Jean Pierre
Ângela Leal
Armando Bógus – Valério Ribeiro
Beth Goulart – Helenice Ramalho de Mello
Carlos Kroeber – Antônio Rivoredo
Cássia Fourreaux – Ângela
Cláudio Cavalcanti – Danilo Mendes
Clementino Kelé
David Pinheiro – Padre Gustavo
Edney Giovenazzi – Horácio Sampaio
Edwin Luisi – Rubem
Ênio Santos – Tomaz
Eva Todor – Santinha Rivoredo
Fernando Eiras – Henrique Palmeira
Fernando Torres – Harry Bergman
Francisco Cuoco – Tião Bento
Gabriela Bicalho – Cila
Heloísa Helena – Augusta
Irma Alvarez – Vanda
Izabella Bicalho – Cila
Jacqueline Laurence – Célia
Jacira Silva – Pérola Sales
Jonas Bloch – Jaime Borges
Jorge Fernando
Lajar Muzuris – Domingos
Lícia Magna – Olga
Lisa Vieira – Érika Rezende
Maralize – Arminda
Maria Della Costa – Juliana
Maria Santos Quirino – Bia
Mariza Quirino – Bia
Monique Alves – Rosinha
Myrian Pérsia – Mapy Hilder
Myrian Pires – Carolina
Natália do Valle – Sandra Rivoredo
Neuza Caribe – Uiara
Nicette Bruno – Sara Mendes
Nilson Acioly – Kiko
Otávio Augusto – Jorge Palmeira
Patrícia Phebo – Cristina Hilder
Paulo Guarnieri – Tony Rivoredo
Regina Duarte – Luana Camará
Reinaldo Gonzaga – Gílson Pratini
Rosamaria Murtinho
Ruth de Souza – Jerusa
Sebastião Vasconcelos – Elísio Mendes
Sônia Clara – Diana Borges
Tâmara Taxman – Gisa Rezende
Tânia Bôscoli – Alba
Terezinha Sodré
Yolanda Cardoso – Carla Taglianetti